História

A União da África do Sul

Após a derrota dos bôeres na Segunda Guerra dos Bôeres (1899-1902), a União da África do Sul foi criada como um domínio do Império Britânico, que unificou em uma entidade as quatro colônias britânicas anteriormente separadas: Colônia do Cabo, Colônia de Natal, Colônia de Transvaal e Colônia do Rio Orange.

Pontos chave

Durante os anos imediatamente após as guerras anglo-boer, a Grã-Bretanha começou a unificar as quatro colônias, incluindo as antigas repúblicas bôeres, em um país autônomo chamado União da África do Sul. Essa visão surgiu em 31 de maio de 1910, com a unificação de quatro colônias britânicas anteriormente separadas: Colônia do Cabo, Colônia do Natal, Colônia do Transvaal e Colônia do Rio Orange.

Entre outras duras leis segregacionistas, incluindo a negação do direito de voto aos negros, o parlamento da União promulgou a Lei de Terras dos Nativos de 1913, que destinava apenas oito por cento da terra disponível na África do Sul para ocupação negra.

A insatisfação com a influência britânica nos assuntos da União atingiu um clímax em setembro de 1914, quando bôeres empobrecidos, bôeres anti-britânicos e extremistas amargos lançaram uma rebelião que foi rapidamente esmagada.

Em 1931, a união foi totalmente soberana do Reino Unido com a aprovação do Estatuto de Westminster, que aboliu os últimos poderes do governo britânico no país.

Termos chave

  • Afrikaner : Um grupo étnico da África Austral descende de colonos predominantemente holandeses que chegaram pela primeira vez nos séculos XVII e XVIII.
  • Ato de África do Sul 1909 : Um ato do Parlamento Britânico que criou a União da África do Sul a partir das colônias britânicas do Cabo da Boa Esperança, Natal, Orange River Colony e Transvaal.

Leitura sugerida para entender melhor esse texto:

Raízes da União

Durante os anos imediatos do pós-guerra, os britânicos concentraram sua atenção na reconstrução do país, em particular a indústria de mineração. Em 1907, as minas de Witwatersrand produziram quase um terço da produção anual de ouro do mundo.

Mas a paz trazida pelo tratado permaneceu frágil e desafiada por todos os lados. Os africânderes encontraram-se na difícil posição dos agricultores pobres em um país onde grandes empreendimentos de mineração e capital estrangeiro os tornavam irrelevantes. As fracassadas tentativas da Grã-Bretanha de anglicizá-las e de impor o inglês como língua oficial nas escolas e no local de trabalho, em particular os incitaram.

Em parte como um retrocesso, os bôeres chegaram a ver o africâner como a volkstaal (“linguagem das pessoas”) e um símbolo da nacionalidade africânder. Várias organizações nacionalistas surgiram.

Os negros permaneceram marginalizados na sociedade. O Alto Comissário Britânico Lord Alfred Milner introduziu a “segregação”, mais tarde conhecida como apartheid. As autoridades impuseram impostos severos e reduziram os salários enquanto o administrador interino britânico encorajava a imigração de milhares de chineses para minar qualquer resistência.

O ressentimento explodiu na Rebelião Bambatha de 1906, na qual 4.000 zulus perderam a vida depois de se rebelarem devido à onerosa legislação tributária.

União da África do Sul

Os britânicos avançaram com seus planos de união. Depois de vários anos de negociações, a Lei da África do Sul de 1909 levou as colônias e repúblicas – Cape Colony, Natal, Transvaal e Orange Free State – juntas como a União da África do Sul. Sob as disposições do ato, a União permaneceu território britânico, mas com a regra de casa para os africânderes.

Os territórios do Alto Comissariado Britânico de Basutoland (agora Lesoto), Bechuanaland (atual Botsuana), Suazilândia e Rodésia (atual Zâmbia e Zimbábue) continuaram sob domínio direto da Grã-Bretanha.

Inglês e holandês tornaram-se as línguas oficiais. O africâner não ganhou reconhecimento como língua oficial até 1925. Apesar de uma grande campanha de negros e corados, a concessão de eleitores permaneceu como nas repúblicas e colônias pré-União, e somente os brancos podiam ganhar a eleição para o Parlamento.

Entre outras duras leis segregacionistas, incluindo a negação do direito de voto aos negros, o parlamento da União promulgou a Lei de Terras dos Nativos de 1913, que destinava apenas oito por cento da terra disponível na África do Sul para ocupação negra. Os brancos, que constituíam 20% da população, detinham 90% da terra. A Lei de Terras seria a pedra angular da discriminação racial legalizada pelas próximas nove décadas.

O general Louis Botha liderou o primeiro governo da nova União com o general Jan Smuts como seu vice. Seu Partido Nacional da África do Sul, posteriormente conhecido como Partido Sul-Africano ou SAP, seguiu uma linha de unidade branca geralmente pró-britânica.

Os bôeres mais radicais se separaram sob a liderança do general Barry Hertzog, formando o Partido Nacional (PN) em 1914. O NP defendeu os interesses africânderes, defendendo o desenvolvimento separado dos dois grupos brancos e a independência da Grã-Bretanha.

Foto do primeiro Gabinete da União da África do Sul, 11 homens brancos.

O Primeiro Gabinete da União: O general Louis Botha liderou o primeiro governo da nova União e seguiu uma linha de unidade branca geralmente pró-britânica.

A insatisfação com a influência britânica nos assuntos da União atingiu um clímax em setembro de 1914, quando bôeres empobrecidos, bôeres anti-britânicos e extremistas amargos lançaram uma rebelião. A rebelião foi anulada e pelo menos um oficial foi condenado à morte e executado por um pelotão de fuzilamento.

Em 1924, o Partido Nacional, dominado pelos africânderes, chegou ao poder em um governo de coalizão com o Partido Trabalhista. O africâner, anteriormente considerado um patois holandês de baixo nível, substituiu o holandês como língua oficial da União. Inglês e holandês tornaram-se as línguas oficiais em 1925.

A União da África do Sul chegou ao fim após um referendo em 5 de outubro de 1960, no qual a maioria dos brancos sul-africanos votou a favor da retirada unilateral da Comunidade Britânica e do estabelecimento de uma República da África do Sul.

Referência

https://law.wisc.edu/gls/cbsa1.pdf

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo