História

A Revolução Russa de 1917- História, causas da revolução, resumo

Revolução Russa de 1917 foi um dos eventos seminais do início do século XX. Em face da oposição crescente e derrotas desastrosas na Primeira Guerra Mundial , Tsar Nicholas II abdicou do poder e foi substituído pelo Governo Provisório. Não conseguiu se desvincular com sucesso da guerra ou resolver o caos econômico que resultou do colapso do antigo regime. Por causa dessas falhas, o Governo Provisório foi igualmente incapaz de transitar rapidamente para uma democracia em funcionamento. Em face da tarefa aparentemente impossível, os bolcheviques conseguiram assumir o controle do governo provisório e consolidar o poder em um golpe de estado. Que os bolcheviques conseguiram isso mesmo diante de uma guerra civil de frente múltipla, apenas fortaleceu sua compreensão do poder em andamento.

A Revolução Russa tornou-se a primeira em uma série de revoluções comunistas que controlavam mais de um terço do globo no final do século XX. A nação que nasceu em um golpe de estado terminou irônicamente após um fracassado golpe de estado contra o líder da reforma, Mikhail Gorbachev, em 1991.

A Revolução pode ser vista em duas fases distintas:

  • O primeiro foi o da Revolução de fevereiro de 1917, que deslocou a autocracia do zar Nicolás II da Rússia , o último tsar da Rússia, e procurou estabelecer em seu lugar uma república liberal .
  • A segunda fase foi a Revolução de Outubro , em que o partido bolchevique , liderado por Vladimir Lênin , instigou um golpe para derrubar o Governo Provisório, apresentando a conquista como uma revolução em nome dos sovietes dos trabalhadores. Embora muitos eventos históricos notáveis ​​tenham ocorrido em Moscou e São Petersburgo, houve também um movimento amplo nas áreas rurais, à medida que os camponeses apreendiam e redistribuíam a terra.

O que vai ver por aqui

  • Causas da Revolução Russa
    • 1.1 Retorno
    • 1.2 Colapso da autocracia
    • 1.3 Primeira Guerra Mundial
    • 1.4 Caos e desmoralização
  • Revolução de 2 de fevereiro
  • dias de julho
  • Revolução de 4 de outubro
  • Breve cronologia que leva à Revolução de 1917
    • 5.1 Cronologia expandida da Revolução de 1917
  • Bibliografia
    • 6.1 Contas dos participantes
  • No cinema
    • 7.1 Referências
  • Ligações externas
  • créditos

Causas da Revolução Russa

Muitos fatores desempenharam papéis fundamentais no colapso do regime imperial e as revoluções de fevereiro e outubro. Entre eles estavam o atraso do país, o enfraquecimento da autocracia, a busca de maior autonomia por parte dos grupos não-russos, o trabalho das organizações revolucionárias e a desmoralização por perdas de guerra. Há também muitos que vêem a história como refletindo uma providência fundamentada em elementos e princípios espirituais. Alguns historiadores integram influências espirituais e religiosas com desenvolvimentos econômicos e políticos quando contabilizam essas revoluções. É notável que a violência resulte frequentemente de falhas espirituais e religiosas. Os fatores podem incluir a arrogância do poder e o desespero mal direcionado dos oprimidos.

Atraso

Na virada do século XX, os sistemas políticos, econômicos e sociais da Rússia ficaram muito atrás dos da Europa Ocidental. A economia agrícola russa ainda se assemelhava à da Europa medieval, com os camponeses ligados a uma comuna de aldeia ineficientemente gerenciada, usando métodos de cultivo desatualizados. Enquanto os servos da Rússia foram emancipados nas reformas de 1861, seu modo de vida permaneceu substancialmente inalterado. A comuna camponesa substituiu o antigo dono da propriedade, mas os métodos de agricultura permaneceram os mesmos que tinham ocorrido desde a Rússia pré-imperial. Sofrendo de um clima naturalmente frio, a temporada de crescimento da Rússia foi de apenas quatro a seis meses, em comparação com oito a nove na Europa Ocidental, e a economia agrária rural lutou para produzir alimentos suficientes para alimentar as cidades a cada ano.

A Rússia sofreu lentamente a industrialização que marcou o desenvolvimento da sociedade ocidental, atrasando quase meio século atrás do Ocidente. Foi forçado a ocupar o lugar da necessidade de “recuperar o atraso”. Apesar de vastas expansões sob Sergei Witte para o sistema ferroviário, a infra-estrutura da Rússia ainda era insuficiente para apoiar o desenvolvimento industrial. Ainda faltava a capacidade de transportar alimentos efetivamente para as cidades.

A rápida industrialização da Rússia resultou em superlotação urbana e condições precárias para trabalhadores industriais urbanos. Entre 1890 e 1910, a população da capital de São Petersburgo quase dobrou, crescendo de 1.033.600 para 1.905.600, com Moscouexperimentando crescimento similar. Em uma pesquisa de 1904, descobriu-se que uma média de 16 pessoas compartilhava cada apartamento em São Petersburgo, com seis pessoas por quarto.

Colapso da autocracia

Revolução Russa de 1917

Nicolau II ,
Tsar da Rússia

A casa de Romanov governou a Rússia durante quase dois séculos, mas Nicholas II não era um líder particularmente efetivo. O vínculo que se pensava existir entre o “pequeno pai” como o czarera conhecido, e seu povo começou a se esforçar durante a Revolução Russa de 1905.

A insatisfação com a autocracia russa atingiu um crescendo no massacre do domingo sangrento, em que os trabalhadores russos viram seus pedidos de justiça rejeitados quando os manifestantes foram atirados pelas tropas do czar. A resposta ao massacre afligiu a nação com greves. Nicholas lançou seu Manifesto de outubro, prometendo um parlamento democrático (a Duma do Estado) para apaziguar as pessoas. No entanto, o Tsar efetivamente anulou suas promessas de democracia com as Leis Estaduais Fundamentais de 1906, e posteriormente rejeitou os dois primeiros Dumas quando eles não foram cooperativos. Essas incontestáveis ​​esperanças de democracia alimentaram a violência revolucionária visando o regime czarista.

A Rússia imperial sempre foi um estado multi-étnico. O estado sempre foi um sistema administrativo imposto acima. A verdadeira unidade política era principalmente a comuna da vila. Dentro dos grandes povos russos, a Igreja Ortodoxa Russa e o sistema familiar patriarcal ajudaram a sustentar a autocracia, mas isso sempre chateou outros grupos étnicos e religiosos dentro da nação. Não havia unidade orgânica. Quando os sistemas econômicos e sociais começaram a colapsar sob a tensão da guerra, essas diferenças foram exacerbadas.

Primeira Guerra Mundial

Antes do início da Primeira Guerra Mundial , a Rússia já havia sofrido uma série de falhas militares. A guerra com o Japão em 1904-1905 foi um grande fracasso. Após o início da Primeira Guerra Mundial, o exército russo teve alguns sucessos iniciais contra a Áustria-Hungria em 1914, mas as deficiências da Rússia – particularmente no que se refere ao equipamento de seus soldados e à sofisticação de suas armas – tornaram-se cada vez mais evidentes.

Em 1915, as coisas deram uma virada crítica para o pior quando Nicholas decidiu assumir o comando direto do exército, supervisionando pessoalmente a principal guerra de guerra da Rússia e deixando sua esposa incapaz Alexandra a cargo do governo. No final de outubro de 1916, a Rússia havia perdido entre 1,6 e 1,8 milhões de soldados, com mais dois milhões de prisioneiros de guerra e um milhão de desaparecidos, o que prejudicou gravemente a moral do exército. Mutuários começaram a ocorrer e, em 1916, os relatos de fraternização com o inimigo começaram a circular. Os soldados ficaram famintos e faltavam sapatos, munições e até armas. O descontentamento desenfreado abaixou o moral, apenas para ser mais comprometido por uma série de derrotas militares.

A tentativa de Nicholas de aumentar a moral ao assumir o comando de forma paralela; Ele foi culpado pelas falhas, e o pouco apoio que ele tinha deixado começou a desmoronar. Combinar esse descontentamento foi o estranho episódio de Rasputin, cuja influência sobre a Tsarina Alexandra cresceu enquanto Nicholas estava ausente na frente. À medida que esse descontentamento se transformou em ódio absoluto a Nicholas, a Duma do Estado emitiu um aviso a Nicholas em novembro de 1916, afirmando que o desastre superaria o país a menos que uma forma constitucional de governo fosse implementada. De maneira típica, Nicholas os ignorou. Como resultado, o regime tsarista russo entrou em colapso alguns meses depois durante a Revolução de fevereiro de 1917. Um ano depois, o czar e sua família foram executados. Em última análise, a manipulação inepta de Nicholas no seu país e a guerra destruíram o regime czarista e custaram-lhe o seu governo e a vida dele.

Caos e desmoralização

Primeira Guerra Mundialapenas adicionado ao caos. A produção e a entrega de alimentos, já prejudicada pela falta de infra-estrutura moderna ou transporte da Rússia, se tornaram um grande problema durante a Primeira Guerra Mundial, uma vez que o recrutamento aleatório removeu trabalhadores qualificados das ferrovias e indústrias relacionadas com alimentos, agravando efetivamente as colheitas pobres e causando fome. A conscrição varreu a vontade em todas as partes da Rússia. A grande demanda por produção de fábrica de estoques de guerra e trabalhadores causou muitos mais tumultos e greves trabalhistas. A conscrição despojou trabalhadores qualificados das cidades, que tiveram que ser substituídas por camponeses não qualificados e, quando a fome começou a bater, os trabalhadores abandonaram as cidades em busca de comida. Finalmente, os próprios soldados, que sofreram com falta de equipamento e proteção contra os elementos, estavam descontentes com a má contabilidade da Rússia na guerra.A inflação ea fomena Rússia contribuíram para a revolução.

Os trabalhadores das fábricas também sofreram devido à indústria jovem da Rússia que procurou alcançar o resto da Europa. Eles tiveram que suportar terríveis condições de trabalho, incluindo 12 a 14 horas e salários baixos. Os tumultos e as greves para melhores condições e salários mais altos estouraram. Embora algumas fábricas concordassem com os pedidos de salários mais altos, a inflação em tempo de guerra anulava o aumento. Trabalhadores industriais entraram em greve e paralisaram efetivamente as redes ferroviárias e de transporte. O que poucos suprimentos estavam disponíveis não poderia ser efetivamente transportado. À medida que os bens se tornavam cada vez mais escassos, os preços subiram rapidamente. Em 1917, a fome ameaçava muitas das cidades maiores. O fracasso de Nicholas em resolver o sofrimento econômico do país, juntamente com a promessa dos revolucionários de fazer exatamente o que criou condições maduras para a revolução.

Revolução de fevereiro

Alexander Kerensky

Revolução de fevereiro de 1917 na Rússia foi a primeira etapa da Revolução Russa de 1917. Em grande parte, uma transferência de poder sem sangue do czar, o regime que surgiu foi uma aliança entre liberais e socialistas que queriam instigar reformas políticas, criar uma Assembléia executiva e constituinte democraticamente eleita.

Na primeira quinzena de fevereiro, a falta de provisão de alimentos causou tumultos na capital, Petrograd. Em 18 de fevereiro, a principal fábrica de Petrogrado, planta de Putilov, anunciou uma greve; os grevistas foram despedidos e algumas lojas fechadas, o que provocou problemas em outras plantas. No dia 23 de fevereiro, realizaram-se uma série de reuniões e manifestações na ocasião do Dia Internacional da Mulher, que gradualmente se transformou em políticos econômicos e políticos. Continuaram durante os dias seguintes. Em um ponto, um grande batalhão de soldados foi enviado para a cidade para reprimir o levante, mas muitos desertaram ou até mataram seus oficiais e se juntaram à revolta. Isso levou o czar Nicolau II a abdicar do trono em 2 de março.

O governo provisório que substituiu o czar foi liderado inicialmente por um aristocrata liberal, o príncipe Georgy Yevgenyevich Lvov. Depois que seu governo falhou, ele foi sucedido pelo socialista Alexander Kerensky , um menchevique. Em 1º de março de 1917, o Soviete de Petrograd dos Deputados dos Trabalhadores e dos Soldados emitiu a Ordem nº 1, que ordenou aos militares que obedecessem suas ordens e não as do Governo Provisório. A pressão da direita, como a de Kornilov Affair, da esquerda, principalmente os bolcheviques e a pressão dos Aliados para continuar a guerra contra a Alemanha , colocam o governo cada vez mais forte.

Dias de julho

No início de julho, o descontentamento generalizado em Petrogrado levou a manifestações militantes que pediam a derrubada do Governo Provisório. A liderança bolchevista se opôs a isso como prematura, mas acabou liderando as manifestações, na esperança de evitar qualquer derramamento de sangue. Eles se sentiram compelidos a fazer isso para ganhar a confiança dos trabalhadores e porque muitos dos rankings bolcheviques já estavam organizando e apoiando as manifestações de qualquer maneira. Tropas leais ao governo provisório suprimiram violentamente as manifestações. A seguinte repressão resultou em que o governo de Kerensky ordenasse a prisão da liderança bolchevique no dia 19 de julho. Lenin escapou da captura, se escondeu e escreveu o Estado e a Revolução, que delineou suas idéias para um governo socialista.

A repressão contra os bolcheviques cessou quando o governo de Kerensky foi ameaçado por uma rebelião liderada pelo general Kornilov e ofereceu armas a quem defenderia Petrogrado contra Kornilov. Os bolcheviques recrutaram uma milícia de 25.000 soldados para defender Petrogrado do ataque e chegaram às tropas de Kornilov, instando-os a não atacarem. Abaixaram-se, a rebelião fracassou e Kornilov foi levado à custódia. No entanto, os bolcheviques não voltaram seus braços, então Kerensky conseguiu apenas fortalecer a posição bolchevique.

Durante este período, desenvolveu uma situação de dupla potência. Enquanto a legislatura e o governo provisório eram controlados por Kerensky em coalizão com os mencheviques e com o Partido Socialista Revolucionário, os sovietes dos trabalhadores e dos soldados estavam cada vez mais sob o controle dos bolcheviques.

Revolução de outubro

Vladimir Lênin , líder da revolução bolchevique de outubro

Em 10 de outubro, o Comitê Central bolchevique estabeleceu um politburo menor para dirigir os assuntos do partido devido ao aumento das demandas da festa para a direção diária. Bubnov, Zinoviev, Kamenev , Lenin , Sokolnikov, Stalin e Trotsky foram eleitos para o corpo que operou durante duas semanas e dissolvido em 25 de outubro de 1917, uma vez que os bolcheviques assumiram o poder na Revolução de outubro .

O Comitê Central dos Bolcheviques estava discutindo se convocava uma insurreição. Lenin instou os bolcheviques a derrubar o Governo Provisório. Zinoviev e Kamenev foram os únicos membros do Comitê Central a discordar. Eles tomaram o passo incomum de fazer suas objeções públicas nas páginas do Pravda , um ato que quase os expulsou do partido por violar a disciplina do partido.

Kerensky foi forçado a se mudar contra os bolcheviques no dia 22 de outubro, ordenando a prisão de seu Comitê Revolucionário Militar, proibindo o jornal bolchevique e cortando linhas telefônicas para a sede bolchevique no Instituto Smolny. Trotsky instou os bolcheviques a agir. Lenin concordou e, no dia 24 de outubro, foram emitidas ordens para que os Guardas Vermelhos dos bolcheviques ocupassem lugares-chave na cidade e cercassem o Palácio de Inverno, onde o governo provisório tinha sua sede.

Na maior parte, a revolta em Petrogrado não teve sangue, com os Guardas Vermelhos liderados pelos bolcheviques assumindo as principais instalações do governo com pouca oposição antes de finalmente lançar um assalto ao Palácio de Inverno na noite de 25 de outubro. O assalto liderado por Vladimir Antonov -Ovseenko foi lançado às 21h45, sinalizado por um tiro em branco do cruzador Aurora . O Palácio de Inverno foi protegido pelos Cossacks, Batallion Feminino e cadetes (estudantes militares). Foi levado cerca de 2:00 da manhã Mais tarde, as contas oficiais da revolução pela União Soviéticarepresentariam os acontecimentos em outubro como sendo muito mais dramáticos do que realmente eram.

De esquerda para a direita: Trotsky , Lenin e Kamenev no Congresso do Partido de 1919.

Os filmes oficiais feitos muito mais tarde mostraram um grande assalto ao Palácio de Inverno e uma luta feroz, mas, na realidade, os insurgentes bolcheviques enfrentaram pouca ou nenhuma oposição e foram praticamente capazes de entrar no prédio e conquistá-lo. A insurreição foi cronometrada e organizada por Leon Trotsky para entregar o poder do Estado ao Segundo Congresso Todo-Russo dos Sovietes dos Deputados dos Trabalhadores e dos Soldados, que começou em 26 de outubro.

Em 26 de outubro de 1917, o Congresso russo dos soviéticos reuniu-se e entregou o poder a um conselho soviético de comissários do povo com Lênin como presidente, Trotsky como comissário do Exército vermelho e ministro das Relações Exteriores, e bolcheviques assumindo posições no que era para ser o novo governo.

Em março de 1918, o Congresso do Sétimo Partido do Partido Social Democrata e Trabalhista (Bolcheviques) se encontrou e, ao instar de Lênin, mudou o nome do partido para o Partido Comunista de Rússia (Bolcheviques). Após a mudança de nome, no entanto, o partido era geralmente conhecido como o Partido Comunista com o nome bolchevique referente ao partido anterior a 1918.

Breve cronologia que leva à Revolução de 1917

As datas são corretas para o calendário juliano, que foi usado na Rússia até 1918. Foram 12 dias por trás do calendário gregoriano no século XIX e 13 dias por trás durante o século XX.

  • 1855 – Início do reinado de Tsar Alexander II
  • 1861 – Emancipação dos servos
  • 1866 – 1874 – The White Terror
  • 1881 – Alexandre II assassinou; sucedido por Alexander III
  • 1883 – Primeiro grupo marxista russo formado
  • 1894 – Início do reinado de Nicolau II
  • 1898 – Primeiro Congresso do Partido Trabalhista Social Democrata da Rússia (RSDLP)
  • 1900 – Fundação do Partido Socialista Revolucionário (SR)
  • 1903 – Segundo Congresso do Partido Trabalhista Social Democrata Russo. Início da divisão entre bolcheviques e mencheviques.
  • 1904-1905 – Guerra Russo-Japonesa; Rússia perde guerra
  • 1905 – Revolução russa de 1905.
Janeiro – Domingo sangrento em São Petersburgo.
Junho – Levantamento do navio Battleship Potemkin em Odessa no Mar Negro
Outubro – greve geral, formata soviética de São Petersburgo

– Manifesto de outubro – Acordo Imperial sobre eleições para a Duma do Estado
  • 1906 – Primeira Duma Estadual. Primeiro Ministro – Petr Stolypin. As reformas agrárias começam
  • 1907 – Segunda Duma Estadual, fevereiro – junho
  • 1907 – Terceira Duma do Estado, até 1912
  • 1911 – Stolypin assassinado
  • 1912 – Quarta Duma Estadual, até 1917. Bolchevique – Menshevik dividiu o final
  • 1914 – Alemanha declara guerra à Rússia
  • 1915 – derrotas graves; Nicholas II declara-se comandante-em-chefe. Bloco progressivo formado.
  • 1916 – Custa de alimentos e combustíveis e preços elevados
  • 1917 – greves e tumultos; tropas convocadas para Petrogrado

Cronologia expandida da Revolução de 1917

janeiro

Greves e agitação em Petrogrado

fevereiro

Revolução de fevereiro
26 – 50 manifestantes mortos em Znamenskaya Square
27 – Tropas se recusam a disparar contra manifestantes, deserções. Prisão, tribunais e estações de polícia atacaram e saquearam por multidões irritadas.

Os edifícios de Okhranka incendiaram-se. Garrison junta-se aos revolucionários.
Soviética de Petrogrado formada.

marcha

1º – N. ° 1 do Soviet de Petrogrado
Segundo – Nicholas II abdicou. Governo provisório formado sob o primeiro ministro Príncipe Lvov

abril

3º – Retorno de Lenin para a Rússia. Ele publica suas teses de abril.
20 – A nota de Miliukov foi publicada. Governo provisório cai.

Pode

5º – Novo Governo Provisório formado. Kerensky fez ministro da guerra e da marinha

Junho

3º – Primeiro Congresso de Sovietes da Rússia em Petrogrado. Fechado no dia 24.
16 – Kerensky ordena ofensivas contra as forças austro-húngaras. Sucesso inicial.

Julho

2º – A ofensiva russa termina. Trotsky se junta aos bolcheviques.
4º-7º – Os “Dias de julho”; Demonstrações anti-governo em Petrogrado.
6º – contra-ataque alemão e austro-húngaro . Os russos se retiram em pânico, despedindo a cidade de Tarnopol. Detenção dos líderes bolcheviques ordenados.
7º – Lvov renuncia. Kerensky é novo PM
22 – Trotsky e Lunacharskii presos

agosto

26 – Segundo governo de coalizão termina
27 – O general de direita, Lavr Kornilov, é presumido por Kerensky ter tentado um golpe. Kornilov preso e preso.

setembro

1º – Rússia declarou uma república
4º – Trotsky e outros liberados. Trotsky se torna chefe do Soviete de Petrograd dos Deputados dos Trabalhadores e dos Soldados.
25 – Terceiro governo da coalizão formado

Outubro

10ª – Reunião do Comité Central bolchevique aprovou levantamento armado
11º – Congresso dos Soviets da Região Norte, até 13º
20º – Primeiro encontro do Comitê Revolucionário Militar (Comitê Soviético Revolucionário) do Soviet de Petrogrado
25 – A Revolução de Outubro é lançada enquanto a MRC dirige trabalhadores armados e soldados para capturar edifícios importantes em Petrogrado. Palácio de Inverno atacou às 9h40 e capturou às 2 da manhã Kerensky foge de Petrogrado. Abertura do 2º Congresso Todo-Russo dos Soviets.
26º – Segundo Congresso dos Soviets: os mencheviques e os delegados diretos da SR saiam em protesto contra os eventos do dia anterior. Decreto sobre Paz e Decreto sobre Terra. O governo soviético declarou: o Conselho dos Comissários do Povo (bolchevique dominou com Lênin como presidente).

Bibliografia

Contas dos participantes

  • Reed, John. Dez dias que provocaram o mundo . 1919, 1ª edição, publicada pela BONI & Liveright, Inc. para editores internacionais. Transcritos e marcados por David Walters para John Reed Internet Archive . Penguin Books; 1ª edição. 1 de junho de 1980. ISBN 0140182934 . Retirado em 14 de maio de 2005.
  • Serge, Victor. Ano Um da Revolução Russa . L’An l de la revolution russe, 1930. Ano um da Revolução Russa, Holt, Reinhart e Winston. Tradução, introdução do editor e notas © 1972 por Peter Sedgwick. Reimpresso no Victor Serge Internet Archive com permissão. ISBN 0863161502 . Retirado em 14 de maio de 2005.
  • Trotsky, Leon. A História da Revolução Russa . Traduzido por Max Eastman, 1932. Número do cartão de catálogo da Biblioteca do Congresso 8083994. ISBN 0913460834 . Transcritos para a World Wide Web por John Gowland (Austrália), Alphanos Pangas (Grécia) e David Walters (Estados Unidos). Pathfinder Press edition. 1 de junho de 1980. ISBN 0873488296 . Retirado em 14 de maio de 2005.

No cinema

  • Arsenal aka Арсенал aka January Uprising em Kiev em 1918 (perfil IMDB) . Escrito e dirigido por Aleksandr Dovzhenko. Tempo de execução: 70 min. União Soviética / Ucrânia. Idioma: russo / ucraniano. Preto e branco. Silencioso. 1928.
  • Konets Sankt-Peterburga também conhecido como The End of St. Petersburg (perfil IMDB) . Dirigido por Vsevolod Pudovkin e Mikhail Doller (codiretor). Escrito por Nathan Zarkhi. 80 min. União Soviética. Preto e branco. Silencioso. 1927. Russo. Os jovens rurais alcançaram a revolução de 1917.
  • Lenin v 1918 godu aka Lenin em 1918 (perfil IMDB) . Dirigido por Mikhail Romm e E. Aron (co-diretor). Tempo de execução: 130 min. 1939.
  • Oktyabr aka October aka Dez dias que Shook the World (EUA) (perfil IMDB) . Dirigido por Sergei M. Eisenstein e Grigori Aleksandrov. Runtimes: Suécia: 104 min., EUA: 95 min. País: União Soviética. Preto e branco. Silencioso. 1927.
  • Vermelhos (perfil IMDB) . Dirigido por Warren Beatty. Com base no livro Dez Dias que Tirou o Mundo. Tempo de execução: 194 min. País: EUA. Idioma: inglês / russo / alemão. Cor (Technicolor). Estéreo. 1981.
  • Anastasia (perfil IMDB) . Dirigido por Don Bluth e Gary Goldman. Baseado em Anastasia. Tempo de execução: 94 min. País: EUA. Idioma: inglês / russo / francês. Cor (Technicolor). Estéreo. 1997.

Referências

  • Malone, Richard. Analisando a Revolução Russa. Melbourne: Cambridge University Press, 2004. ISBN 0521541417
  • Figes, Orlando. A tragédia do povo: a revolução russa de 1891 a 1924. ISBN 014024364X (livro de bolso comercial) ISBN 0670859168 (capa dura)
  • Fitzpatrick, Sheila. A Revolução Russa. Imprensa da Universidade de Oxford; 2ª edição de reedição. 1 de dezembro de 2001. ISBN 0192802046 .
  • Lincoln, W. Bruce. Vitória vermelha: uma história da guerra civil russa de 1918 a 1921. Nova York: Simon e Schuster, 1989. ISBN 0306809095

links externos

Todos os links foram recuperados em 21 de julho de 2015.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar