História

Povos Fenícios – Cultura, política, economia – resumo

Povos Fenícios – Cultura, política, economia – resumo
Avalie esta aula

Os Povos Fenícios. Fenícia era uma civilização antiga centrada no norte da antiga Canaã, com o seu coração ao longo das planícies costeiras do que é agora o Líbano . A civilização fenícia era uma cultura comercial comercial empreendedora que se espalhava pelo Mediterrâneo durante o primeiro milênio aC.

Embora os limites antigos de tais culturas centradas na cidade flutuassem, a cidade de Tire parece ter sido a mais ao sul. Sarepta entre Sidon e Tire, é a cidade mais bem escavada da pátria fenícia. Embora as pessoas da região provavelmente se chamassem de kena’ani, o nome da Fenícia tornou-se comum por causa dos gregos que chamavam de terra Phoiniki –Φοινίκη ). Este termo tinha sido emprestado do antigo egípcio Fnkhw “sírios”. Devido à semelhança fonética, a palavra grega para fenícia era sinônimo de cor púrpura ou carmesim, φοῖνιξ (phoînix), através da sua estreita associação com o famoso tintura Tyrian purple. O corante foi usado no antigo comércio têxtil e altamente desejado. Os fenícios tornaram-se conhecidos como “Povos roxos”. Os fenícios costumavam trocaram por meio de uma galera, um velejador movido a mão. Eles foram a primeira civilização a criar o bireme. Cartago que rivalizava com Roma até que sua derrota fosse originalmente uma colônia fenícia. Eles dominaram o comércio marítimo por pelo menos 3.000 anos. Eles eram um canal através do qual muitas idéias foram transmitidas da Ásia para a Europa, especialmente no mundo grego. A palavra “Bíblia” quase certamente é derivada de fenícia.

A língua fenícia é contada entre as línguas cananeus na família de línguas semíticas. Além de suas muitas inscrições, os fenícios, ao contrário de alguns relatos, escreveram muitos livros, que não sobreviveram. A preparação evangélica de Eusébio de Caesaréia cita extensivamente a Philo de Byblos e Sanchuniathon. Além disso, as colônias púnicas fenícias do norte da África continuaram a ser uma fonte de conhecimento sobre os fenícios. Santo Agostinhoconheceu pelo menos um punk de Punic e ocasionalmente o usa para explicar palavras conhecidas encontradas em hebraico. O nome de sua mãe, Santa Monica, também é de origem púnica. Muitas cidades europeias, do norte da África e do Oriente Médio podem rastrear-se de volta às origens fenícias. Embora ofuscados pelo legado da Grécia e de Roma, os fenícios abriram o comércio e o comércio e a comunicação em grande escala, dos quais todos os Impérios subseqüentes continuaram a se beneficiar. Os fononistas contribuíram substancialmente para o desenvolvimento da civilização humana.

Origens

Estudos recentes de DNA (cromossomo Y) realizados pela Revista Nacional Geográfica sobre os ossos de fenícios antigos e pessoas vivas da Síria , do Líbano e de outros países do Mediterrâneo mostraram que os povos modernos possuem o mesmo material genético fenício antigo. Além disso, a linhagem fenícia provou ser proveniente de um antigo sub-estrato mediterrâneo. [1] Ashistórias de sua emigração de vários lugares para o Mediterrâneo oriental são infundadas. Por isso, a conta de Heródoto (c. 440 aC) refere-se a uma memória fraca de 1.000 anos antes, e pode estar sujeito a perguntas. Esta é uma introdução lendária ao breve relato de Heródoto de algumas míticas interações fenonia-fenícia; poucos arqueólogos modernos confundem esse mito com a história:

Segundo os persas mais bem informados na história, os fenícios começaram a brigar. Este povo, que já havia chegado às margens do mar Erythraean, tinha migrado para o Mediterrâneo de uma origem desconhecida e se instalou nas partes que agora habitam, começaram imediatamente, dizem eles, a aventurar em longas viagens, fretando seus navios com as mercadorias do Egito e da Assíria. [2]

Esta moeda de prata do século IV aC, 1/8 de shekel, representa um navio feniciano no anverso

Em termos de arqueologia, linguagem e religião, há pouca disposição para separar os fenícios tão distintamente diferente de outras culturas locais de Canaã, porque eram os próprios cananeus. No entanto, eles são únicos em suas notáveis ​​conquistas marítimas. De fato, nos comprimidos de Amarna do século XIV aC, eles se chamam Kenaani ou Kinaani (cananeus); e até muito mais tarde, no século VI aC,Hecataeus escreve que Fenícia era anteriormente chamada χνα, um nome que Philo de Byblos adotou mais tarde em sua mitologia como seu epônimo para os fenícios: “Khna, que depois chamou Phoinix”. Expedições marítimas egípcias já foram feitas a Byblos para trazer de volta “cedros do Líbano” já no terceiro milênio AEC

Para muitos arqueólogos, portanto, os fenícios são simplesmente indistinguíveis dos descendentes de cananeus que habitam a costa, que ao longo dos séculos desenvolveram uma determinada cultura e competências marítimas. Mas outros acreditam igualmente firmemente, com Heródoto, que a cultura fenícia deve ter sido inspirada de uma fonte externa. Todas as formas de sugestões foram feitas: que os fenícios eram comerciantes de mar da Terra de Punt que co-optou pela população cananeana; ou que estavam ligados aos minoios, ou aos povos do mar ou aos filisteus mais ao sul; ou mesmo que representam as atividades marítimas de supostas tribos israelitas costeiras como Dan.

Enquanto a língua semítica dos fenícios, e algumas evidências de invasão no local de Byblos , sugerem origens na onda de migração semítica que atingiu o Crescente fértil entre ca. 2300 e 2100 aC , alguns estudiosos, incluindo Sabatino Moscati, acreditam que a etnogênese dos fenícios incluiu pessoas não semíticas anteriores da região, sugerindo uma mistura entre duas populações. Ambos os exércitos sumérios e akkadianos chegaram ao Mediterrâneo nesta área desde o início da história registrada, mas muito pouco se sabe da Fenícia antes de ser conquistada por Tutmoses III do Egito por volta de 1500 aC. A correspondência de Amarna (cerca de 1411-1358 aC ) revela que amorreus e hititasestavam derrotando as cidades fenícias que tinham sido vassalos para o Egito, especialmente Rib-Addi de Byblos e Abimelech de Tiro, mas entre 1350 aC e 1300 aC Fenícia foi reconquistada pelo Egito. Durante o próximo século, Ugaritfloresceu, mas foi destruído permanentemente no final (aproximadamente 1200 aC ).

O historiador Gerhard Herm afirma que, porque as habilidades lendárias de veleiros dos fenícios não são bem comprovadas antes das invasões dos povos do mar em torno de 1200 aC , que estes povos do mar se uniram com a população local para produzir os fenícios, que ele disse ganhou essas habilidades de repente naquele momento. Há também evidências arqueológicas de que os filisteus, muitas vezes pensados ​​como relacionados aos Povos do Mar, estavam culturalmente ligados aos gregos micênicos, que também eram conhecidos por serem grandes marinheiros mesmo neste período.

A questão da origem dos fenícios persiste. Os arqueólogos profissionais perseguiram a origem dos fenícios por gerações, baseando suas análises em locais escavados, os restos da cultura material, os textos contemporâneos inseridos em contextos contemporâneos, bem como a linguística. Em alguns casos, o debate é caracterizado por agendas culturais modernas. Em última análise, as origens dos fenícios ainda não estão claras: de onde vieram e apenas quando (ou se) chegaram, e em que circunstâncias, todos estão ainda emérgicamente disputados.

Alguns libaneses, sírios, malteses, tunisianos, argelinos e uma pequena porcentagem de somalis, juntamente com alguns outros povos da ilha no Mediterrâneo, ainda se consideram descendentes de fenícios. Os Melungeons também são, às vezes, reivindicados como descendentes dos fenícios.

O “império” cultural e econômico

Sarcófago fenício encontrado em Cadiz, Espanha; agora no Museu Arqueológico de Cádiz. Acredita-se que o sarcófago tenha sido projetado e pago por um comerciante fenício e feito na Grécia com influência egípcia.

Fernand Braudel comentou em The Perspective of the World que a Fenícia era um exemplo inicial de uma “economia mundial” cercada por impérios. O ponto alto da cultura fenícia e do seapower é geralmente colocado aproximadamente 1200 a 800 aC

Muitos dos mais importantes assentamentos fenícios foram estabelecidos muito antes disso: Byblos, Tire, Sidon, Simyra, Aradus e [Berytus (Beirute) aparecem nos comprimidos de Amarna; e, de fato, a primeira aparição na arqueologia de elementos culturais claramente identificáveis ​​com o zênite fenício às vezes é datada já no terceiro milênio aC

Esta liga de portos independentes da cidade-estado, com outras nas ilhas e ao longo de outras costas do Mar Mediterrâneo , era ideal para o comércio entre a área do Levant, rico em recursos naturais e o resto do mundo antigo. De repente, durante o início da Idade do Ferro, em torno de 1200 AEC ocorreu um evento desconhecido, historicamente associado à aparência dos Peoples Marinhos do norte, que foram conduzidos ao sul por falhas de colheitas e fome em massa após a erupção. Os poderes que anteriormente dominavam a área, notadamente os egípcios e os hititas , ficaram enfraquecidos ou destruídos; e no vácuo de poder resultante, várias cidades fenícias se estabeleceram como importantes poderes marítimos.

A Autoridade parece ter se estabilizado porque derivou de três bases de poder: o rei; o templo e seus sacerdotes; e conselhos de anciãos. Os Byblos logo se tornaram o centro predominante de onde passaram a dominar as rotas marítimas do Mediterrâneo e do Erythraean (vermelho), e é aqui que se encontrou a primeira inscrição no alfabeto fenício, no sarcófago de Ahiram (aproximadamente 1200 aC ). No entanto, por volta de 1000 BCE Tyr e Sidon tomaram seu lugar, e uma longa hegemonia foi apreciada por Tire começando com Hiram I (969-936 aC ), que submeteu uma rebelião na colônia de Utica. O sacerdote Ittobaal (887-856 AEC ) governou a Fenícia, tão longe do norte quanto Beirute, e parte de Chipre. Cartagofoi fundada em 814 aC sob Pygmalion (820-774 aC ). A coleção de reinos da cidade que constituem a Fenícia veio a ser caracterizada por pessoas de fora e pelos fenícios como Sidonia ou Tyria, e os fenícios e os cananeus pareciam ser chamados de zidonianos ou tírios, uma vez que uma conquista fenícia veio prominente depois da outra.

Comércio fenício

Mapa de Phoenicia e rotas comerciais.

Nos séculos seguintes a 1200 AEC , os fenícios formaram o principal poder comercial e naval da região. Talvez fosse por meio desses comerciantes que a palavra hebraica kena’ani (‘Canaanite’) passou a ter o significado secundário e apto do “comerciante”. O termo grego “Tyrian purple” descreve o tintura de que eles eram especialmente famosos, e sua cidade portuária de Tire. Os fenícios também trocaram cedro por fazer navios e outras coisas. O comércio fenício foi fundado neste corante violeta-roxo derivado do Murexconcha do caracol de mar, uma vez abundantemente disponível nas águas costeiras, mas explorada para a extinção local. As escavações de James B. Pritchard em Sarepta, no Líbano, revelaram escudos de Murex e recipientes de cerâmica triturados manchados com o corante que estava sendo produzido no site. Têxteis brilhantes eram parte da riqueza fenícia. O vidro fenício era outra mercadoria de exportação. Os fenícios parecem ter descoberto pela primeira vez a técnica de produção de vidro transparente. Os fenícios também enviaram grandes cedros do Líbano para o Egito, uma civilização que consumiu mais madeira do que poderia produzir. De fato, os comprimidos de Amarna sugerem que, dessa maneira, os fenícios prestaram tributo ao Egito no século XIV aC

Eles obtiveram muitos outros materiais de terras distantes, talvez o mais importante seja o estanho ea prata da Espanha e, possivelmente, mesmo da Cornwall na Grã-Bretanha , que junto com o cobre (de Chipre ) foi usado para fazer bronze . As rotas comerciais da Ásia também convergiram para a costa fenícia, permitindo que os fenícios governassem o comércio entre a Mesopotâmia, por um lado, e o Egito e a Arábia, por outro.

Colônias e assentamentos

Os fenícios estabeleceram postos comerciais em todo o Mediterrâneo, sendo os mais estrategicamente importantes a Carthage no norte da África, e diretamente através dos estreitos estreitos na Sicília – cuidadosamente selecionados com o design de monopolizar o comércio do Mediterrâneo além desse ponto e manter seus rivais de passagem. Outras colônias foram plantadas em Chipre , Córsega, Sardenha, Península Ibérica e em outros lugares. [3] Eles também fundaram inúmeros pequenos avançados por dia navegando um para o outro ao longo da costa norte-africana na rota para a riqueza mineral da Espanha. O nome de Espanha vem da palavra fenícia I-Shaphan, ou seja, graças a uma primeira identificação errônea, “ilha de Hyraxes”.

A data em que muitas dessas cidades foram fundadas tem sido muito controversa. As fontes gregas colocam as bases de muitas cidades muito cedo. Cadiz em Espanha foi tradicionalmente fundada em 1110 aC , enquanto Utica em África foi supostamente fundada em 1101 aC. No entanto, nenhum vestígio arqueológico foi datado em uma era tão remota. As datas tradicionais podem refletir o estabelecimento de estações rudimentares que deixaram pequenos vestígios arqueológicos, e só cresceram em cidades cheias, séculos mais tarde. [4] Alternativamente, as datas iniciais podem refletir a crença dos historiadores gregos de que as lendas de Troy(mencionando essas cidades) eram historicamente confiáveis.

Navios fenícios usavam a costa do sul da Espanha e ao longo da costa do atual Portugal. Os pescadores de Nazaré e Aveiro em Portugal são tradicionalmente de descendência fenícia. Isso pode ser visto hoje no design incomum e antigo de seus barcos, que têm arcos pontiagudos e são pintados com símbolos místicos. Muitas vezes, menciona que os fenícios arriscaram-se para o norte até o Oceano Atlântico até a Grã-Bretanha, onde as minas de estanho no que agora é a Cornwall forneceram materiais importantes, embora nenhuma evidência arqueológica apóie essa crença. Eles também navegaram ao sul ao longo da costa da África . Uma expedição cartaginesa liderada por Hanno, o Navegador, explorou e colonizou a costa atlântica da África até o Golfo da Guiné; e de acordo com Heródoto, uma expedição fenícia enviou o Mar Vermelho pelo faraó Necho II do Egito (c. 600 aC ), mesmo circunavegou a África e retornou pelos Pilares de Hércules em três anos.

Os fenícios não eram um povo agrícola, porque a maior parte da terra não era cultivável; portanto, eles se concentraram no comércio e no comércio. No entanto, eles criaram ovelhas e venderam-nas e suas lãs.

Os fenícios exerceram uma influência considerável sobre os outros grupos ao redor do Mediterrâneo, nomeadamente os gregos, que mais tarde se tornaram seus principais rivais comerciais. Eles aparecem na mitologia grega. Tradicionalmente, a cidade de Tebas foi fundada por um príncipe fenício chamado Cadmus, quando começou a procurar sua irmã Europa, que havia sido sequestrada por Zeus.

O alfabeto fenício foi desenvolvido em torno de 1200 aC de um protótipo semítico anterior que também deu origem ao alfabeto ugarítico. Foi usado principalmente para notas comerciais. O alfabeto grego, que constitui a base de todos os alfabetos europeus, foi derivado do fenício. Os alfabetos do Oriente Médio e da Índia também são pensados ​​para derivar, direta ou indiretamente, do alfabeto fenício. Ironicamente, os próprios fenícios são em sua maioria em silêncio em sua própria história, possivelmente porque escreveram sobre materiais perecíveis, papiros ou peles. Além das inscrições de pedra, a escrita fenícia pereceu em grande parte. Há poucos escritores, como Sanchuniathon, citado apenas em obras posteriores, e os fenícios foram descritos por Sallust eAgostinho como possuindo uma extensa literatura, mas disso, apenas um único trabalho sobrevive, em tradução latina: Mago’s Agriculture. O que é conhecido deles vem principalmente de seus vizinhos, dos gregos e dos hebreus.

Com a ascensão da Assíria, as cidades fenícias, uma a uma, perderam a independência; No entanto, a cidade de Tire, situada fora do continente e protegida por frotas poderosas, se mostrou impossível de tomar pelos assírios, e muitos outros depois deles. As cidades fenícias foram depois dominadas pela Babilônia, depois pela Pérsia . Eles permaneceram muito importantes, no entanto, e forneceram esses poderes com sua principal fonte de força naval. Os navios de guerra empilhados, como triremes e quinqueremes, provavelmente foram invenções fenícias, embora adotados com entusiasmo pelos gregos.

Os fenícios descobriram a América?

A possibilidade de que os fenícios tenham feito uma viagem pré-colombiana ou viagens para as Américas tenha sido explorada por vários estudiosos desde o livro de T. C Johnston de 1892, Os fenícios descobriram a América? . O trabalho em moedas fenícias realizado por Mark McMenamin sugere que as moedas de ouro cunhadas em Carthage entre 350 e 320 aC podem representar um mapa das Américas. [5] Alguns especularam que os fenícios podem ter colonizado as Américas. Thor HeyerdahlAs expedições de Ra I e Ra I foram projetadas para provar que os navios egípcios poderiam ter atravessado o Atlântico, mas também poderiam ser aplicados aos fenícios, que eram conhecidos por sua marinheiro e que eram freqüentemente empregados como marinheiros e exploradores pelos egípcios. Algumas cerâmicas peruanas do primeiro século se assemelham à cerâmica fenícia. Os destroços de navios fenícios e uma inscrição em uma rocha no Brasil sugerem que os fenícios visitaram lá.

Declínio

Cyrus o Grande conquistou a Fenícia em 538 AEC Fenícia foi dividida em quatro reinos vassalos pelos persas: Sidon, Tire, Arwad e Byblos, e prosperaram, fornecendo frotas para os reis persas. No entanto, a influência fenícia declinou depois disso. Também é razoável supor que grande parte da população fenícia migrou para Carthage e outras colônias após a conquista persa, já que é aproximadamente (sob o rei Hanno) que os registros históricos identificam Carthage como uma poderosa entidade marítima. Em 350 ou 345 AEC, uma rebelião em Sidon, liderada por Tennes, foi esmagada por Artaxerxes III, e sua destruição foi descrita, talvez de forma muito dramática, por Diodorus Siculus.

Alexander the Great pegou Tire em 332 aC, seguindo o Siege of Tire. Alexandre foi excepcionalmente áspero para o Tire, executando 2.000 dos principais cidadãos, mas manteve o rei no poder. Ele ganhou o controle das outras cidades de forma pacífica: o governante de Aradus submeteu; O rei de Sidon foi derrubado. O surgimento da Grécia helênica gradualmente eliminou os remanescentes do antigo domínio da Fenícia sobre as rotas comerciais do Mediterrâneo oriental, e a cultura fenícia desapareceu inteiramente na pátria. No entanto, sua prole norte-africana, Carthage , continuou a florescer, minerando ferro e metais preciosos da Iberia e usando seu considerável poder naval e exércitos mercenários para proteger seus interesses comerciais, até que finalmente foi destruído por Roma em 149BCE no final das Guerras Púnicas.

Quanto à pátria fenícia, seguindo Alexandre foi controlada por uma sucessão de governantes helenistas: Laomedon de Mytilene (323 AEC ), Ptolomeu I (320 BCE ), Antígono II (315 aC ), Demetrius I de Macedônia (301 aC ) e Seleucus I Nicator (296 aC ). Entre 286 e 197 aC , a Fenícia (exceto Aradus) caiu para os Ptolomeus do Egito, que invocaram os sumos sacerdotes de Astaré como governantes vassalos em Sidon (Eshmunazar I, Tabnit, Eshmunazar II). Em 197 AEC , a Fenícia, juntamente com a Síria, voltou para os Seleucids, e a região tornou-se cada vez mais helenizada, embora Tire realmente se tornou autônomo em 126BCE , seguido por Sidon em 111. As terras sírias, incluindo a Fenícia, foram apreendidas pelo rei Tigranes o Grande de 82 até 69 aC quando foi derrotado por Lucullus, e em 65 aC Pompeu finalmente o incorporou como parte da província romana da Síria.

Importantes cidades e colônias fenícias

Mapa detalhado da Fenícia

A partir do século X aC , sua cultura expansiva estabeleceu cidades e colônias em todo o Mediterrâneo. As divindades cananeus como Baal e Astarte foram adoradas de Chipre à Sardenha, Malta, Sicília e, mais notavelmente, em Carthage, na Tunísia moderna.

Na pátria fenícia:

  • Arka
  • Arwad (Aradus clássico)
  • Batroun
  • Beirute ( Grego Βηρυτός; Latin Berytus;
    Arabic بيروت; Beirute Inglês )
  • Byblos
  • Safita
  • Sidon
  • Trípoli, Líbano
  • Pneu
  • Ugarit
  • Zemar (Sumur)

Colônias fenícias, incluindo algumas sem importância (esta lista pode estar incompleta):

  • Localizado na Argélia moderna
    • Hippo Regius (Annaba moderno)
    • Icosium (Argel moderno)
    • Iol Caesarea (Cherchell moderno)
  • Localizado no Chipre moderno
    • Kition (Larnaca moderna)
  • Localizado na Itália moderna
    • Sardenha
      • Karalis (Cagliari moderno)
      • Nora, Itália
      • Olbia
      • Sulci
      • Tharros
    • Sicília
      • Ziz, Classical Lilybeaum (Marsala moderna)
      • Motya
      • Panormos (Palermo moderno)
      • Solus (Solunto moderno)
  • Localizado na Líbia moderna
    • Leptis Magna
    • Oea (Tripoli moderno)
    • Sabratha
  • Localizado na Mauritânia moderna
    • Cerne
  • Localizado no Marrocos moderno
    • Acra
    • Arambys
    • Caricus Murus
    • Gytta
    • Lixus (larache moderna)
    • Tingis (Tanger moderno)
  • Localizado na Espanha moderna
    • bdera (Adra moderno)
    • Abyla (Ceuta moderna)
    • Akra Leuke (Alicante moderna)
    • Gadir (Cádiz moderno)
    • Ibossim (Ibiza moderna)
    • Malaca (Málaga moderna)
    • Onoba (Huelva moderno)
    • Qart Hadašt ( grego Νέα Καρχηδόνα; Latin Carthago Nova; espanholCartagena)
    • Rusadir (Melilla moderna)
    • Sexi (Almuñécar moderno)
  • Localizado na Tunísia moderna
    • Hadrumetum (Susat moderno)
    • Hipiar Diarrhitos (Bizerte moderno)
    • Qart Hadašt ( grego Καρχηδόνα; Latin Carthago; Carthage inglês )
    • Thapsus (perto da Bekalta moderna)
    • Utica
  • Localizado na Turquia moderna
    • Phoenicus (Finike moderno)
  • Outras colônias
    • Calpe (Gibraltar moderno)
    • Gunugu
    • Thenae
    • Tipassa

Linguagem e literatura

Você sabia?
Os fenícios são creditados com o espalhamento do alfabeto fenício em todo o mundo mediterrâneo , de modo que se tornou um dos sistemas de escrita mais utilizados

Os fenícios são creditados com a divulgação do alfabeto fenício em todo o mundo mediterrâneo. Era uma variante do alfabeto semítico da área cananéia desenvolvida há séculos antes na região do Sinai , ou no centro do Egito. Os comerciantes fenícios disseminaram este sistema de escrita ao longo das rotas comerciais do Egeu, à Anatólia costeira (Turquia), à civilização minoense de Creta, à Grécia micênica e ao Mediterrâneo. Os gregos clássicos lembraram que o alfabeto chegou à Grécia com o fundador mítico de Tebas, Cadmus.

Este alfabeto foi denominado abjad ou um script que não contém vogais. Um abjad cuneiformeoriginou-se ao norte em Ugarit, uma cidade cananéia do norte da Síria, no século XIV aC. Sua língua, “fenícia”, é comumente classificada como no subgrupo cananeu do noroeste semítico. Seu descendente mais tarde no norte da África é chamado de “Punic”.

As primeiras inscrições conhecidas em fenícios são de Byblos e datam de ca. 1000 BCE inscrições fenícias são encontrados no Líbano , Síria , Israel , Chipre , e outros locais, até o início da era cristã. Punico, uma linguagem que se desenvolveu a partir de fenícios em colônias fenícias ao redor do Mediterrâneo ocidental, começando no século IX aC , suplantou lentamente a fenícia ali, semelhante à maneira italiana suplantou o latim. O fenício púnico ainda era falado no século V CE : Santo Agostinho, por exemplo, cresceu no norte da África e ficou familiarizado com a língua. Os fenícios dizem ter tido uma literatura rica. Infelizmente, nada disso sobreviveu. Eles foram descritos como “intermediários culturais”, muitas vezes meditando idéias de uma cultura para outra. Até mesmo foram creditados com o desencadeamento de um “reavivamento cultural na Grécia, que levou à era de ouro dos gregos e, portanto, ao nascimento da própria civilização ocidental”. [6]

Fenícios na Bíblia

No Antigo Testamento, não há referência ao termo grego Fenícia ; Em vez disso, os habitantes do litoral são identificados pela sua cidade de origem, na maioria das vezes como Sidonianos (Gen. x.15; Juízes iii. 3; x. 6, xviii. 7; I Kings v. 20, xvi. 31). As relações iniciais entre os israelitas e os cananeus eram cordiais: Hiram de Tiro, um fenício pela avaliação moderna, arquitetos mobiliados, trabalhadores e madeiras de cedro para o templo de seu aliado Salomão em Jerusalém. A língua fenícia era em grande parte mutuamente inteligível com a língua hebraica, e as semelhanças culturais entre os dois povos eram significativas, levando ao culto de deuses fenícios como Baal por alguns judeus durante o tempo do Profeta Elijah .

Claro que há outro Hiram (também escrito por Huran) associado à construção do templo.

“O filho de uma mulher das filhas de Dan e seu pai era um homem de Tiro, habilidoso para trabalhar em ouro, em prata, em bronze, em ferro, em pedra e em madeira, em roxo, em azuis e em linho fino e em carmesim, também sepultar qualquer tipo de gravidade e descobrir todos os dispositivos que lhe serão colocados … “(2 Ch 2:14)

Este é o arquiteto do Templo, Hiram Abiff, da tradição maçônica. Eles são muito famosos por seu corante roxo.

Mais tarde, os profetas reformadores criticaram a prática de tirar esposas reais entre estrangeiros: Elijah execrava Jezabel, a princesa de Tiro, que se tornou um consorte do rei Acabe e apresentou a adoração de seus deuses.

Na Bíblia, o rei Hiram I de Tire é mencionado como cooperando com Salomão ao montar uma expedição no Mar Vermelho e na construção do templo. O Templo de Salomão é considerado construído de acordo com o projeto fenício, e sua descrição é considerada a melhor descrição do que era um templo fenício. Fenícios da Síria também foram chamados de “sírofênios”.

Muito tempo após a cultura fenícia ter florescido, ou Fenícia tinha existido como qualquer entidade política, os nativos helenizados da região onde os cananeus ainda viviam eram referidos como “Sífeno-fenícios”, como no Evangelho de Marcos 7:26: “A mulher era uma Grego, um sinófeno de nascimento … ”

A palavra bíblia em si deriva (através do latim e do grego) de Byblos, a cidade fenícia. Por causa de seus papiros, Byblos também foi a fonte da palavra grega para o livro e, portanto, do nome da Bíblia.

Notas

  1. ↑ Arniaz-Villena, et ai., “Genes HLA nos macedônios …”. Antígenos do tecido, 57 (2) (fevereiro de 2001): 118-120.
  2. ↑ Herodotus, The Histories (Nova York, NY: Oxford University Press, 2008, ISBN 978-0199535668 ).
  3. ↑ Colônias e comércio gregos e fenícios , educação Pearson. Retirado em 28 de maio de 2013.
  4. ↑ Sabatino Moscati, The World of the Phoenicians (Phoenix Giant, 1999, ISBN 978-0753807460 ).
  5. ↑ A moeda fenícia presumiu conter um mapa do mundo antigo . Os fenícios descobriram o novo mundo? Retirado em 9 de maio de 2013.
  6. ↑ Rick Gore, “Quem eram os fenícios”, a revista National Geographic on-line. Recuperada em 6 de novembro de 2007.

Referências

  • Aubet, Maria Eugenia, traduzida por Mary Turton. Os fenícios e o ocidente: política, colônias e comércio. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2001. ISBN 0521791618 ( Bryn Mawr Classical Review, 17 de dezembro de 2001 revisão) Retirou 6 de novembro de 2007.
  • Braudel, Fernand, traduzido por Sian Reynolds. A Perspectiva do Mundo: Civilização e Capitalismo, século XV – XVIII, Volume 3. HarperCollins Publishers, 1984. ISBN 978 = 0060153175
  • Holst, Sanford. Fenícios, patrimônio épico do Líbano. Los Angeles, CA: Cambridge; e Boston Press, 2005. ISBN 1887263306
  • Johnston, Thomas Crawford. Os fenícios descobriram a América? Londres: J. Nisbet, (original 1892); reimpresso 1913; Houston, TX: St. Thomas Press, 1965. ISBN 0686050428
  • Moscati, Sabatino. O mundo dos fenícios . Phoenix Giant, 1999. ISBN 978-0753807460
  • Projeto Gutenberg, A História da Fenícia. (original 1889) por George Rawlinson. Retirado em 9 de maio de 2013. O texto de Rawlinson do século XIX precisa ser atualizado para melhorias modernas no entendimento histórico.

links externos

Todos os links foram recuperados em 26 de abril de 2015.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close