História

Introdução à história do Brasil a partir da República Velha

A república velha

A governança na antiga república do Brasil oscilou entre a autonomia do Estado e a centralização. A República Velha abrange um período da história brasileira de 1889 a 1930, durante o qual o Brasil era uma democracia constitucional nominal.

A história da República Velha é dominada por uma busca para encontrar uma forma viável de governo para substituir a monarquia precedente. Essa busca balançava o Brasil para frente e para trás entre a autonomia do Estado e a centralização.

O governo federal do Rio de Janeiro era dominado e administrado por uma combinação dos estados brasileiros mais poderosos: São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e, em menor medida, Pernambuco e Bahia.

O Exército do Brasil se desenvolveu como uma instituição reguladora e intervencionista nacional dentro da República Velha.

A Assembléia Constituinte que elaborou a constituição de 1891 foi um campo de batalha entre aqueles que buscavam limitar o poder executivo, ditatorial no âmbito do presidente Deodoro da Fonseca, e autoritários radicais que se opunham à oligarquia do café e queriam preservar e intensificar a autoridade presidencial.

Por volta do início do século XX, a grande maioria da população do Brasil vivia em comunidades semifeudais.

A dependência do Brasil de bens e empréstimos fabricados em fábricas de países do Atlântico Norte tecnologicamente, economicamente e politicamente retardados retardou sua base industrial doméstica e sua economia não foi integrada nacionalmente até que se pressionasse o governo a se tornar mais intervencionista durante a década de 1920.

Com a produção em ascensão e os oligarcas do café ameaçados pelo crescimento do comércio associado à Primeira Guerra Mundial, a velha ordem do café com leite e do coronelismo acabou dando lugar às aspirações políticas de novos grupos urbanos: profissionais, governo e trabalhadores de colarinho branco. , comerciantes, banqueiros e industriais.

Termos chave

latifúndios : Uma extensa parcela de terras privadas, particularmente propriedades fundiárias especializadas em agricultura para exportação.

coronelismo : A máquina política brasileira durante a República Velha que foi responsável pela centralização do poder político nas mãos de oligarcas localmente dominantes, conhecidos como coronéis, que dispensavam favores em troca de lealdade.

A Primeira República Brasileira, ou República Velha, cobre um período da história brasileira de 1889 a 1930, durante o qual foi governada uma democracia constitucional. A democracia, no entanto, era nominal na república. Na realidade, as eleições foram manipuladas e os eleitores nas áreas rurais foram pressionados a votar nos candidatos escolhidos pelos patrões.

Se esse método não funcionasse, os resultados das eleições ainda poderiam ser alterados por decisões unilaterais da comissão de verificação de poderesdo Congresso  (as autoridades eleitorais da República Velha não eram independentes do executivo e do Legislativo, mas dominadas pelos oligarcas do poder) .

Como resultado, a presidência do Brasil nesse período se alternou entre as oligarquias dos estados dominantes de São Paulo e Minas Gerais. O regime é muitas vezes referido como “café com leite ” , ou“ café com leite ”, após os respectivos produtos agrícolas dos dois estados.

A República Velha do Brasil não era uma descendência ideológica das repúblicas das Revoluções Francesa ou Americana, embora o regime tentasse se associar a ambas. A república não teve apoio popular suficiente para arriscar eleições abertas e nasceu de um golpe de Estado que se manteve pela força.

Os republicanos fizeram do marechal-de-campo Deodoro da Fonseca presidente (1889-91) e, após uma crise financeira, nomearam o marechal de campo Floriano Vieira Peixoto, ministro da Guerra, para assegurar a lealdade dos militares.

A bandeira tem treze faixas horizontais, alternando verde e amarelo. O canto esquerdo tem um quadrado azul com 17 estrelas brancas.

Bandeira do Brasil, 15-19 de novembro de 1889: A primeira bandeira brasileira usada após a queda da monarquia.

