História

O relacionamento americano-japonês no pós guerra

O relacionamento americano-japonês no pós guerra
2 (40%) 1 voto

O Japão continua sendo um dos aliados mais fortes e confiáveis ​​dos Estados Unidos desde a ocupação do país no pós-guerra pelas forças aliadas, apesar das contínuas tensões sobre a presença militar dos EUA nos territórios japoneses e da competição econômica entre os dois países.

Pontos chave

O Tratado de Paz de São Francisco, assinado em 1951, marcou o fim da ocupação aliada do Japão. O tratado serviu para acabar oficialmente com a posição do Japão como potência imperial, alocar indenizações a civis aliados e ex-prisioneiros de guerra que sofreram crimes de guerra japoneses durante a Segunda Guerra Mundial, e devolver a soberania ao Japão. Em termos legais, o fim da ocupação finalmente colocou as relações do Japão com os Estados Unidos em pé de igualdade, mas essa igualdade era inicialmente nominal.

À medida que os resultados desastrosos da Segunda Guerra Mundial diminuíram e o comércio com os Estados Unidos se expandiu, a autoconfiança do Japão cresceu, o que deu origem a um desejo de maior independência da influência dos Estados Unidos. Durante as décadas de 1950 e 1960, isso ficou especialmente evidente na atitude japonesa em relação às bases militares dos EUA nas quatro principais ilhas do Japão e na província de Okinawa.

Reconhecendo o desejo popular pelo retorno das Ilhas Ryukyu e das Ilhas Bonin, em 1953, os Estados Unidos renunciaram ao controle do grupo de ilhas Amami no extremo norte das ilhas Ryukyu. No entanto, não se comprometeu a devolver Okinawa. A agitação popular culminou em uma resolução unânime adotada pela Dieta em 1956, exigindo o retorno de Okinawa ao Japão.

Sob um novo tratado de 1960, ambas as partes assumiram a obrigação de ajudar umas às outras em caso de ataque armado em territórios sob administração japonesa. O tratado também incluiu disposições gerais sobre o desenvolvimento
da cooperação internacional e a melhoria da futura cooperação econômica. Ambos os países trabalharam em estreita colaboração para cumprir a promessa dos Estados Unidos de devolver todos os territórios japoneses adquiridos em guerra. Em 1968, os Estados Unidos devolveram as Ilhas Bonin ao controle da administração japonesa. Em 1971, os dois países assinaram um acordo para o retorno de
Okinawa ao Japão em 1972.

Uma série de eventos de 1971 marcou o início de uma nova etapa nas relações, um período de adaptação a uma situação mundial em mutação. Apesar dos episódios de tensão nas esferas política e econômica, a relação básica permaneceu próxima. As questões políticas eram essencialmente relacionadas à segurança. As questões econômicas tendem a se originar do poder crescente da economia japonesa. Na década de 1980, particularmente durante os anos Reagan, o relacionamento melhorou e se fortaleceu. Mais recentemente, ganhou nova urgência à luz das mudanças nas posições globais da Coréia do Norte e da China.

As bases militares americanas em Okinawa causaram desafios, já que japoneses e okinawanos protestaram por décadas. Em negociações secretas que começaram em 1969, Washington procurou o uso irrestrito de suas bases para possíveis operações de combate convencionais na Coréia, em Taiwan e no Vietnã do Sul, bem como a reentrada de emergência e os direitos de trânsito de armas nucleares. No final, os Estados Unidos e o Japão concordaram em manter bases que permitissem a continuação das capacidades americanas de dissuasão no leste da Ásia.

Leitura sugerida para entender melhor esse texto:

Termos chave

Tratado de Paz de São Francisco : Um tratado predominantemente entre o Japão e as Forças Aliadas, mas oficialmente assinado por 48 nações em 8 de setembro de 1951, em San Francisco, Califórnia. Entrou em vigor em 28 de abril de 1952 e serviu para acabar com a posição do Japão como potência imperial, alocar indenizações a civis aliados e ex-prisioneiros de guerra que sofreram crimes de guerra japoneses durante a Segunda Guerra Mundial e acabar com a ocupação aliada do pós-guerra. e devolver a soberania ao Japão.

Forças de Autodefesa do Japão : As forças militares unificadas do Japão estabelecidas em 1954 e controladas pelo Ministério da Defesa. Nos últimos anos, eles têm se envolvido em operações internacionais de manutenção da paz, incluindo a manutenção da paz da ONU. Tensões recentes, particularmente com a Coréia do Norte, reacenderam o debate sobre seu status e relação com a sociedade japonesa.

Artigo 9 da Constituição japonesa : uma cláusula que proíbe a guerra para resolver disputas internacionais envolvendo o Estado. A Constituição entrou em vigor em 3 de maio de 1947, após a Segunda Guerra Mundial. Em seu texto, o Estado renuncia formalmente ao direito soberano de beligerância e visa a uma paz internacional baseada na justiça e na ordem.

