História

Europa no século 21

Mudança para o Euro

A zona do euro é uma união monetária de 19 dos 28 países membros da União Européia que adotaram o euro como sua moeda comum e única moeda de curso legal para coordenar suas políticas econômicas e cooperação.

Uma primeira tentativa de criar uma união económica e monetária entre os membros da Comunidade Económica Europeia (CEE) remonta aos anos 60, quando foi definida a necessidade de “maior coordenação das políticas económicas e cooperação monetária”. No entanto, após o colapso do sistema de Bretton Woods, as aspirações para a união monetária europeia foram retrocedidas. Então, em 1979, o Sistema Monetário Europeu (SME) foi criado, fixando as taxas de câmbio na Unidade Monetária Européia (ECU), uma moeda contábil introduzida para estabilizar as taxas de câmbio e combater a

inflação.

Em 1989, os líderes europeus chegaram a um acordo sobre uma união monetária com o Tratado de Maastricht de 1992. O tratado incluiu o objetivo de criar uma moeda única até 1999, embora sem a participação do Reino Unido. Em 1995, o nome euro  foi adotado para a nova moeda e foi acordado que seria lançado em 1 de janeiro de 1999. Em 1998, 11 países iniciais foram selecionados para participar do lançamento. Para adotar a nova moeda, os estados membros tinham que cumprir critérios rigorosos.

A Grécia não cumpriu os critérios e foi excluída da adesão à união monetária em 1999. O Reino Unido e a Dinamarca receberam o opt-outs enquanto a Suécia aderiu à UE em 1995 após o Tratado de Maastricht, que era tarde demais para se juntar ao grupo inicial de membros. estados. Em 1998, o Banco Central Europeu sucedeu o Instituto Monetário Europeu. As taxas de conversão entre as 11 moedas nacionais participantes e o euro foram então estabelecidas.

A moeda foi introduzida em forma não física em 1 de janeiro de 1999. As notas e moedas para as antigas moedas continuaram a ser usadas como moeda legal até que novas notas e moedas foram introduzidas em 1 de janeiro de 2002. O alargamento da zona do euro é um processo em andamento. Todos os Estados-Membros, com excepção da Dinamarca e do Reino Unido, são obrigados a adoptar o euro. Atualmente, 19 estados são membros da zona do euro e sete estados adicionais estão na agenda da ampliação. Vários países europeus não-europeus e alguns territórios ultramarinos também usam o euro, mas cada caso é regulado de forma diferente.

Após a crise financeira dos EUA em 2008, os temores de uma crise de dívida soberana se desenvolveram em 2009 entre os investidores fiscalmente conservadores. Vários países membros da zona do euro (Grécia, Portugal, Irlanda, Espanha e Chipre) não conseguiram pagar ou refinanciar sua dívida pública nem socorrer bancos super-endividados sob sua supervisão nacional sem a assistência de terceiros como outros países da zona do euro, o Banco Central Europeu. Banco Mundial (BCE) ou o Fundo Monetário Internacional (FMI).

As causas detalhadas da crise da dívida variaram. Em vários países, as dívidas privadas decorrentes de uma bolha imobiliária foram transferidas para a dívida soberana como resultado de resgates do sistema bancário e respostas do governo à desaceleração das economias pós-bolha. A estrutura da zona do euro como uma união monetária (ou seja, uma moeda) sem união fiscal (por exemplo, diferentes regras tributárias e de pensões públicas) contribuiu para a crise e limitou a capacidade de resposta dos líderes europeus. À medida que as preocupações se intensificaram, os principais países europeus implementaram uma série de medidas de apoio financeiro, mas a crise teve efeitos de longo alcance em toda a UE.

Leia também:

Termos chave

  • Sistema de Bretton Woods : Um sistema de gestão monetária que estabeleceu as regras para as relações comerciais e financeiras entre os Estados Unidos, Canadá, Europa Ocidental, Austrália e Japão em meados do século XX. Foi o primeiro exemplo de uma ordem monetária totalmente negociada, destinada a governar as relações monetárias entre Estados nacionais independentes. Suas principais características eram a obrigação de cada país adotar uma política monetária que mantivesse a taxa de câmbio (± 1%) ao vincular sua moeda ao ouro e à capacidade do FMI de colmatar os desequilíbrios nos pagamentos temporários.
  • Banco Central Europeu : O banco central do euro que administra a política monetária da zona do euro. Consistindo de 19 estados membros da UE, é uma das maiores áreas monetárias do mundo, um dos bancos centrais mais importantes do mundo, e uma das sete instituições da União Europeia (UE) listadas no Tratado da União Europeia (TEU ). O capital social do banco é de propriedade dos bancos centrais de todos os 28 estados membros da UE.
  • Tratado de Maastricht : Tratado para integrar a Europa e assinado em 1992 pelos membros da Comunidade Européia. Após a sua entrada em vigor em 1993, criou a União Europeia e levou à criação da moeda única europeia, o euro. O tratado foi alterado pelos tratados de Amsterdã, Nice e Lisboa.
  • Conselho Europeu : Instituição da União Europeia (UE) que compreende os chefes de Estado ou de Governo dos Estados-Membros, juntamente com o Presidente do Conselho Europeu e o Presidente da Comissão Europeia,
    encarregados de definir a orientação política geral da UE e prioridades.
  • Comunidade Econômica Européia : Uma organização regional que visava promover a integração econômica entre seus estados membros. Foi criado pelo Tratado de Roma de 1957. Após a formação da União Européia (UE) em 1993, foi incorporada e renomeada como Comunidade Européia (CE). Em 2009, as instituições da CE foram absorvidas no quadro mais vasto da UE e a comunidade deixou de existir.
  • Comissão Europeia : Uma instituição da União Europeia responsável por propor legislação, implementar decisões, defender os tratados da UE e gerir as atividades do dia-a-dia da UE. Os comissários prestam juramento no Tribunal Europeu de Justiça no Luxemburgo, comprometendo-se a respeitar os tratados e a serem completamente independentes no desempenho das suas funções durante o seu mandato.

Origem da moeda comum na Europa

Uma primeira tentativa de criar uma união económica e monetária entre os membros da Comunidade Económica Europeia (CEE) remonta a uma iniciativa da Comissão Europeia em 1969. A iniciativa proclamava a necessidade de “maior coordenação das políticas económicas e cooperação monetária” e foi introduzido numa reunião do Conselho Europeu. O Conselho Europeu encarregou Pierre Werner, primeiro-ministro do Luxemburgo, de encontrar uma forma de reduzir a volatilidade das taxas de câmbio. Seu relatório foi publicado em 1970 e recomendou a centralização das políticas macroeconômicas nacionais, mas ele não propôs uma moeda única ou um banco central.

Em 1971, o presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, retirou o ouro do dólar americano, causando um colapso no sistema de Bretton Woods que afetou todas as principais moedas do mundo. As flutuações cambiais e as desvalorizações generalizadas retrocederam as aspirações da união monetária europeia. No entanto, em 1979, o Sistema Monetário Europeu (SME) foi criado, fixando as taxas de câmbio na Unidade Monetária Europeia (ECU), uma moeda contábil introduzida para estabilizar as taxas de câmbio e combater a inflação. Em 1989, os líderes europeus chegaram a um acordo sobre uma união monetária com o Tratado de Maastricht de 1992. O tratado incluiu o objetivo de criar uma moeda única até 1999, embora sem a participação do Reino Unido. No entanto, obter aprovação para o tratado foi um desafio. A Alemanha foi cautelosa em desistir de sua moeda estável,

Em 1994, o Instituto Monetário Europeu, precursor do Banco Central Europeu, foi criado. Depois de muita discordância, em 1995 o nome euro foi adotado para a nova moeda (substituindo o nome ecu usado para a moeda contábil anterior) e foi acordado que seria lançado em 1 de janeiro de 1999. Em 1998, 11 países iniciais foram selecionados. para participar do lançamento inicial. Para adotar a nova moeda, os Estados membros tiveram que cumprir critérios rigorosos, incluindo um déficit orçamentário de menos de 3% de seu PIB, um índice de endividamento inferior a 60% do PIB, inflação baixa e taxas de juros próximas da média da UE. A Grécia não cumpriu os critérios e foi excluída da adesão à união monetária em 1999. O Reino Unido e a Dinamarca receberam as isenções enquanto

A Suécia aderiu à UE em 1995, após o Tratado de Maastricht, que era tarde demais para se juntar ao grupo inicial de estados-membros. Em 1998, o Banco Central Europeu sucedeu o Instituto Monetário Europeu. As taxas de conversão entre as 11 moedas nacionais participantes e o euro foram então estabelecidas.

Lançamento da Zona Euro

A moeda foi introduzida em forma não física (cheques de viagem, transferências eletrônicas, bancos etc.) à meia-noite de 1º de janeiro de 1999, quando as moedas nacionais dos países participantes (zona do euro) deixaram de existir independentemente, bloqueados a taxas fixas entre si, tornando-os efetivamente meras subdivisões não-decimais do euro. As notas e moedas para as antigas moedas continuaram a ser usadas como moeda legal até que novas notas e moedas foram introduzidas em 1 de janeiro de 2002. A partir de 1º de janeiro de 1999, todos os títulos e outras formas de dívida pública dos estados da zona do euro eram denominados em euros.

imagem

Moedas e notas de euro: Os projetos das novas moedas e notas foram anunciados entre 1996 e 1998 e a produção começou nas várias casas de moeda e impressoras em 1998. A tarefa era grande: 7,4 bilhões de notas e 38,2 bilhões de moedas seriam disponibilizadas aos consumidores e empresas em 2002. Apesar dos receios de caos, a eventual mudança para o euro foi suave, com muito poucos problemas.

Em 2000, a Dinamarca realizou um referendo sobre a possibilidade de abandonar o opt-out do euro. O referendo resultou na decisão de manter a coroa dinamarquesa e também atrasou os planos de um referendo no Reino Unido como resultado.
A Grécia aderiu à zona do euro em 1 de janeiro de 2001, um ano antes de as moedas e notas em euros físicas substituírem as antigas moedas nacionais da zona do euro.

Zona Euro Hoje

A ampliação da zona do euro é um processo contínuo dentro da UE. Todos os Estados-Membros, com exceção da Dinamarca e do Reino Unido, que negociaram o abandono das disposições, são obrigados a adotar o euro como moeda única, desde que cumpram os critérios. Após o alargamento da UE de 10 novos membros, em 2004, sete países aderiram à zona euro: Eslovénia (2007), Chipre (2008), Malta (2008), Eslováquia (2009), Estónia (2011), Letónia (2014) e Lituânia ( 2015). Sete estados restantes, Bulgária, Croácia, República Tcheca, Hungria, Polônia, Romênia e Suécia, estão na agenda do alargamento. A Suécia, que aderiu à UE em 1995, recusou a adoção do euro em um referendo de 2003. Desde então, o país evitou intencionalmente cumprir os requisitos de adoção.

Vários microestados europeus fora da UE adotaram o euro como sua moeda. Para a UE sancionar esta adoção, deve ser concluído um acordo monetário. Antes do lançamento do euro, foram celebrados acordos com Mônaco, São Marino e Cidade do Vaticano pelos Estados membros da UE (Itália no caso de San Marino e Cidade do Vaticano e França no caso do Mônaco) permitindo que eles usassem o euro e cunhar um montante limitado de moedas de euro (mas não de notas). Todos esses estados anteriormente tinham acordos monetários para usar as moedas da zona do euro. Um acordo semelhante foi negociado com Andorra e entrou em vigor em 2012. Fora da UE, existem atualmente três territórios franceses e um território britânico que têm acordos para usar o euro como moeda. Todos os outros territórios dependentes dos Estados membros da zona do euro que optaram por não fazer parte da UE,

O Montenegro e o Kosovo (não-membros da UE) também usaram o euro desde o seu lançamento, uma vez que usavam anteriormente o marco alemão em vez do dinar jugoslavo. Ao contrário dos estados acima, no entanto, eles não têm um acordo formal com a UE para usar o euro como moeda (uso unilateral) e nunca cunharam marcos ou euros. Em vez disso, eles dependem de notas e moedas já em circulação.

imagem

Notas de euro: As notas de euro têm desenhos comuns em ambos os lados criados pelo designer austríaco Robert Kalina. Cada nota tem sua própria cor e é dedicada a um período artístico da arquitetura européia. A frente da nota apresenta janelas ou portais, enquanto a parte de trás tem pontes, simbolizando as ligações entre países e com o futuro.

Crise da Zona Euro

Após a crise financeira dos EUA em 2008, os temores de uma crise de dívida soberana se desenvolveram em 2009 entre investidores fiscalmente conservadores em relação a alguns estados europeus. Vários países membros da zona do euro (Grécia, Portugal, Irlanda, Espanha e Chipre) não conseguiram pagar ou refinanciar sua dívida pública nem socorrer bancos super-endividados sob sua supervisão nacional sem a assistência de terceiros como outros países da zona do euro, o Banco Central Europeu. Banco Mundial (BCE) ou o Fundo Monetário Internacional (FMI).

As causas detalhadas da crise da dívida variaram. Em vários países, as dívidas privadas decorrentes de uma bolha imobiliária foram transferidas para a dívida soberana como resultado de resgates do sistema bancário e respostas do governo à desaceleração das economias pós-bolha. A estrutura da zona do euro como uma união monetária (ou seja, uma moeda) sem união fiscal (por exemplo, diferentes regras tributárias e de pensões públicas) contribuiu para a crise e limitou a capacidade de resposta dos líderes europeus.

À medida que as preocupações se intensificaram em 2010 e posteriormente, os principais países europeus implementaram uma série de medidas de apoio financeiro, como o Fundo Europeu de Estabilização Financeira (EFSF) e o Mecanismo Europeu de Estabilidade (ESM). O BCE também contribuiu para resolver a crise, baixando as taxas de juros e oferecendo empréstimos baratos de mais de um trilhão de euros para manter o fluxo de dinheiro entre os bancos europeus. Em 2012, o BCE acalmou os mercados financeiros anunciando o apoio ilimitado gratuito a todos os países da zona do euro envolvidos em um programa soberano de resgate / precaução do EFSF / ESM por meio de operações de redução de juros (Outright Monetary Transactions – OMT).

O regresso ao crescimento económico e a melhoria dos défices estruturais permitiram que a Irlanda e Portugal saíssem dos seus programas de resgate em 2014. A Grécia e Chipre conseguiram recuperar parcialmente o acesso ao mercado em 2014. A Espanha nunca recebeu oficialmente um programa de resgate. No entanto, a crise teve efeitos econômicos adversos significativos, com taxas de desemprego na Grécia e na Espanha chegando a 27%. Também foi acusado de um crescimento econômico moderado, não apenas para toda a zona do euro, mas para toda a União Européia.

Como tal, pensa-se que teve um impacto político importante nos governos em 10 dos 19 países da zona euro, contribuindo para as mudanças de poder na Grécia, Irlanda, França, Itália, Portugal, Espanha, Eslovénia, Eslováquia, Bélgica e Holanda, bem como fora da zona do euro no Reino Unido.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar