História

Estados Unidos VS União Soviética – Influência no Exterior

Influência no Exterior

Os Estados Unidos e a União Soviética competiram cada vez mais pela influência por procuração no Terceiro Mundo, à medida que a descolonização ganhava força nos anos 1950 e início dos anos 1960.

Pontos chave
  • A Guerra da Coréia marcou uma mudança no ponto focal da Guerra Fria, da Europa do pós-guerra ao Leste da Ásia e outras nações do Terceiro Mundo, como batalhas por supremacia ideológica.
  • No início dos anos 1950, a aliança da OTAN já havia integrado a Europa Ocidental no sistema de pactos de defesa mútua, oferecendo salvaguardas contra subversão ou neutralidade no bloco. O Plano Marshall havia reforçado a recuperação econômica, de modo que os EUA estavam menos preocupados em perder a Europa Ocidental para a influência soviética.
  • Após uma série de ondas de descolonização africana e asiática após a Segunda Guerra Mundial e o surgimento de líderes de esquerda na América Latina, os EUA concentraram-se no Terceiro Mundo.
  • Em tal cenário internacional, a União Soviética propagou um papel como líder do campo “antiimperialista”, abrindo espaço no Terceiro Mundo como um forte opositor do colonialismo.
  • A administração de Eisenhower tentou formalizar seu sistema de alianças por meio de uma série de pactos, com aliados do Leste Asiático se unindo à Organização do Tratado do Sudeste Asiático (SEATO) enquanto amigos na América Latina foram colocados na Organização dos Estados Americanos.
  • Muitas nações do Terceiro Mundo, no entanto, não queriam se alinhar com qualquer das superpotências, e o Movimento dos Não-Alinhados, liderado pela Índia, Egito e Áustria, tentou unir o terceiro mundo contra o que era visto como imperialismo por ambos os países. Oriente e Ocidente.
  • Em grande parte da América Latina, as oligarquias reacionárias governaram suas alianças com a elite militar e os Estados Unidos, mas na década de 1960 os marxistas ganharam crescente influência nas regiões, causando temores nos Estados Unidos de que a instabilidade latino-americana representasse uma ameaça à segurança nacional dos EUA .
  • Esta era também viu batalhas pelo alinhamento ideológico no Congo, na Indonésia e no Irã.

 

Termos chave

  • Movimento Não-Alinhado : Um grupo de estados que não estão formalmente alinhados com ou contra qualquer grande bloco de poder, especialmente durante a Guerra Fria.
  • descolonização : o desfazer do colonialismo, a retirada de suas colônias de poder colonial; a aquisição de independência política ou econômica por tais colônias. O termo refere-se particularmente ao desmantelamento, nos anos após a Segunda Guerra Mundial, dos impérios coloniais estabelecidos antes da Primeira Guerra Mundial em todo o mundo. Isto significa não apenas a completa “remoção da dominação das forças não indígenas” dentro do espaço geográfico e das instituições do colonizado, mas também a “descolonização da mente” das idéias colonizadoras do colonizado como inferiores.
  • John Foster Dulles : Serviu como secretário de Estado dos EUA durante o governo do presidente republicano Dwight D. Eisenhower de 1953 a 1959 e foi uma figura importante no início da Guerra Fria, defendendo uma postura agressiva contra o comunismo em todo o mundo.

Visão geral

A Guerra da Coréia marcou uma mudança no ponto focal da Guerra Fria da Europa do pós-guerra para o leste da Ásia. Depois desse ponto, as batalhas por procuração no Terceiro Mundo tornaram-se uma arena importante da competição das superpotências.

A administração de Eisenhower ajustou a política dos EUA ao impacto da descolonização, afastando o foco da Europa devastada pela guerra. No início dos anos 1950, a aliança da Otan havia integrado a Europa Ocidental ao sistema de pactos de defesa mútua, oferecendo salvaguardas contra a subversão ou a neutralidade no bloco.

O Plano Marshall havia reconstruído um sistema econômico ocidental em funcionamento, frustrando o apelo eleitoral da esquerda radical. Quando a ajuda econômica acabou com a escassez de dólares e estimulou o investimento privado para a reconstrução do pós-guerra, poupando os EUA de uma crise de superprodução e mantendo a demanda pelas exportações dos EUA, o governo Eisenhower começou a se concentrar em outras regiões.

Os efeitos combinados de duas grandes guerras européias enfraqueceram a dominação política e econômica da América Latina, Ásia, África e Oriente Médio pelas potências européias. Isso levou a uma série de ondas de descolonização africana e asiática após a Segunda Guerra Mundial; um mundo dominado por mais de um século pelas potências coloniais imperialistas ocidentais foi transformado em um mundo emergente de nações africanas, do Oriente Médio e da Ásia. O grande número de estados-nação aumentou drasticamente.

A Guerra Fria colocou imensa pressão sobre as nações em desenvolvimento para se alinharem com uma das facções das superpotências. Ambos prometeram substancial ajuda financeira, militar e diplomática em troca de uma aliança, na qual questões como corrupção e abusos dos direitos humanos foram negligenciadas ou ignoradas. Quando um governo aliado estava ameaçado, as superpotências estavam frequentemente preparadas e dispostas a intervir.

Em tal cenário internacional, a União Soviética propagou um papel como líder do campo “anti-imperialista”, abrindo caminho para o Terceiro Mundo como um opositor mais firme do colonialismo do que muitas nações independentes na África e na Ásia. Khrushchev ampliou a política de Moscou estabelecendo novas relações com a Índia e outros estados não-alinhados e não-comunistas em todo o Terceiro Mundo. Muitos países do emergente movimento não-alinhado desenvolveram uma relação próxima com Moscou.

Em um exercício das novas políticas de “reversão”, agindo sobre as doutrinas de Dulles, Eisenhower frustrou a intervenção soviética, usando a CIA para derrubar governos hostis. No mundo árabe, o foco era o nacionalismo pan-árabe. As empresas americanas já haviam investido pesadamente na região, que continha as maiores reservas de petróleo do mundo. Os EUA estavam preocupados com a estabilidade e a simpatia dos governos da região, sobre os quais a saúde da economia dos EUA crescentemente dependia.

Pactos de Defesa

A administração de Eisenhower tentou formalizar seu sistema de alianças por meio de uma série de pactos. Seus aliados do Leste Asiático se juntaram à Organização do Tratado do Sudeste Asiático (SEATO) enquanto amigos na América Latina foram colocados na Organização dos Estados Americanos. A aliança ANZUS foi assinada entre a Austrália, a Nova Zelândia e os EUA. Nenhum desses agrupamentos teve tanto sucesso quanto a OTAN estivera na Europa.

John Foster Dulles, um anti-comunista rígido, focou agressivamente na política do Terceiro Mundo. Ele intensificou os esforços para integrar todo o Terceiro Mundo não comunista em um sistema de pactos de defesa mútua, viajando quase 500.000 milhas para consolidar novas alianças. Dulles iniciou a Conferência de Manila em 1954, resultando no pacto da SEATO que uniu oito nações (localizadas no sudeste da Ásia ou com interesses ali) em um pacto de defesa neutro.

Esse tratado foi seguido em 1955 pelo Pacto de Bagdá, mais tarde renomeado como Organização Central do Tratado (CENTO), unindo os países do norte do Oriente Médio – Turquia, Iraque, Irã e Paquistão – em uma organização de defesa.

Muitas nações do Terceiro Mundo não queriam se alinhar com nenhuma das superpotências. O movimento não-alinhado, liderado pela Índia, Egito e Áustria, tentou unir o terceiro mundo contra o que era visto como imperialismo pelo Oriente e pelo Ocidente.

Dulles, juntamente com a maioria dos políticos estrangeiros da época, considerava muitos nacionalistas do terceiro mundo e “revolucionários” essencialmente sob a influência, se não o controle, do Pacto de Varsóvia.

América latina

A abordagem de Eisenhower-Dulles à política externa procurou derrubar governos hostis de uma forma encoberta.

Em grande parte da América Latina, as oligarquias reacionárias governaram suas alianças com a elite militar e os Estados Unidos. Embora a natureza do papel dos EUA na região tenha sido estabelecida muitos anos antes da Guerra Fria, a Guerra Fria deu ao intervencionismo norte-americano um novo tom ideológico.

Em meados do século XX, grande parte da região passou por um estado de desenvolvimento econômico mais elevado, o que reforçou o poder e as classes das classes mais baixas. Isso fez apelos por mudanças sociais e inclusão política mais pronunciadas, colocando um desafio à forte influência dos EUA sobre as economias da região.

Na década de 1960, os marxistas ganharam crescente influência em todas as regiões, provocando temores nos Estados Unidos de que a instabilidade latino-americana representasse uma ameaça à segurança nacional dos EUA.

Ao longo dos anos da Guerra Fria, os EUA atuaram como uma barreira às revoluções socialistas e aos governos populistas e nacionalistas visados, ajudados pelos comunistas. A CIA derrubou outros governos suspeitos de se tornarem pró-comunistas, como a Guatemala em 1954 sob Jacobo Arbenz Guzman.

A Operação CIA PBSUCCESS levou ao golpe de 1954 que removeu Arbenz do poder. A operação baseou-se em um plano considerado pela primeira vez em 1951 para derrubar Arbenz, chamado Operação PBFORTUNE. Arbenz, que foi apoiado por alguns comunistas locais, foi afastado pouco depois de ter redistribuído 178.000 acres da terra da United Fruit Company na Guatemala.

A United Fruit há muito tempo monopolizava a região de transporte e comunicações de lá, juntamente com as principais commodities de exportação, e desempenhou um papel importante na política guatemalteca. Arbenz saiu pouco depois,

Os revolucionários latino-americanos do futuro mudaram para táticas de guerrilha, particularmente após a Revolução Cubana. Arbenz caiu quando seus militares o abandonaram.

Desde então, alguns futuros revolucionários sociais e marxistas da América Latina, mais notavelmente Fidel Castro e os sandinistas na Nicarágua, fizeram do exército e dos governos partes de uma única unidade e acabaram criando estados de partido único. Derrubar esses regimes exigiria uma guerra em vez de uma simples operação da CIA, o desembarque de fuzileiros navais ou um esquema de invasão grosseira como a invasão da Baía dos Porcos.

África

Uma das primeiras nações descolonizadas a solicitar ajuda do Oriente foi a República Democrática do Congo, sob Patrice Lumumba. Um grande número de membros das forças de paz das Nações Unidas e outros aliados da OTAN estiveram no Congo desde que a independência foi estabelecida a partir da Bélgica em 1960.

Os EUA os usaram para bloquear o tráfego aéreo e impedir que armas e tropas orientais entrassem no país. No entanto, algumas armas orientais conseguiram entrar em outros países.

Os mantenedores da paz decidiram remover Lumumba e apoiaram o coronel Joseph Mobutu em um golpe no qual Lumumba foi morto. A crise congolesa teve o efeito de alienar tanto do Ocidente quanto do Oriente alguns no terceiro mundo que viam o Oriente como fraco e impotente e o Ocidente antiético e inescrupuloso.

Imagem de um selo da União Soviética mostrando o rosto de Patrice Lumumba, primeiro-ministro da República do Congo.

Patrice Lumumba: 1961 – selo soviético em homenagem a Patrice Lumumba, primeiro-ministro da República do Congo, morto durante um golpe de estado apoiado pelos EUA.

Médio Oriente

Em 1953, a CIA do presidente Eisenhower implementou a Operação Ajax, uma operação secreta destinada à derrubada do primeiro-ministro iraniano, Mohammad Mosaddegh. O popular Mosaddegh, eleito e não-alinhado, era um inimigo do Oriente Médio da Grã-Bretanha desde a nacionalização da empresa anglo-iraniana de petróleo em 1951.

Winston Churchill disse aos Estados Unidos que Mosaddegh estava “cada vez mais voltado para o comunismo”. Shah, Mohammad Reza Pahlavi, assumiu o controle como um monarca autocrático. As políticas do xá incluíam a proibição do Partido Comunista de Tudeh e a supressão geral da dissensão política pela SAVAK, a agência de segurança e inteligência doméstica do xá.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo