História

Religião do Egito Antigo – religião egípcia, crenças, deuses, rituais

A religião egípcia antiga durou mais de 3.000 anos e consistiu em um politeísmo complexo. O papel do faraó era sustentar os deuses para manter a ordem no universo.

OBJETIVOS DE APRENDIZADO

Descreva as crenças e práticas religiosas do Egito Antigo

PRINCIPAIS CONCLUSÕES

Pontos chave

  • A religião do antigo Egito durou mais de 3.000 anos, e era politeísta, significando que havia uma multidão de divindades, que se acreditava residir dentro e controlar as forças da natureza.
  • Prática religiosa formal centrada no faraó, ou soberano, do Egito, que se acreditava ser divino, e agia como intermediário entre o povo e os deuses. Seu papel era sustentar os deuses para que eles pudessem manter a ordem no universo.
  • O universo egípcio centrava-se em Ma’at, que tem vários significados em inglês, incluindo verdade, justiça e ordem. Foi fixo e eterno; sem isso, o mundo desmoronaria.
  • O mito mais importante foi o de Osíris e Ísis. O divino governante Osiris foi assassinado por Set (deus do caos), então ressuscitado por sua irmã e esposa Ísis para conceber um herdeiro, Hórus. Osiris então se tornou o governante dos mortos, enquanto Hórus eventualmente vingou seu pai e se tornou rei.
  • Os egípcios estavam muito preocupados com o destino de suas almas após a morte. Eles acreditavam que ka (força vital) deixava o corpo após a morte e precisava ser alimentado. Ba, ou espiritualidade pessoal, permaneceu no corpo. O objetivo era unir ka e ba para criar akh.
  • Representações artísticas de deuses não eram representações literais, já que sua verdadeira natureza era considerada misteriosa. No entanto, imagens simbólicas foram usadas para indicar essa natureza.
  • Os templos eram o método do estado de sustentar os deuses, uma vez que suas imagens físicas eram abrigadas e cuidadas; os templos não eram um lugar para a pessoa comum adorar.
  • Certos animais foram adorados e mumificados como representantes de deuses.
  • Oráculos foram usados ​​por todas as classes.

Termos chave

  • politeísta : Uma religião com mais de um deus adorado.
  • Duat : O reino dos mortos; residência de Osiris.
  • ka : A parte espiritual de um ser humano individual ou deus que sobreviveu após a morte.
  • panteão : Os principais atores de uma religião.
  • heka : A capacidade de usar forças naturais para criar “magia”.
  • Ma’at : O universo egípcio.
  • ba : As características espirituais de uma pessoa individual que permaneceu no corpo após a morte. Ba poderia se unir com o ka.
  • akh : A combinação do ka e ba vivendo na vida após a morte.

A religião do antigo Egito durou mais de 3.000 anos, e era politeísta, significando que havia uma multidão de divindades, que se acreditava residir dentro e controlar as forças da natureza. As práticas religiosas estavam profundamente enraizadas na vida dos egípcios, na tentativa de prover seus deuses e conquistar seu favor. A complexidade da religião era evidente, pois algumas divindades existiam em diferentes manifestações e tinham múltiplos papéis mitológicos. O panteão incluía deuses com papéis principais no universo, divindades menores (ou “demônios”), deuses estrangeiros e às vezes humanos, incluindo faraós falecidos.

Veja também

Prática religiosa formal centrada no faraó, ou soberano, do Egito, que se acreditava ser divino, e agia como intermediário entre o povo e os deuses. Seu papel era sustentar os deuses para que eles pudessem manter a ordem no universo, e o estado gastou seus recursos generosamente para construir templos e prover rituais. O faraó foi associado com Horus (e depois Amon) e visto como o filho de Ra. Após a morte, o faraó foi plenamente deificado, diretamente identificado com Rá e associado a Osíris, o deus da morte e do renascimento. No entanto, os indivíduos poderiam apelar diretamente aos deuses para fins pessoais por meio de orações ou pedidos de mágica; À medida que o poder do faraó declinou, essa forma pessoal de prática tornou-se mais forte. A prática religiosa popular também envolveu cerimônias sobre nascimento e nomeação.

imagem

Deuses do Panteão: Esta pintura de parede mostra, da esquerda para a direita, os deuses Osíris, Anúbis e Hórus.

Cosmologia

O universo egípcio centrava-se em Ma’at, que tem vários significados em inglês, incluindo verdade, justiça e ordem. Era fixo e eterno (sem o mundo desmoronar), e havia constantes ameaças de desordem, exigindo que a sociedade trabalhasse para mantê-lo. Os habitantes do cosmos incluíam os deuses, os espíritos dos humanos mortos e os seres humanos vivos, o mais importante dos quais era o faraó. Os humanos devem cooperar para conseguir isso, e os deuses devem funcionar em equilíbrio. O Ma’at foi renovado por eventos periódicos, como o dilúvio anual do Nilo, que ecoou a criação original. O mais importante deles foi a jornada diária do deus do sol Rá.

Os egípcios viam a terra como terra plana (o deus Geb), sobre a qual arqueava o céu (deusa Nut); Eles foram separados por Shu, o deus do ar. Debaixo da terra estava um submundo paralelo e undersky, e além dos céus estava Nu, o caos antes da criação. Duat era uma área misteriosa associada à morte e ao renascimento, e cada dia Ra passava por Duat depois de viajar pela terra durante o dia.

imagem

Cosmologia Egípcia: Nesta obra de arte, o deus do ar Shu é auxiliado por outros deuses que seguram Nut, o céu, enquanto Geb, a terra, está por baixo.

Mitos

Os mitos egípcios são conhecidos principalmente de hinos, textos rituais e mágicos, textos funerários e escritos de gregos e romanos. O mito da criação viu o mundo emergir como um espaço seco no oceano primordial do caos, marcado pela primeira ascensão de Ra. Outras formas do mito viam o deus primordial Atum se transformando nos elementos do mundo e o discurso criativo do deus intelectual Ptah.

O mito mais importante foi o de Osíris e Ísis. O divino governante Osiris foi assassinado por Set (deus do caos), então ressuscitado por sua irmã e esposa Ísis para conceber um herdeiro, Hórus. Osiris então se tornou o governante dos mortos, enquanto Hórus eventualmente vingou seu pai e se tornou rei. Esse mito colocou os faraós e sua sucessão como ordem contra o caos.

A vida após a morte

Os egípcios estavam muito preocupados com o destino de suas almas após a morte, e construíram túmulos, criaram bens de sepultura e deram oferendas para preservar os corpos e espíritos dos mortos. Eles acreditavam que os humanos possuíam ka, ou força vital, que deixavam o corpo na morte. Para suportar depois da morte, o ka deve continuar recebendo ofertas de comida; poderia consumir a essência espiritual disso. Os seres humanos também possuíam um ba, um conjunto de características espirituais únicas para cada pessoa, que permaneceu no corpo após a morte. Ritos fúnebres foram feitos para liberar o ba para que ele pudesse se mover, reingressar com o ka e viver como um akh. No entanto, o ba retorna ao corpo durante a noite, então o corpo deve ser preservado.

A mumificação envolveu práticas elaboradas de embalsamamento e envolvimento em tecido, juntamente com vários ritos, incluindo a cerimônia de abertura da boca. Os túmulos eram originalmente mastabas (estruturas retangulares de tijolos) e depois pirâmides.

No entanto, isso originalmente não se aplica à pessoa comum: eles passaram para um reino escuro e sombrio que era o oposto da vida. Os nobres receberam túmulos e presentes graves do faraó. Por fim, por volta de 2181 aC, os egípcios começaram a acreditar que toda pessoa possuía um ba e podia acessar a vida após a morte. Pelo Reino Novo, a alma teve que enfrentar perigos no Duat antes de ter um julgamento final, chamado Pesagem do Coração, onde os deuses compararam as ações do falecido enquanto vivo ao Ma’at, para ver se eles eram dignos. Se assim fosse, o ka e o ba se uniam em um akh, que então viajava para o submundo exuberante, ou viajava com Ra em sua jornada diária, ou até mesmo retornava ao mundo dos vivos para realizar a magia.

imagem

Texto Funerário: Nesta seção do Livro dos Mortos para o escriba Hunefer, a Pesagem do Coração é mostrada.

Ascensão e queda dos deuses

Certos deuses ganharam um status primário ao longo do tempo, e então caíram quando outros deuses os alcançaram. Estes incluíam o deus do sol Ra, o deus criador Amon, e a deusa mãe Isis. Houve até um período de tempo em que o Egito era monoteísta, sob o faraó Akhenaton e seu deus patron Aton.

Os relacionamentos das divindades

Assim como as forças da natureza tinham inter-relações complexas, o mesmo acontecia com as divindades egípcias. Divindades menores podem estar ligadas, ou divindades podem se unir com base no significado de números na mitologia egípcia (isto é, pares representados na dualidade). As divindades também podem estar ligadas através do sincretismo, criando uma divindade composta.

Representações Artísticas dos Deuses

Representações artísticas de deuses não eram representações literais, já que sua verdadeira natureza era considerada misteriosa. No entanto, imagens simbólicas foram usadas para indicar essa natureza. Um exemplo foi Anúbis, um deus funerário, que foi mostrado como um chacal para contrariar seu significado tradicional como um limpador, e criar proteção para a múmia.

Templos

Os templos eram o método do estado de sustentar os deuses, pois suas imagens físicas eram abrigadas e cuidadas; eles não eram um lugar para a pessoa comum adorar. Ambos eram templos mortuários para servir a faraós e templos falecidos de deuses patronos. Começando como estruturas simples, eles se tornaram mais elaborados, e foram cada vez mais construídos de pedra, com um plano comum. Os deveres rituais eram normalmente desempenhados pelos sacerdotes, ou funcionários do governo que serviam no papel. No Novo Império, o sacerdócio profissional tornou-se comum e sua riqueza rivalizava com a do faraó.

Rituais e Festivais

Além de inúmeros rituais do templo, incluindo a cerimônia de oferecimento da manhã e reencenações de mitos, houve cerimônias de coroação e o festival sed, uma renovação da força do faraó durante seu reinado. O Festival do Opet em Karnak envolveu uma procissão carregando a imagem do deus para visitar outros locais significativos.

Adoração Animal

Em muitos lugares, os egípcios adoravam animais específicos que eles acreditavam serem manifestações de divindades. Exemplos incluem o touro Apis (do deus Ptah) e gatos e outros animais mumificados.

Uso de Oráculos

Párocos e faraós faziam perguntas sobre oráculos, e as respostas podiam até ser usadas durante o Império Novo para resolver disputas legais. Isso pode envolver fazer uma pergunta enquanto uma imagem divina estava sendo carregada e interpretar o movimento ou o sorteio.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar