História

Comunidade Europeia do Carvão e do Aço – Unificação Europeia

A Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA) nasceu do desejo de evitar futuros conflitos europeus após a devastação da Segunda Guerra Mundial. A Comunidade Europeia do Carvão e do Aço foi formalmente criada em 1951 pelo Tratado de Paris, assinado pela Bélgica, França, Alemanha Ocidental, Itália, Países Baixos e Luxemburgo. A CECA foi proposta pela primeira vez pelo ministro das Relações Exteriores da França, Robert Schuman, em 9 de maio de 1950, para evitar novas guerras entre a França e a Alemanha.

O objectivo declarado da CECA era tornar as guerras futuras entre as nações europeias impensáveis ​​devido aos níveis mais elevados de integração regional, sendo a CECA o primeiro passo para essa integração. A CECA gozou de um apoio público substancial, obtendo fortes votos por maioria em todas as 11 câmaras dos parlamentos dos seis Estados membros, bem como aprovação entre associações e a opinião pública europeia.

As primeiras instituições da CECA acabariam por constituir o modelo da Comissão Europeia de hoje, do Parlamento Europeu, do Conselho da União Europeia e do Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias.

Termos chave

supranacionalismo : Um tipo de união política multinacional em que o poder negociado é delegado a uma autoridade pelos governos dos estados membros.

A Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA) foi uma organização internacional que unificou alguns países da Europa continental após a Segunda Guerra Mundial. Foi formalmente estabelecido em 1951 pelo Tratado de Paris, assinado pela Bélgica, França, Alemanha Ocidental, Itália, Holanda e Luxemburgo. A CECA foi a primeira organização internacional baseada nos princípios do supranacionalismo e acabaria por preparar o caminho para a União Europeia.

A bandeira é composta por duas faixas horizontais - uma faixa azul na parte superior e uma faixa preta na parte inferior. Há seis faixas brancas na parte inferior da faixa azul e seis listras brancas na parte superior da faixa branca.

Bandeira da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço

Leitura sugerida para entender melhor esse texto:

História

A CECA foi proposta pela primeira vez pelo ministro das Relações Exteriores da França, Robert Schuman, em 9 de maio de 1950, para evitar novas guerras entre a França e a Alemanha. O seu objectivo declarado era tornar as guerras futuras entre as nações europeias impensáveis ​​devido aos níveis mais elevados de integração regional, com a CECA como o primeiro passo para essa integração.

O tratado criaria um mercado comum para o carvão e o aço entre seus países-membros, que servia para neutralizar a competição entre as nações européias pelos recursos naturais usados ​​para a mobilização em tempos de guerra, particularmente no Ruhr. A Declaração Schuman que criou a CECA tinha vários objetivos distintos:

  • Isso marcaria o nascimento de uma Europa unida.
  • Isso tornaria a guerra entre os estados-membros impossível.
  • Isso encorajaria a paz mundial.
  • Transformaria a Europa incrementalmente, levando à unificação democrática de dois blocos políticos separados pela Cortina de Ferro.
  • Criaria a primeira instituição supranacional do mundo.
  • Criaria a primeira agência internacional anti-cartel do mundo.
  • Criaria um mercado comum em toda a Comunidade.
  • Começaria, a partir do sector do carvão e do aço, a revitalizar toda a economia europeia através de processos comunitários semelhantes.
  • Melhoraria a economia mundial, assim como as economias dos países em desenvolvimento, como as da África.

Pressões Políticas

Na Alemanha Ocidental, Schuman manteve contato próximo com a nova geração de políticos democráticos. Karl Arnold, o Ministro Presidente da Renânia do Norte-Vestfália, a província que incluía o Ruhr, produtor de carvão e aço, foi inicialmente porta-voz das relações exteriores alemãs. Deu uma série de discursos e transmissões sobre uma comunidade supranacional do carvão e do aço ao mesmo tempo que Schuman começou a propor a Comunidade em 1948 e 1949.

O Partido Social-Democrata da Alemanha (em alemão: Sozialdemokratische Partei Deutschlands, SPD), apesar de apoio de sindicatos e outros socialistas na Europa, decidiu que iria se opor ao plano Schuman. A desconfiança pessoal de Kurt Schumacher sobre a França, o capitalismo e Konrad Adenauer à parte, ele afirmou que um foco na integração superaria o objetivo primordial do SPD de reunir a Alemanha e, assim, fortalecer os movimentos comunistas ultranacionalistas em países democráticos.

Ele também achava que a CECA acabaria com as esperanças de nacionalizar a indústria siderúrgica e encorajaria o crescimento da atividade de cartel em toda a Europa recém-conservadora. Os membros mais jovens do partido, como Carlo Schmid, eram, no entanto, a favor da Comunidade e apontavam para a longa tradição de apoio socialista a um movimento supranacional.

Na França, Schuman ganhou forte apoio político e intelectual de todos os setores, incluindo muitos partidos não-comunistas. Charles de Gaulle, então fora do poder, tinha sido um dos primeiros defensores da ligação das economias européias em termos franceses e falou em 1945 de uma “confederação européia” que exploraria o país.
recursos do Ruhr. No entanto, opôs-se à CECA, ridicularizando-a como uma abordagem insatisfatória à unidade europeia. Ele também considerou a abordagem do governo francês para a integração muito fraca e temia que a CECA fosse sequestrada por preocupações de outras nações. De Gaulle achava que a CECA tinha autoridade supranacional insuficiente porque a Assembleia não foi ratificada por um referendo europeu e não aceitou a afirmação de Raymond Aron de que a CECA se destinava a afastar-se da dominação norte-americana. Consequentemente, de Gaulle e seus seguidores no Rally do Povo Francês (RPF) votaram contra a ratificação na câmara baixa do parlamento francês.

Apesar destas reservas e ataques da extrema esquerda, a CECA encontrou substancial apoio público. Ganhou votos de maioria forte em todas as 11 câmaras dos parlamentos dos seis estados membros, bem como aprovação entre associações e opinião pública europeia.

O Tratado de 100 artigos de Paris, que estabeleceu a CECA, foi assinado em 18 de abril de 1951, pelos “seis internos”: França, Alemanha Ocidental, Itália, Bélgica, Holanda e Luxemburgo. Em 11 de agosto de 1952, os Estados Unidos foram o primeiro membro não CECA a reconhecer a Comunidade e declararam que agora tratariam da CECA em questões de carvão e aço, estabelecendo sua delegação em Bruxelas.

Primeiras Instituições

A CECA era gerida por quatro instituições: uma Alta Autoridade composta por nomeados independentes, uma Assembleia Comum composta por parlamentares nacionais, um Conselho Especial composto por ministros nacionais e um Tribunal de Justiça. Estes acabariam por constituir o modelo da Comissão Europeia de hoje, do Parlamento Europeu, do Conselho da União Europeia e do Tribunal de Justiça das Comunidades Europeias.

imagem

Luxemburgo (Cidade) Edifício Principal do BCEE

O edifício principal do BCEE na Cidade do Luxemburgo era o lar da antiga sede da Alta Autoridade da CECA.

A Alta Autoridade (agora a Comissão Européia) foi o primeiro órgão supranacional que atuou como executivo da Comunidade. O Presidente foi eleito pelos oito outros membros. Os nove membros foram nomeados pelos estados membros (dois para os três estados maiores, um para os três menores), mas representaram o interesse comum em vez das preocupações dos seus próprios estados.

Os governos dos estados membros eram representados pelo Conselho de Ministros, cuja presidência alternava entre cada estado a cada três meses em ordem alfabética. A tarefa do Conselho de Ministros era harmonizar o trabalho dos governos nacionais com os actos da Alta Autoridade e emitir pareceres sobre o trabalho da Autoridade quando necessário.

A Assembleia Comum, agora o Parlamento Europeu, era composta por 78 representantes. A Assembléia exerceu poderes de supervisão sobre o executivo. Os representantes deveriam ser deputados nacionais eleitos pelos seus Parlamentos para a Assembleia, ou eleitos directamente. A Assembleia foi concebida como um contrapeso democrático e cheque à Alta Autoridade. Tinha poderes formais para demitir a Alta Autoridade após investigações de abuso.

Referências:

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar