História

A guerra civil Iugoslava – Conflitos na Iugoslávia

Populações da ex-Jugoslávia

Os sérvios, croatas e bósnios eram os três maiores grupos eslavos do Sul que habitavam a República Socialista Federal da Iugoslávia. Até o século 19, o termo Bosniak ( Bošnjak ) referia-se a todos os habitantes da Bósnia, independentemente da afiliação religiosa; com o passar do tempo, um crescente sentimento de nacionalidade bósnia foi valorizado principalmente pelos muçulmanos bósnios, associando a identidade bósnia a uma fé.

Após a Primeira Guerra Mundial, o Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos (mais tarde chamado de Iugoslávia ou Iugoslávia) foi formado, reconhecendo apenas aquelas três nacionalidades em sua constituição, enquanto os nacionalistas sérvios e croatas tentavam absorver as etnias bósnias em seus territórios. populações.

Após a libertação da Iugoslávia, o Partido Comunista da Iugoslávia reorganizou o país em repúblicas federais: Sérvia, Croácia, Bósnia e Herzegovina, Eslovênia, Macedônia e Montenegro. A política oficial do estado determinava que os povos da Iugoslávia eram grupos iguais que coexistiriam pacificamente dentro da federação.

Josip Broz Tito, o primeiro presidente da Iugoslávia, expressou seu desejo de uma etnia iugoslava não dividida; entretanto, as distinções entre os grupos étnicos persistiram, reforçadas por histórias díspares de ocupação estrangeira.

Em 1964, o Quarto Congresso do Partido Bósnio garantiu a Bosniaks o direito à autodeterminação, levando ao reconhecimento dos muçulmanos bósnios como uma nação distinta em uma reunião do Comitê Central da Bósnia em 1968, embora não sob o nome bósnio ou bósnio.

Termos chave

  • Eslavos do Sul : Um subgrupo de povos eslavos que falam línguas eslavas do sul. Eles habitam uma região contígua na Península Balcânica, no sul da planície da Panônia e nos Alpes orientais, e estão geograficamente separados do corpo de povos eslavos ocidentais e eslavos orientais pelos romenos, húngaros e austríacos. Os eslavos do sul incluem os bósnios, búlgaros, croatas, macedônios, montenegrinos, sérvios e eslovenos.

Após a libertação da Iugoslávia, o Partido Comunista da Iugoslávia reorganizou o país em repúblicas federais: Sérvia, Croácia, Bósnia e Herzegovina, Eslovênia, Macedônia e Montenegro. Além disso, duas províncias autónomas foram criadas dentro da república sérvia, com base na presença de minorias na região: Vojvodina (habitada por uma minoria húngara) e Kosovo e Metohija (habitada por uma minoria albanesa). O termo “nacionalidade” ( narodnost ) foi usado para descrever o status de albaneses, húngaros e outros povos não constituintes, distinguindo-os das nações.

Essa combinação de critérios históricos e étnicos só se aplicava à Sérvia e não à Ístria, habitada por italianos, ou à Krajina, habitada por sérvios, por exemplo. A palavra “nação” ( nacija , narod) foi usado para denotar os povos constitutivos do país ( konstitutivne nacije ), ou moradores das repúblicas federais.

A política oficial do estado determinava que os povos da Iugoslávia eram grupos iguais que coexistiriam pacificamente dentro da federação. Esta política foi destilada em um slogan: “fraternidade e unidade” e previsto na Constituição iugoslava de 1974.

Leitura também:

Eslavos do sul

O conceito de Iugoslávia como um estado único para todos os povos eslavos do Sul emergiu no final do século XVII e ganhou proeminência através do movimento Ilírio do século XIX. O nome Jugoslávia (às vezes escrito Jugoslávia) é uma combinação do jarro de palavras eslavas (sul) e sloveni(Eslavos).

Quando o termo iugoslavo foi introduzido pela primeira vez, ele pretendia unir um povo comum dos eslavos do sul. Josip Broz Tito, o primeiro presidente da Iugoslávia, expressou seu desejo de uma etnia iugoslava não dividida; entretanto, as distinções entre os grupos étnicos persistiram, reforçadas por histórias díspares de ocupação estrangeira.

A partir de 1981, os sérvios eram a maior população étnica da Iugoslávia, representando 36,3% da população. Croatas compunham a segunda maior maioria étnica, representando 19,7% da população, e os muçulmanos, ou bósnios, compreendiam 8,9% da população.

Os mapas mostram que o eslavo é a língua nacional na Eslovênia, Croácia, Bósnia e Herzegovina, Montenegro, Sérvia, Macedônia e Bulgária.

Sul da Europa Eslava: A área verde mostra países onde uma língua eslava do sul é a língua nacional. As áreas cinza-escuras do mapa mostram outros países de língua eslava.

Bosniaks

Até o século 19, o termo Bosniak ( Bošnjak ) passou a se referir a todos os habitantes da Bósnia, independentemente da afiliação religiosa. Termos como “Boşnak milleti”, “Boşnak kavmi” e “Boşnak taifesi” (todos significados, grosso modo, “o povo bósnio”) foram usados ​​no Império Otomano para descrever os bósnios em um sentido étnico ou tribal.

Após a ocupação austro-húngara da Bósnia e Herzegovina em 1878, a administração austríaca oficialmente aprovou Bošnjaštvo (“Bosniakhood”) como base de uma nação bósnia multi-confessional. A política aspirava isolar a Bósnia e Herzegovina de seus vizinhos irredentistas (a Sérvia Ortodoxa, a Croácia católica e os muçulmanos do Império Otomano) e negar o conceito de nacionalidade croata e sérvia, que já começava a tomar terreno entre os católicos da Bósnia e Herzegovina. e comunidades ortodoxas, respectivamente.

No entanto, uma sensação de nacionalidade bósnia era apreciada principalmente por muçulmanos bósnios, mas fortemente oprimida por nacionalistas da Sérvia e da Croácia, que optavam por reivindicar a população muçulmana bósnia como sua. Após a Primeira Guerra Mundial, o Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos (posteriormente chamado de Reino da Iugoslávia) foi formado e reconheceu apenas aquelas três nacionalidades em sua constituição.

Após a Segunda Guerra Mundial, na República Federal Socialista da Iugoslávia, os muçulmanos bósnios continuaram a ser tratados como um grupo religioso em vez de étnico. No censo de 1948, a Bósnia e os muçulmanos de Herzegovian tinham três opções de auto-identificação: muçulmano sérvio-muçulmano, croata-muçulmano ou etnicamente não declarado.

No censo de 1953, a categoria “iugoslavo, etnicamente não declarado” foi introduzida, e a esmagadora maioria daqueles que se declararam como tais eram muçulmanos bósnios reconhecidos como um grupo étnico em 1961, mas não como uma nacionalidade. No entanto, muitos intelectuais comunistas bósnios argumentavam que os muçulmanos da Bósnia e Herzegovina eram, na verdade, um povo nativo eslavo distinto que deveria ser reconhecido como nação.

Em 1964, o Quarto Congresso do Partido Bósnio garantiu a Bosniaks o direito à autodeterminação, levando ao reconhecimento dos muçulmanos bósnios como uma nação distinta em uma reunião do Comitê Central da Bósnia em 1968, embora não sob o nome bósnio ou bósnio. Como um compromisso, a Constituição da Iugoslávia foi alterada para listar “muçulmanos” em um sentido nacional, reconhecendo uma nação constitutiva, mas não o nome Bosniak. O

uso de “muçulmano” como uma denominação étnica foi criticado desde cedo, no entanto. Às vezes, outros termos, como muçulmano com maiúscula “M”, eram usados ​​(isto é, “musliman” era um muçulmano praticante, enquanto “Musliman” era um membro da nação muçulmana; servo-croata usa letras maiúsculas para nomes de pessoas, mas pequeno para nomes de adeptos).

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar