História

Guerra Civil da Rodésia

A guerra de Bush

Avalie esta aula

A Guerra Civil da Rodésia  também conhecida como guerra de Bush foi uma guerra civil que ocorreu de julho de 1964 a dezembro de 1979 na Rodésia, na qual três forças se enfrentaram: o governo rodesiano, na maior parte branco, e dois partidos nacionalistas negros.

Pontos chave

Em 1965, o governo conservador das minorias brancas liderado por Ian Smith declarou unilateralmente a independência do Reino Unido como Rodésia, o que levou a sanções da ONU. O Reino Unido considerou a declaração rodesiana um ato de rebelião, mas não restabeleceu o controle pela força.

Seguiu-se uma guerra de guerrilha quando o Sindicato dos Povos Africanos do Zimbabwe (ZAPU) de Joshua Nkomo e a União Nacional Africana do Zimbabwe (ZANU) de Robert Mugabe, apoiados activamente pelas potências comunistas e nações africanas vizinhas, iniciaram operações de guerrilha contra o governo predominantemente branco da Rodésia.

A guerra se intensificou, forçando Smith a abrir negociações com os nacionalistas militantes, resultando na implementação do Acordo Interno, em junho de 1979, de sufrágio universal e fim do governo da minoria branca na Rodésia.

O governo resultante ainda não foi reconhecido pela comunidade internacional e a guerra continuou até que o governo britânico convidou Muzorewa, Mugabe e Nkomo para participar de uma conferência constitucional na Lancaster House, resultando no Acordo de Lancaster House, que concedeu independência total ao que era então chamado a República do Zimbábue.

  • Termos chave
  • Assentamento Interno : Um acordo assinado em 3 de março de 1978, entre o Primeiro Ministro da Rodésia Ian Smith e os líderes nacionalistas africanos moderados, incluindo o Bispo Abel Muzorewa, Ndabaningi Sithole e o Senador Chefe Jeremiah Chirau. O acordo levou à criação de um governo interino no qual os africanos foram incluídos pela primeira vez na Rodésia.
  • Ian Smith : Um político, fazendeiro e piloto de caça que serviu como Primeiro Ministro da Rodésia de 1964 a 1979. Primeiro primeiro-ministro do país não nascido no exterior, liderou o governo predominantemente branco que unilateralmente declarou independência do Reino Unido em 1965, seguindo prolongada disputa sobre os termos. Ele permaneceu primeiro-ministro por quase todos os 14 anos de isolamento internacional que se seguiram, e supervisionou as forças de segurança da Rodésia durante a maior parte da Guerra Civil da Rodésia, que opôs a administração não reconhecida contra os grupos guerrilheiros nacionalistas negros apoiados pelos comunistas.
  • Acordo de Lancaster House : Negociações em 1980 que trouxeram independência internacionalmente reconhecida para a Rodésia (como a República do Zimbábue) após a Declaração Unilateral de Independência de Ian Smith em 1965.

Leitura sugerida para entender melhor esse texto:

Visão geral

A Guerra de Bush na Rodésia – também conhecida como a Guerra de Libertação do Zimbábue – foi uma guerra civil de julho de 1964 a dezembro de 1979 no país não reconhecido da Rodésia (atual Zimbábue).

O conflito opunha três forças uma contra a outra: o governo rodesiano, sob Ian Smith (mais tarde o governo zimbabuano rodesiano do bispo Abel Muzorewa); o Exército Africano de Libertação Nacional do Zimbábue, a ala militar da União Nacional Africana do Zimbábue (ZANU) de Robert Mugabe; e o Exército Revolucionário Popular do Zimbábue da União do Povo Africano do Zimbábue de Joshua Nkomo (ZAPU).

Na primeira fase do conflito (até o final de 1972), a posição política e militar da Rodésia parecia forte. Os guerrilheiros nacionalistas foram incapazes de fazer incursões militares sérias contra a Rodésia. No início dos anos 1970, os dois principais grupos nacionalistas enfrentaram sérias divisões internas.

Os nacionalistas negros continuaram a operar a partir de bases isoladas na vizinha Zâmbia e da colônia portuguesa de Moçambique, realizando ataques periódicos à Rodésia. Em 1973, a atividade guerrilheira aumentava após a invasão da Fazenda Altena, particularmente na parte nordeste do país, onde parte da população africana era evacuada das áreas fronteiriças.

A guerra e seu subsequente Acordo Interno, assinado em 1978 por Smith e Muzorewa, levaram à implementação, em junho de 1979, do sufrágio universal e do fim do governo da minoria branca na Rodésia, rebatizada de Rodésia do Zimbábue sob um governo majoritário negro. No entanto, esta nova ordem não conseguiu reconhecimento internacional e a guerra continuou.

As negociações entre o governo do Zimbábue Rodésia, o governo britânico, e a “Frente Patriótica” unificada de Mugabe e Nkomo ocorreram em Lancaster House, Londres, em dezembro de 1979, e o Acordo de Lancaster House foi assinado.

O país retornou temporariamente ao controle britânico e novas eleições foram realizadas sob supervisão britânica e da Commonwealth em março de 1980. ZANU ganhou a eleição e Mugabe se tornou o primeiro primeiro ministro do Zimbábue em 18 de abril de 1980, quando o país alcançou a independência internacionalmente reconhecida.

Foto do Bispo Abel Muzorewa assinando o Acordo da Casa Lancaster, sentado ao lado do Secretário do Exterior Britânico, Lord Carrington.

Acordo de Lancaster House: O Bispo Abel Muzorewa assina o Acordo de Lancaster House em 1980, sentado ao lado do ministro das Relações Exteriores britânico, Lord Carrington.

As origens da guerra na Rodésia podem ser atribuídas à colonização da região por colonos brancos no final do século XIX e à dissensão dos líderes nacionalistas negros africanos que se opunham ao governo da minoria branca. A Rodésia foi colonizada por britânicos e sul-africanos a partir de 1890 e, embora nunca tenha recebido o status de domínio total, os rodesianos brancos governaram efetivamente o país depois de 1923.

Em seu famoso discurso “Wind of Change” dirigido ao parlamento da África do Sul em 1960, O primeiro-ministro britânico, Harold Macmillan, afirmou que a Grã-Bretanha pretende conceder independência às colônias britânicas na África, sob o governo da maioria negra.

Muitos brancos rodesianos estavam preocupados que a descolonização e o governo da maioria traria o caos, como no antigo Congo Belga em 1960. A relutância da Grã-Bretanha em comprometer a política de “Nenhuma independência antes do governo da maioria” levou à declaração unilateral de independência da Rodésia em 11 de novembro de 1965 Embora a Rodésia tivesse o apoio não oficial da vizinha África do Sul e de Portugal, que governava Moçambique, nunca obteve reconhecimento formal de nenhum país.

Muitos rodesianos brancos viam a guerra como uma questão de sobrevivência, com atrocidades no antigo Congo Belga, a campanha da insurreição Mau Mau no Quênia e em outras partes da África frescas em suas mentes. Muitos brancos e uma minoria considerável de rodesianos negros viam seu estilo de vida sob ataque, o que ambos os grupos consideravam mais seguro e com um padrão de vida mais alto do que em muitos outros países africanos.

Embora a votação na Rodésia estivesse tecnicamente aberta a todos, independentemente da raça, os requisitos de propriedade da propriedade efetivamente negavam a franquia à maioria dos negros da Rodésia. A constituição de 1969 previa que “não-europeus” (principalmente negros) elegessem representantes para oito dos assentos no parlamento de 66 assentos. Oito assentos foram reservados para chefes tribais.

Em meio a esse pano de fundo, os nacionalistas negros defenderam a luta armada para promover a independência na Rodésia sob o governo da maioria negra. A resistência também se originou da ampla desigualdade econômica entre negros e brancos.

Na Rodésia, os brancos possuíam a maior parte da terra fértil, enquanto os negros estavam apinhados em terras áridas, após expulsões forçadas ou autorizações por parte das autoridades coloniais.

Duas organizações nacionalistas rivais logo surgiram: a União do Povo Africano do Zimbábue (ZAPU) e a União Nacional Africana do Zimbábue (ZANU), após uma divisão na primeira em agosto de 1963, causada por divergências sobre táticas, bem como confrontos entre tribalismo e personalidade.

Foto de soldados pretos a bordo de um barco militar durante a guerra de Bush.

Guerra Civil da Rodésia: Dois soldados dos Rifles Africanos da Rodésia a bordo de um barco de patrulha no Lago Kariba, em dezembro de 1976. Os Rhodesianos Negros compunham a maioria das Forças de Segurança do governo, mas algumas unidades eram totalmente brancas.

Referência:

http://www.newworldencyclopedia.org/entry/Rhodesian_Bush_War

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close