História

A OTAN e o Pacto de Varsóvia

Grã-Bretanha, França, Estados Unidos, Canadá e outros oito países da Europa Ocidental estabeleceram a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) em 1949. Em 1955, a União Soviética respondeu criando o Pacto de Varsóvia.

Pontos chave
  • O Tratado de Bruxelas foi assinado em 17 de março de 1948 entre Bélgica, França, Luxemburgo, Holanda e Reino Unido, como uma expansão do compromisso de defesa do ano anterior, o Tratado de Dunquerque assinado entre a Grã-Bretanha e a França; é considerado um precursor da OTAN.
  • O Tratado do Atlântico Norte foi assinado em Washington, DC em 4 de abril de 1949, estabelecendo assim a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), um tratado de defesa mútua entre 12 nações.
  • A OTAN foi pouco mais que uma associação política até que a Guerra da Coreia (1950-1953) galvanizou os estados membros da organização.
  • Em 1954, a União Soviética sugeriu que se juntasse à OTAN para preservar a paz na Europa, mas os países da OTAN, temerosos de que o motivo da União Soviética fosse enfraquecer a aliança, acabaram rejeitando essa proposta.
  • O Pacto de Varsóvia foi criado em reação à integração da Alemanha Ocidental na OTAN em 1955 e representou um contrapeso soviético à OTAN, composto pela União Soviética e outros sete estados satélites soviéticos na Europa Central e Oriental.
  • Por 36 anos, a OTAN e o Pacto de Varsóvia nunca travaram uma guerra direta entre si na Europa; os Estados Unidos e a União Soviética e seus respectivos aliados implementaram políticas estratégicas voltadas para a contenção mútua na Europa, enquanto trabalhavam e lutavam por influência dentro da Guerra Fria no cenário internacional.

Termos chave

  • Tratado de Bruxelas : Um tratado assinado em 17 de março de 1948, entre Bélgica, França, Luxemburgo, Holanda e Reino Unido, como uma expansão do compromisso de defesa do ano anterior, o Tratado de Dunquerque assinado entre a Grã-Bretanha e a França; um tratado de defesa mútua.
  • 1948 Golpe de Estado da Checoslováquia : Um evento em fevereiro de 1948 em que o Partido Comunista da Checoslováquia, com apoio soviético, assumiu o controle indiscutível sobre o governo da Tchecoslováquia, marcando o início de quatro décadas de ditadura comunista no país.
  • Tratado do Atlântico Norte : Um tratado de defesa mútua assinado em Washington em 4 de abril de 1949, que estabeleceu a OTAN.

OTAN

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) é uma aliança militar intergovernamental baseada no Tratado do Atlântico Norte, assinado em 4 de abril de 1949. A organização constitui um sistema de defesa coletiva pelo qual seus estados membros concordam em defesa mútua em resposta a um ataque de qualquer organização externa. festa.

A OTAN era pouco mais do que uma associação política até que a Guerra da Coréia galvanizou os estados membros da organização e uma estrutura militar integrada foi construída sob a direção de dois comandantes supremos dos EUA. O curso da Guerra Fria levou a uma rivalidade com as nações do Pacto de Varsóvia, que se formou em 1955.

Dúvidas sobre a força da relação entre os estados europeus e os Estados Unidos diminuíram, juntamente com dúvidas sobre a credibilidade da OTAN. defesa contra uma possível invasão soviética – dúvidas que levaram ao desenvolvimento da dissuasão nuclear francesa independente e à retirada da França da estrutura militar da OTAN em 1966 por 30 anos.

O Tratado de Bruxelas, assinado em 17 de março de 1948 pela Bélgica, Holanda, Luxemburgo, França e Reino Unido, é considerado o precursor do acordo da Otan.

O tratado e o bloqueio soviético em Berlim levaram à criação da Organização de Defesa da União da Europa Ocidental em setembro de 1948. No entanto, a participação dos Estados Unidos foi considerada necessária tanto para combater o poder militar da URSS quanto para impedir o ressurgimento do militarismo nacionalista.

Além disso, o golpe de Estado da Checoslováquia de 1948 pelos comunistas derrubou um governo democrático e o chanceler britânico, Ernest Bevin, reiterou que a melhor maneira de impedir outra Tchecoslováquia era desenvolver uma estratégia militar conjunta do Ocidente.

Em 1948, os líderes europeus reuniram-se com oficiais de defesa, militares e diplomáticos dos EUA no Pentágono, sob as ordens do Secretário de Estado dos EUA, George C. Marshall, explorando uma estrutura para uma associação nova e sem precedentes.

As negociações para uma nova aliança militar resultaram no Tratado do Atlântico Norte, assinado em Washington, DC em 4 de abril de 1949. Incluía os cinco Estados do Tratado de Bruxelas mais os Estados Unidos, Canadá, Portugal, Itália, Noruega, Dinamarca e Islândia.

O primeiro secretário-geral da OTAN, Lord Ismay, declarou em 1949 que o objetivo da organização era “manter os russos de fora, os americanos e os alemães”.

Os membros concordaram que um ataque armado contra qualquer um deles na Europa ou na América do Norte seria considerado um ataque contra todos eles.

Conseqüentemente, eles concordaram que se um ataque armado ocorresse, cada um deles, em exercício do direito de autodefesa individual ou coletiva, ajudaria o membro a ser atacado, tomando as medidas que considerasse necessárias, incluindo o uso da força armada, para restaurar e manter a segurança da área do Atlântico Norte.

O tratado não exige que os membros respondam com ação militar contra um agressor. Embora obrigados a responder, eles mantêm a liberdade de escolher o método pelo qual o fazem.

A eclosão da Guerra da Coréia, em junho de 1950, foi crucial para a Otan, pois levantou a aparente ameaça de todos os países comunistas trabalharem juntos e forçou a aliança a desenvolver planos militares concretos.

Sede Suprema das Forças Aliadas da Europa (SHAPE) foi formada para dirigir forças na Europa e começou a trabalhar sob o comando do Comando Supremo Aliado Dwight D. Eisenhower em janeiro de 1951.

Em setembro de 1950, o Comitê Militar da OTAN pediu um aumento ambicioso das forças convencionais para atender os soviéticos. reafirmando posteriormente esta posição na reunião de Fevereiro de 1952 do Conselho do Atlântico Norte em Lisboa.

Em 1954, a União Soviética sugeriu que se juntasse à OTAN para preservar a paz na Europa. Os países da OTAN, temendo que o motivo da União Soviética fosse enfraquecer a aliança, acabaram rejeitando essa proposta.

A incorporação da Alemanha Ocidental à organização em 9 de maio de 1955 foi descrita como “um ponto de virada decisivo na história do nosso continente” por Halvard Lange, ministro da Relações Exteriores da Noruega na época.

Uma das principais razões para a entrada da Alemanha na aliança era que sem a mão de obra alemã, teria sido impossível colocar forças convencionais suficientes para resistir a uma invasão soviética.

Um de seus resultados imediatos foi a criação do Pacto de Varsóvia, assinado em 14 de maio de 1955 pela União Soviética, Hungria, Tchecoslováquia, Polônia, Bulgária, Romênia, Albânia e Alemanha Oriental como uma resposta formal a este evento, delineando assim a dois lados opostos da Guerra Fria.

Foto do presidente dos EUA, Harry S. Truman, assinando o Tratado do Atlântico Norte sentado na mesa do Salão Oval com onze homens de pé atrás dele.

Tratado do Atlântico Norte: O Tratado do Atlântico Norte foi assinado em Washington, DC, em 4 de abril de 1949 e foi ratificado pelos Estados Unidos em agosto.

O Pacto de Varsóvia

O Pacto de Varsóvia, formalmente o Tratado de Amizade, Cooperação e Assistência Mútua, foi um tratado de defesa coletiva entre a União Soviética e sete outros Estados satélites soviéticos na Europa Central e Oriental durante a Guerra Fria.

O Pacto de Varsóvia foi o complemento militar do Conselho de Assistência Econômica Mútua (CoMEcon), a organização econômica regional para os estados comunistas da Europa Central e Oriental.

O Pacto de Varsóvia foi criado em reação à integração da Alemanha Ocidental na OTAN em 1955, pelos Pactos de Paris de 1954, mas também é considerado motivado pelos desejos soviéticos de manter o controle sobre as forças militares na Europa Central e Oriental.

Os soviéticos queriam manter sua parte na Europa e não deixar que os americanos tirassem isso deles. Ideologicamente, a União Soviética arrogou o direito de definir o socialismo e o comunismo e de agir como o líder do movimento socialista global.

Um corolário dessa idéia era a necessidade de intervenção se um país aparentava estar violando as idéias centrais do socialismo e as funções do Partido Comunista, que foi explicitamente declarado na Doutrina Brejnev. Os princípios geoestratégicos também levaram a União Soviética a impedir a invasão de seu território por potências da Europa Ocidental.

Os oito países membros do Pacto de Varsóvia prometeram a defesa mútua de qualquer membro que fosse atacado.

As relações entre os signatários do tratado foram baseadas na não intervenção mútua nos assuntos internos dos países membros, no respeito pela soberania nacional e na independência política. No entanto, quase todos os governos desses estados membros eram indiretamente controlados pela União Soviética.

Enquanto o Pacto de Varsóvia foi estabelecido como um equilíbrio de poder ou contrapeso para a OTAN, não houve confronto direto entre eles.

Em vez disso, o conflito foi travado em uma base ideológica. Tanto a OTAN como o Pacto de Varsóvia levaram à expansão das forças militares e sua integração nos respectivos blocos. Seu maior envolvimento militar foi a invasão da Tchecoslováquia pelo Pacto de Varsóvia (com a participação de todas as nações do Pacto, exceto a Romênia).

Leitura Sugerida

Referências

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar