História

A independência do Brasil – Melhor Explicação

A independência do Brasil – Melhor Explicação
3 (60%) 5 votos

Colonização Portuguesa do Brasil

Brasil colonial compreende o período de 1500 com a chegada dos portugueses até 1815, quando o Brasil foi elevado a um reino. Caracterizou-se pelo desenvolvimento da produção de açúcar e ouro, trabalho escravo e conflitos com os franceses e holandeses.

Pontos chave
  • Em 1494, os dois reinos da Península Ibérica (Portugal e Espanha) dividiram o Novo Mundo entre eles no Tratado de Tordesilhas.
  • Em 1500, o navegador Pedro Álvares Cabral desembarcou no que é hoje o Brasil e reivindicou-o em nome do rei D. Manuel I de Portugal.
  • Os portugueses identificaram o pau-brasil como um valioso corante vermelho e um produto explorável e tentaram forçar grupos indígenas no Brasil a cortar as árvores, mas a princípio deram pouca atenção à área.
  • Com o tempo, os portugueses perceberam que alguns países europeus, especialmente a França, também estavam enviando excursões ao Brasil para extrair pau-brasil, e a coroa portuguesa decidiu enviar grandes missões para tomar posse da terra, estabelecendo capitanias hereditárias, que eram em grande parte um fracasso. .
  • A partir do século XVI, a produção de cana-de-açúcar tornou-se a base da economia e da sociedade brasileiras, com o uso de escravos em grandes plantações para produzir açúcar para exportação para a Europa.
  • Durante a maior parte do período colonial, os colonos portugueses enfrentaram conflitos com os franceses e os holandeses pelo controle do território.
  • A descoberta de ouro no início do século 18 deu início a uma corrida do ouro, trazendo muitos novos colonos europeus.

 

Termos chave

  • engenhos : termo português da era colonial para uma usina de cana-de-açúcar e instalações associadas.
  • Tratado de Tordesilhas : Um tratado assinado em 7 de junho de 1494, que dividia as terras recém-descobertas fora da Europa entre Portugal e a Coroa de Castela (Espanha) ao longo de um meridiano de 370 léguas a oeste das ilhas de Cabo Verde, na costa oeste da África. Essa linha de demarcação ficava a meio caminho entre as ilhas de Cabo Verde (já portuguesas) e as ilhas que Cristóvão Colombo inscreveu em sua primeira viagem (reivindicada por Castela e Leão), nomeadas no tratado como Cipangu e Antilia (Cuba e Hispaniola). Criou o Meridiano de Tordesilhas, dividindo o mundo entre esses dois reinos. Toda a terra descoberta ou a ser descoberta a leste daquele meridiano era propriedade de Portugal, e tudo a oeste dela ia para a Espanha.
  • Dutch West India Company : uma empresa fretada de comerciantes holandeses. Em 3 de junho de 1621, foi concedida uma carta para um monopólio comercial nas Índias Ocidentais (que significa o Caribe) pela República dos Sete Países Unidos e deu jurisdição sobre o comércio de escravos do Atlântico, Brasil, Caribe e América do Norte. O objetivo da carta era eliminar a concorrência, particularmente espanhola ou portuguesa, entre os vários postos comerciais estabelecidos pelos comerciantes. A empresa tornou-se fundamental na colonização holandesa das Américas.

Descoberta Europeia e Colonização Antecipada do Brasil

A “descoberta” portuguesa do Brasil foi precedida por uma série de tratados entre os reis de Portugal e Castela, seguindo as viagens portuguesas pela costa da África para a Índia e as viagens para o Caribe do marinheiro genovês navegando para Castela, Cristóvão Colombo. O mais decisivo desses tratados foi o Tratado de Tordesilhas, assinado em 1494, que criou o Meridiano de Tordesilhas, dividindo o mundo entre esses dois reinos. Toda a terra descoberta ou a ser descoberta a leste daquele meridiano era propriedade de Portugal, e tudo a oeste dela ia para a Espanha.

Veja também:

O Meridiano de Tordesilhas dividiu a América do Sul em duas partes, deixando um grande pedaço de terra a ser explorado pelos espanhóis. O Tratado de Tordesilhas foi um dos eventos mais decisivos de toda a história do Brasil, pois só ele determinou que uma parte da América do Sul seria colonizada por Portugal em vez de Espanha. A extensão atual do litoral brasileiro é quase exatamente a definida pelo Tratado de Madri, que foi aprovado em 1750.

Em 22 de abril de 1500, durante o reinado de D. Manuel I, uma frota liderada pelo navegador Pedro Álvares Cabral desembarcou no Brasil e tomou posse da terra em nome do rei. Embora seja debatido se os exploradores portugueses anteriores já haviam estado no Brasil, essa data é ampla e politicamente aceita como o dia da descoberta do Brasil pelos europeus. Álvares Cabral liderava uma grande frota de 13 navios e mais de 1.000 homens seguindo o caminho de Vasco da Gama para a Índia, por toda a África. O lugar onde Álvares Cabral chegou é hoje conhecido como Porto Seguro no nordeste do Brasil.

Após a viagem de Álvares Cabral, os portugueses concentraram seus esforços nas posses lucrativas na África e na Índia e mostraram pouco interesse pelo Brasil. Entre 1500 e 1530, relativamente poucas expedições portuguesas chegaram à nova terra para traçar a costa e obter o pau-brasil, que os portugueses identificaram como mercadoria valiosa na chegada e de onde o Brasil recebe seu nome. Na Europa, essa madeira foi usada para produzir um corante valioso para dar cor aos tecidos de luxo. Para extrair pau-brasil da floresta tropical, os portugueses e outros europeus contavam com o trabalho dos nativos, que inicialmente trabalhavam em troca de mercadorias européias como espelhos, tesouras, facas e machados.

Nesta fase inicial da colonização do Brasil e também depois, os portugueses freqüentemente contavam com a ajuda de europeus que viviam junto com os povos indígenas e conheciam suas línguas e cultura. Os mais famosos deles foram João Ramalho, que morava entre a tribo Guaianaz, perto da atual São Paulo, e Diogo Álvares Correia, apelidado de Caramuru, que vivia entre os índios tupinambás próximos ao atual Salvador da Bahia.

Mapa português de Lopo Homem (c. 1519) mostrando a costa do Brasil e indígenas extraindo pau-brasil, assim como navios portugueses.

Brasil colonial: mapa português de Lopo Homem (c. 1519) mostrando a costa do Brasil e indígenas extraindo pau-brasil, assim como navios portugueses.

Brasil colonial

A relativa falta de interesse de Portugal permitiu que comerciantes, piratas e corsários de vários países roubassem madeira brasileira rentável em terras reivindicadas por Portugal. Com o tempo, os portugueses perceberam que alguns países europeus, especialmente a França, também estavam enviando excursões para a terra para extrair o pau-brasil. Preocupada com as incursões estrangeiras e com a esperança de encontrar riquezas minerais, a coroa portuguesa decidiu enviar grandes missões para tomar posse da terra e combater os franceses.

Em 1530, uma expedição liderada por Martim Afonso de Sousa chegou ao Brasil para patrulhar toda a costa, banir os franceses e criar as primeiras aldeias coloniais como São Vicente, na costa. A coroa portuguesa criou um sistema para efetivamente ocupar o Brasil sem pagar os custos. Através do sistema de capitanias hereditárias, o Brasil foi dividido em faixas de terra que foram doadas a nobres portugueses, que por sua vez eram responsáveis ​​pela ocupação e administração da terra e respondiam ao rei. O sistema foi um fracasso com apenas quatro lotes ocupados com sucesso: Pernambuco, São Vicente (mais tarde chamado de São Paulo), Capitania de Ilhéus e Capitania de Porto Seguro. As capitanias gradualmente reverteram para a Coroa e se tornaram províncias e estados do país.

A partir do século XVI, a cana-de-açúcar cultivada em plantações chamadas engenhos ao longo da costa nordeste tornou-se a base da economia e da sociedade brasileiras, com o uso de escravos em grandes plantações para produzir açúcar para exportação para a Europa. No início, os colonos tentaram escravizar os nativos como mão-de-obra para trabalhar nos campos. A exploração inicial do interior do Brasil deveu-se em grande parte aos aventureiros paramilitares, os bandeirantes, que entrou na selva em busca de ouro e escravos nativos. No entanto, os colonos foram incapazes de escravizar os nativos de forma sustentável, e os proprietários de terras portuguesas logo importaram milhões de escravos da África. As taxas de mortalidade para os escravos nas empresas de açúcar e ouro eram muito altas, e muitas vezes não havia mulheres suficientes ou condições adequadas para reabastecer a população escrava. Ainda assim, os africanos se tornaram uma parte substancial da população brasileira e, muito antes do fim da escravidão, em 1888, eles começaram a se fundir com a população brasileira brasileira através do casamento inter-racial.

Durante os primeiros 150 anos do período colonial, atraídos pelos vastos recursos naturais e terras inexploradas, outras potências européias tentaram estabelecer colônias em várias partes do território brasileiro, desafiando o Tratado de Tordesilhas. Os colonos franceses tentaram se estabelecer no atual Rio de Janeiro de 1555 a 1567 (o chamado episódio da França Antarctique), e na atual São Luís de 1612 a 1614 (a chamada França Équinoxiale). Os jesuítas chegaram cedo e estabeleceram São Paulo, evangelizando os nativos. Esses aliados nativos dos jesuítas ajudaram os portugueses a expulsar os franceses.

A intrusão holandesa sem sucesso no Brasil foi mais duradoura e mais problemática para Portugal. Os corsários holandeses começaram por saquear a costa; saquearam a Bahia em 1604 e até capturaram temporariamente a capital Salvador. De 1630 a 1654, os holandeses se instalaram mais permanentemente no noroeste e controlaram um longo trecho da costa mais acessível à Europa, sem penetrar no interior. Mas os colonos da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais no Brasil estavam em constante estado de sítio. Após vários anos de guerra aberta, os holandeses se retiraram em 1654. Poucas influências culturais e étnicas francesas e holandesas permaneceram dessas tentativas fracassadas.

A descoberta do ouro no início do século XVIII foi recebida com grande entusiasmo por Portugal, que tinha uma economia em desordem após anos de guerras contra a Espanha e a Holanda. A corrida do ouro rapidamente se seguiu, com pessoas de outras partes da colônia e Portugal inundando a região na primeira metade do século XVIII.

As Guerras Napoleônicas na Europa, especialmente a Guerra Peninsular e seus tratados resultantes, reformulariam a estrutura política do Brasil no início do século XIX, de uma colônia de Portugal para o Reino do Brasil.

Exportações do Brasil

Durante os primeiros 300 anos da história colonial brasileira, a exploração econômica do território foi baseada na extração de pau-brasil (século XVI), produção de açúcar (séculos XVI-XVIII) e finalmente na mineração de ouro e diamante (século XVIII).

Pontos chave

  • A colônia portuguesa do Brasil foi centrada em uma série de produções de commodities: primeira extração de pau-brasil, depois produção de açúcar e, finalmente, mineração de ouro e diamantes.
  • Inicialmente, os colonos eram altamente dependentes do trabalho indígena, muitas vezes através de captura e coerção, durante as primeiras fases de assentamento, agricultura de subsistência e produção de pau-brasil.
  • A importação de escravos africanos começou no meio do século XVI, mas a escravização dos povos indígenas continuou até os séculos XVII e XVIII.
  • Durante a era do comércio de escravos do Atlântico, o Brasil importou mais escravos africanos do que qualquer outro país, com uma estimativa de 4,9 milhões de escravos vindos da África para o Brasil de 1501 a 1866.
  • O trabalho escravo era a força motriz por trás do crescimento da economia açucareira no Brasil, e o açúcar era a principal exportação da colônia de 1600 a 1650.
  • Depósitos de ouro e diamantes foram descobertos no Brasil em 1690, o que provocou um aumento na importação de escravos africanos para abastecer este mercado recém-lucrativo.
  • A produção de ouro declinou no final do século XVIII, iniciando um período de relativa estagnação do interior brasileiro.

Termos chave

  • brazilwood : Gênero de plantas com flores pertencentes à família das leguminosas, Fabaceae. Esta planta tem um cerne vermelho-alaranjado denso que leva um alto brilho, e é a principal madeira usada para fazer arcos para instrumentos de cordas. A madeira também produz um corante vermelho chamado brazilin, que oxida a brazilein. Começando nos 16os séculos, esta árvore tornou-se altamente valorizada na Europa e bastante difícil de conseguir.
  • Xica da Silva : Uma brasileira que ficou famosa por se tornar rica e poderosa apesar de ter nascido na escravidão. Sua vida tem sido uma fonte de inspiração para muitos trabalhos em televisão, cinema, teatro e literatura. Ela é popularmente conhecida como a escrava que se tornou uma rainha.
  • Comércio triangular : termo histórico que indica o comércio entre três portos ou regiões, especialmente o tráfico transatlântico de escravos. Isso funcionou a partir do final do século XVI até o início do século XIX, transportando escravos, colheitas e produtos manufaturados entre colônias da África Ocidental, Caribe ou América, e as potências coloniais européias, com colônias do norte da América do Norte britânica, especialmente Nova Inglaterra. sobre o papel da Europa.

Durante os primeiros 300 anos da história colonial brasileira, a exploração econômica do território foi baseada na extração de pau-brasil (século XVI), produção de açúcar (séculos XVI-XVIII) e, finalmente, mineração de ouro e diamante (século XVIII). Os escravos, especialmente os trazidos da África, forneciam a maior parte da força de trabalho da economia de exportação brasileira após um breve período de escravidão indígena. Os ciclos econômicos de alta e baixa foram vinculados a produtos de exportação. A era do açúcar no Brasil, com o desenvolvimento da escravidão de plantations (comerciantes servindo de intermediários entre locais de produção, portos brasileiros e Europa) foi prejudicada pelo crescimento da indústria açucareira no Caribe em ilhas que as potências européias haviam tomado da Espanha. Ouro e diamantes foram descobertos e extraídos no sul do Brasil até o final da era colonial.

Produção de Madeira Brasileira

Depois da chegada européia, a principal exportação da terra foi um tipo de árvore que os comerciantes e colonos chamavam pau-brasil (latim para madeira vermelha como uma brasa) ou pau-brasil de onde o país tinha seu nome. Esta grande árvore ( Caesalpinia echinata ) tem um tronco que produz um corante vermelho valorizado, e foi quase exterminado como resultado da exploração. A partir do século XVI, o pau-brasil tornou-se altamente valorizado na Europa e muito difícil de ser obtido. Uma madeira aparentada da Ásia, a sapapwood, era comercializada em pó e usada como corante vermelho na fabricação de têxteis de luxo, como o veludo, em alta demanda durante a Renascença.

Quando os navegadores portugueses descobriram o atual Brasil em 22 de abril de 1500, viram imediatamente que o pau-brasil era extremamente abundante ao longo da costa e em seu interior ao longo dos rios. Em poucos anos, uma operação frenética e muito lucrativa para derrubar e transportar todos os toros de pau-brasil que eles conseguiram foi estabelecida como um monopólio português concedido pela Coroa. O comércio rico que logo se seguiu estimulou outras nações a tentarem contrabandear o contrabando de pau-brasil para fora do Brasil e corsários para atacar navios portugueses carregados a fim de roubar sua carga. Por exemplo, a tentativa fracassada em 1555 de uma expedição francesa liderada por Nicolas Durand de Villegaignon, vice-almirante da Bretanha e corsário sob o rei,

A Idade do Açúcar (1530–1700)

Desde que as tentativas iniciais de encontrar ouro e prata falharam, os colonos portugueses adotaram uma economia baseada na produção de bens agrícolas para serem exportados para a Europa. O tabaco, o algodão e outras culturas foram produzidos, mas o açúcar tornou-se, de longe, o produto colonial brasileiro mais importante até o início do século XVIII. As primeiras fazendas de cana foram estabelecidas em meados do século XVI e foram a chave para o sucesso das capitanias de São Vicente e Pernambuco, levando as plantações de cana-de-açúcar a se espalhar rapidamente para outras áreas costeiras do Brasil colonial. Inicialmente, os portugueses tentaram utilizar escravos indígenas para o cultivo de açúcar, mas mudaram para o uso do trabalho escravo negro africano.

O período da economia baseada no açúcar (1530 – c. 1700) é conhecido como a era do açúcar no Brasil. O desenvolvimento do complexo de açúcar ocorreu ao longo do tempo com uma variedade de modelos. As dependências da fazenda incluíam uma casa-grande, onde o dono da fazenda morava com a família e a senzala , onde os escravos eram mantidos.

Portugal possuía várias instalações comerciais na África Ocidental, onde escravos eram comprados de comerciantes africanos. Esses escravos foram então enviados por navio para o Brasil, acorrentado e em condições de lotação. A idéia de usar escravos africanos em fazendas coloniais também foi adotada por outras potências coloniais européias em regiões tropicais da América (Espanha em Cuba, França no Haiti, Holanda nas Antilhas Holandesas e Inglaterra na Jamaica).

Os portugueses tentaram restringir severamente o comércio colonial, o que significa que o Brasil só podia exportar e importar mercadorias de Portugal e de outras colônias portuguesas. O Brasil exportou açúcar, tabaco, algodão e produtos nativos e importou de Portugal vinho, azeite, têxteis e bens de luxo – este último importado por Portugal de outros países europeus. A África desempenhou um papel essencial como fornecedor de escravos, e os comerciantes brasileiros de escravos na África freqüentemente trocavam cachaça , um destilado derivado de cana-de-açúcar e conchas para escravos. Isso compreendeu o que hoje é conhecido como o comércio triangular entre a Europa, a África e as Américas durante o período colonial.

Os comerciantes durante a era do açúcar foram cruciais para o desenvolvimento econômico da colônia como o elo entre as áreas de produção de açúcar, as cidades costeiras portuguesas e a Europa. Inicialmente, os comerciantes vinham de muitas nações, incluindo a Alemanha, a Itália e a Bélgica moderna, mas os comerciantes portugueses passaram a dominar o comércio no Brasil.

Embora o açúcar brasileiro tivesse uma reputação de qualidade, o setor enfrentou uma crise nos séculos 17 e 18, quando os holandeses e franceses começaram a produzir açúcar nas Antilhas, localizadas muito mais perto da Europa, causando a queda dos preços do açúcar.

A pintura retrata paisagem rural, com palmeiras, com vista para uma vasta área montanhosa.

A Era do Açúcar: Vista de uma fazenda produtora de açúcar (engenho) em Pernambuco colonial pelo pintor holandês Frans Post (século XVII).

Corrida do ouro

A descoberta do ouro foi recebida com grande entusiasmo por Portugal, que teve uma economia em desordem após anos de guerras contra a Espanha e a Holanda. A corrida do ouro rapidamente se seguiu, com pessoas de outras partes da colônia e Portugal inundando a região na primeira metade do século XVIII. A grande porção do interior do Brasil, onde o ouro foi extraído, ficou conhecida como Minas Gerais (Minas Gerais). A mineração de ouro nesta área tornou-se a principal atividade econômica do Brasil colonial durante o século XVIII. Em Portugal, o ouro era usado principalmente para pagar mercadorias industrializadas (têxteis, armas) obtidas de países como a Inglaterra e especialmente durante o reinado de D. João V, para construir magníficos monumentos barrocos como o Convento de Mafra. Além do ouro, depósitos de diamantes também foram encontrados em 1729 em torno da vila de Tijuco, agora Diamantina. Uma figura famosa na história brasileira dessa época foi Xica da Silva, uma escrava que tinha um relacionamento de longa data em Diamantina com uma autoridade portuguesa; o casal teve 13 filhos e ela morreu uma mulher rica.

Minas Gerais foi o centro de mineração de ouro do Brasil durante o século XVIII. O trabalho escravo era geralmente usado para a força de trabalho. A descoberta de ouro na área causou um enorme influxo de imigrantes europeus e o governo decidiu trazer burocratas de Portugal para controlar as operações. Eles montaram numerosas burocracias, muitas vezes com deveres e jurisdições conflitantes. Os funcionários geralmente mostraram-se desiguais com a tarefa de controlar essa indústria altamente lucrativa. Em 1830, a Companhia de Mineração Saint John d’El Rey, controlada pelos ingleses, abriu a maior mina de ouro da América Latina. Os britânicos trouxeram modernas técnicas de gestão e especialização em engenharia. Localizada em Nova Lima, a mina produziu minério por 125 anos.

A produção de ouro declinou no final do século XVIII, iniciando um período de relativa estagnação do interior brasileiro.

A obra mostra vários escravos em um vale rochoso usando picaretas e carregando pilhas de pedra. Um homem branco supervisiona a operação.

Diamond Mining: Escravos de minas para diamantes em Minas Gerais (ca. 1770s). Depósitos de ouro e diamantes foram descobertos no Brasil em 1690, o que provocou um aumento na importação de escravos africanos para abastecer este mercado recém-lucrativo.

Movimento Constitucionalista em Portugal

Em 1820, 13 anos depois de o rei Português ter fugido para o Brasil durante as Guerras Napoleónicas, a Revolução Constitucionalista irrompeu na cidade do Porto e espalhou-se rápida e pacificamente para o resto do país, resultando no regresso da coroa portuguesa à Europa e à Europa. declaração da independência do Brasil de Portugal em 1822.

Pontos chave

  • Em 1807, na época da primeira invasão de Portugal pelas forças de Napoleão, o rei de Portugal, João VI, fugiu para o Brasil.
  • Quando as forças francesas foram finalmente derrotadas na Europa em 1815, o rei João decidiu continuar governando do Brasil, fundando o Reino Unido de Portugal, o Brasil e os Algarves, deixando uma forte presença britânica em Portugal.
  • Muitas pessoas se ressentiram da influência britânica e começaram um movimento para restabelecer a monarquia em Portugal, especificamente uma monarquia constitucional liberal.
  • Em 1820, os constitucionalistas se levantaram em revolução, criaram uma constituição e forçaram o retorno do rei português.
  • O rei João retornou a Portugal em abril de 1821, deixando para trás seu filho e herdeiro, o príncipe Dom Pedro, para governar o Brasil como seu regente.
  • Em 7 de setembro de 1822, o príncipe Dom Pedro declarou a independência do Brasil de Portugal, fundando o Império do Brasil, o que levou a uma guerra de independência de dois anos.
  • O reconhecimento formal veio com um tratado assinado por Brasil e Portugal no final de 1825.

Termos chave

  • Revolução Constitucionalista : Uma revolução política portuguesa que eclodiu em 1820. Começou com uma insurreição militar na cidade do Porto, no norte de Portugal, que se espalhou rápida e pacificamente para o resto do país. A Revolução resultou na volta em 1821 da corte portuguesa a Portugal do Brasil, para onde havia fugido durante a Guerra Peninsular, e iniciou um período constitucional em que a Constituição de 1822 foi ratificada e implementada.
  • Reino Unido de Portugal, Brasil e os Algarves : Uma monarquia formada pela elevação da colônia portuguesa do Brasil ao status de um reino e pela união simultânea daquele Reino do Brasil com o Reino de Portugal e o Reino dos Algarves , constituindo um único estado composto por três reinos. Foi formado em 1815 após a transferência da Corte Portuguesa para o Brasil durante as invasões napoleônicas de Portugal e continuou a existir por cerca de um ano após o retorno da Corte à Europa. Foi de fato dissolvido em 1822, quando o Brasil proclamou sua independência.
  • Guerra da independência brasileira : uma guerra travada entre o recém-independente Império do Brasil e o Reino Unido de Portugal, Brasil e os Algarves que acabaram de passar pela Revolução Liberal de 1820. Ela durou de fevereiro de 1822, quando ocorreram as primeiras escaramuças, até março. 1824, quando a última guarnição portuguesa de Montevidéu se rendeu ao Comandante Sinian Kersey.

Guerras Napoleônicas e Revolução Constitucionalista

De 1807 a 1811, as forças francesas napoleônicas invadiram Portugal três vezes. Durante a invasão de Portugal (1807), a família real portuguesa fugiu para o Brasil, estabelecendo o Rio de Janeiro como a capital de facto de Portugal. Do Brasil, o rei português João VI governou seu império transatlântico por 13 anos.

A mudança da capital para o Rio de Janeiro acentuou as crises econômicas, institucionais e sociais em Portugal continental, administradas por interesses comerciais e militares ingleses sob o governo de William Beresford, na ausência do monarca. A influência dos ideais liberais foi fortalecida pelas conseqüências da guerra, o impacto contínuo das revoluções americana e francesa, o descontentamento com o governo absolutista e a indiferença geral demonstrada pela regência portuguesa pelo sofrimento de seu povo.

Isso também teve o efeito colateral de criar no Brasil muitas das instituições necessárias para existir como um estado independente; mais importante, libertou o país para negociar com outras nações à vontade. Depois que o exército de Napoleão foi finalmente derrotado em 1815, para manter a capital no Brasil e acalmar os temores brasileiros de retornar ao status colonial, o rei D. João VI de Portugal elevou o status de jure do Brasil a uma parte igual e integrante de um Reino Unido de Portugal. , O Brasil e os Algarves, ao invés de uma mera colônia. Ele gostava desse status pelos próximos sete anos.

Após a derrota das forças francesas, Portugal passou por um longo período de turbulência política em que muitos procuraram um maior autogoverno para o povo português. Eventualmente, essa agitação pôs fim à longa estada do rei no Brasil, quando seu retorno a Portugal foi exigido pelos revolucionários.

Embora os portugueses participassem da derrota dos franceses, o país se viu virtualmente como um protetorado britânico. Os oficiais do exército português ressentiram-se do controle britânico das forças armadas portuguesas. Após a derrota definitiva de Napoleão em 1815, um Conselho Supremo Regenerativo clandestino de Portugal e do Algarve foi formado em Lisboa por oficiais do exército e maçons, chefiados pelo General Gomes Freire de Andrade – Grão-Mestre do Grande Oriente Lusitano e ex-general sob Napoleão até sua derrota em 1814 – com o objetivo de acabar com o controle britânico do país e promover a “salvação e independência”.

Em 1820, a Revolução Constitucionalista irrompeu em Portugal. O movimento iniciado pelos constitucionalistas liberais resultou no encontro das Cortes(ou Assembléia Constituinte) que criaria a primeira constituição do reino. As Cortes exigiram a volta de D. João VI, que vivia no Brasil desde 1808. A revolução começou com uma insurreição militar na cidade do Porto, no norte de Portugal, que se espalhou rápida e pacificamente para o resto do país. A Revolução resultou na volta em 1821 da corte portuguesa a Portugal do Brasil, para onde havia fugido durante a Guerra Peninsular, e iniciou um período constitucional em que a Constituição de 1822 foi ratificada e implementada. Os revolucionários também buscaram restaurar a exclusividade portuguesa no comércio com o Brasil, revertendo o Brasil ao status de colônia. Foi oficialmente reduzido a um “Principado do Brasil”, em vez do Reino do Brasil, que tinha sido nos últimos cinco anos.

A pintura retrata uma sala ricamente decorada, cheia de homens discutindo uns com os outros.

Os Constitucionalistas: As Cortes Gerais e Extraordinárias da Nação Portuguesa que escreveram e aprovaram a primeira Constituição. Essa assembléia constitucional era composta de funcionários diplomáticos, comerciantes, burgueses agrários e representantes de universidades que geralmente eram advogados.

Independência do Brasil

O rei João retornou a Portugal em abril de 1821, deixando para trás seu filho e herdeiro, o príncipe Dom Pedro, para governar o Brasil como seu regente. O governo português moveu-se imediatamente para revogar a autonomia política que o Brasil concedeu desde 1808. A ameaça de perder seu controle limitado sobre os assuntos locais provocou uma oposição generalizada entre os brasileiros. José Bonifácio de Andrada, juntamente com outros líderes brasileiros, convenceu Pedro a declarar a independência do Brasil de Portugal em 7 de setembro de 1822. Em 12 de outubro, o príncipe foi aclamado Pedro I, primeiro imperador do recém-criado Império do Brasil, monarquia constitucional. A declaração de independência foi combatida em todo o Brasil por unidades militares armadas leais a Portugal. A guerra de independência brasileira que se seguiu foi travada em todo o país, com batalhas no norte, nordeste, e regiões do sul. A guerra durou de fevereiro de 1822, quando ocorreram as primeiras escaramuças, até março de 1824, quando a última guarnição portuguesa de Montevidéu se rendeu ao Comandante Sinian Kersey. Foi combatido em terra e mar e envolveu forças regulares e milícias civis. A independência foi reconhecida por Portugal em agosto de 1825.

Brasil Império

O Brasil Império, fundado em 1822, quando o príncipe regente de Portugal, Pedro I, declarou sua independência de Portugal, era uma monarquia constitucional relativamente estável e democrática que assistiu a várias guerras e à abolição da escravatura em 1888.

Pontos chave

  • O Brasil era um dos três únicos Estados modernos nas Américas que possuíam sua própria monarquia indígena (os outros dois eram o México e o Haiti) por um período de quase 90 anos.
  • Em 1808, a corte portuguesa, fugindo da invasão de Portugal por Napoleão durante a Guerra Peninsular, transferiu o aparato governamental para sua então colônia, o Brasil, estabelecendo-se na cidade do Rio de Janeiro, de onde o rei português governou seu imenso império por 15 anos. anos.
  • Quando o rei deixou o Brasil para retornar a Portugal em 1821, seu filho mais velho, Pedro I, permaneceu em seu lugar como regente do Brasil.
  • Um ano depois, Pedro declarou as razões da secessão do Brasil em Portugal e liderou a Guerra da Independência. Ele instituiu uma monarquia constitucional no Brasil, assumindo a cabeça como imperador Pedro I.
  • Também conhecido como “Dom Pedro I” após sua abdicação em 1831 por incompatibilidades políticas (não tanto pelas elites latinas que o achavam liberais demais e pelos intelectuais que sentiam que ele não era liberal o suficiente), ele partiu para Portugal, deixando para trás seus cinco. filho de um ano como imperador Pedro II. Isso deixou o país governado por regentes entre 1831 e 1840.
  • Este período foi assolado por rebeliões de várias motivações e instabilidade política.
  • Após este período, Pedro II foi declarado maior de idade e assumiu todas as suas prerrogativas, levando o Brasil a um período de paz e estabilidade.
  • Embora não houvesse desejo de mudança na forma de governo entre a maioria dos brasileiros, o imperador foi derrubado em um golpe de estado repentino que quase não tinha apoio fora de um grupo de líderes militares que desejavam uma república encabeçada por um ditador.
  • O reinado de Pedro II e do Império do Brasil chegou a um fim incomum – ele foi derrubado enquanto altamente considerado pelo povo e no auge de sua popularidade. Algumas de suas realizações logo foram levadas a nada, à medida que o Brasil entrava em um longo período de governos fracos, ditaduras e crises constitucionais e econômicas.

Termos chave

  • Primeira República Brasileira : O período da história brasileira de 1889 a 1930. Terminou com um golpe militar, também conhecido como a Revolução Brasileira de 1930, que instalou Getúlio Vargas como um ditador.
  • Pedro I : Apelidado de “libertador”, ele foi o fundador e primeiro governante do Império do Brasil. Ele reinou brevemente sobre Portugal.
  • parlamento bicameral : Uma legislatura na qual os legisladores são divididos em duas assembléias, câmaras ou casas separadas. Frequentemente, os membros das duas câmaras são eleitos ou selecionados usando diferentes métodos que variam de país para país.
  • Pedro II : O segundo e último governante do Império do Brasil, reinando há mais de 58 anos. Herdando um império à beira da desintegração, ele transformou o Brasil de língua portuguesa em uma potência emergente na arena internacional. A nação cresceu distinta de seus vizinhos hispânicos por conta de sua estabilidade política, liberdade de expressão zelosamente guardada, respeito pelos direitos civis, crescimento econômico vibrante e especialmente seu governo: uma monarquia parlamentar funcional e representativa.

Primeiros anos

O Império do Brasil era um estado do século XIX que compreendia amplamente os territórios do Brasil moderno e do Uruguai. Seu governo era uma monarquia constitucional parlamentar representativa sob o domínio dos Imperadores Dom Pedro I e seu filho Dom Pedro II. Uma colônia do Reino de Portugal, o Brasil tornou-se a sede do Império Colonial Português em 1808, quando o príncipe regente Português, mais tarde Rei Dom João VI, fugiu da invasão de Napoleão em Portugal e estabeleceu-se e seu governo na cidade brasileira de Rio de Janeiro João VI retornou depois a Portugal, deixando seu filho mais velho e herdeiro, Pedro, para governar o reino do Brasil como regente. Em 7 de setembro de 1822, Pedro declarou a independência do Brasil e depois de travar uma guerra bem sucedida contra o reino de seu pai, foi aclamado em 12 de outubro como Pedro I, o primeiro imperador do Brasil.

Ao contrário da maioria das repúblicas hispano-americanas vizinhas, o Brasil tinha estabilidade política, crescimento econômico vibrante, garantia constitucional de liberdade de expressão e respeito pelos direitos civis de seus súditos, embora com restrições legais a mulheres e escravos, estes considerados propriedade e não cidadãos. . O parlamento bicameral do império foi eleito sob métodos comparativamente democráticos para a época, assim como as legislaturas provinciais e locais. Isso levou a um longo conflito ideológico entre Pedro I e uma considerável facção parlamentar sobre o papel do monarca no governo.

Ele também enfrentou outros obstáculos. A fracassada Guerra Cisplatina contra as vizinhas Províncias Unidas do Rio da Prata, em 1828, levou à secessão da província de Cisplatina (mais tarde Uruguai). Em 1826, apesar de seu papel na independência brasileira, Pedro I tornou-se o rei de Portugal; Ele imediatamente abdicou do trono Português em favor de sua filha mais velha. Dois anos depois, ela foi usurpada pelo irmão mais novo de Pedro I, Miguel. Incapaz de lidar com os assuntos brasileiros e portugueses, Pedro I abdicou do trono brasileiro em 7 de abril de 1831 e partiu imediatamente para a Europa para restaurar sua filha ao trono português.

Pedro II

O sucessor de Pedro I no Brasil foi seu filho de cinco anos, Pedro II. Como este último ainda era menor, uma regência fraca foi criada. O vácuo de poder resultante da ausência de um monarca dominante levou a guerras civis regionais entre facções locais. Tendo herdado um império à beira da desintegração, Pedro II, quando foi declarado maior de idade, conseguiu trazer paz e estabilidade ao país, o que acabou se tornando uma potência internacional emergente.

O Brasil foi vitorioso em três conflitos internacionais (a Guerra de Platine, a Guerra do Uruguai e a Guerra do Paraguai) sob o governo de Pedro II, e o Império prevaleceu em várias outras disputas internacionais e surtos de conflitos domésticos. Com a prosperidade e o desenvolvimento econômico, houve um fluxo de imigração européia, incluindo protestantes e judeus, embora o Brasil permanecesse majoritariamente católico. A escravidão, inicialmente difundida, foi restringida por legislações sucessivas até sua abolição final em 1888. As artes visuais brasileiras, a literatura e o teatro se desenvolveram durante esse período de progresso. Embora fortemente influenciados por estilos europeus que variavam do neoclassicismo ao romantismo, cada conceito foi adaptado para criar uma cultura que era exclusivamente brasileira.

Fim do Império

Embora as últimas quatro décadas do reinado de Pedro II tenham sido marcadas pela contínua paz interna e prosperidade econômica, ele não desejava ver a monarquia sobreviver além de sua existência e não fez nenhum esforço para manter o apoio à instituição. O próximo na fila para o trono era sua filha Isabel, mas nem Pedro II nem as classes dominantes consideravam aceitável uma monarca feminina. Na falta de qualquer herdeiro viável, os líderes políticos do Império não viam razão para defender a monarquia.

Embora não houvesse desejo de mudança na forma de governo entre a maioria dos brasileiros, após um reinado de 58 anos, em 15 de novembro de 1889, o imperador foi derrubado em um golpe de estado repentino liderado por um grupo de líderes militares cujo objetivo foi a formação de uma república encabeçada por um ditador, formando a Primeira República Brasileira. Pedro II se cansara do imperador e se desesperara com as perspectivas futuras da monarquia, apesar de seu avassalador apoio popular. Ele não permitiu a prevenção de sua expulsão e não apoiou nenhuma tentativa de restaurar a monarquia. Ele passou os últimos dois anos de sua vida no exílio na Europa, vivendo sozinho com muito pouco dinheiro.

O reinado de Pedro II teve assim um fim incomum – ele foi derrubado enquanto altamente considerado pelo povo e no ápice de sua popularidade, e algumas de suas realizações logo foram reduzidas quando o Brasil caiu em um longo período de governos fracos, ditaduras e crises constitucionais e econômicas. Os homens que o exilaram logo começaram a enxergar nele um modelo para a república brasileira.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close