Relações de pós-guerra desiguais

O Tratado de Paz de São Francisco, assinado em 8 de setembro de 1951, marcou o fim da ocupação aliada no Japão. Quando entrou em vigor em 28 de abril de 1952, o Japão foi mais uma vez um estado independente e um aliado dos Estados Unidos. O tratado oficialmente encerrou a posição do Japão como potência imperial, alocou indenização a civis aliados e ex-prisioneiros de guerra que sofreram crimes de guerra japoneses durante a Segunda Guerra Mundial, e devolveu a soberania ao Japão. Fez uso extensivo da Carta das Nações Unidas e da Declaração Universal dos Direitos Humanos para enunciar os objetivos dos Aliados.

Em termos legais, o fim da ocupação finalmente colocou as relações do Japão com os Estados Unidos em pé de igualdade, mas essa igualdade foi inicialmente nominal. À medida que os resultados desastrosos da Segunda Guerra Mundial diminuíram e o comércio com os Estados Unidos se expandiu, a autoconfiança do Japão cresceu, o que deu origem a um desejo de maior independência da influência dos Estados Unidos. Durante as décadas de 1950 e 1960, esse sentimento ficou evidente na atitude japonesa em relação às bases militares dos Estados Unidos nas quatro principais ilhas do Japão e na província de Okinawa, ocupando os dois terços do sul das ilhas Ryukyu.

O governo teve que equilibrar a pressão de esquerda advogando a dissociação dos Estados Unidos com a alegada necessidade de proteção militar. Reconhecendo o desejo popular pelo retorno das Ilhas Ryukyu e das Ilhas Bonin (também conhecidas como Ilhas Ogasawara), em 1953 os Estados Unidos renunciaram ao controle do grupo de ilhas Amami no extremo norte das Ilhas Ryukyu. No entanto, não se comprometeu a devolver Okinawa, que então estava sob administração militar dos Estados Unidos por um período indeterminado, conforme previsto no Artigo 3 do tratado de paz. A agitação popular culminou em uma resolução unânime adotada pelo Legislativo do Japão em 1956, exigindo o retorno de Okinawa ao Japão.

Aliança Militar e Novos Desafios

As negociações bilaterais sobre a revisão do pacto de segurança de 1952 começaram em 1959, e o novo Tratado de Cooperação Mútua e Segurança foi assinado, apesar dos protestos de partidos políticos de esquerda e manifestações em massa em Washington em 1960. Sob o novo tratado, ambas as partes assumiram obrigação de prestar assistência mútua em caso de ataque armado a territórios sob administração japonesa. Ficou entendido, no entanto, que o Japão não poderia ir em defesa dos Estados Unidos porque era proibido constitucionalmente enviar forças armadas para o exterior sob o Artigo 9 de sua Constituição. O escopo do novo tratado não se estendeu às ilhas Ryukyu, mas um minuto acrescentado deixou claro que, no caso de um ataque armado às ilhas, ambos os governos deveriam consultar e tomar as medidas apropriadas. Ao contrário do pacto de segurança de 1952, o novo tratado previa um prazo de dez anos, após o qual poderia ser revogado com um ano de antecedência por qualquer uma das partes. O tratado incluiu disposições gerais sobre o desenvolvimento da cooperação internacional e melhorou a futura cooperação econômica.

Ambos os países trabalharam de perto para cumprir a promessa dos Estados Unidos, sob o artigo 3 do tratado de paz, de devolver todos os territórios japoneses adquiridos em guerra. Em 1968, os Estados Unidos devolveram as Ilhas Bonin (incluindo Iwo Jima) ao controle da administração japonesa. Em 1971, após dezoito meses de negociações, os dois países assinaram um acordo para o retorno de Okinawa ao Japão em 1972.

Uma série de novas questões surgiu em 1971. Primeiro, o anúncio dramático de Nixon sobre sua próxima visita à República Popular da China surpreendeu os japoneses. Muitos ficaram angustiados com o fracasso dos Estados Unidos em consultar com antecedência o Japão antes de fazer uma mudança tão fundamental na política externa. Em segundo lugar, o governo ficou novamente surpreso ao saber que, sem consulta prévia, os Estados Unidos impuseram uma sobretaxa de 10% sobre as importações, uma decisão que certamente atrapalharia as exportações do Japão para os Estados Unidos. As relações entre Tóquio e Washington foram ainda mais tensas pela crise monetária envolvendo a reavaliação do iene japonês.

Esses eventos marcaram o início de uma nova etapa nas relações, um período de adaptação a uma situação mundial em mutação, que não ocorria sem episódios de tensão nas esferas política e econômica, embora a relação básica permanecesse próxima. As questões políticas entre os dois países eram essencialmente relacionadas à segurança e derivadas dos esforços dos Estados Unidos para induzir o Japão a contribuir mais para sua própria defesa e segurança regional. As questões econômicas tenderam a se originar dos crescentes déficits comerciais e de pagamentos dos Estados Unidos com o Japão, que começaram em 1965, quando o Japão reverteu seu desequilíbrio no comércio com os Estados Unidos e, pela primeira vez, alcançou um superávit de exportação. Os gastos militares americanos pesados ​​na Guerra da Coréia (1950-1953) e a Guerra do Vietnã (1965-1973) forneceram um grande estímulo à economia japonesa.

Novos Fatores Globais

A retirada dos Estados Unidos da Indochina em 1975 e o fim da Guerra do Vietnã fizeram com que a questão do papel do Japão na segurança do Leste da Ásia e suas contribuições para a própria defesa se tornassem centrais no diálogo entre os dois países. O governo japonês, limitado pelas limitações constitucionais e pela opinião pública fortemente pacifista, reagiu lentamente às pressões dos EUA por um aumento mais rápido das Forças de Autodefesa do Japão (JSDF). No entanto, aumentou de forma constante as despesas orçamentárias para essas forças e indicou sua disposição em arcar com os custos de manter as bases militares dos Estados Unidos no Japão. Em 1976, os Estados Unidos e o Japão estabeleceram formalmente um subcomitê de cooperação em defesa,

Sob pressão americana, o Japão trabalhou em direção a uma estratégia de segurança abrangente, com uma cooperação mais estreita com os Estados Unidos para uma base mais recíproca e autônoma. Essa política foi colocada à prova em 1979, quando radicais iranianos tomaram a embaixada dos Estados Unidos em Teerã, levando 60 reféns. O Japão reagiu condenando a ação como uma violação do direito internacional. Ao mesmo tempo, empresas de comércio e companhias de petróleo japonesas supostamente compraram petróleo iraniano que se tornou disponível quando os Estados Unidos proibiram o petróleo importado do Irã. Esta ação provocou fortes críticas por parte dos EUA à insensibilidade do governo japonês por permitir a compra de petróleo e levou a um pedido de desculpas e um acordo japonês para participar de sanções contra o Irã, em conjunto com outros aliados.

Na sequência desse incidente, o governo japonês tomou mais cuidado para apoiar as políticas internacionais dos EUA destinadas a preservar a estabilidade e promover a prosperidade. O Japão foi rápido e eficaz em anunciar e implementar sanções contra a União Soviética após a invasão soviética do Afeganistão em 1979. Em 1981, em resposta aos pedidos dos Estados Unidos, aceitou maior responsabilidade pela defesa dos mares em torno do Japão, prometeu maior apoio aos Estados Unidos. forças no Japão, e persistiu com um acúmulo constante do JSDF.

Laços Próximos e Novos Desafios

Uma fase qualitativamente nova da cooperação Japão-Estados Unidos nos assuntos mundiais surgiu na década de 1980, com a eleição do primeiro-ministro Yasuhiro Nakasone, que desfrutava de um relacionamento particularmente próximo com Ronald Reagan. Nakasone assegurou aos líderes dos EUA a determinação do Japão contra a ameaça soviética, coordenou estreitamente as políticas com os Estados Unidos em relação aos focos asiáticos, como a Península Coreana e o Sudeste Asiático, e trabalhou cooperativamente com os Estados Unidos no desenvolvimento da política chinesa.

O governo japonês saudou o aumento das forças dos Estados Unidos no Japão e no Pacífico ocidental, continuou o constante crescimento do JSDF e posicionou o Japão firmemente ao lado dos Estados Unidos contra a ameaça da expansão soviética. O Japão continuou a cooperar estreitamente com a política dos Estados Unidos nessas áreas após o mandato de Nakasone, embora os escândalos de liderança política no Japão no final dos anos 80 tenham dificultado o estabelecimento do vínculo pessoal recém-eleito George HW Bush que marcou os anos Reagan. . Apesar das reclamações de algumas empresas japonesas e diplomatas, o governo japonês permaneceu em acordo básico com a política dos EUA em relação à China e à Indochina.

O governo evitou os esforços de ajuda em larga escala até que as condições na China e na Indochina fossem vistas como mais compatíveis com os interesses japoneses e americanos. Apesar das reclamações de algumas empresas japonesas e diplomatas, o governo japonês permaneceu em acordo básico com a política dos EUA em relação à China e à Indochina.

O governo evitou os esforços de ajuda em larga escala até que as condições na China e na Indochina fossem vistas como mais compatíveis com os interesses japoneses e americanos. Apesar das reclamações de algumas empresas japonesas e diplomatas, o governo japonês permaneceu em acordo básico com a política dos EUA em relação à China e à Indochina. O governo evitou os esforços de ajuda em larga escala até que as condições na China e na Indochina fossem vistas como mais compatíveis com os interesses japoneses e americanos.

imagem

Ronald Reagan saudando os líderes japoneses, incluindo o primeiro-ministro Yasuhiro Nakasone, o ministro das Relações Exteriores Abe e o ministro das Finanças, Takashita, em Londres, em 1984

Funcionários da administração de Ronald Reagan trabalharam em estreita colaboração com seus colegas japoneses para desenvolver um relacionamento pessoal entre os dois líderes com base em sua segurança comum e perspectivas internacionais. Nakasone apoiou Reagan a implantar mísseis Pershing na Europa na 9ª cimeira do G7 em 1983. Em 1983, um grupo de trabalho EUA-Japão produziu a Declaração Conjunta Reagan-Nakasone sobre a cooperação energética Japão-Estados Unidos.

A principal área de não-cooperação com os Estados Unidos na década de 1980 foi a resistência japonesa a repetidos esforços dos EUA para fazer com que o Japão abrisse seu mercado a bens estrangeiros e mudasse outras práticas econômicas consideradas adversas aos interesses econômicos dos EUA. Além disso, as mudanças nas circunstâncias internas e externas criaram uma crise nas relações Japão-Estados Unidos no final dos anos 80.

O crescente investimento do Japão nos Estados Unidos – o segundo maior investidor depois da Grã-Bretanha – levou a queixas de alguns eleitorados americanos. Além disso, a indústria japonesa parecia bem posicionada para usar seu poder econômico para investir em produtos de alta tecnologia, nos quais os fabricantes dos Estados Unidos ainda eram líderes.

A capacidade dos Estados Unidos de competir sob essas circunstâncias foi vista por muitos japoneses e americanos como prejudicada por pesadas relações pessoais, governamentais, e dívidas empresariais e uma baixa taxa de poupança. O colapso do bloco soviético na Europa Oriental forçou os governos japonês e norte-americano a reavaliarem sua antiga aliança contra a ameaça soviética. Alguns oficiais e comentaristas japoneses e americanos continuaram a enfatizar os perigos comuns aos interesses do Japão-Estados Unidos, representados pela forte presença militar soviética na Ásia.

Desde o final dos anos 90, o relacionamento EUA-Japão melhorou e se fortaleceu. A principal causa de atrito no relacionamento, disputas comerciais, tornou-se menos problemática à medida que a China deslocava o Japão como a maior ameaça econômica percebida para os Estados Unidos. Enquanto isso, embora no período imediatamente posterior à Guerra Fria a aliança de segurança tenha sofrido com a falta de uma ameaça definida, o surgimento da Coréia do Norte como um estado pária beligerante e a expansão econômica e militar da China forneceram um propósito para fortalecer o relacionamento.

Enquanto a política externa da administração do presidente George W. Bush pressionava algumas das relações internacionais dos Estados Unidos, a aliança com o Japão tornou-se mais forte, como evidenciado pelo destacamento de tropas japonesas para o Iraque e pelo desenvolvimento conjunto de sistemas de defesa antimísseis.

A controvérsia de Okinawa

Okinawa é o local das principais bases militares americanas que causaram problemas, já que japoneses e okinawanos protestaram por décadas. Em negociações secretas que começaram em 1969, Washington procurou o uso irrestrito de suas bases para possíveis operações de combate convencionais na Coréia, em Taiwan e no Vietnã do Sul, bem como a reentrada de emergência e os direitos de trânsito de armas nucleares. No entanto, o sentimento anti-nuclear era forte no Japão e o governo queria que os Estados Unidos removessem todas as armas nucleares de Okinawa.

No final, os Estados Unidos e o Japão concordaram em manter bases que permitissem a continuação das capacidades americanas de dissuasão no leste da Ásia. Quando as ilhas Ryukyu, incluindo Okinawa, voltaram ao controle japonês em 1972, os Estados Unidos mantiveram o direito de estacionar forças nessas ilhas.

O mapa mostra a localização de dez bases militares dos EUA no Japão.

Bases militares dos EUA no Japão

As bases militares dos EUA no Japão, mantidas pelo governo dos EUA como forma de marcar a presença dos EUA no Pacífico, continuam a provocar protestos entre os japoneses.

Em 2014, os Estados Unidos ainda tinham 50 mil soldados no Japão, a sede da 7ª Frota dos EUA e mais de 10 mil fuzileiros navais. Também em 2014, foi revelado que os Estados Unidos estavam instalando dois drones de vigilância de longa distância Global Hawk desarmados no Japão, com a expectativa de que eles se engajassem em missões de vigilância sobre a China e a Coréia do Norte.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close