História

A civilização Tolteca

Os toltecas eram um povo mesoamericano que precedeu os astecas e existiu entre 800 e 1000 dC. A cultura tolteca é uma cultura mesoamericana arqueológica que dominou um estado centrado em Tula no período pós-clássico da cronologia mesoamericana (c. 800–1000 dC). Muito do que se sabe sobre os toltecas baseia-se no que se aprendeu sobre os astecas, outra cultura mesoamericana que pós-datou os toltecas e admirava os toltecas como predecessores. Uma vez que muito do que permanece registrado sobre os toltecas pode ter sido manchado pela glorificação e mitologia asteca nos séculos XIV a XVI, é difícil analisar a verdadeira história.

Pontos chave

  • Muito do que se sabe sobre os toltecas baseia-se no que se aprendeu sobre os astecas.
  • Os historiadores acreditam que os relatos astecas dos toltecas podem ser confiáveis ​​como fontes históricas.
  • Outros acreditam que os relatos astecas são muito envoltos em mito para serem confiáveis ​​como fontes de verdade.
  • Certos sítios maias, como Chichén Itzá, compartilham traços arqueológicos distintos com monumentos religiosos e edifícios em Tula.

Termos chave

  • Quetzalcoatl : A deidade da serpente emplumada que aparece nas esculturas em Tula e também em edifícios e mitologia muito posteriores no Império Asteca.
  • Historicista : Um estudioso que utiliza relatos astecas da cultura tolteca para reunir a história do povo tolteca.
  • Figuras atlantes : gigantescas estátuas de pedra de guerreiros toltecas que só aparecem nos locais de Tula, Chichén Itzá e Potrero Nuevo.

A cultura asteca posterior viu os toltecas como seus predecessores intelectuais e culturais, e descreveu a cultura tolteca que emana de Tōllān [ˈtoːlːaːn] (Nahuatl para Tula) como o epítome da civilização. De fato, na língua Nahuatl, a palavra “Tōltēcatl” [toːlˈteːkat͡] (singular) ou “Tōltēcah” [toːlˈteːkaʔ] (plural) veio a assumir o significado de “artesão”. A tradição oral e pictográfica asteca também descreveu a história dos toltecas. Império, dando listas de governantes e suas façanhas.

Veja Também:

Entre os estudiosos modernos, é uma questão de debate se as narrativas astecas da história tolteca devem receber credibilidade como descrições de eventos históricos reais. Embora todos os estudiosos reconheçam que há uma grande parte mitológica da narrativa, alguns sustentam que, usando um método comparativo crítico, algum nível de historicidade pode ser recuperado das fontes. Outros sustentam que a análise continuada das narrativas como fontes da história real é fútil e dificulta o acesso ao conhecimento real da cultura.

Outra controvérsia relacionada aos toltecas continua sendo a melhor maneira de entender as razões por trás das semelhanças percebidas na arquitetura e iconografia entre o sítio arqueológico de Tula e o sítio maia de Chichén Itzá. Ainda não há consenso sobre o grau ou direção da influência entre esses dois locais.

Historicistas

Os historicistas acreditam que há verdade dentro das histórias contadas pelos astecas. Teorias abundam sobre o papel que os toltecas realmente jogaram na Mesoamérica, desde os vales centrais do México até certas cidades-estados maias.

  • Désiré Charnay, o primeiro arqueólogo a trabalhar em Tula, Hidalgo, defendeu as visões historicistas baseadas em sua impressão da capital tolteca. Ele foi o primeiro a notar semelhanças nos estilos arquitetônicos entre Tula e Chichén Itzá, um famoso sítio arqueológico maia. Isso o levou a postular a teoria de que Chichén Itzá havia sido violentamente tomado por uma força militar tolteca sob a liderança de Kukulcán.
  • Seguindo Charnay, o termo “tolteca” tem sido associado com o influxo de certos traços culturais mexicanos centrais para a esfera maia de dominância durante os períodos clássico e pós-clássico. As civilizações maias pós-classificadas de Chichén Itzá, Mayapán e as terras altas da Guatemala foram chamadas de maias “toltecizadas” ou “mexicanizadas”.
  • Alguns estudiosos historicistas do século XX, como David Carrasco, Miguel León Portilla, Nigel Davies e HB Nicholson, argumentaram que os toltecas eram um grupo étnico distinto. Esta escola de pensamento ligou os “toltecas” ao sítio arqueológico de Tula, que foi considerado o tollan do mito asteca.
  • Os historicistas que apóiam a teoria dos grupos étnicos também argumentam que grande parte do México central foi possivelmente dominado por um “império tolteca” entre os séculos X e XII. Uma pista possível que eles apontam é que os astecas se referiam a várias cidades-estados mexicanas como Tollan, “Place of Juncos”, como “Tollan Cholollan”.
  • A arqueóloga Laurette Sejourné, seguida pelo historiador Enrique Florescano, argumentou que o Tollan “original” era provavelmente Teotihuacán.

Anti-historicista

Do outro lado do argumento estão aqueles que acreditam que as histórias astecas são obscurecidas pelo mito e não podem ser consideradas como relatos precisos da civilização tolteca. Várias teorias colocam os toltecas e o site de Tula dentro de um quadro mais geral:

  • Alguns estudiosos argumentam que a era tolteca é melhor considerada o quarto dos cinco sóis místicos astecas ou idades. Este quarto sol imediatamente precede o quinto sol do povo asteca, que foi profetizado para ser presidido por Quetzalcoatl.
  • Alguns pesquisadores argumentam que os únicos dados historicamente confiáveis ​​nas crônicas astecas são os nomes de alguns governantes e possivelmente algumas das conquistas atribuídas a eles.
  • Os céticos argumentam que a antiga cidade de Teotihuacán e a cidade asteca de Tenochtitlan eram locais muito mais influentes para a cultura mesoamericana do que Tula. No entanto, esta escola cética de pensamento reconhece que Tula ainda contribuiu para a herança cultural central mexicana de maneiras únicas.
  • A bolsa de estudos recente não enquadra Tula, Hidalgo, como a capital dos toltecas, conforme descrito nos relatos astecas. Em vez disso, é preciso que “tolteca” signifique simplesmente um habitante de Tula durante seu apogeu. Separando o termo “tolteca” daqueles das contas astecas, tenta encontrar pistas arqueológicas para a etnia, história e organização social dos habitantes do lugar de Tula.

Arqueologia e pistas

Enquanto os moradores do local de Tula, Hidalgo, continuam a ser um grupo misterioso, e suas dinâmicas étnicas e sociais são obscuras, deixaram registros arqueológicos substanciais que os estudiosos modernos tentaram analisar.

imagem

Escultura em pedra de Quetzalcoatl: Esta poderosa divindade serpente emplumada tem profundas raízes mitológicas nas histórias astecas. Ele também aparece regularmente em esculturas em Tula.

A cidade de Tula possui estátuas de guerreiros de 5 metros de altura esculpidas em pedra. Essas mesmas figuras atlantes, como são chamadas, também aparecem nos sítios maias de Chichén Itzá e Potrero Nuevo.

imagem

Estátuas de guerreiros toltecas em Tula: Estas estátuas de pedra destacam o estilo artístico da cidade de Tula. Eles também conectam esta cidade com outros locais culturais na Mesoamérica.

Tula também possui intrincados entalhes de águias, onças, beija-flores e borboletas, todos os quais o império asteca usou prolificamente. Além disso, o site de Tula inclui duas quadras de bola para o jogo religioso de bola de borracha que aparece em muitas civilizações mesoamericanas. Junto com essas relíquias distintas, os toltecas também construíram pirâmides distintas que espelham outros locais, como Chichén Itzá.

Muitas perguntas ainda permanecem sobre os habitantes deste site, incluindo questões sobre sua origem e sua morte. Este site também levanta questões sobre o fluxo de influência entre várias culturas mesoamericanas antes da ascensão do Império Asteca.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close