Regra das Oligarquias do Landed

A história da República Velha é dominada por uma busca para encontrar uma forma viável de governo para substituir a monarquia precedente. Essa busca balançava o Brasil para frente e para trás entre a autonomia do Estado e a centralização. A constituição de 1891 estabeleceu os Estados Unidos do Brasil e concedeu ampla autonomia às províncias, agora chamadas de estados.

O sistema federal foi adotado e todos os poderes não concedidos explicitamente ao governo federal na constituição foram delegados aos estados. Com o tempo, estendendo-se até a década de 1920, o governo federal do Rio de Janeiro era dominado e administrado por uma combinação dos estados brasileiros mais poderosos: São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e, em menor medida, Pernambuco e Bahia. .

Como resultado, o Exército desenvolveu-se como uma instituição reguladora e intervencionista nacional dentro da república. A repentina eliminação da monarquia deixou-a como a única instituição dominante e viável do Brasil. Embora a Igreja Católica Romana mantivesse presença, permaneceu basicamente internacional em seu pessoal, doutrina, liturgia e propósitos.

O Exército chegou a eclipsar outras instituições militares, como a Marinha e a Guarda Nacional. As forças armadas, no entanto, estavam divididas sobre seu status, relação com o regime político e metas institucionais. Portanto, a falta de unidade militar e desacordo entre as elites civis em relação ao papel dos militares na sociedade impediu o estabelecimento de uma ditadura militar de longo prazo dentro do país.

A Assembléia Constituinte que elaborou a constituição de 1891 foi um campo de batalha entre aqueles que buscavam limitar o poder executivo, ditatorial sob o comando do presidente Deodoro da Fonseca, e os jacobinos, autoritários radicais que se opunham à oligarquia do café e queriam preservar e intensificar o poder presidencial. autoridade. A constituição estabeleceu uma federação governada supostamente por um presidente, um Congresso Nacional bicameral e um judiciário. No entanto, o poder real repousava nas mãos de patrias regionais e potentados locais, chamados “coronéis”. Havia um sistema constitucional, bem como o sistema real de acordos não escritos ( coronelismo ) entre os coronéis. Sob o coronelismo, as oligarquias locais escolheram governadores estaduais, que escolheram o presidente.

Essa distribuição informal mas real de poder surgiu como resultado de lutas armadas e barganhas. O sistema consolidou as oligarquias estatais em torno de famílias que eram membros da antiga elite monárquica, e para fornecer um cheque ao Exército, as oligarquias estatais fortaleceram a polícia da Marinha e do Estado. Em estados maiores, a polícia estadual evoluiu para pequenos exércitos.

Nas últimas décadas do século XIX, os Estados Unidos, grande parte da Europa e a vizinha Argentina ampliaram o direito de voto. O Brasil, no entanto, passou a restringir o acesso às urnas sob a monarquia e não corrigiu a situação sob a república. Em 1910, apenas 627.000 eleitores elegíveis poderiam ser contados entre uma população total de 22 milhões. Ao longo da década de 1920, apenas entre 2,3% e 3,4% da população total poderia votar. A classe média estava longe de ser ativa na vida política. Altas taxas de analfabetismo andavam de mãos dadas com a ausência de sufrágio universal ou de imprensa livre. Em regiões distantes dos grandes centros urbanos, as notícias podem levar de quatro a seis semanas para chegar. Neste contexto, uma imprensa livre criada por anarquistas imigrantes europeus começou a se desenvolver durante as décadas de 1890 e 1900 e se espalhou amplamente, particularmente nas grandes cidades.

Economias Latifundio 

Por volta do início do século XX, a grande maioria da população do Brasil vivia em comunidades semifeudais. Por causa do legado da escravidão ibero-americana, abolida até 1888 no Brasil, havia uma concentração extrema de proprietários de terras que lembrava as aristocracias feudais: 464 grandes latifundiários possuíam mais de 270.000 km² de terra ( latifúndios), enquanto 464.000 fazendas de pequeno e médio porte ocupavam apenas 157.000 km². Os grandes proprietários usavam suas terras para cultivar produtos de exportação como café, açúcar e algodão, e as comunidades que residiam em suas terras participavam da produção dessas culturas de rendimento. Por exemplo, as propriedades mais típicas incluíam capelães e capatazes do proprietário, camponeses indigentes, meeiros e servos contratados. Como resultado, os produtores brasileiros tenderam a negligenciar as necessidades do consumo doméstico e quatro quintos das necessidades de grãos do país foram importadas.

A dependência do Brasil de bens e empréstimos fabricados na fábrica de países do Atlântico Norte tecnologicamente, economicamente e politicamente avançados retardou sua base industrial doméstica. O equipamento agrícola era primitivo e em grande parte não mecanizado. Os camponeses cultivavam a terra com enxadas e limpavam o solo através do método ineficiente de derrubada e queimada. Enquanto isso, os padrões de vida eram geralmente esquálidos. Desnutrição, doenças parasitárias e falta de instalações médicas limitaram o tempo de vida médio em 1920 a 28 anos. Sem um mercado aberto, a indústria brasileira não poderia competir com as economias anglo-americanas tecnologicamente avançadas. Nesse contexto, o Encilhamento(um processo de “altos e baixos” que primeiro se intensificou, e depois caiu, entre 1889 e 1891), cujas conseqüências foram sentidas em todas as áreas da economia brasileira por muitas décadas depois.

Durante esse período, o Brasil não teve uma economia nacional significativamente integrada. A ausência de um grande mercado interno com transporte terrestre, exceto trens de mulas, impediu a integração econômica interna, a coesão política e a eficiência militar. Em vez disso, o Brasil tinha um agrupamento de economias regionais que exportavam seus próprios produtos especializados para os mercados europeu e norte-americano. O Nordeste exportou seu excedente de mão-de-obra barata, mas viu sua influência política diminuir em face da concorrência dos produtores de açúcar do Caribe. O boom da borracha silvestre na Amazônia diminuiu devido à ascensão de eficientes plantações coloniais do Sudeste Asiático após 1912. As economias de mercado orientadas para o país do Sul não foram dramáticas, mas seu crescimento foi estável e, na década de 1920, esse crescimento permitiu que o Rio Grande do Sul exercesse considerável influência política. O poder real residia nos estados produtores de café do Sudeste – São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro – que produziam a maior receita de exportação. Esses três e o Rio Grande do Sul colheram 60% das safras brasileiras, produziram 75% de seus produtos industriais e de carnes e detinham 80% de seus recursos bancários.

Lutas pela reforma

O apoio ao protecionismo industrial aumentou durante a década de 1920. Sob considerável pressão da crescente classe média, um estado mais ativista e centralizado se adaptou para representar os interesses da nova burguesia. Uma política de intervenção estatal, composta por isenções fiscais, redução de tarifas e quotas de importação, ampliou a base de capital doméstica. Durante esse período, São Paulo estava na vanguarda da vida econômica, política e cultural do Brasil. Conhecida coloquialmente como uma “locomotiva que puxa os 20 vagões vazios” (referência para os outros 20 estados brasileiros) e o centro industrial e comercial do Brasil até hoje, São Paulo liderou a tendência de industrialização com receitas externas do setor cafeeiro.

Com a fabricação em ascensão e os oligarcas do café em perigo pelo crescimento do comércio associado à Primeira Guerra Mundial, a velha ordem do café com leite e do coronelismofinalmente deu lugar às aspirações políticas dos novos grupos urbanos: profissionais, governo e trabalhadores de colarinho branco, mercadores, banqueiros e industriais. A prosperidade também contribuiu para um rápido crescimento da população de imigrantes da classe trabalhadora do sul e do leste europeu – uma população que contribuiu para o crescimento do sindicalismo, do anarquismo e do socialismo. No período pós-Primeira Guerra Mundial, o Brasil foi atingido por sua primeira onda de greves gerais e pelo estabelecimento do Partido Comunista em 1922. No entanto, a esmagadora maioria da população brasileira era composta por camponeses com poucos ou nenhuns laços com a crescente movimento trabalhista. Como resultado, os movimentos de reforma social surgiriam na década de 1920, culminando na Revolução de 1930.

Anos sob o regime militar

A sociedade brasileira sofreu extrema opressão sob o regime militar apesar do crescimento econômico geral durante o milagre brasileiro.

Pontos chave

O governo militar brasileiro foi uma ditadura militar autoritária que governou o Brasil de 1º de abril de 1964 a 15 de março de 1985. Começou com o golpe de Estado de 1964 liderado pelas forças armadas contra o presidente João Goulart.

A ditadura militar durou quase 21 anos, apesar das promessas iniciais em contrário.

Em 9 de abril de 1964, os líderes do golpe publicaram o Primeiro Ato Institucional, que limitava enormemente as liberdades da Constituição de 1946, concedendo ao Presidente autoridade para destituir funcionários eleitos, demitir funcionários públicos e revogar os direitos políticos dos culpados. subversão ou uso indevido de fundos públicos por até 10 anos.

Em 27 de outubro de 1965, o Presidente Castelo Branco assinou o Segundo Ato Institucional, que preparou o terreno para uma depuração do Congresso, removendo os governadores de Estado opositores e ampliando os poderes arbitrários do Presidente em detrimento dos poderes legislativo e judiciário.

Em 13 de dezembro de 1968, em resposta à crescente resistência ao regime, Costa e Silva assinou o Quinto Ato Institucional, que deu ao presidente poderes ditatoriais, dissolveu o Congresso e as legislaturas estaduais, suspendeu a Constituição, pôs fim ao governo democrático, suspendeu o habeas corpus, e censura imposta.

Durante a presidência do general Emilio Garrastazu Medici, os maiores abusos aos direitos humanos foram cometidos. No entanto, Medici continuou sendo um presidente popular devido ao crescimento econômico que ocorreu durante o milagre brasileiro.

Termos chave

Milagre brasileiro : Um período de crescimento econômico excepcional no Brasil durante o governo militar brasileiro, que atingiu o seu pico durante o mandato do presidente Emilio Garrastazu Medici de 1969 a 1973. Durante esse período, o crescimento anual médio do PIB foi próximo de 10%. .

habeas corpus : Um recurso legal pelo qual uma pessoa pode denunciar detenção ilegal e prisão perante um tribunal.

O governo militar brasileiro era uma ditadura militar autoritária que governou o Brasil de 1º de abril de 1964 a 15 de março de 1985. Começou com o golpe de Estado de 1964 liderado pelas forças armadas contra a administração do presidente João Goulart, que servira anteriormente. Vice-Presidente e assumiu o cargo da presidência após a renúncia de Janio Quadros eleito democraticamente. A revolta militar foi fomentada pelos governadores de Minas Gerais, São Paulo e Guanabara.

O golpe foi apoiado pela Embaixada e pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos. A queda do presidente Goulart preocupou muitos cidadãos. Muitos estudantes, católicos, marxistas e trabalhadores formaram grupos que se opunham ao regime militar. Uma minoria até engajada em uma luta armada direta embora a grande maioria da resistência apoiasse soluções políticas para a suspensão em massa dos direitos humanos. Nos primeiros meses após o golpe, milhares de pessoas foram detidas e milhares de outras foram removidas de seus cargos públicos ou de universidades.

A ditadura militar durou quase 21 anos, apesar das promessas iniciais em contrário. Em 1967, promulgou uma nova constituição restritiva que sufocou a liberdade de expressão e a oposição política. O regime adotou como diretrizes nacionalismo, desenvolvimento econômico e anticomunismo.

Estabelecendo o Regime

Dentro do Exército, não foi possível chegar a um acordo quanto a um político civil que poderia liderar o governo após a demissão do presidente João Goulart. Em 9 de abril de 1964, os líderes do golpe publicaram o Primeiro Ato Institucional, que limitava grandemente as liberdades da constituição de 1946. Sob o ato, o presidente foi concedido autoridade para remover funcionários eleitos do escritório, demitir funcionários públicos e revogar os direitos políticos daqueles considerados culpados de subversão ou uso indevido de fundos públicos por até 10 anos. Três dias após a publicação do ato, o Congresso elegeu o Chefe do Estado-Maior do Exército, Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco, para servir como presidente pelo restante do mandato de Goulart. Castelo Branco tinha intenções de supervisionar reformas radicais no sistema político-econômico, mas se recusou a permanecer no poder além do restante do mandato de Goulart ou a institucionalizar os militares como um corpo governante. Embora pretendesse devolver o poder às autoridades eleitas no final do mandato de Goulart, as exigências concorrentes radicalizaram a situação.

Os radicais militares queriam purgar completamente as influências esquerdistas e populistas durante as reformas de Castelo Branco. Civis com inclinações esquerdistas criticaram Castelo Branco pelas ações extremas que ele tomou para implementar reformas, enquanto os radicais militares sentiam que Castelo Branco estava sendo tolerante demais. Em 27 de outubro de 1965, após dois candidatos da oposição vencerem em duas eleições provinciais, Castelo Branco assinou o Segundo Ato Institucional, que preparou o terreno para uma depuração do Congresso, removendo os governadores de Estado opositores e expandindo os poderes arbitrários do Presidente às custas do legislativo. e judiciário. Isto não só proporcionou a Castelo Branco a capacidade de reprimir a esquerda,

imagem

Tanques ocupam a Avenida Presidente Vargas: Uma coluna dos tanques M41 Walker Bulldog ao longo das ruas do Rio de Janeiro em abril de 1968. Esses eventos fizeram parte de uma série de tensões entre o povo e o regime que levaram a novas políticas repressivas em dezembro. 1968

Regra das linhas duras

Castelo Branco foi sucedido à presidência pelo general Artur da Costa e Silva, um linha-dura do regime. Artistas e músicos experimentais formaram o movimento Tropicália durante esse tempo, e alguns grandes músicos populares como Gilberto Gil e Caetano Velsos foram presos, encarcerados ou exilados. Os protestos estudantis generalizados também abundaram durante este período. Em resposta, em 13 de dezembro de 1968, Costa e Silva assinou o Quinto Ato Institucional, que deu ao presidente poderes ditatoriais, dissolveu o Congresso e as legislaturas estaduais, suspendeu a Constituição, encerrou o governo democrático, suspendeu o habeas corpus e impôs a censura. O governo militar já vinha usando várias formas de tortura já em 1964 para obter informações, além de intimidar e silenciar oponentes em potencial.

imagem

“Tortura Nunca Mais”: Monumento às vítimas de tortura no Recife.

Em 31 de agosto de 1969, Costa e Silva sofreu um derrame. Em vez de seu vice-presidente assumir o cargo de presidente, todo o poder do Estado foi assumido pelos militares, que então escolheram o general Emilio Garrastazu Medici, outro linha-dura, como presidente. Durante a sua presidência, Medici patrocinou os maiores abusos dos direitos humanos do período de tempo. Perseguição e tortura de dissidentes, assédio contra jornalistas e censura à imprensa tornaram-se onipresentes. Uma sucessão de sequestros de embaixadores estrangeiros no Brasil envergonhou o governo militar. Reações como manifestações antigovernamentais e movimentos de guerrilha geraram, por sua vez, medidas repressivas crescentes. No final de 1970, o salário mínimo oficial caiu para US $ 40 por mês e, como resultado,

No entanto, Medici foi popular porque seu mandato foi recebido com o maior crescimento econômico de qualquer presidente brasileiro, um período conhecido popularmente como o milagre brasileiro. Os militares confiaram a política econômica a um grupo de tecnocratas liderados pelo ministro das Finanças, Delfim Netto. Durante esses anos, o Brasil se tornou uma sociedade urbana com 67% das pessoas vivendo nas cidades. O governo se envolveu diretamente na economia, investindo pesadamente em novas rodovias, pontes e ferrovias. Usinas siderúrgicas, fábricas petroquímicas, usinas hidrelétricas e reatores nucleares também foram construídas por grandes empresas estatais, como a Eletrobras e a Petrobras. Para reduzir a dependência do petróleo importado, a indústria do etanol foi fortemente promovida.

Em 1980, 57% das exportações brasileiras eram de bens industriais, em comparação com 20% em 1968. Além disso, o crescimento anual médio do PIB estava próximo de 10%. Comparativamente, durante o governo do presidente Goulart, a economia estava se aproximando de uma crise, com inflação anual chegando a 100%. Além disso, Medici apresentou o Primeiro Plano Nacional de Desenvolvimento em 1971, que visava aumentar a taxa de crescimento econômico, particularmente no Nordeste e na Amazônia. O Brasil também venceu a Copa do Mundo de Futebol de 1970, promovendo o orgulho nacional e o perfil internacional do Brasil.

Economia crescente do Brasil

A economia do Brasil é caracterizada por mercados moderadamente livres e uma abordagem voltada para o desenvolvimento.

Pontos chave

De 2000 a 2012, o Brasil foi uma das principais economias em crescimento mais rápido do mundo, com uma taxa média anual de crescimento do PIB de mais de cinco por cento. E de aproximadamente 1968 a 1980, a taxa de crescimento anual média do PIB do Brasil foi de aproximadamente dez por cento durante o que foi chamado de Milagre Brasileiro.

Grande parte do crescimento econômico do Brasil durante o milagre brasileiro pode ser atribuído a um grupo de tecnocratas liderados pelo ministro da Fazenda Antonio Delfim Netto, a quem o governo militar confiou a política econômica.

O governo tornou-se diretamente envolvido na economia, investindo pesadamente em infraestrutura, construção e reduzindo a dependência de importações.

Como resultado desse crescimento industrial e investimento em infraestrutura, o Brasil se tornou uma sociedade urbana, com 67% de sua população vivendo em cidades.

No entanto, para continuar alimentando seu crescimento econômico, o Brasil precisava de mais petróleo importado e, na década de 1970, uma série de crises energéticas internacionais contribuiu para uma desaceleração do crescimento.

Termos chave

Hiperinflação : Em economia, quando um país experimenta taxas de inflação muito altas e freqüentemente aceleradas, corroendo rapidamente o valor real da moeda local e fazendo com que a população minimize suas posses de moeda local, normalmente mudando para moedas estrangeiras relativamente estáveis.

recessão : Em economia, uma contração do ciclo de negócios que resulta em uma desaceleração geral da atividade econômica. Indicadores macroeconômicos como PIB (produto interno bruto), gastos com investimento, utilização de capacidade, renda familiar, lucros empresariais e inflação caem, enquanto falências e aumento da taxa de desemprego.

De 2000 a 2012, o Brasil foi uma das principais economias em crescimento mais rápido do mundo, com uma taxa média anual de crescimento do PIB de mais de cinco por cento. Em 2012, a economia brasileira tornou-se temporariamente a sexta maior economia do mundo, superando a do Reino Unido. No entanto, o crescimento econômico do Brasil desacelerou em 2013 e o país entrou em recessão em 2014.

Da mesma forma, o desenvolvimento do Brasil durante a década de 1960 foi tão impressionante que foi apelidado de o milagre brasileiro. Durante esse período, o Brasil abriu seus mercados e adotou uma abordagem voltada para o desenvolvimento econômico. Seu crescimento econômico só foi impedido por uma série de crises energéticas internacionais durante a década de 1970.

imagem

Central do Rio de Janeiro: Central Business District do Rio de Janeiro.

O milagre brasileiro

O milagre brasileiro refere-se a um período entre 1968 e 1980, durante o qual o Brasil experimentou um crescimento econômico excepcional durante o governo militar. Durante esse período, o crescimento médio anual do PIB foi próximo de dez por cento.

O crescimento econômico foi particularmente forte de 1969 a 1973 durante o mandato do presidente Emilio Garrastazu Medici. A percepção da chamada era de ouro do desenvolvimento brasileiro foi reforçada em 1970, quando o Brasil venceu a Copa do Mundo da FIFA pela terceira vez e o governo militar adotou o slogan oficial “Brasil, ame-o ou deixe-o” (“Brasil, AME-o ou deixe-o”).

Grande parte do crescimento econômico do Brasil pode ser atribuído a um grupo de tecnocratas liderados pelo ministro da Fazenda, Agricultura e Planejamento, Antonio Delfim Netto, a quem o governo militar confiou a política econômica.

O governo se envolveu diretamente na economia, investindo pesadamente em novas rodovias, pontes e ferrovias. Siderúrgicas, fábricas petroquímicas, usinas hidrelétricas e reatores nucleares também foram construídos por grandes empresas estatais, como Eletrobras e Petrobras. Além disso, para reduzir a dependência do petróleo importado, a indústria do etanol foi fortemente promovida. Em 1980, 57% das exportações brasileiras eram bens industriais, em comparação com apenas 20% em 1968.

Crises Energéticas e Desaceleração do Crescimento

Como resultado desse crescimento industrial e investimento em infraestrutura, o Brasil se tornou uma sociedade urbana, com 67% de sua população vivendo em cidades. São Paulo, em particular, cresceu rapidamente devido a um influxo populacional do campo mais pobre. No entanto, para continuar alimentando seu crescimento econômico, o Brasil precisava de mais petróleo importado.

No início dos anos 70, o presidente Ernesto Geisel retirou o antigo ministro das Finanças Netto e abriu o Brasil para a prospecção de petróleo por empresas estrangeiras pela primeira vez desde a década de 1950, afastando as objeções nacionalistas. Embora seu crescimento e empréstimos fossem sustentáveis ​​durante os primeiros anos do milagre brasileiro, a crise global do petróleo de 1973 exigiu que o governo militar tomasse emprestado cada vez mais dos credores internacionais para cobrir os custos crescentes do combustível, e a dívida resultante se tornava incontrolável.

imagem

São Paulo à noite: O distrito financeiro do Itaim Bibi de São Paulo, Brasil, baleado por Rodrigo Ono.

Como resultado da crise energética dos anos 1970, o Brasil passou por um período de 14 anos de hiperinflação de 1980 a 1994. Durante esse período, a república passou por várias moedas de curta duração, incluindo o cruzado, cruzado novo, cruzeiro e cruzeiro. real.

Em 1994, o real brasileiro foi introduzido e se mostrou estável e duradouro. O Brasil também sofreu reduções drásticas em seus termos de troca como resultado da crise do petróleo de 1973. No início dos anos 1970, o desempenho do setor exportador foi prejudicado pela moeda superavaliada do Brasil. Com a balança comercial sob pressão, o choque do petróleo levou a um aumento acentuado da conta de importação, aumentando as exigências de importação e o já elevado déficit em conta corrente.

O Brasil mudou sua política externa para atender suas necessidades econômicas. Devido à sua dependência do petróleo estrangeiro, Geisel mudou seu alinhamento estrito com os EUA e seus aliados para uma abordagem mais pragmática, incluindo uma postura mais neutra sobre os assuntos políticos do Oriente Médio. Seu governo também reconheceu a República Popular da China e os novos governos socialistas de Angola e Moçambique, ambos ex-colônias portuguesas. O governo também se aproximou do Japão e dos países da América Latina e da Europa.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo