História

O Sucesso Econômico do Brasil e os Achados de Corrupção

O Brasil, membro do grupo BRICS, tinha uma das principais economias que mais crescem no mundo até 2010, com suas reformas econômicas dando ao país novo reconhecimento e influência internacional. Em 1985, o Brasil entrou em sua era contemporânea, inaugurando um período de redemocratização após décadas de ditaduras e governos militares.

A adoção da atual Constituição brasileira em 1988 completou o processo de restabelecimento das instituições democráticas. Desde então, seis mandatos presidenciais se passaram, sem ruptura com a ordem constitucional. Em 2002, Luiz Inácio Lula da Silva, do PT (Partido dos Trabalhadores), ganhou a presidência com mais de 60% dos votos nacionais.

Sua presidência foi caracterizada por um grande crescimento econômico, aumento do prestígio internacional e numerosos escândalos de corrupção.

Apesar desses escândalos, a popularidade de Lula subiu para um recorde de 80%, o maior de um presidente brasileiro desde o fim do regime militar.

Uma das principais marcas do segundo mandato de Lula foram seus esforços para expandir a influência política do Brasil em todo o mundo, incluindo a participação do Brasil no G20, um fórum de discussão global de grandes potências.

Em 31 de outubro de 2010, Dilma Rousseff, também do Partido dos Trabalhadores, foi a primeira mulher eleita Presidente do Brasil, com seu mandato começando em 1º de janeiro de 2011.

Provocados por indignação e frustrações acumuladas ao longo de décadas (contra a corrupção, a brutalidade policial, as ineficiências do establishment político e o serviço público), numerosos protestos pacíficos eclodiram no Brasil a partir do meio do primeiro mandato de Dilma Rousseff.

Em meio a crises políticas e econômicas, evidências de que políticos de todos os principais partidos políticos estavam envolvidos em vários esquemas de suborno e evasão fiscal e grandes protestos de rua a favor e contra ela, Rousseff foi impedida pelo Congresso brasileiro em 2016. Ela foi sucedida pelo vice-presidente Michel Temer.

Termos chave

  • G20 : Um fórum internacional para os governos e governadores dos bancos centrais das 20 principais economias. Foi fundado em 1999 com o objetivo de estudar, revisar e promover discussões de alto nível sobre questões políticas relativas à promoção da estabilidade financeira internacional. Procura abordar questões que vão além das responsabilidades de qualquer organização. Os chefes de governo ou chefes de estado participantes têm conferido periodicamente em cúpulas desde sua primeira reunião em 2008, e o grupo também organiza reuniões separadas de ministros de finanças e governadores de bancos centrais.
  • Dilma Rousseff : Uma economista e política brasileira que foi a 36ª Presidente do Brasil de 2011 até seu impeachment e destituição do cargo em 31 de agosto de 2016. Ela é a primeira mulher a ocupar a presidência do Brasil e anteriormente serviu como Chefe de Gabinete ao Presidente Luiz Inácio Lula da Silva de 2005 a 2010.
  • Luiz Inácio Lula da Silva : Um político brasileiro que serviu como presidente do Brasil de 1 de janeiro de 2003 a 1 de janeiro de 2011. Ele é um dos membros fundadores do Partido dos Trabalhadores (PT). Ele é frequentemente considerado como um dos políticos mais populares da história do Brasil e, na época de seu mandato, um dos mais populares do mundo. Programas sociais como o Bolsa Família e o Fome Zero são marcos de seu tempo no cargo. Ele desempenhou um papel de destaque nos recentes desenvolvimentos das relações internacionais, incluindo o programa nuclear do Irã e o aquecimento global, e foi descrito como “um homem com ambições audaciosas para alterar o equilíbrio de poder entre as nações”.

Antecedentes: Re-democratização do Brasil

Indo para o século 21, o Brasil viu um retorno ao regime democrático após um período de ditadura durante a Era Vargas (1930-1934 e 1937-1945) e um período de governo militar (1964-1985) sob o governo militar brasileiro.

Em janeiro de 1985, o processo de transição negociada para a democracia chegou ao clímax com a eleição de Tancredo Neves do partido do PMDB (o partido que sempre se opôs ao regime militar) como o primeiro presidente civil desde 1964. Ele morreu antes de ser empossado. o vice-presidente eleito, José Sarney, foi empossado como presidente em seu lugar.

Em 1986, o governo Sarney cumpriu a promessa de Tancredo de aprovar no Congresso uma Emenda Constitucional à Constituição herdada do período militar, convocando eleições para uma Assembléia Nacional Constituinte para redigir e adotar uma nova Constituição para o país. A Assembléia Constituinte iniciou as deliberações em fevereiro de 1987 e concluiu seu trabalho em 5 de outubro de 1988.

A adoção da atual Constituição brasileira em 1988 completou o processo de restabelecimento das instituições democráticas. A nova Constituição substituiu a legislação autoritária que ainda permanecia e que havia sido herdada dos dias do regime militar.

Em 1989, as primeiras eleições para presidente por cédula popular direta desde o golpe militar de 1964 foram realizadas sob a nova Constituição, e Fernando Collor foi eleito. Collor foi inaugurado em 15 de março de 1990. Com a posse do primeiro presidente eleito pela Constituição de 1988, o último passo no longo processo de democratização ocorreu e a fase de transição finalmente terminou.

Desde então, seis mandatos presidenciais se passaram, sem ruptura com a ordem constitucional: o primeiro mandato correspondia às administrações Collor e Franco (Collor foi acusado de corrupção em 1992 e renunciou à presidência.

Ele foi sucedido por Franco, seu vice-presidente. .); o segundo e terceiro termos correspondiam à administração de Fernando Henrique Cardoso; o quarto e quinto mandatos presidenciais correspondiam à administração de Luiz Inácio Lula da Silva; e o sexto mandato correspondeu ao primeiro governo de Dilma Rousseff. Em 2015, a Sra. Rousseff iniciou outro mandato, que deve terminar em 2018, mas sofreu impeachment por violações das normas de responsabilidade orçamentária e fiscal em 2016. Ela foi sucedida pelo vice-presidente Michel Temer.

Governo Lula

Em 2002, Luiz Inácio Lula da Silva, do PT (Partido dos Trabalhadores), ganhou a presidência com mais de 60% dos votos nacionais. Nos primeiros meses de mandato, a inflação subiu perigosamente, refletindo a incerteza dos mercados sobre a política monetária do governo.

No entanto, a confiança dos mercados no governo foi prontamente recuperada, uma vez que Lula optou por manter as políticas de seu antecessor, particularmente a continuação da tarefa do Banco Central de manter a inflação baixa. Depois disso, o país passou por considerável crescimento econômico e expansão do emprego.

Por outro lado, as principais políticas econômicas de Lula desapontaram seus aliados esquerdistas mais radicais, o que levou a um colapso do PT (Partido dos Trabalhadores) que resultou na criação do PSOL (Partido Socialismo e Liberdade).

Vários escândalos de corrupção ocorreram durante a presidência de Lula. Em 2005, Roberto Jefferson, presidente do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), esteve implicado em um caso de suborno. Como uma Comissão Parlamentar de Inquérito foi criada, Jefferson testemunhou que os membros do parlamento estavam sendo pagos mensalmente para votar em legislação apoiada pelo governo.

Mais tarde, em agosto do mesmo ano, depois de mais investigações, o diretor de campanha Duda Mendonça admitiu ter usado dinheiro ilegal não declarado para financiar a vitória eleitoral do PT em 2002. Verificou-se que o dinheiro em ambos os casos se originou de fontes privadas e também do orçamento publicitário de empresas estatais chefiadas por nomeados políticos, ambos lavados pela agência de publicidade de Duda, Mendonça. A coleta desses incidentes foi apelidada de escândalo do Mensalão. Em 24 de agosto de 2007,

A perda de apoio resultante desses escândalos foi superada pela popularidade do presidente entre os eleitores das classes mais baixas, cuja renda per capita aumentou em consequência tanto do emprego mais elevado, da expansão do crédito interno aos consumidores e dos programas governamentais de assistência social.

A situação econômica estável e sólida do país, que o Brasil não vivenciou nos últimos 20 anos, com rápido crescimento da produção tanto para os consumidores internos quanto para as exportações, bem como uma diminuição suave, mas perceptível da desigualdade social, também pode explicar parcialmente a alta popularidade do governo Lula, mesmo depois de vários escândalos de corrupção envolvendo importantes políticos ligados a Lula e ao PT. Daí a reeleição de Lula em 2006: depois de quase vencer no primeiro turno,

Após a segunda vitória de Lula, seus índices de aprovação começaram a subir novamente (impulsionados pela continuidade das conquistas econômicas e sociais obtidas durante o primeiro mandato) para um recorde de 80%, o maior de um presidente brasileiro desde o fim do regime militar. O foco do segundo mandato de Lula foi estimular ainda mais a economia por meio de investimentos em infraestrutura e medidas para continuar expandindo o crédito interno para produtores, indústria, comércio e consumidores.

Outra marca do segundo mandato de Lula foram seus esforços para expandir a influência política do Brasil em todo o mundo, especialmente depois que o G20 (do qual o Brasil e outras economias emergentes participam) substituiu o G8 como o principal fórum mundial de discussões.

Lula é um defensor ativo da Reforma do Conselho de Segurança das Nações Unidas, uma vez que o Brasil é uma das quatro nações (sendo as outras a Alemanha, a Índia e o Japão) a cobiçar oficialmente um assento permanente no conselho. Lula também ajudou a orquestrar a participação do Brasil no BRICS, a sigla para uma associação de cinco importantes economias emergentes: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Lula também é notório por se ver como um amistoso e pacificador chefe de Estado, conseguindo fazer amigos de países rivais, como os presidentes George W. Bush e Barack Obama, dos Estados Unidos, até o líder venezuelano Hugo Chávez, o ex-presidente cubano Fidel. Castro, o presidente da Bolívia Evo Morales e, por último, o presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad, alimentando protestos dentro e fora do país devido às polêmicas declarações anti-semitas de Ahmadinejad.

Lula participou de um acordo com os governos da Turquia e do Irã sobre o programa nuclear iraniano, apesar do desejo dos Estados Unidos de fortalecer as sanções contra o país, temendo a possibilidade de o Irã desenvolver armas nucleares.

Foto de close do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva diante de uma bandeira brasileira.

Presidente Luíz Inácio Lula da Silva (2003–2010): O presidente Lula é frequentemente considerado um dos políticos mais populares da história do Brasil e, na época de seu mandato, um dos mais populares do mundo. Programas sociais como o Bolsa Família e o Fome Zero são marcos de seu tempo no cargo.

Administração Dilma

Em 31 de outubro de 2010, Dilma Rousseff, também do Partido dos Trabalhadores, foi a primeira mulher eleita Presidente do Brasil, com seu mandato começando em 1º de janeiro de 2011. Em seu discurso vencedor, Dilma Rousseff, que também era um membro chave no governo Lula , deixou claro que sua missão durante o mandato seria continuar aplicando as políticas de seu antecessor para mitigar a pobreza e garantir o crescimento econômico atual do Brasil.

Em junho de 2011, a Rouseff anunciou um programa chamado “Brasil Sem Miséria” (Brasil Sem Miséria). Com a ambiciosa tarefa de reduzir drasticamente a pobreza absoluta no Brasil até o final de seu mandato, que atualmente atinge 16 milhões de pessoas no país ou pouco menos de um décimo da população.

O programa envolve ampliar o alcance do programa de assistência social do Bolsa Família, criando novas oportunidades de emprego e estabelecendo programas de certificação profissional. Em 2012, foi lançado outro programa, chamado “Brasil Carinhoso”, com o objetivo de oferecer atendimento extra a todas as crianças do país que vivem abaixo do limiar da pobreza.

Embora houvesse críticas da imprensa local e internacional em relação aos resultados econômicos menores do que o esperado durante seu primeiro mandato à frente do governo e as medidas tomadas para resolvê-lo, as taxas de aprovação de Rousseff alcançaram níveis mais altos do que qualquer outro presidente desde o final do ano. o regime militar, até que uma onda de protestos atingiu o país em meados de 2013, refletindo a insatisfação das pessoas com as atuais políticas de transporte, saúde e educação, entre outras questões que afetaram a popularidade não só do presidente, mas de vários outros governadores e prefeitos de áreas-chave no país também.

Em 2014, Rousseff ganhou um segundo mandato por uma margem estreita, mas não conseguiu impedir que sua popularidade caísse. Em junho de 2015, sua aprovação caiu para menos de 10% após outra onda de protestos, desta vez organizada pela oposição que queria que ela fosse expulsa do poder, em meio a revelações de que inúmeros políticos, incluindo os do seu partido, estavam sendo investigados por aceitar propinas do governo. Petrobras, de 2003 a 2010, durante o período em que esteve no conselho de administração da empresa.

Em 2015, foi aberto um processo de impeachment contra Rousseff, que culminou com a sua remoção temporária do poder em 12 de maio de 2016, com o vice-presidente Michel Temer assumindo temporariamente o poder até o julgamento final ser concluído em 31 de agosto de 2016, quando Rousseff foi oficialmente impeached e Temer foi empossado como presidente para o restante do mandato. Durante o processo de impeachment, o Brasil sediou as Olimpíadas de 2016.

Foto da Presidente Dilma Rousseff (2011-2016).

Dilma Rousseff (2011-2016): Dilma Rousseff é uma economista e política brasileira que foi a 36ª Presidente do Brasil de 2011 até seu impeachment e destituição do cargo em 31 de agosto de 2016. Ela é a primeira mulher a ocupar a presidência do Brasil .

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar