História

Comunidade Econômica Europeia – CEE

Avalie esta aula

A Comunidade Econômica Europeia floresceu a partir do desejo de aprofundar a integração regional na sequência do estabelecimento bem sucedido da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço. A Comunidade Econômica Européia (CEE) era uma organização regional que visava integrar economicamente seus estados membros. Foi criado pelo Tratado de Roma de 1957. Algumas conquistas importantes da CEE incluíram o estabelecimento, em 1962, de níveis comuns de preços para produtos agrícolas e a remoção de tarifas internas entre os países membros em certos produtos em 1968.

Desentendimentos surgiram entre os Estados membros em relação a infrações de soberania e financiamento da Política Agrícola Comum (PAC). Em 1 de Julho de 1967, o Tratado de fusão entrou em vigor, combinando as instituições da CECA e EURATOM na CEE. Coletivamente, eles eram conhecidos como as Comunidades Européias.

Os anos 60 assistiram às primeiras tentativas de ampliação, que ao longo do tempo levaram ao desejo de aumentar as áreas de cooperação. Em consequência, o Acto Único Europeu foi assinado pelos ministros dos Negócios Estrangeiros em Fevereiro de 1986.

Termos chave

soberania : O pleno direito e poder de um corpo governante de governar a si mesmo sem a interferência de fontes ou corpos externos. Na teoria política, soberania é um termo substantivo que designa autoridade suprema sobre alguma política. É um princípio básico subjacente ao modelo dominante de fundação do estado de Westphalia.

supranacionalismo : Um tipo de união política multinacional em que o poder negociado é delegado a uma autoridade por governos dos estados membros.

A Comunidade Econômica Européia (CEE) era uma organização regional que visava integrar economicamente seus estados membros. Foi criado pelo Tratado de Roma de 1957. Após a formação da União Européia (UE) em 1993, a CEE foi incorporada e renomeada como Comunidade Européia (CE). Em 2009, as instituições da CE foram absorvidas no quadro mais vasto da UE e a comunidade deixou de existir.

Em 1951, o Tratado de Paris foi assinado, criando a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA). Tratava-se de uma comunidade internacional baseada no supranacionalismo e no direito internacional, destinada a facilitar o crescimento económico europeu e a prevenir conflitos futuros, integrando os seus membros.

Com o objectivo de promover a integração regional, foram propostas duas comunidades adicionais: uma Comunidade Europeia de Defesa e uma Comunidade Política Europeia. Enquanto o tratado para este último foi elaborado pela Assembleia Comum, a câmara parlamentar da CECA, a comunidade de defesa proposta foi rejeitada pelo Parlamento francês.

O Presidente da CECA, Jean Monnet, um dos principais responsáveis ​​pelas comunidades, demitiu-se da Alta Autoridade em protesto e começou a trabalhar em comunidades alternativas baseadas na integração económica e não na integração política.

Após a Conferência de Messina, em 1955, Paul Henri Spaak recebeu a tarefa de preparar um relatório sobre a idéia de uma união aduaneira. Juntamente com o Relatório Ohlin, o chamado Relatório Spaak forneceria a base para o Tratado de Roma. Em 1956, Spaak liderou a Conferência Intergovernamental sobre o Mercado Comum e a Euratom no castelo de Val Duchesse. A conferência levou à assinatura em 25 de março de 1957 do Tratado de Roma, estabelecendo uma Comunidade Econômica Européia.

Leitura sugerida para entender melhor esse texto:

Criação e primeiros anos

As comunidades resultantes foram a Comunidade Económica Europeia (CEE) e a Comunidade Europeia da Energia Atómica (EURATOM, ou por vezes CEEA). A CEE criou uma união aduaneira, enquanto a EURATOM promoveu a cooperação no domínio da energia nuclear. Uma das primeiras realizações importantes da CEE foi o estabelecimento em 1962 de níveis comuns de preços para produtos agrícolas. Em 1968, as tarifas internas entre os países membros foram removidas de certos produtos.

A formação dessas comunidades foi recebida com protesto devido ao medo de que a soberania do Estado fosse infringida. Outra crise foi desencadeada no que diz respeito às propostas para o financiamento da Política Agrícola Comum (PAC), que entrou em vigor em 1962. O período transitório em que as decisões foram tomadas por unanimidade chegou ao fim, e a votação por maioria no Conselho efeito.

A oposição do então presidente francês Charles de Gaulle ao supranacionalismo e o medo dos outros membros de desafiar a PAC levaram a uma política de cadeira vazia em que os representantes franceses foram retirados das instituições europeias até que o veto francês fosse restabelecido. Por fim, o Compromisso do Luxemburgo, de 29 de janeiro de 1966, instituiu um acordo de cavalheiros que permitia aos membros usar o veto sobre questões de interesse nacional.

Retrato da foto de Charles de Gaulle

Charles De Gaulle: O presidente francês Charles de Gaulle vetou a adesão britânica, reteve o desenvolvimento dos poderes do Parlamento e esteve no centro da crise da cadeira vazia de 1965.

Em 1 de Julho de 1967, o Tratado de fusão entrou em vigor, combinando as instituições da CECA e EURATOM com as da CEE. Coletivamente, eles eram conhecidos como as Comunidades Européias. As comunidades ainda tinham personalidades independentes, embora estivessem cada vez mais integradas. Os futuros tratados conferiram à Comunidade novos poderes para além das questões económicas simples, aproximando-se do objectivo da integração política e de uma Europa unida e pacífica.

Ampliação e Eleições

Os anos 60 viram as primeiras tentativas de ampliação. Em 1961, a Dinamarca, a Irlanda, a Noruega e o Reino Unido solicitaram a adesão às três Comunidades. No entanto, o Presidente Charles de Gaulle viu a adesão britânica como um cavalo de Tróia para a influência dos EUA e vetou a adesão, e as candidaturas dos quatro países foram suspensas.

Os quatro países reapresentaram suas candidaturas em 11 de maio de 1967, e com Georges Pompidou sucedendo Charles de Gaulle como presidente francês em 1969, o veto foi suspenso. As negociações começaram em 1970 sob o governo pró-europeu do primeiro-ministro do Reino Unido, Sir Edward Heath, que teve que lidar com divergências relacionadas à relação entre a PAC e o Reino Unido com a Commonwealth of Nations. No entanto, dois anos depois, os tratados de adesão foram assinados e a Dinamarca, a Irlanda e o Reino Unido aderiram à Comunidade a partir de 1º de janeiro de 1973.

Os membros fundadores incluem a França, a Itália, o Luxemburgo, a Bélgica, os Países Baixos e a Alemanha. Os membros adicionados posteriormente incluem o Reino Unido, Portugal, Espanha, Dinamarca e Grécia.

Expansão das Comunidades Européias, 1973-1992: Países de cor verde representam os membros fundadores da CEE, e os países azuis representam membros adicionados posteriormente.

Os Tratados de Roma afirmaram que o Parlamento Europeu deve ser eleito directamente; no entanto, isso exigia que o Conselho concordasse com um sistema de votação comum primeiro. O Conselho procrastinou sobre a questão e o Parlamento permaneceu nomeado.

Charles de Gaulle foi particularmente ativo em bloquear o desenvolvimento do Parlamento, com apenas sendo outorgado poderes orçamentários após sua renúncia. O Parlamento pressionou por um acordo e, em 20 de setembro de 1976, o Conselho aprovou parte dos instrumentos necessários para a eleição, adiando detalhes sobre os sistemas eleitorais que permanecem variados até hoje.

Em junho de 1979, durante o mandato do Presidente Jenkins, foram realizadas eleições para o Parlamento Europeu. O novo Parlamento, galvanizado por uma eleição direta e novos poderes, começou a trabalhar em tempo integral e tornou-se mais ativo do que as assembleias anteriores.

Para Maastricht

A Grécia solicitou a adesão à Comunidade em 12 de junho de 1975, após a restauração de sua democracia. A Grécia aderiu à Comunidade em 1 de janeiro de 1981. Da mesma forma, e depois de suas próprias restaurações democráticas, a Espanha e Portugal aplicaram-se às comunidades em 1977 e se uniram em 1 de janeiro de 1986. Em 1987, a Turquia formalmente solicitou a adesão à Comunidade e iniciou a mais longo processo de candidatura para qualquer país.

Com a perspectiva de um novo alargamento e o desejo de aumentar as áreas de cooperação, o Acto Único Europeu foi assinado pelos ministros dos Negócios Estrangeiros em Fevereiro de 1986. Este documento único tratava da reforma das instituições, da extensão de poderes, da cooperação em política externa e do Parlamento Europeu. mercado. Entrou em vigor em 1 de julho de 1987. O ato foi seguido por um trabalho sobre o que se tornaria o Tratado de Maastricht.

Referências:

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close