História

A Declaração dos Direitos do Homem

A Declaração dos Direitos do Homem
5 (100%) 7 votos

A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, aprovada pela Assembléia Nacional Constituinte da França em agosto de 1789, é um documento fundamental da Revolução Francesa que concedeu direitos civis a alguns plebeus, embora tenha excluído um segmento significativo da população francesa.

Pontos chave

  • A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (1791) é um documento fundamental da Revolução Francesa e da história dos direitos humanos e civis. A inspiração e o conteúdo do documento surgiram em grande parte dos ideais da Revolução Americana. Os principais rascunhos foram preparados pelo General Lafayette, trabalhando às vezes com seu amigo Thomas Jefferson.
  • Os conceitos da Declaração vêm dos princípios do Iluminismo, incluindo o individualismo, o contrato social teorizado por Jean-Jacques Rousseau e a separação de poderes adotada por Montesquieu. O espírito da lei natural secular está nos fundamentos da Declaração.
  • No momento da escrita, os direitos contidos na declaração foram concedidos apenas aos homens. Além disso, a declaração foi uma declaração de visão e não a realidade, pois não estava profundamente enraizada na prática do Ocidente ou mesmo da França na época. Ela incorporou ideais para os quais a França se comprometeu a aspirar no futuro.
  • Enquanto a Revolução Francesa dava direitos a uma parcela maior da população, restava uma distinção entre aqueles que obtiveram os direitos políticos na Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão e aqueles que não o fizeram. Aqueles que foram considerados detentores desses direitos foram chamados de cidadãos ativos, uma designação concedida a homens que eram franceses, com pelo menos 25 anos de idade, pagavam impostos iguais a três dias de trabalho e não podiam ser definidos como servidores.
  • Tensões surgiram entre cidadãos ativos e passivos ao longo da Revolução e a questão dos direitos das mulheres emergiu como particularmente proeminente. A Declaração não reconheceu as mulheres como cidadãs ativas. A ausência dos direitos das mulheres levou a Olympe de Gouges a publicar a Declaração dos Direitos da Mulher e do Cidadão em setembro de 1791.
  • A Declaração não revogou a instituição da escravidão, defendida por Les Amis des Noirs, de Jacques-Pierre Brissot, e defendida pelo grupo de fazendeiros coloniais chamado Club Massiac. No entanto, desempenhou um importante papel retórico na Revolução do Haiti.

Termos chave

  • A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão : Um documento fundamental da Revolução Francesa e da história dos direitos humanos e civis, aprovado pela Assembléia Nacional Constituinte da França em agosto de 1789. Foi influenciado pela doutrina do direito natural, afirmando que os direitos do homem são considerados universais. Tornou-se a base para uma nação de indivíduos livres protegidos igualmente pela lei.
  • Março em Versalhes : Uma marcha começou durante a Revolução Francesa entre as mulheres nos mercados de Paris que, na manhã de 5 de outubro de 1789, estavam perto de se revoltar pelo alto preço e escassez de pão. Suas demonstrações rapidamente se entrelaçaram com as atividades dos revolucionários, que buscavam reformas políticas liberais e uma monarquia constitucional para a França. As mulheres do mercado e seus vários aliados cresceram em uma multidão de milhares. Encorajados por agitadores revolucionários, eles saquearam o arsenal da cidade em busca de armas e marcharam para o Palácio de Versalhes.
  • lei natural : uma filosofia segundo a qual certos direitos ou valores são inerentes em virtude da natureza humana e podem ser universalmente compreendidos através da razão humana. Historicamente, a lei natural refere-se ao uso da razão para analisar tanto a natureza humana social quanto a pessoal para deduzir regras vinculantes de comportamento moral. Embora seja frequentemente confundida com o direito comum, os dois são distintos. O direito comum não se baseia em direitos inerentes, mas é a tradição legal pela qual certos direitos ou valores são legalmente reconhecidos em virtude de já ter reconhecimento ou articulação judicial.
  • separação de poderes : Um modelo para o governo de um estado (ou quem controla o estado) desenvolvido pela primeira vez na Grécia antiga. Sob esse modelo, o estado é dividido em ramos, cada um com poderes e áreas de responsabilidade separados e independentes, de modo que os poderes de um ramo não estão em conflito com os poderes associados aos outros ramos. A divisão típica de filiais é legislativa, executiva e judiciária.
  • Contrato Social : Uma teoria ou modelo que se originou durante a Era do Iluminismo que tipicamente aborda as questões da origem da sociedade e a legitimidade da autoridade do Estado sobre o indivíduo. Seus argumentos tipicamente postulam que os indivíduos consentiram, explícita ou tacitamente, em entregar algumas de suas liberdades e submeterem-se à autoridade do governante ou magistrado (ou à decisão de uma maioria) em troca da proteção de seus direitos remanescentes. A questão da relação entre direitos naturais e direitos, portanto, é freqüentemente um aspecto dessa teoria. O termo vem de um livro de 1762 de Jean-Jacques Rousseau, que discutiu esse conceito.

Contexto Intelectual

A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (agosto de 1791) é um documento fundamental da Revolução Francesa e da história dos direitos humanos e civis. A inspiração e o conteúdo do documento surgiram em grande parte dos ideais da Revolução Americana. Os principais rascunhos foram preparados pelo General Lafayette, trabalhando às vezes com seu amigo Thomas Jefferson, que se baseou fortemente na Declaração de Direitos da Virgínia, elaborada em maio de 1776 por George Mason (que se baseava parcialmente na Carta de Direitos de 1689). bem como os próprios rascunhos de Jefferson para a Declaração de Independência Americana. Em agosto de 1789, Honoré Mirabeau desempenhou um papel central na conceituação e elaboração da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão.

A Declaração emergiu dos princípios do Iluminismo, incluindo o individualismo, o contrato social teorizado por Jean-Jacques Rousseau e a separação de poderes defendida por Montesquieu. O espírito da lei natural secular está nos fundamentos da Declaração. Ao contrário da teoria tradicional do direito natural, a lei natural secular não se baseia na doutrina ou autoridade religiosa. O documento define um único conjunto de direitos individuais e coletivos para todos os homens. Influenciados pela doutrina dos direitos naturais, esses direitos são considerados universais e válidos em todos os tempos e lugares. Correspondentemente, o papel do governo, exercido por representantes eleitos, é reconhecer e garantir esses direitos.

Thomas Jefferson – o principal autor da Declaração de Independência dos EUA – esteve na França como diplomata norte-americano e trabalhou de perto com Lafayette na elaboração de uma carta de direitos para a França. Na ratificação pelos estados da Constituição dos EUA em 1788, os críticos exigiram uma Carta de Direitos escrita. Em resposta, a proposta de James Madison para uma Declaração de Direitos dos EUA foi introduzida em Nova York em junho de 1789, 11 semanas antes da declaração francesa. Considerando as 6 a 8 semanas que levou notícias para cruzar o Atlântico, é possível que os franceses soubessem do texto americano, que emergiu da mesma herança intelectual compartilhada. As mesmas pessoas participaram da elaboração de ambos os documentos: Lafayette admirava Jefferson e Jefferson, por sua vez, encontrou Lafayette como um importante parceiro político e intelectual.

Veja também:

Direitos naturais

No momento da escrita, os direitos contidos na declaração foram concedidos apenas aos homens. Além disso, a declaração foi uma declaração de visão e não a realidade, pois não estava profundamente enraizada na prática do Ocidente ou mesmo da França na época. Incorporava ideais para os quais a França aspirava lutar no futuro.

No segundo artigo, “os direitos naturais e imprescritíveis do homem” são definidos como “liberdade, propriedade, segurança e resistência à opressão”. Exigia a destruição de privilégios aristocráticos ao proclamar o fim do feudalismo e isenções da tributação. Também pedia liberdade e direitos iguais para todos os seres humanos (conhecidos como “homens”) e acesso a cargos públicos baseados em talentos. A monarquia era restrita e todos os cidadãos tinham o direito de participar no processo legislativo. A liberdade de expressão e de imprensa foram declaradas e as prisões arbitrárias foram proibidas. A Declaração também afirmava os princípios da soberania popular, em contraste com o direito divino dos reis que caracterizavam a monarquia francesa e a igualdade social entre os cidadãos, eliminando os direitos especiais da nobreza e do clero.

imagem

A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão de 1789, de Jean-Jacques-François Le Barbier.

A Declaração está incluída no preâmbulo das constituições tanto da Quarta República Francesa (1946) como da Quinta República (1958) e ainda é atual. Inspirada pela Revolução Americana e também pelos filósofos do Iluminismo, a Declaração foi uma declaração central dos valores da Revolução Francesa e teve um grande impacto no desenvolvimento da liberdade e da democracia na Europa e no mundo.

Limitações

Enquanto a Revolução Francesa dava direitos a uma parcela maior da população, restava uma distinção entre aqueles que obtiveram os direitos políticos na Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão e aqueles que não o fizeram. Aqueles que foram considerados detentores desses direitos políticos foram chamados de cidadãos ativos, uma designação concedida a homens que eram franceses, pelo menos 25 anos pagaram impostos iguais a três dias de trabalho, e não podiam ser definidos como servos. Isso significava que, no momento da Declaração, apenas os proprietários de propriedade do sexo masculino detinham esses direitos. A categoria de cidadãos passivos foi criada para abranger aquelas populações que a Declaração excluía dos direitos políticos. No final, a votação foi concedida a aproximadamente 4,3 dos 29 milhões de franceses. Mulheres, escravos, jovens e estrangeiros foram excluídos.

Tensões surgiram entre cidadãos ativos e passivos ao longo da Revolução e a questão dos direitos das mulheres emergiu como particularmente proeminente. A Declaração não reconheceu as mulheres como cidadãs ativas, apesar do fato de que após a Marcha sobre Versalhes em 5 de outubro de 1789, as mulheres apresentaram a Petição das Mulheres à Assembléia Nacional, na qual propuseram um decreto que dava direitos iguais às mulheres. Em 1790, Nicolas de Condorcet e Etta Palm d’Aelders apelaram em vão à Assembleia Nacional para estender os direitos civis e políticos às mulheres. A ausência dos direitos das mulheres levou Olympe de Gouges a publicar a Declaração dos Direitos da Mulher e do Cidadão em setembro de 1791. Com base na Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, expõe o fracasso da Revolução Francesa, que tinha sido dedicado à igualdade.

A Declaração não revogou a instituição da escravidão, defendida por Les Amis des Noirs, de Jacques-Pierre Brissot, e defendida pelo grupo de fazendeiros coloniais chamado Club Massiac. Milhares de escravos em Saint-Domingue, a colônia de escravos mais lucrativa do mundo, se engajaram em revoltas (com tentativas críticas que começaram também em agosto de 1791) que seriam conhecidas como a primeira revolta de escravos bem-sucedida no Novo Mundo. A escravidão nas colônias francesas foi abolida pela Convenção dominada pelos jacobinos em 1794. No entanto, Napoleão a reintegrou em 1802. Em 1804, a colônia de Saint-Domingue tornou-se um estado independente, a República do Haiti.

Legado

A Declaração, juntamente com a Declaração de Independência, Constituição e Declaração de Direitos, inspirou em grande parte a Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas de 1948. Também influenciou e inspirou a democracia liberal baseada em direitos em todo o mundo. Foi traduzido em 1793-1794 pelo colombiano Antonio Nariño, que publicou o livro apesar da Inquisição e foi condenado a ficar preso por dez anos por fazê-lo. Em 2003, o documento foi listado no registro da Memória do Mundo da UNESCO.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close