História

Guerra do Afeganistão (1979–1989) – A invasão soviética

Afeganistão e a Guerra Fria

Durante o início da Guerra Fria, o Afeganistão tentou manter um status não-alinhado, recebendo ajuda da União Soviética e dos Estados Unidos, mas acabou dependendo muito da ajuda dos soviéticos. No final do século 19, o Afeganistão tornou-se um estado-tampão no “Grande Jogo” entre a Índia Britânica e o Império Russo.

Após a Terceira Guerra Anglo-Afegã, em 1919, o rei Amanullah tentou, sem sucesso, modernizar o país, mas ao longo da primeira metade do século XX manteve boas relações com os soviéticos. O Afeganistão permaneceu neutro e não participou da Segunda Guerra Mundial, nem se alinhou com o bloco de poder na Guerra Fria.

No entanto, ele se envolveu na rivalidade da Guerra Fria, já que tanto a União Soviética quanto os Estados Unidos disputavam a influência apoiando a infraestrutura do Afeganistão. Em 1958, o primeiro-ministro do Afeganistão, Daud Khan, tentou criar um tratado com os EUA contra a União Soviética, porque temia uma possível invasão soviética e precisava de armas modernas.

Depois que os americanos recusaram o governo do Afeganistão, a União Soviética forneceu ajuda financeira, treinamento militar pessoal e armas modernas, como AK-47s e lançadores de foguetes. O primeiro ministro Daud Khan foi forçado a renunciar em 1963 por causa da dependência que ele criou na União Soviética.

Leitura sugerida para entender melhor esse texto:

Termos chave

  • Grande Jogo : Um termo usado pelos historiadores para descrever um confronto político e diplomático que existiu durante a maior parte do século 19 entre a Grã-Bretanha e a Rússia sobre o Afeganistão e os territórios vizinhos na Ásia Central e do Sul. A Rússia temia as incursões comerciais e militares britânicas na Ásia Central, e a Grã-Bretanha temia que a Rússia acrescentasse “a jóia da coroa”, a Índia, ao vasto império que estava construindo na Ásia. Isso resultou em uma atmosfera de desconfiança e constante ameaça de guerra entre os dois impérios.
  • Mohammed Zahir Shah : Último Rei do Afeganistão, reinando de 8 de novembro de 1933 até ser deposto em 17 de julho de 1973. Durante suas quatro décadas de governo, ele se tornou uma importante figura afegã em todo o mundo, estabelecendo relações amistosas com muitos países e modernizando-se. O país dele.

Relações afegãs-soviéticas

No século XIX, o Afeganistão serviu como um estado-tampão estratégico entre o russo czarista e o Império Britânico no subcontinente durante o chamado Grande Jogo. Por volta de 1830, a Rússia Imperial queria conquistar o Afeganistão por causa do potencial lucro econômico.

As relações do Afeganistão com Moscou tornaram-se mais cordiais após a Revolução Bolchevique de 1917. A União Soviética foi o primeiro país a estabelecer relações diplomáticas com o Afeganistão em 1919 após a Terceira Guerra Anglo-Afegã e assinou um pacto de não agressão soviético em 1921. para os direitos de trânsito afegãos através da União Soviética. A assistência soviética inicial incluía ajuda financeira, aeronaves e pessoal técnico atendente e operadores de telégrafo.

Depois da Terceira Guerra Anglo-Afegã e da assinatura do Tratado de Rawalpindi em 19 de agosto de 1919, o rei Amanullah Khan declarou o Afeganistão um Estado soberano e totalmente independente. Ele mudou-se para acabar com o isolamento tradicional de seu país, estabelecendo relações diplomáticas com a comunidade internacional e, após uma turnê pela Europa e Turquia em 1927-28, introduziu várias reformas destinadas a modernizar sua nação. Uma força fundamental por trás dessas reformas foi Mahmud Tarzi, um fervoroso defensor da educação das mulheres. Ele lutou pelo artigo 68 da constituição do Afeganistão de 1923, que tornou o ensino fundamental obrigatório. A escravidão foi abolida em 1923.

Algumas das reformas que foram realmente implementadas, como a abolição da tradicional burca para as mulheres e a abertura de várias escolas mistas, rapidamente afastaram muitos líderes tribais e religiosos.

Diante da esmagadora oposição armada, Amanullah Khan foi forçado a abdicar em janeiro de 1929, depois que Cabul caiu diante das forças rebeldes lideradas por Habibullah Kalakani. O príncipe Mohammed Nadir Shah, primo de Amanullah, por sua vez, derrotou e matou Kalakani em novembro de 1929 e foi declarado rei Nadir Shah. Ele abandonou as reformas de Amanullah Khan em favor de uma abordagem mais gradual à modernização, mas foi assassinado em 1933 por Abdul Khaliq, um estudante da escola de Hazara.

Mohammed Zahir Shah, filho de 19 anos de Nadir Shah, subiu ao trono e reinou de 1933 a 1973. Até 1946, Zahir Shah governou com a ajuda de seu tio, que ocupou o cargo de primeiro-ministro e continuou as políticas de Nadir. Xá. Outro dos tios de Zahir Shah, Shah Mahmud Khan, tornou-se Primeiro Ministro em 1946 e iniciou um experimento que permitia maior liberdade política, mas reverteu a política quando foi além do que esperava. Ele foi substituído em 1953 por Mohammed Daoud Khan, primo do rei e cunhado. Daoud Khan procurou um relacionamento mais próximo com a União Soviética e um mais distante para o Paquistão.

O Afeganistão permaneceu neutro e não participou da Segunda Guerra Mundial, nem se alinhou com o bloco de poder na Guerra Fria. Contudo, foi um beneficiário desta última rivalidade, já que tanto a União Soviética quanto os Estados Unidos disputavam a influência construindo as principais rodovias, aeroportos e outras infraestruturas vitais do Afeganistão. Em base per capita, o Afeganistão recebeu mais ajuda ao desenvolvimento soviético do que qualquer outro país.

Uma foto de Zahir Shah, rei do Afeganistão, sentado em uma cadeira em trajes militares.

Zahir Shah: Zahir Shah, o último rei do Afeganistão, que reinou de 1933 a 1973.

Relações durante a Guerra Fria

A Guerra Fria se estendeu da década de 1950 até a década de 1990 e foi cheia de conflitos entre os EUA e a Rússia. As principais superpotências travavam guerras através de proxies, ou super aliados, porque qualquer conflito direto entre si poderia resultar em guerra nuclear. A Guerra Fria moldou a mentalidade russa sobre os países em desenvolvimento.

As relações afegão-americanas tornaram-se importantes durante o início da Guerra Fria. Em 1958, o primeiro-ministro Daoud Khan tornou-se o primeiro afegão a falar perante o Congresso dos Estados Unidos em Washington, DC. Sua apresentação se concentrou em várias questões, mas, mais importante, ressaltou a importância das relações EUA-Afeganistão. Enquanto em Washington, Daoud se reuniu com o presidente Dwight Eisenhower, assinou um importante acordo de intercâmbio cultural e reafirmou as relações pessoais com o vice-presidente Nixon, que começaram durante a viagem deste último a Cabul, em 1953.

Naquela época, os Estados Unidos recusaram o pedido do Afeganistão de cooperação em defesa, mas estenderam um programa de assistência econômica focado no desenvolvimento da infraestrutura física do Afeganistão – estradas, represas e usinas elétricas. Mais tarde, a ajuda dos EUA passou de projetos de infraestrutura para programas de assistência técnica para desenvolver as habilidades necessárias para construir uma economia moderna.

Os contatos entre os Estados Unidos e o Afeganistão aumentaram durante a década de 1950, especialmente durante a Revolução Cubana entre 1953 e 1959. Enquanto a União Soviética apoiava Fidel Castro, os Estados Unidos concentraram-se no Afeganistão para fins estratégicos: combater a disseminação do comunismo e a força da União Soviética no Sul da Ásia, particularmente no Golfo Pérsico.

No começo da intervenção soviética no Afeganistão em 1953, o governo soviético tinha três objetivos principais de longo prazo. O primeiro era ameaçar os campos petrolíferos iranianos ou colocar-se em condições de fazê-lo nos próximos anos. A segunda foi fortalecer a influência na península indiana. O último objetivo era desviar armas ocidentais para áreas improdutivas.

Levando à intervenção soviética na década de 1970, a política do Afeganistão era de não alinhamento, significando que eles não queriam um aliado da superpotência. No entanto, eles ainda mantinham bons termos tanto com a América quanto com a União Soviética. Em 1958, Khan tentou criar um tratado com os Estados Unidos contra a União Soviética, porque estava com medo de uma potencial invasão soviética e precisava de armas modernas.

Depois que os americanos recusaram o governo do Afeganistão, o Afeganistão pediu ajuda à URSS. Com este acordo, a União Soviética forneceu ajuda financeira, treinamento pessoal militar e armas modernas, como AK-47s e lançadores de foguetes. Daud Khan foi forçado a renunciar em 1963 por causa da dependência que ele criou na União Soviética.

Ascensão do sentimento anti-soviético

Mohammad Sardar Daoud Khan, ex-primeiro-ministro do Afeganistão, tomou o poder em um golpe de 1973 e se tornou o primeiro presidente do Afeganistão, planejando diminuir as relações do país com a União Soviética e forjar contatos mais próximos com o Ocidente.

Pontos chave

  • Em 1973, enquanto o rei Zahir Shah estava em uma visita oficial ao exterior, Mohammad Sardar Daoud Khan, ex-primeiro-ministro do Afeganistão, lançou um golpe sem derramamento de sangue e se tornou o primeiro presidente do Afeganistão.
  • Em oposição à sua política externa como primeiro-ministro, Daoud procurou se distanciar dos soviéticos e forjar relações mais estreitas com o Ocidente, especialmente os Estados Unidos.
  • O presidente Daoud encontrou-se com Leonid Brezhnev em uma visita oficial a Moscou de 12 a 15 de abril de 1977, e disse a este último que o Afeganistão continuaria livre e que a União Soviética jamais poderia ditar como o país deveria ser governado.
  • Daoud tentou modernizar e melhorar a economia do Afeganistão, mas fez pouco progresso.
  • O PDPA, um partido comunista apoiado pelos soviéticos, tomou o poder em um golpe militar em 1978, mais conhecido como a Revolução Saur.
  • Embora apoiados pelos soviéticos, as ações tomadas pelos líderes do PDPA estreitaram ainda mais as relações com a URSS, o que acabou levando ao planejamento de uma intervenção militar.

Termos chave

  • Revolução Saur : Uma revolução liderada pelo Partido Democrático do Povo do Afeganistão (PDPA) contra o governo do autoproclamado presidente afegão Mohammed Daoud Khan em 27 e 28 de abril de 1978. Isso levou à guerra civil e à intervenção da União Soviética.
  • Leonid Brezhnev : O Secretário Geral do Comitê Central (CC) do Partido Comunista da União Soviética (PCUS), presidindo o país de 1964 até sua morte em 1982. Seu mandato de 18 anos como Secretário Geral ficou em segundo lugar depois disso. de Joseph Stalin em duração. Durante seu governo, a influência global da União Soviética cresceu dramaticamente, em parte devido à expansão das forças armadas soviéticas durante esse período. Seu mandato como líder foi marcado pelo início de uma era de estagnação econômica e social na União Soviética.
  • Mohammad Sardar Daoud Khan : Primeiro Ministro do Afeganistão de 1953 a 1963, que mais tarde se tornou o primeiro Presidente do Afeganistão. Ele derrubou a monarquia de Musahiban de seu primo em primeiro grau Mohammed Zahir Shah e declarou-se o primeiro presidente do Afeganistão de 1973 até seu assassinato em 1978, como resultado da Revolução Saur liderada pelo Partido Democrático do Povo do Afeganistão (PDPA). Ele era conhecido por suas políticas progressistas, seus esforços para melhorar os direitos das mulheres e por iniciar dois planos de modernização de cinco anos que aumentaram a força de trabalho em cerca de 50%.

República do Afeganistão

Em meio a acusações de corrupção e má conduta contra a família real e condições econômicas precárias criadas pela grave seca de 1971-72, o ex-primeiro-ministro Mohammad Sardar Daoud Khan tomou o poder em um golpe não violento em 17 de julho de 1973, enquanto Zahir Shah estava recebendo tratamento. para problemas oculares e terapia para lombalgia na Itália. Daoud aboliu a monarquia, revogou a constituição de 1964 e declarou ao Afeganistão uma república com ele mesmo como seu primeiro presidente e primeiro-ministro. Para neutralizar seus percalços anteriores como primeiro-ministro, Daud levou o Afeganistão de volta à independência e ao não-alinhamento. Além disso, Daud enviou tropas e diplomatas para as nações vizinhas a fim de fortalecer as relações exteriores e diminuir a dependência do Afeganistão da União Soviética.

O presidente Daoud encontrou-se com Leonid Brezhnev em uma visita oficial a Moscou de 12 a 15 de abril de 1977. Daoud pediu uma reunião privada com o líder soviético para discutir o crescente padrão de ações soviéticas no Afeganistão. Em particular, ele discutiu a intensificada tentativa soviética de unir as duas facções dos partidos comunistas afegãos, Parcham e Khalq. Brezhnev descreveu o desalinhamento do Afeganistão como importante para a URSS e essencial para a promoção da paz na Ásia, mas avisou-o sobre a presença de especialistas de países da NATO estacionados no norte do Afeganistão. Daoud respondeu sem rodeios que o Afeganistão permaneceria livre e que a União Soviética nunca teria permissão para ditar como o país deveria ser governado.

Depois de voltar ao Afeganistão, Daoud fez planos para diminuir as relações de seu governo com a União Soviética e, em vez disso, forjar contatos mais próximos com o Ocidente, além da Arábia Saudita e do Irã, ricos em petróleo. O Afeganistão assinou um tratado militar cooperativo com o Egito e, em 1977, as forças armadas e policiais afegãs estavam sendo treinadas pelas forças armadas egípcias. Isso irritou a União Soviética porque o Egito seguiu a mesma rota em 1974 e se distanciou dos soviéticos.

Durante a presidência de Daoud, as relações com a União Soviética se deterioraram continuamente. Os soviéticos viam sua mudança para uma liderança mais amiga do Ocidente como perigosa, incluindo críticas à participação de Cuba no Movimento Não-alinhado e à expulsão de conselheiros militares e econômicos soviéticos. A supressão da oposição política também transformou o Partido Democrático do Povo apoiado pelos soviéticos (PDPA), um importante aliado no golpe de 1973 contra o rei, contra ele.

Em 1976, Daoud estabeleceu um plano econômico de sete anos para o país. Ele iniciou programas de treinamento militar com a Índia e iniciou conversações de desenvolvimento econômico com o Irã Imperial. Daoud também voltou sua atenção para países do Oriente Médio ricos em petróleo, como a Arábia Saudita, o Iraque, o Kuwait e outros países, para obter assistência financeira.

No entanto, Daoud havia conseguido pouco do que ele pretendia realizar em 1978. A economia afegã não havia feito nenhum progresso real e o padrão de vida afegão não havia aumentado. Daoud também recebeu muitas críticas por sua constituição de partido único em 1977, o que o afastou de seus partidários políticos. A essa altura, as duas principais facções do PDPA, antes encerradas em uma luta pelo poder, haviam alcançado um frágil acordo de reconciliação. Oficiais do exército simpatizantes do comunismo já estavam planejando uma medida contra o governo. De acordo com Hafizullah Amin, que se tornou chefe de estado afegão em 1979, o PDPA começou a planejar o golpe em 1976, dois anos antes de se materializar.

Revolução de Saur

Em abril de 1978, o PDPA comunista tomou o poder no Afeganistão na Revolução Saur. Em poucos meses, oponentes do governo comunista lançaram uma revolta no leste do Afeganistão que rapidamente se expandiu para uma guerra civil travada pela guerrilha mujahideen contra forças do governo em todo o país. O governo paquistanês forneceu a esses rebeldes centros secretos de treinamento, enquanto a União Soviética enviou milhares de assessores militares para apoiar o governo do PDPA. Enquanto isso, o crescente atrito entre as facções concorrentes do PDPA – o Khalq dominante e o Parcham mais moderado – resultou na demissão dos membros do gabinete Parchami e na prisão de oficiais militares Parchamis sob o pretexto de um golpe Parchami.

Em setembro de 1979, Nur Muhammad Taraki, o líder do PDPA, foi assassinado em um golpe dentro do PDPA orquestrado pelo membro do Khalq Hafizullah Amin, que assumiu a presidência. Durante sua curta permanência no poder (104 dias), Amin se comprometeu a estabelecer uma liderança coletiva. Quando Taraki foi deposto, Amin prometeu que “de agora em diante não haverá governo de um só homem …” Tentando pacificar a população, ele divulgou uma lista de 18 mil pessoas que foram executadas e culpou as execuções em Taraki. Amin não gostava do povo afegão. Durante seu governo, a oposição ao regime comunista aumentou e o governo perdeu o controle sobre o campo. O estado das forças armadas afegãs deteriorou-se sob Amin; devido a deserções, o número de militares no exército afegão diminuiu de 100,

Enquanto isso, na União Soviética, a Comissão Especial do Politburo do Afeganistão, composta por Yuri Andropov, Andrei Gromyko, Dmitriy Ustinov e Boris Ponomarev, queria acabar com a impressão de que o governo soviético apoiava a liderança e as políticas de Amin.

Amin permaneceu confiante da União Soviética até o fim, apesar da deterioração das relações oficiais com a União Soviética. Quando o serviço de inteligência afegão entregou a Amin um relatório de que a União Soviética iria invadir o país e derrubá-lo, Amin afirmou que o relatório era um produto do imperialismo.

Uma foto de vários tanques em torno de um edifício no dia seguinte à revolução marxista de 28 de abril de 1978.

Revolução Saur: O dia após a revolução marxista de 28 de abril de 1978.

A invasão soviética do Afeganistão

Em 27 de dezembro de 1979, as forças da União Soviética invadiram o Palácio de Tajbeg no Afeganistão e mataram o presidente afegão Hafizullah Amin, e então instalaram Babrak Karmal como sucessor de Amin.

Pontos chave

  • A República Democrática do Afeganistão foi formada após a Revolução Saur em 27 de abril de 1978.
  • Em meados de 1978, uma rebelião começou, com rebeldes atacando a guarnição militar local na região de Nuristão, no leste do Afeganistão. A guerra civil logo se espalhou por todo o país.
  • Em setembro de 1979, o vice-primeiro-ministro Hafizullah Amin tomou o poder, prendendo e matando o presidente Taraki.
  • Com base nas informações da KGB, os líderes soviéticos sentiram que as ações do primeiro-ministro Hafizullah Amin haviam desestabilizado a situação no Afeganistão e a URSS começou a discutir como responder.
  • A deterioração das relações e o agravamento das rebeliões levaram o governo soviético, sob o comando do líder Leonid Brezhnev, a implantar o 40º Exército em 24 de dezembro de 1979; Chegando na capital Cabul, eles fizeram um golpe, matando o presidente Amin e instalando o lealista soviético Babrak Karmal de uma facção rival.
  • Os soviéticos não previram assumir um papel tão ativo na luta contra os rebeldes; no entanto, sua chegada teve o efeito oposto, uma vez que enfureceu em vez de pacificar as pessoas, fazendo com que os rebeldes mujahidin ganhassem força e número.
  • A luta tornou-se a Guerra Soviética-Afegã, que durou mais de nove anos e foi brutal, com os mujahidin encenando táticas de guerrilha com armas fornecidas pelos EUA e outros aliados.
  • A ONU, junto com grande parte da comunidade internacional, era altamente crítica em relação às ações soviéticas.

Termos chave

  • Partido Democrático Popular do Afeganistão (PDPA) : Um partido socialista estabelecido em 1 de janeiro de 1965. Enquanto era uma minoria, o partido ajudou o ex-primeiro ministro do Afeganistão, Mohammed Daoud Khan, a derrubar seu primo, Mohammed Zahir Shah, e estabeleceu a República do Afeganistão. . Mais tarde, em 1978, este partido, com a ajuda do Exército Nacional Afegão, tomou o poder de Daoud no que é conhecido como a Revolução Saur.
  • KGB : A principal agência de segurança da União Soviética de 1954 até sua separação em 1991, atuando como segurança interna, inteligência e polícia secreta.
  • Babrak Karmal : Um político afegão instalado como presidente do Afeganistão pela URSS quando invadiu em 1979. Falhas políticas e o impasse que se seguiu após a intervenção soviética levaram a liderança soviética a tornar-se altamente crítica de sua liderança. Sob Mikhail Gorbachev, a União Soviética depôs-o e substituiu-o por Mohammad Najibullah.

fundo

Antes da chegada das tropas soviéticas, o Partido Democrático do Povo do Afeganistão (PDPA) assumiu o poder após um golpe de 1978, instalando Nur Mohammad Taraki como presidente. O partido iniciou uma série de reformas radicais de modernização em todo o país que eram profundamente impopulares, particularmente entre a população rural mais tradicional e as estruturas de poder estabelecidas.

O governo suprimiu vigorosamente qualquer oposição e prendeu milhares de pessoas, executando até 27.000 presos políticos. Grupos armados anti-governo foram formados e, em abril de 1979, grandes partes do país estavam em rebelião aberta. O próprio governo era altamente instável na rivalidade entre os partidos e, em setembro de 1979, o presidente foi deposto pelos seguidores de Hafizullah Amin, que se tornou presidente.

Com base em informações da KGB, os líderes soviéticos sentiram que as ações do primeiro-ministro Hafizullah Amin haviam desestabilizado a situação no Afeganistão. Após seu golpe inicial contra o assassinato do presidente Taraki, a estação da KGB em Cabul advertiu Moscou que a liderança de Amin levaria a “duras repressões e, como resultado, à ativação e consolidação da oposição”.

Apesar dos compromissos anteriores de não intervir no Afeganistão, à medida que a situação continuava a deteriorar-se de maio a dezembro de 1979, Moscou mudou de idéia quanto ao envio de tropas soviéticas. As razões para essa reviravolta não são totalmente claras, e vários argumentos especulativos incluem a grave situação interna e a incapacidade do governo afegão em reprimir a rebelião; os efeitos da Revolução Iraniana que levou uma teocracia islâmica ao poder, levando a temores de que o fanatismo religioso se alastrasse pelo Afeganistão e pelas repúblicas soviéticas muçulmanas da Ásia Central; e a deterioração dos laços com os Estados Unidos.

Os conservadores acreditam que esse processo refletia a crescente influência política soviética no mundo e que a intervenção soviética no Afeganistão em dezembro de 1979 foi uma tentativa de preservar, estabilizar e

Invasão Soviética e Golpe de Estado

Em 31 de outubro de 1979, informantes soviéticos para as Forças Armadas afegãs, sob ordens do círculo interno de conselheiros sob o premier soviético Brezhnev, transmitiram informações para que eles passassem por ciclos de manutenção de seus tanques e outros equipamentos cruciais. Enquanto isso, as ligações de telecomunicações para áreas fora de Cabul foram cortadas, isolando a capital.

Com uma situação de segurança deteriorada, um grande número de Forças Aéreas Soviéticas se uniu a tropas terrestres e começou a aterrissar em Cabul em 25 de dezembro. Simultaneamente, Amin transferiu os escritórios do presidente para o Palácio Tajbeg, acreditando que esse local fosse mais seguro contra possíveis ameaças. . De acordo com o coronel-general Tukharinov e Merimsky, Amin estava plenamente informado sobre os movimentos militares, tendo solicitado assistência militar soviética ao norte do Afeganistão em 17 de dezembro.

Em 27 de dezembro de 1979, 700 soldados soviéticos vestidos com uniformes afegãos, incluindo oficiais das forças especiais da KGB e da GRU, ocuparam grandes edifícios governamentais, militares e da mídia em Cabul, inclusive seu principal alvo – o Palácio Presidencial de Tajbeg.

Essa operação começou às 19h, quando o Grupo Soviético Zenith, liderado pela KGB, destruiu o centro de comunicações de Cabul, paralisando o comando militar afegão. Às 7:15, o assalto ao Palácio Tajbeg começou; como planejado, o presidente Hafizullah Amin foi morto. Simultaneamente, outros objetivos foram ocupados. A operação foi concluída na manhã de 28 de dezembro de 1979.

Um governo organizado pelos soviéticos, liderado por Babrak Karmal, de Parcham, mas que incluía ambas as facções, preencheu o vácuo. As tropas soviéticas foram mobilizadas para estabilizar o Afeganistão sob Karmal em números substanciais, embora o governo soviético não esperasse fazer a maioria dos combates no Afeganistão. Como resultado, entretanto, os soviéticos estavam agora diretamente envolvidos no que havia sido uma guerra doméstica.

Pára-quedistas soviéticos a bordo de um tanque BMD-1 em Cabul durante a invasão soviética.

Invasão Soviética do Afeganistão: pára-quedistas soviéticos a bordo de um tanque da BMD-1 em Cabul.

Reação Internacional

Ministros das Relações Exteriores de 34 países islâmicos adotaram uma resolução que condenava a intervenção soviética e exigia “a retirada imediata, urgente e incondicional das tropas soviéticas” da nação muçulmana do Afeganistão.

A Assembléia Geral da ONU aprovou uma resolução protestando contra a intervenção soviética no Afeganistão por um voto de 104-18. De acordo com o cientista político Gilles Kepel, a intervenção soviética ou “invasão” foi “vista com horror” no Ocidente, considerada uma “reviravolta” no “Grande Jogo” geopolítico do século 19, no qual a Grã-Bretanha temia que a Rússia buscasse acesso ao Oceano Índico e representou “uma ameaça à segurança ocidental”, explicitamente violando “a balança mundial de poder acordada em Yalta” em 1945.

Guerra continua

As tropas soviéticas ocuparam as cidades e principais artérias de comunicação, enquanto os mujahideen travaram guerrilhas em pequenos grupos nos quase 80% do país que escaparam ao controle do governo e da União Soviética. Os soviéticos usaram seu poder aéreo para lidar duramente com rebeldes e civis, nivelando aldeias para negar abrigo seguro ao inimigo, destruindo valas de irrigação vitais e colocando milhões de minas terrestres.

Os soviéticos não previram assumir um papel tão ativo na luta contra os rebeldes e tentaram minimizar seu envolvimento como uma ajuda leve ao exército afegão. No entanto, a chegada dos soviéticos teve o efeito oposto, uma vez que incitou em vez de pacificar o povo, fazendo com que os mujahideen ganhassem força e número.

Originalmente, os soviéticos achavam que suas forças fortaleceriam a espinha dorsal do exército afegão e prestariam assistência garantindo grandes cidades, linhas de comunicação e transporte. As forças do exército afegão tinham uma alta taxa de deserção e relutavam em lutar, especialmente desde que as forças soviéticas os empurraram para os postos de infantaria enquanto manejavam os veículos blindados e a artilharia.

Os mujahideen eram favoráveis ​​a operações de sabotagem, como danificar linhas de energia, derrubar oleodutos e estações de rádio e explodir prédios do governo, terminais aéreos, hotéis, cinemas e assim por diante.

Na região de fronteira com o Paquistão, os mujahideen lançavam 800 foguetes por dia. Entre abril de 1985 e janeiro de 1987, eles realizaram mais de 23.500 ataques contra alvos do governo. Eles se concentraram em alvos civis e militares, derrubando pontes, fechando estradas principais, atacando comboios, interrompendo o sistema de energia elétrica e a produção industrial, e atacando delegacias de polícia e instalações militares soviéticas e bases aéreas. Eles assassinaram autoridades do governo e membros do PDPA e sitiaram pequenos postos avançados rurais.

Em meados da década de 1980, o contingente soviético aumentou para 108.800 e os combates aumentaram em todo o país, mas o custo militar e diplomático da guerra para a URSS foi alto. Em meados de 1987, a União Soviética, agora sob o comando do líder reformista Mikhail Gorbachev, anunciou que começaria a retirar suas forças. A retirada final das tropas começou em 15 de maio de 1988 e terminou em 15 de fevereiro de 1989. Devido à sua extensão, às vezes foi referida como a “Guerra da União Soviética do Vietnã” pela mídia ocidental, e acredita-se que seja uma contribuição fator para a queda da União Soviética.

Os Estados Unidos e os Mujahideen

Os Estados Unidos viam o conflito no Afeganistão como uma luta integral da Guerra Fria, e a CIA prestou assistência aos rebeldes mujahideen anti-soviéticos através dos serviços de inteligência paquistaneses em um programa chamado Operação Ciclone.

Pontos chave

  • Embora o foco do presidente dos EUA, Jimmy Carter, fosse mais o Irã nos meses anteriores à invasão soviética do Afeganistão, ele iniciou um programa secreto através da CIA para apoiar financeiramente os rebeldes afegãos, os mujahideen, em julho de 1979.
  • Após a invasão soviética em dezembro de 1979, que foi uma surpresa para Carter, a CIA expandiu o programa, codinome Operation Cyclone, e começou a fornecer armas e dinheiro aos mujahideen através dos serviços de inteligência paquistaneses.
  • A Operação Ciclone foi uma das mais longas e mais caras operações secretas da CIA já realizadas. Mais de US $ 20 bilhões em fundos dos EUA foram canalizados para o país para treinar e armar grupos de resistência afegãos.
  • O míssil antiaéreo Stinger, construído nos Estados Unidos, fornecido aos mujahideen em grande número a partir de 1986, golpeou decisivamente os soviéticos.
  • Os Stingers eram tão renomados e mortais que, nos anos 90, os Estados Unidos realizaram um programa de “recompra” para evitar que mísseis não utilizados caíssem nas mãos de terroristas antiamericanos, um esforço que foi secretamente renovado no início dos anos 2000.
  • Os teóricos da conspiração alegam que Osama bin Laden e a Al Qaeda foram beneficiários da assistência da CIA, uma alegação que é refutada por muitos especialistas.

Termos chave

  • mujahideen : O termo para um envolvido em Jihad. No uso inglês, originalmente se referia às roupas militares do tipo guerrilha lideradas pelos guerreiros muçulmanos afegãos na Guerra Soviética, mas agora pode se referir a trajes jihadistas em outros países.
  • Operação Cyclone : O codinome do programa da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) para armar e financiar os guerreiros jihadistas, mujahideen, no Afeganistão de 1979 a 1989, antes e durante a intervenção militar da URSS em apoio ao seu cliente, a República Democrática do Afeganistão.
  • Doutrina Reagan : Uma estratégia orquestrada e implementada pelos Estados Unidos sob a administração Reagan para sobrecarregar a influência global da União Soviética na tentativa de acabar com a Guerra Fria. Sob essa doutrina, os Estados Unidos forneceram ajuda aberta e encoberta a guerrilheiros anticomunistas e movimentos de resistência para “reverterem” governos comunistas apoiados pelos soviéticos na África, Ásia e América Latina.

Resposta dos EUA à Guerra Afegã-Soviética

O presidente americano Jimmy Carter ficou surpreso com a invasão soviética do Afeganistão, pois o consenso da comunidade de inteligência dos Estados Unidos em 1978 e 1979 – reiterado em 29 de setembro de 1979 – era que “Moscou não interviria em vigor mesmo que parecesse provável que o governo Khalq estava prestes a entrar em colapso. ”De fato, as anotações de Carter em novembro de 1979 até a invasão soviética no final de dezembro contêm apenas duas pequenas referências ao Afeganistão, e estão preocupadas com a crise dos reféns no Irã.

Apesar do foco no Irã, Carter havia autorizado uma colaboração entre a CIA e a Inter-Services Intelligence (ISI) do Paquistão, e através do ISI, a CIA começou a fornecer US $ 500.000 em assistência não letal aos mujahideen em 3 de julho de 1979 – vários meses antes da invasão soviética.

No rescaldo da invasão, Carter estava determinado a responder vigorosamente ao que ele considerava uma provocação perigosa. Em um discurso televisionado, ele anunciou sanções à União Soviética, prometeu uma nova ajuda ao Paquistão e comprometeu os Estados Unidos com a defesa do Golfo Pérsico. Carter também pediu um boicote aos Jogos Olímpicos de Verão de 1980 em Moscou, o que gerou uma amarga controvérsia.

O impulso da política dos EUA durante a guerra foi determinado por Carter no início de 1980, quando ele iniciou um programa para armar os mujahideen através do ISI do Paquistão e garantiu uma promessa da Arábia Saudita para igualar o financiamento dos EUA para esse propósito. O apoio dos EUA aos mujahideen se acelerou com o sucessor de Carter, Ronald Reagan, a um custo final para os contribuintes americanos de cerca de US $ 3 bilhões.

Operação Ciclone

Operação Cyclone foi o codinome do programa secreto da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) para armar e financiar os guerreiros jihadistas, mujahideen, no Afeganistão de 1979 a 1989, antes e durante a intervenção militar da URSS em apoio ao seu cliente. , a República Democrática do Afeganistão.

O programa apoiava fortemente o apoio a grupos islâmicos militantes que eram favorecidos pelo regime de Muhammad Zia-ul-Haq no vizinho Paquistão, ao invés de grupos ideológicos de resistência afegã que vinham combatendo o regime democrático da República Democrática do Afeganistão desde antes dos soviéticos. intervenção.

A Operação Ciclone foi uma das mais longas e mais caras operações secretas da CIA já realizadas. O financiamento começou com US $ 20 a US $ 30 milhões por ano em 1980 e subiu para US $ 630 milhões por ano em 1987.

O Presidente Reagan expandiu enormemente o programa como parte da Doutrina Reagan de ajudar movimentos de resistência anti-soviéticos no exterior. Para executar essa política, Reagan enviou oficiais paramilitares da Divisão de Atividades Especiais da CIA para equipar as forças mujihadeen contra o Exército Soviético.

Embora Charlie Wilson, o congressista da CIA e do Texas, recebesse a maior atenção por seus papéis, o principal arquiteto da estratégia era Michael G. Vickers, um jovem oficial paramilitar da CIA que trabalhava para Gust Avrakotos, o chefe regional da CIA que mantinha um relacionamento próximo com Wilson.

A estratégia de Vicker era usar uma ampla combinação de armas, táticas, logística e programas de treinamento para aumentar a capacidade dos rebeldes de combater uma guerra de guerrilha contra os soviéticos. O programa de Reagan ajudou a acabar com a ocupação do soviete no Afeganistão.

Os Estados Unidos ofereceram dois pacotes de assistência econômica e vendas militares para apoiar o papel do Paquistão na guerra contra as tropas soviéticas no Afeganistão. O primeiro pacote de assistência de seis anos (1981-87) chegou a US $ 3,2 bilhões, dividido igualmente entre assistência econômica e vendas militares. Os EUA também venderam 40 aviões F-16 para o Paquistão durante 1983-87, a um custo de US $ 1,2 bilhão fora do pacote de assistência.

O segundo pacote de assistência de seis anos (1987-1993) chegou a US $ 4,2 bilhões. Desse total, US $ 2,28 bilhões foram alocados para assistência econômica na forma de doações ou empréstimos que levaram a taxa de juros de 2 a 3 por cento. O restante da alocação (US $ 1,74 bilhão) foi na forma de crédito para compras militares. Mais de US $ 20 bilhões em fundos dos EUA foram canalizados para o país para treinar e armar os grupos de resistência afegãos.

O míssil antiaéreo Stinger, construído nos EUA, fornecido aos mujahideen em grande número a partir de 1986, golpeou decisivamente o esforço de guerra soviético ao permitir que os afegãos levemente armados se defendessem efetivamente contra os desembarques de helicópteros soviéticos em áreas estratégicas.

Os Stingers eram tão renomados e mortais que, nos anos 90, os Estados Unidos realizaram um programa de “recompra” para evitar que mísseis não utilizados caíssem nas mãos de terroristas antiamericanos. Este programa pode ter sido secretamente renovado após a intervenção dos EUA no Afeganistão no final de 2001, com medo de que os Stingers restantes pudessem ser usados ​​contra as forças dos EUA no país.

Os soviéticos foram incapazes de sufocar a insurgência e retiraram-se do Afeganistão em 1989, precipitando a dissolução da União Soviética. No entanto, a decisão de encaminhar a ajuda dos EUA através do Paquistão levou a uma fraude maciça, já que as armas enviadas a Karachi eram frequentemente vendidas no mercado local, em vez de entregues aos rebeldes afegãos. Karachi logo se tornou “uma das cidades mais violentas do mundo”.

O Paquistão também controlou quais rebeldes receberam assistência. Dos sete grupos de mujahideen apoiados pelo governo de Zia, quatro adotaram crenças fundamentalistas islâmicas – e esses fundamentalistas receberam a maior parte do financiamento.

Os teóricos da conspiração alegaram que Osama bin Laden e a Al Qaeda foram beneficiários da assistência da CIA. Isso é refutado por especialistas como Steve Coll – que observa que registros desclassificados da CIA e entrevistas com oficiais da CIA não apóiam tais afirmações – e Peter Bergen, que conclui: “A teoria de que Bin Laden foi criado pela CIA é invariavelmente avançada como um todo. axioma sem evidência de apoio ”. O financiamento dos EUA foi para os mujahideen afegãos, não para os voluntários árabes que chegaram para ajudá-los.

Reunião do Presidente Reagan com líderes afegãos de Mujahideen no Salão Oval em 1983

Reagan e os Mujahideen: Reunião do Presidente Reagan com líderes mujahideen afegãos no Salão Oval em 1983

Referência

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close