História

Assembleia dos Estados Gerais – Revolução Francesa

Assembleia dos Estados Gerais – Revolução Francesa
4.8 (95.38%) 39 votos

O Estado-Geral de 1789 era uma assembleia geral representando as propriedades francesas do reino convocado por Luís XVI para propor soluções para os problemas financeiros da França. Terminou quando o Terceiro Estado se formou em uma Assembléia Nacional, sinalizando a eclosão da Revolução Francesa.

Pontos chave
  • O Estado-Geral de 1789 foi o primeiro encontro desde 1614 dos Estados Gerais franceses, uma assembleia geral representando as propriedades francesas do reino. Convocado pelo rei Luís XVI para propor soluções para os problemas financeiros de seu governo, os Estados Gerais se reuniram por várias semanas em maio e junho de 1789.
  • Em 1787, pressionado pela situação financeira desesperada da França, o rei convocou uma Assembléia dos Notáveis. O ministro das Finanças da França, Charles Alexandre de Calonne, esperava que, se a Assembléia apoiasse propostas de reformas financeiras, os parlamentares seriam obrigados a registrá-las. O plano fracassou, mas a Assembléia insistiu que as reformas propostas deveriam ser apresentadas aos Estados Gerais.
  • Luís XVI convocou os Estados Gerais para maio de 1789. O rei concordou em manter muitos dos costumes divisórios que haviam sido a norma em 1614, mas eram intoleráveis ​​para o Terceiro Estado. A decisão mais controversa e significativa permaneceu a natureza da votação.
  • Em 5 de maio de 1789, os Estados Gerais se reuniram. No dia seguinte, o Terceiro Estado descobriu que o decreto real concedendo dupla representação também sustentava o voto tradicional por ordens. Ao tentar evitar a questão da representação e se concentrar apenas nos impostos, o rei e seus ministros avaliaram a situação de maneira muito séria.
  • Em 17 de junho, com o fracasso dos esforços para conciliar as três propriedades, o Terceiro Estado declarou-se redefinido como a Assembléia Nacional, uma assembléia não das fazendas, mas do povo. Eles convidaram as outras ordens para se juntarem a eles, mas deixaram claro que pretendiam conduzir os assuntos da nação com ou sem eles.
  • O rei tentou resistir, mas depois de tentativas fracassadas de sabotar a Assembléia e manter as três propriedades separadas, os Estados Gerais deixaram de existir, tornando-se a Assembléia Nacional.

Termos chave

  • parlements : tribunais de apelação provinciais na França do Ancien Régime, ou seja, antes da Revolução Francesa. Eles não eram corpos legislativos, mas sim o tribunal de apelação final do sistema judicial. Eles normalmente exerciam muito poder sobre uma ampla gama de assuntos, particularmente tributação. Leis e decretos emitidos pela Coroa não eram oficiais em suas respectivas jurisdições até que o consentimento fosse dado pela publicação. Os membros eram aristocratas que haviam comprado ou herdado seus escritórios e eram independentes do rei.
  • propriedades do reino : As ordens gerais da hierarquia social usadas na cristandade (Europa cristã) desde o período medieval até a Europa moderna. Diferentes sistemas para dividir os membros da sociedade em propriedades evoluíram ao longo do tempo. O sistema mais conhecido é o Antigo Regime Francês, um sistema de três propriedades usado até a Revolução Francesa (1789-1799). Era composto de clero (o primeiro estado), nobreza (o segundo estado) e plebeus (o terceiro estado).
  • Juramento da quadra de tênis : Juramento feito em 20 de junho de 1789 pelos membros dos Estados Gerais franceses do Terceiro Estado, que haviam começado a se chamar Assembléia Nacional, prometendo “não se separar e remontar onde quer que as circunstâncias o exigissem”. a constituição do reino é estabelecida. ”Foi um evento crucial nos primeiros dias da Revolução Francesa.
  • Assembléia dos Notáveis : Um grupo de altos nobres, eclesiásticos e funcionários estaduais convocados pelo Rei da França em ocasiões extraordinárias para consultar sobre assuntos de estado.
  • Estados Gerais : Assembléia Geral representando as propriedades francesas do reino: o clero (Primeiro Estado), os nobres (Segundo Estado), e as pessoas comuns (Terceiro Estado).

Os Estados Gerais (ou Estados Gerais) de 1789 foram a primeira reunião desde 1614 da assembléia geral que representa as propriedades francesas do reino: o clero (Primeiro Estado), os nobres (Segundo Estado), e as pessoas comuns (Terceiro Estado). Convocados pelo rei Luís XVI para propor soluções para os problemas financeiros de seu governo, os Estados Gerais ficaram por várias semanas em maio e junho de 1789.

Assembléia de Notáveis ​​de 1787

Uma Assembléia de Notáveis ​​era um grupo de altos nobres, eclesiásticos e funcionários estaduais convocados pelo rei da França em ocasiões extraordinárias para consultar sobre assuntos de estado. Ao longo da história da França moderna, tal assembléia foi convocada apenas várias vezes, servindo a um propósito consultivo. Ao contrário dos Estados Gerais, cujos membros eram eleitos pelos súditos do reino, os membros da assembléia eram escolhidos pelo rei e eram homens proeminentes, geralmente da aristocracia. Em 1787, pressionado pela situação financeira desesperada da França, o rei convocou uma assembléia. Tentativas repetidas de implementar a reforma fiscal falharam devido à falta de apoio do Parlamento de Paris, como parlementOs juízes consideraram que qualquer aumento no imposto teria um efeito negativo direto sobre sua própria renda. Em resposta a essa oposição, o ministro das Finanças, Charles Alexandre de Calonne, sugeriu que Luís XVI convocasse uma Assembléia dos Notáveis. Embora a Assembléia não tivesse poder legislativo próprio, Calonne esperava que, se apoiasse as reformas propostas, o Parlamento seria forçado a registrá-las. A maioria dos historiadores argumenta que o plano fracassou porque os homens de montagem, cujos privilégios o plano visava conter, recusaram-se a arcar com o ônus do aumento da tributação, embora alguns tenham notado que os nobres estavam bastante abertos a mudanças, mas rejeitaram as especificidades da proposta de Calonne. Além disso, a Assembléia insistiu que as reformas propostas deveriam, na verdade, ser apresentadas a um órgão representativo como os Estados Gerais.

Veja também:

Propriedades Gerais de 1789

Luís XVI convocou os Estados Gerais em 1788, marcando a data de sua abertura para 1º de maio de 1789. Por ter sido tanto tempo desde que os Estados Gerais haviam sido reunidos, houve um debate sobre quais procedimentos deveriam ser seguidos. O rei concordou em manter muitos dos costumes divisores que eram a norma em 1614, mas intoleráveis ​​para o Terceiro Estado, numa época em que o conceito de igualdade era central para o debate público. A decisão mais controversa e significativa permaneceu a da natureza da votação. Se os estados votassem por ordem, os nobres e o clero poderiam, juntos, outvotar os comuns por 2 a 1. Se, por outro lado, cada delegado tivesse um voto, a maioria prevaleceria.

O número de delegados eleitos foi de cerca de 1.200, metade dos quais formaram o Terceiro Estado. O primeiro e segundo estados tiveram 300 cada. Mas a sociedade francesa havia mudado desde 1614, e esses Estados Gerais não eram como os de 1614. Os membros da nobreza não eram obrigados a concorrer à eleição para o Segundo Estado e muitos foram eleitos para o Terceiro Estado. O número total de nobres nos três estados era de cerca de 400. Nobres representantes do Terceiro Estado estavam entre os revolucionários mais apaixonados, incluindo Jean Joseph Mounier e o conde de Mirabeau.

Em 5 de maio de 1789, os Estados Gerais se reuniram. No dia seguinte, o Terceiro Estado descobriu que o decreto real concedendo dupla representação também confirmava o voto tradicional por meio de ordens. A aparente intenção do rei e de seus conselheiros era que todos se submetessem diretamente à questão dos impostos, mas, ao tentar evitar a questão da representação, eles haviam julgado a situação de maneira muito séria. O Terceiro Estado queria que as propriedades se reunissem como um só corpo e que cada delegado tivesse um voto. As outras duas fazendas, apesar de terem suas próprias queixas contra o absolutismo real, acreditavam – corretamente, como a história provaria – que perderiam mais poder para o Terceiro Estado do que deveriam ganhar do rei. Necker simpatizou com o Terceiro Estado nessa questão, mas carecia de astúcia como político. Ele decidiu deixar o impasse chegar ao ponto de um impasse antes de entrar na briga. Como resultado, no momento em que o rei cedeu à demanda do Terceiro Estado, parecia ser uma concessão arrancada da monarquia, em vez de um presente que teria convencido a população da boa vontade do rei.

imagem

Pintura de Auguste Couder mostrando a abertura dos Estados Gerais, ca. 1838

A sugestão de convocar os Estados Gerais veio da Assembléia dos Notáveis, instalada pelo rei em fevereiro de 1787. Ela não se reunia desde 1614. O costume de registrar os éditos do rei como lei era realizado pelo Parlamento de Paris. Em 1787, recusou-se a cooperar com o programa de reforma financeira de Charles Alexandre de Calonne, devido aos interesses especiais de seus membros nobres.

Em 17 de junho, com o fracasso dos esforços para reconciliar as três fazendas, as Comunas – ou os Comuns, como o Terceiro Estado denominou-se agora – declararam-se redefinidos como a Assembléia Nacional, uma assembléia não das propriedades, mas do povo. Eles convidaram as outras ordens para se juntarem a eles, mas deixaram claro que pretendiam conduzir os assuntos da nação com ou sem eles. O rei tentou resistir. Em 20 de junho, ele ordenou fechar o salão onde a Assembléia Nacional se reunia, mas deliberações se mudaram para uma quadra de tênis próxima, onde eles juraram o juramento da quadra de tênis pelo qual concordaram em não se separar até que se estabelecessem a constituição da França. Dois dias depois, retirado da quadra de tênis, a Assembléia se reuniu na Igreja de Saint Louis, onde a maioria dos representantes do clero se juntou a eles. Depois de uma tentativa fracassada de manter as três propriedades separadas, aquela parte dos deputados dos nobres que ainda permaneciam separados se juntou à Assembléia Nacional a pedido do rei. Os Estados Gerais deixaram de existir, tornando-se a Assembléia Nacional.

 

Artigos Relacionados

One Comment

  1. ola bom dia !

    Gostaria muito de saber quem é o autor desta dissertação, pois gostaria de mais informações para minha monografia.
    E assim ler mais para então montar a bibliografia de apoio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close