História

Tratado de Maastricht e a União Europeia – UE

Embora a União Européia tenha sido formada para aumentar a cooperação entre os Estados membros, o desejo de manter o controle nacional sobre certas áreas políticas tornou algumas instituições mais intergovernamentais do que supranacionais.

Termos chave

supranacional : tipo de união política multinacional em que o poder negociado é delegado a uma autoridade pelos governos dos estados membros.

Área de Schengen : Uma área composta por 26 estados europeus que aboliram oficialmente o passaporte e qualquer outro tipo de controle de fronteira em suas fronteiras. A área funciona principalmente como um único país para fins de viagens internacionais com uma política comum de vistos.

A União Européia (UE) é uma união político-econômica de 28 estados membros localizados principalmente na Europa. Tem uma área de 4324782 km 2 (1.669.808 sq mi) e uma população estimada de mais de 510 milhões. A UE desenvolveu um mercado único interno através de um sistema de leis padronizado que se aplica em todos os estados membros.

As políticas da UE visam garantir a livre circulação de pessoas, bens, serviços e capitais no mercado interno, promulgar legislação em matéria de justiça e assuntos internos e manter políticas comuns em matéria de comércio, agricultura, pescas e desenvolvimento regional. Dentro do espaço Schengen, os controles de passaporte foram abolidos. Uma união monetária foi estabelecida em 1999 e entrou em vigor em 2002, e é composta por 19 estados membros da UE que usam o euro.

A UE opera através de um sistema híbrido de decisão supranacional e intergovernamental. Os sete principais órgãos de decisão – conhecidos como as instituições da União Europeia – são o Conselho Europeu, o Conselho da União Europeia, o Parlamento Europeu, a Comissão Europeia, o Tribunal de Justiça da União Europeia, o Banco Central Europeu. e o Tribunal de Contas Europeu.

A UE tem suas origens na Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) e na Comunidade Econômica Européia (CEE), formada pelos seis países do interior em 1951 e 1958, respectivamente. A Comunidade e os seus sucessores cresceram em tamanho graças à adesão de novos Estados-Membros e ao poder através do acréscimo de áreas de política à sua competência.

Leitura sugerida para entender melhor esse texto:

Tratado de Maastricht

A União Européia foi formalmente estabelecida quando o Tratado de Maastricht – cujos principais arquitetos eram Helmut Kohl e François Mitterrand – entrou em vigor em 1 de novembro de 1993. O tratado estabeleceu os três pilares da União Européia: o pilar das Comunidades Européias, que incluía a União Européia. Comunidade (CE), a CECA eo EURATOM; o pilar da Política Externa e de Segurança Comum (PESC); e o pilar Justiça e Assuntos Internos (JAI).

O primeiro pilar lidou com políticas econômicas, sociais e econômicas. O segundo pilar tratou da política externa e assuntos militares, e o terceiro pilar coordenou os esforços dos Estados membros na luta contra o crime.

Todos os três pilares foram extensões das estruturas políticas existentes. O pilar da Comunidade Europeia foi uma continuação da CEE. Além disso, a coordenação na política externa havia ocorrido desde a década de 1970, sob a égide da Cooperação Política Européia (CEP), primeiramente escrita em tratados pelo Ato Único Europeu.

Embora a JAI tenha alargado a cooperação em matéria de aplicação da lei, justiça penal, asilo e imigração, bem como de cooperação judiciária em matéria civil, algumas destas áreas já estavam sujeitas a cooperação intergovernamental ao abrigo da Convenção de Aplicação de Schengen de 1990.

A criação do sistema de pilares foi o resultado do desejo de muitos Estados membros de estender a CEE às áreas de política externa, militar, justiça criminal e cooperação judiciária. Esse desejo foi recebido com algumas dúvidas por parte de alguns Estados membros, notadamente o Reino Unido, que achava que algumas áreas eram críticas demais para sua soberania, para serem gerenciadas por um mecanismo supranacional.

O compromisso acordado era que, em vez de renomear completamente a Comunidade Econômica Européia como a União Européia, o tratado estabeleceria uma União Européia legalmente separada compreendendo a Comunidade Econômica Européia e entidades que supervisionam áreas de política intergovernamental, como política externa, militar, justiça criminal e judicial. cooperação. A estrutura limitava grandemente os poderes da Comissão Europeia, do Parlamento Europeu,

Critérios de Convergência do Euro

A imagem mostra as notas de 5, 10, 20, 50, 100, 200 e 500 euros.

Notas de euro (2002) : O euro foi introduzido em 2002, substituindo 12 moedas nacionais.

Os critérios de Maastricht, ou convergência, estabelecem os requisitos mínimos para que os estados membros da UE entrem na terceira fase da União Econômica e Monetária Européia (UME) e adotem o euro como sua moeda. Os quatro critérios são definidos no artigo 121 do tratado que institui a Comunidade Européia.

Eles impõem controle sobre a inflação, a dívida pública e o déficit público, a estabilidade da taxa de câmbio e a convergência das taxas de juros. O objetivo desse critério era manter a estabilidade de preços dentro da Zona do Euro, mesmo com a inclusão de novos Estados membros.

  • Taxas de inflação: Não mais do que 1,5 pontos percentuais acima da média dos três estados membros da UE com melhor desempenho (menor inflação).
  • Finanças do governo:
  1. Défice governamental anual: O rácio entre o défice orçamental anual e o produto interno bruto (PIB) não deve exceder 3% no final do ano fiscal anterior. Caso contrário, deve atingir um nível próximo de 3%. Apenas excessos excepcionais e temporários seriam concedidos para casos excepcionais.
  2. Dívida Pública: O rácio da dívida pública bruta em relação ao PIB não deve exceder 60% no final do ano fiscal anterior. Mesmo que a meta não possa ser alcançada devido a condições específicas, a relação deve ter diminuído suficientemente e estar aproximando-se do valor de referência a um ritmo satisfatório. No final de 2014, dos países da zona euro, apenas a Estónia, a Letónia, a Lituânia, a Eslováquia, o Luxemburgo e a Finlândia continuavam a cumprir este objetivo.
  • Taxa de câmbio: Os países candidatos devem ter aderido ao mecanismo de taxas de câmbio (MTC II) ao abrigo do Sistema Monetário Europeu (SME) durante dois anos consecutivos e não devem ter desvalorizado a sua moeda durante o período.
  • Taxas de juros de longo prazo: A taxa de juros nominal de longo prazo não deve ser superior a 2 pontos percentuais a mais do que nos três Estados membros com inflação mais baixa.

Tratado de Lisboa e além

Diplomatas do lado de fora do Mosteiro dos Jerónimos do século 15, que era o local, tendo assinado o tratado.

O Tratado de Lisboa: Em 2009, o Tratado de Lisboa entrou em vigor.

Em 1 de dezembro de 2009, o Tratado de Lisboa reformou muitos aspectos da UE. Em particular, alterou a estrutura jurídica, fundindo o sistema dos três pilares numa única entidade jurídica dotada de personalidade jurídica; criou um Presidente permanente do Conselho Europeu; e reforçou a posição da Alta Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança.

Durante a década de 2010, a coesão da UE foi testada por várias questões, incluindo uma crise da dívida em alguns países da zona euro, o aumento da migração do Médio Oriente e a retirada do Reino Unido da UE. Em dezembro de 2016, o Reino Unido ainda não iniciou procedimentos formais de retirada.

Referências:

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar