História

Arte e Cultura do México no século XX

A Escola Modernista Mexicana usou murais de grande escala para reforçar as mensagens políticas, especialmente aquelas que enfatizavam temas mexicanos em vez de europeus. A Revolução Mexicana teve um efeito dramático na arte mexicana, e o governo mexicano encomendou murais para edifícios públicos para reforçar as mensagens políticas, especialmente aquelas que enfatizavam temas mexicanos em vez de europeus.

O movimento muralista mexicano atingiu seu auge na década de 1930, com quatro artistas principais: Diego Rivera, David Alfaro Siqueiros, José Clemente Orozco e Fernando Leal. É agora o aspecto mais estudado da história da arte no México.

Os murais de Diego Rivera foram muito influenciados por suas tendências políticas de esquerda, lidando com a sociedade mexicana e refletindo a Revolução de 1910 do país.

Frida Kahlo de Rivera era uma pintora mexicana conhecida por seus auto-retratos. Embora pintasse telas em vez de murais, ela ainda é considerada parte da Escola Modernista Mexicana devido à ênfase da cultura popular mexicana e do uso da cor em seus trabalhos.

Termos chave

surrealista : Um movimento cultural e artístico que mistura sonho e realidade em uma única composição.

Escola Modernista Mexicana : O movimento artístico dentro do México que foi especialmente prolífico na década de 1930, glorificando a Revolução Mexicana e redefinindo o povo mexicano vis-à-vis seu passado indígena e colonial. Murais em grande escala eram o seu meio preferido.

Leitura sugerida para entender melhor esse texto:

Muralismo Mexicano e Arte Revolucionária

A Revolução Mexicana teve um efeito dramático na arte mexicana. O governo aliou-se a intelectuais e artistas na Cidade do México e encomendou murais para edifícios públicos para reforçar as mensagens políticas, especialmente aquelas que enfatizavam temas mexicanos em vez de europeus.

A produção de arte em conjunto com a propaganda do governo é conhecida como a Escola Modernista Mexicana, ou o Movimento Muralista Mexicano. Muitas dessas obras glorificaram a Revolução Mexicana ou redefiniram o povo mexicano vis-à-vis seu passado indígena e colonial. A primeira dessas obras encomendadas foi feita por Fernando Leal, Fermin Revueltas, David Alfaro Siqueiros e Diego Rivera em San Ildefonso, um prestigiado internato jesuíta.

O movimento muralista atingiu seu auge na década de 1930 com quatro artistas principais: Diego Rivera, David Alfaro Siqueiros, José Clemente Orozco e Fernando Leal. É agora o aspecto mais estudado da história da arte no México.

Esses quatro artistas foram treinados em técnicas clássicas européias e muitos de seus primeiros trabalhos foram imitações de estilos de pinturas européias na moda. Muitos prédios do governo mexicano exibiam murais glorificando o passado pré-hispânico do México e incorporando-o à definição de identidade mexicana. Muitos desses muralistas também reviveram a técnica do afresco em sua obra mural, embora alguns, como Siqueiros, tenham se dedicado a técnicas e materiais industriais, como a aplicação da piroxilina, um esmalte comercial usado em aviões e automóveis.

Diego Rivera

Rivera pintou seu primeiro mural significativo, Creation, no Auditório Bolivar da Escola Nacional Preparatória, na Cidade do México, em janeiro de 1922, enquanto se guardava com uma pistola contra os estudantes de direita. No outono de 1922, Rivera participou da fundação da União Revolucionária dos Trabalhadores Técnicos, Pintores e Escultores, e mais tarde, naquele ano, ingressou no Partido Comunista Mexicano.

Seus murais foram muito influenciados por suas inclinações políticas esquerdistas, lidando com a sociedade mexicana e refletindo a Revolução de 1910 do país. Ele desenvolveu seu próprio estilo nativo baseado em grandes figuras simplificadas e cores fortes. Uma forte influência asteca estava presente em suas obras, e grande parte de sua arte emulava as estelas maias da era clássica.

imagem

Mural de Diego Rivera: Mural Sueño de una Tarde Dominical en la Alameda Central na Cidade do México, com Rivera e Frida Kahlo em pé ao lado de La Calavera Catrina.

Frida Kahlo

Frida Kahlo de Rivera era uma pintora mexicana conhecida por seus auto-retratos. Enquanto pintava telas em vez de murais, ela ainda é considerada parte da Escola Modernista Mexicana devido à ênfase da cultura popular mexicana e do uso da cor em seus trabalhos. Ela era casada com o muralista Diego Rivera e como Rivera era um comunista ativo. Kahlo foi influenciada pela cultura indígena mexicana, como demonstrado por seu uso de cores brilhantes, simbolismo dramático e estilo primitivo.

Ela freqüentemente incluiu macacos em suas obras; enquanto isso geralmente é um símbolo de luxúria na mitologia mexicana, o retrato de Kahlo era terno e protetor. Temas cristãos e judaicos eram frequentemente retratados no trabalho de Kahlo. Ela combinou elementos de tradições mexicanas religiosas clássicas com componentes surrealistas em suas pinturas.

imagem

Frida Kahlo por Guillermo Kahlo: Kahlo em 1932, fotografado por seu pai, Guillermo.

Referência:

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar