História

Revolução Mexicana – Causas, motivos e consequências – Resumo

A Revolução Mexicana ocorreu ao longo de uma década e transformou radicalmente a cultura e o governo mexicanos. O surto da Revolução Mexicana é atribuído ao fracasso de Porfirio Diaz na resolução do problema da sucessão presidencial. No curto prazo, os eventos foram precipitados pelos resultados da eleição presidencial de 1910, na qual Diaz cometeu uma fraude eleitoral massiva e declarou-se o vencedor contra seu então oponente encarcerado, Francisco Madero.

Apesar da falta de experiência política de Madero, sua eleição como presidente em outubro de 1911 suscitou grandes expectativas de mudança positiva. Essas expectativas foram atenuadas pelo Tratado de Ciudad Juarez, que estipulava que certos elementos essenciais do regime de Diaz, como o exército federal, permaneciam em vigor.

Novas liberdades institucionais sob o regime de Madero e seu fracasso em recompensar os líderes revolucionários que o levaram ao poder levaram à sua renúncia e ao início da ditadura de Huerta.

Embora o regime de Huerta tenha tentado legitimar seu poder e demonstrar sua legalidade ao buscar políticas reformistas nos primeiros meses de sua presidência, depois de outubro de 1913, abandonou todas as tentativas de governar dentro de uma estrutura legal e assassinou opositores políticos enquanto lutava contra as forças revolucionárias. se uniram contra seu regime.

Em 26 de outubro de 1913, Huerta dispensou a legislatura mexicana, cercando o prédio com seu exército e prendendo congressistas que ele considerava hostis a seu regime. Depois de várias derrotas militares, Huerta deixou a presidência e fugiu do país menos de um ano depois.

A renúncia de Huerta marcou a dissolução do exército federal e o início de uma era de guerra civil entre as facções revolucionárias que se uniram para se opor ao regime de Huerta.

As forças de Venustiano Carranza e Pancho Villa lutaram entre si na Batalha de Celaya em 6 e 15 de abril de 1915, que terminou em vitória para os constitucionalistas e a eleição de Carranza para a presidência.

Como a violência revolucionária diminuiu em 1916, os líderes do México se reuniram para elaborar uma nova constituição fortemente nacionalista. Embora Carranza fosse capaz de promulgar muitas reformas, seu regime permaneceu vulnerável a Zapata, no sul, e a Villa, no norte.

Termos chave

Tratado de Ciudad Juarez : Um tratado de paz assinado entre o então presidente do México, Porfirio Diaz, e o revolucionário Francisco Madero, em 21 de maio de 1911, pondo fim à luta entre suas respectivas forças e terminando a fase inicial da Revolução Mexicana.

Plano de Ayala : Um documento redigido pelo revolucionário Emiliano Zapata em novembro de 1911, denunciando o presidente Madero por sua percepção de traição aos ideais revolucionários e estabelecendo uma visão da futura reforma agrária.

A Revolução Mexicana foi uma grande luta armada de 1910 a 1920 que transformou radicalmente a cultura e o governo mexicanos. Seu surto é atribuído ao fracasso de Porfirio Diaz em resolver o problema da sucessão presidencial. No curto prazo, os eventos foram precipitados pelos resultados da eleição presidencial de 1910, na qual Diaz cometeu uma fraude eleitoral massiva e declarou-se o vencedor contra seu então oponente encarcerado, Francisco Madero. O conflito armado tirou Diaz do poder e uma nova eleição foi realizada em 1911, na qual Madero ganhou a presidência.

A Presidência Madero, 1911-1913

Retrato do Presidente Francisco I. Madero

Presidente Francisco I. Madero: Presidente Constitucional do México 1911-1913

Apesar da falta de experiência política de Madero, sua eleição como presidente em outubro de 1911 suscitou grandes expectativas de mudança positiva. No entanto, essas expectativas foram atenuadas pelo Tratado de Ciudad Juarez, assinado em 21 de maio de 1911, entre Diaz e Madero, que pôs fim à luta entre as duas facções, mas também estipulou que certos elementos essenciais do regime de Diaz, como o exército federal, fique no lugar. Madero chamou os rebeldes que o levaram ao poder para retornar à vida civil. Em seu lugar, Madero dependia cada vez mais do exército federal para lidar com as rebeliões armadas que eclodiram no México de 1911 a 1912.

A imprensa, recém-livre do regime menos autoritário de Madero, abraçou suas novas liberdades, tornando o próprio presidente objeto de críticas. A mão-de-obra organizada exercia suas novas liberdades sob o regime de Madero, organizando greves, que empresários estrangeiros consideravam ameaçadoras para suas preocupações comerciais.

Um aumento do sentimento antiamericano acompanhou esses desenvolvimentos. A anarco-sindicalista Casa del Obrero Mundial foi fundada em setembro de 1912 e serviu principalmente como um centro de agitação e propaganda e não exclusivamente como sindicato trabalhista. Vários partidos políticos também proliferaram em todo o país, incluindo o Partido Nacional Católico, que foi particularmente forte em várias regiões.

Madero, ao contrário de Díaz, não conseguiu recompensar aqueles que o levaram ao poder, embora muitos líderes revolucionários esperassem recompensas pessoais ou grandes reformas em troca de seu serviço. Emiliano Zapata, em particular, trabalhou por muito tempo na reforma agrária no México e esperava que Madero fizesse algumas mudanças importantes.

No entanto, durante uma reunião pessoal com o líder guerrilheiro, Madero disse a Zapata que a questão agrária precisava de um estudo cuidadoso, levando à crença de que Madero, membro de uma rica família de proprietários de terras do norte, dificilmente implementaria uma reforma agrária abrangente.

Em resposta, Zapata elaborou o Plano de Ayala em novembro de 1911, declarando-se em rebelião contra Madero. Zapata renovou a guerra de guerrilha no estado de Morelos e Madero foi forçado a enviar o exército federal para lidar, sem sucesso, com suas forças.

Do mesmo modo, o general revolucionário do norte Pascual Orozco sentiu-se desprezado depois de ser encarregado de grandes forças de ruralesem Chihuahua em vez de ser escolhido como governador da mesma região. Depois de ser preterido e testemunhar a recusa de Madero em aceitar reformas sociais exigindo melhores horas de trabalho, salários e condições,

Orozco reuniu seu próprio exército para se rebelar contra o presidente, agravando os empresários norte-americanos e outros investidores estrangeiros na região norte. Para muitos, essas reviravoltas sinalizavam a incapacidade de Madero de manter a ordem que havia sustentado o regime de 35 anos de Diaz. Madero despachou o general Victoriano Huerta do exército federal para acabar com a revolta de Orozco em abril de 1912. Por fim, Huerta conseguiu acabar com a rebelião, levando muitas forças conservadoras a considerá-lo uma poderosa contra-força ao regime de Madero.

Várias outras rebeliões ocorreram durante um período conhecido como os Dez Dias Trágicos. Durante esse tempo, o embaixador dos EUA Henry Lane Wilson intermediou o Pacto da Embaixada, formalizando uma aliança entre Huerta e Felix Diaz, sobrinho do ex-presidente e líder rebelde.

O tratado garantiu que Huerta se tornaria presidente provisório do México após a renúncia de Madero e seu vice-presidente. Contudo, em vez de serem enviados para o exílio, os dois foram assassinados durante o transporte para a prisão, o que, apesar de chocante, não impediu o reconhecimento do regime de Huerta pela maioria dos governos mundiais. Seguindo a suposição de Huerta da presidência, os ex-revolucionários não tinham uma oposição formalmente organizada ao governo estabelecido.

Leitura sugerida para entender melhor esse texto:

A ditadura de Huerta, 1913-1914

Embora o regime de Huerta tenha tentado legitimar seu poder e demonstrar sua legalidade ao buscar políticas reformistas nos primeiros meses de sua presidência, depois de outubro de 1913 abandonou todas as tentativas de governar dentro de uma estrutura legal e assassinou opositores políticos enquanto lutava contra forças revolucionárias Unidos contra o seu regime.

Por estas razões, a presidência de Huerta é geralmente caracterizada como uma ditadura. O regime de Huerta foi apoiado inicialmente por interesses comerciais estrangeiros e domésticos, pelas elites fundiárias, pela Igreja Católica Romana e pelos governos alemão e britânico, e o México foi militarizado em maior medida do que nunca.

Dentro de um mês do golpe que levou Huerta ao poder, várias rebeliões eclodiram em todo o país. Os revolucionários do Norte lutaram sob o nome do Exército Constitucionalista e Zapata continuou sua rebelião em Morelos sob o Plano de Ayala, apesar do interesse de Huerta na reforma agrária como um problema. Huerta ofereceu paz a Zapata, mas ele a rejeitou.

O presidente dos Estados Unidos, Woodrow Wilson, recusou-se a reconhecer o governo de Huerta, apesar da insistência do embaixador Wilson, que desempenhou um papel fundamental na mudança de regime. No verão de 1913, o presidente Wilson lembrou-se do embaixador Wilson e enviou seu próprio representante pessoal, John Lind, para continuar as relações diplomáticas entre os EUA e o México. Lind era um progressista que simpatizava com os revolucionários mexicanos e instou outras potências européias a se unirem à América no não reconhecimento do regime de Huerta.

Ele também pediu que Huerta convocasse eleições e não se candidatasse, usando ameaças econômicas e militares para respaldar suas alegações. Os conservadores mexicanos também buscavam uma alternativa civil eleita ao regime de Huerta e reuniram vários candidatos em uma Junta Nacional Unificadora.

Em 26 de outubro de 1913, Huerta dispensou a legislatura mexicana, cercando o prédio com seu exército e prendendo congressistas que ele julgava hostis ao seu regime. As eleições para o Congresso foram adiante, mas o fervor dos candidatos da oposição diminuiu. As eleições de outubro de 1913 terminaram com qualquer pretensão de governo constitucional no México e atividades políticas civis foram proibidas.

Além disso, muitos católicos proeminentes foram presos e periódicos católicos foram suprimidos. A posição de Huerta continuou a deteriorar-se e o seu exército sofreu várias derrotas durante este tempo. Finalmente, em meados de julho de 1914, ele se demitiu e fugiu do país. Ele morreu seis meses depois de ter sido exilado após ter sido preso pelas autoridades dos EUA e mantido em Fort Bliss, Texas.

Guerra dos vencedores, 1914-1915

imagem

Venustiano Carranza: Fotografia do governador de Coahuila Venustiano Carranza (centro), o alto e destacado “Primeiro Chefe” das forças Constitucionalistas no norte do México, em oposição ao regime de Huerta.

As facções revolucionárias que permaneceram no México reuniram-se na Convenção de Aguascalientes em outubro de 1914. Durante esse período, houve uma breve pausa na violência revolucionária. Ao invés de facilitar uma reconciliação entre as diferentes facções, no entanto, Venustiano Carranza e Pancho Villa se engajaram em uma luta pelo poder, levando a uma ruptura definitiva entre os dois revolucionários. Carranza esperava ser nomeado primeiro-chefe das forças revolucionárias, mas seus partidários foram dominados durante a convenção pelos partidários de Zapata e Villa, que pediram a Carranza que renunciasse ao poder executivo.

Carranza concordou em fazê-lo somente se Villa e Zapata também se demitissem e fossem para o exílio. Ele também estipulou que haveria um governo pré-constitucionalista para levar a cabo as reformas políticas e sociais necessárias que o país precisava antes de um governo totalmente constitucional ser restabelecido. Como resultado dessas condições, a convenção declarou Carranza em rebelião e a guerra civil recomeçou.

Villa geral do norte formou uma aliança com o líder sulista Zapata. As forças combinadas resultantes foram chamadas de Exército da Convenção. Em dezembro de 1914, suas forças se mudaram para a Cidade do México e a capturaram, as forças de Carranza fugiram pouco antes. Na prática, no entanto, o Exército da Convenção não sobreviveu como uma aliança além dessa vitória inicial contra os Constitucionalistas. Pouco tempo depois, Zapata retornou à sua fortaleza sulista e Villa voltou a lutar contra as forças de Carranza no norte.

Enquanto isso, os Estados Unidos ficaram do lado de Carranza, que estava baseada em Veracruz ocupada pelos americanos. Os Estados Unidos cronometraram sua saída de Veracruz para beneficiar Carranza, enviando suas forças militares e reconhecendo formalmente seu governo em 1915.

As forças de Villa reuniram-se com as dos aliados de Carranza na Batalha de Celaya nos dias 6 e 15 de abril de 1915, que terminaram em uma decisiva vitória constitucionalista devido a suas táticas militares superiores. Como resultado, Carranza emergiu como líder político do México com o apoio do exército.

Constitucionalismo sob Carranza, 1915-1920

Como a violência revolucionária diminuiu em 1916, os líderes do México se reuniram para elaborar uma nova constituição. A Constituição mexicana de 1917 que resultou foi fortemente nacional. O Artigo 27 concedia ao governo o direito de expropriar recursos naturais de interesses estrangeiros, possibilitando a reforma agrária.

Havia também disposições para proteger o trabalho organizado e os artigos que estendiam o poder do Estado sobre a Igreja Católica Romana no México. Carranza também pressionou pelos direitos das mulheres e pela igualdade durante sua presidência, o que ajudou a transformar o status legal das mulheres dentro do país.

Carranza, embora capaz de promulgar muitas reformas, ainda estava vulnerável à agitação revolucionária. Zapata permaneceu ativo em Morelos, que devido à sua proximidade com a Cidade do México permaneceu uma vulnerabilidade para o governo Carranza. O Exército Constitucionalista, renomeado Exército Nacional Mexicano, foi enviado para combater o Exército Libertador do Sul de Zapata e agentes do governo assassinaram Zapata em 1919.

Carranza também enviou generais para rastrear Villa no norte, mas eles só conseguiram capturar alguns seus homens. Devido ao legado da política de “não reeleição” de Díaz, era politicamente insustentável para Carranza buscar a reeleição após seu primeiro mandato, então, em vez disso, ele endossou o desconhecido político Ignacio Bonillas quando seu mandato estava quase concluído.

Contudo, alguns líderes revolucionários do norte do país descobriram que a perspectiva de um candidato fantoche civil de Carranza era insustentável e traçou uma revolta contra Carranza, chamada Plano de Água Prieta. Como resultado, Carranza tentou fugir do México, mas morreu a caminho da Costa do Golfo.

Referências:

Artigos Relacionados

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close