História

A Colômbia e as FARC – Forças Armadas Revolucionárias

Colômbia e as FARC

O movimento guerrilheiro das FARC contra o governo colombiano, um conflito ativo desde 1964, está repleto de violência, abusos dos direitos humanos e inúmeras tentativas de promover uma paz duradoura. As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – o Exército do Povo (FARC) é um movimento de guerrilha envolvido no contínuo conflito armado colombiano desde 1964. Foi formado por Manuel Marulanda Vélez no rescaldo dos ataques fracassados ​​do governo Lleras contra comunidades comunistas.

Inicialmente, as FARC rejeitaram qualquer envolvimento no fenômeno emergente do tráfico e cultivo de drogas, mas, durante a década de 1980, o grupo gradualmente passou a aceitá-lo como um negócio florescente.

O Acordo de La Uribe previa um cessar-fogo entre o governo e as FARC, que durou de 1984 até 1987. Em 1985, membros das FARC-EP, juntamente com um grande número de outros grupos esquerdistas e comunistas, formaram um partido político conhecido como União Patriótica. .

No final de 1990, o exército atacou um complexo conhecido como Casa Verde, que abriga a Secretaria Nacional das FARC-EP, justificando o ataque pela falta de compromisso das FARC-EP com o processo de paz.

Em 3 de junho de 1991, o diálogo foi retomado entre o Conselho Coordenador Guerrilheiro Simon Bolivar e o governo. No entanto, os ataques armados de ambos os lados continuaram. As negociações foram interrompidas em 1993, quando nenhum acordo pôde ser alcançado.

Outra rodada de negociações começou em 7 de novembro de 1998, sob o governo do presidente Andres Pastrana, que concedeu às FARC-EP um refúgio de 42 mil quilômetros quadrados como medida de confiança. Infelizmente, as negociações de paz terminaram em 21 de fevereiro de 2002, devido a uma série de ações de guerrilha de alto nível.

Durante a maior parte do período entre 2002 e 2005, acreditava-se que as FARC-EP estavam em retirada estratégica devido ao aumento das ações militares e policiais do presidente Álvaro Uribe.

Ofensivas militares realizadas sob o governo do ex-presidente Uribe e do presidente Santos reduziram significativamente o número de combatentes das FARC e reduziram o controle territorial das FARC.

O governo colombiano do presidente Santos e
das FARC assinou um acordo de paz em 24 de novembro de 2016 e o ​​Congresso aprovou em 30 de novembro de 2016.

Leitura sugerida para entender melhor esse texto:

Termos chave

guerrilheiro : Participante de uma forma irregular de guerra em que pequenos grupos se envolvem em táticas militares, incluindo emboscadas, sabotagem, invasões, pequenas guerras, táticas de atropelamento e mobilidade para combater um exército tradicional maior e menos móvel.

cessar – fogo : uma parada temporária da guerra em que cada lado concorda com o outro para suspender ações agressivas.

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – o Exército do Povo (FARC) é um movimento de guerrilha envolvido no contínuo conflito armado colombiano desde 1964. Ele emprega uma variedade de táticas militares, além de métodos mais não convencionais, incluindo o terrorismo.

As FARC-EP, formadas durante a Guerra Fria como uma força camponesa marxista-leninista, promovem uma linha política de agrarismo e antiimperialismo. As operações das FARC-EP foram financiadas por sequestro e resgate, mineração ilegal, extorsão ou tributação de várias formas de atividade econômica e pela tributação, produção e distribuição de drogas ilegais.

As Nações Unidas estimaram que 12% de todos os assassinatos de civis no conflito colombiano foram cometidos pelas guerrilhas das FARC e do ELN, com 80% cometidos por paramilitares de direita e os oito por cento restantes cometidos por forças de segurança.

História do Conflito

Os comunistas estavam ativos em toda a Colômbia rural e urbana imediatamente após a Primeira Guerra Mundial. O Partido Comunista da Colômbia (PCC) começou a estabelecer “ligas camponesas” em áreas rurais e “frentes populares” em áreas urbanas, exigindo melhores condições de vida e trabalho, educação e direitos para a classe trabalhadora.

No entanto, muitas das tentativas do PCC de organizar os camponeses foram recebidas com violenta repressão pelo governo colombiano e pela classe proprietária de terras. Esses grupos começaram a trabalhar juntos para apresentar uma frente defensiva contra a violência apoiada pelo Estado dos grandes proprietários de terra.

Os membros organizaram greves, protestos e apreensões de terras, e organizaram “comunidades de autodefesa” controladas pelos comunistas no sul da Colômbia, capazes de resistir às forças militares do Estado, enquanto atendiam às necessidades de subsistência da população.

Em 1961, um líder guerrilheiro e um organizador de PCC de longa data chamado Manuel Marulanda Vélez declarou uma “República de Marquetalia” independente. O governo Lleras tentou sem sucesso expulsar os guerrilheiros, por temer que uma revolução semelhante à de Cuba possa se desenvolver. Vários postos avançados do exército foram instalados na área e o governo colombiano começou a atacar rotineiramente grupos comunistas em uma tentativa de reavaliar territórios sob a influência de comunistas. Em 1964, Manuel Marulanda Vélez e outros membros do PCC formaram as FARC.

Dezesseis mil soldados colombianos atacaram a comunidade, que tinha apenas 48 combatentes armados. Marulanda e outros 47 lutaram contra as forças do governo em Marquetalia e depois fugiram para as montanhas junto com outros combatentes. Esses 48 homens formaram o núcleo das FARC, que depois cresceu em tamanho para centenas de combatentes.

Inicialmente, as FARC rejeitaram qualquer envolvimento no fenômeno emergente do tráfico e cultivo de drogas, mas durante a década de 1980, o grupo gradualmente passou a aceitá-lo à medida que se tornava um negócio florescente.

Os impostos sobre os produtores de drogas e os traficantes foram introduzidos como fonte de financiamento e o aumento da renda proveniente do “coca boom” permitiu que eles se expandissem para um exército irregular capaz de realizar ataques em grande escala contra as tropas colombianas. Isso em parte levou à Sétima Conferência de Guerrilha, realizada pelas Farc em 1982, que pedia uma grande mudança na estratégia das FARC. As FARC vinham fazendo historicamente a maioria de seus combates em áreas rurais e limitavam-se a confrontos em pequena escala com forças militares colombianas. As FARC começaram a enviar combatentes para o Vietnã e a União Soviética para treinamento militar avançado.

Eles também planejaram se aproximar das cidades de tamanho médio, em oposição a apenas áreas rurais remotas e mais perto de áreas ricas em recursos naturais para criar uma infraestrutura econômica forte. Foi também nesta conferência que as FARC acrescentaram as iniciais “EP”, para “Ejército del Pueblo” ou “Exército do Povo”, ao nome da organização.

Acordo de Uribe e a União Patriótica

Também no início dos anos 80, o presidente Belisario Betancur começou a discutir a possibilidade de conversações de paz com os guerrilheiros. Isto levou ao Acordo La Uribe de 1984, que pedia um cessar-fogo que durou de 1984 a 1987.

Em 1985, membros das FARC-EP, junto com um grande número de outros grupos esquerdistas e comunistas, formaram um partido político conhecido como União Patriótica (“União Patriótica”, UP). A UP buscou reforma constitucional, eleições locais mais democráticas, descentralização política e o fim do sistema bipartidário dominado pelos partidos liberais e conservadores.

Eles também buscaram reformas socioeconômicas como redistribuição de terras, maiores gastos com saúde e educação, nacionalização de empresas estrangeiras, bancos colombianos, transporte e maior acesso do público aos meios de comunicação de massa.

Embora muitos membros da UP estivessem envolvidos com as FARC-EP, a grande maioria deles não era e vinha de uma ampla variedade de origens, como sindicatos trabalhistas e partidos socialistas. Nas cidades, as FARC-EP começaram a se integrar à UP e formar Juntas Patrióticas – pequenos grupos de pessoas associadas a sindicatos, grupos de ativistas estudantis e ligas camponesas, que viajaram para os bairros discutindo as questões sociais. problemas, construindo apoio para a UP e determinando a posição sociopolítica do campesinato urbano. A UP teve melhor desempenho nas eleições do que qualquer partido de esquerda na história da Colômbia.

Em 1986, os candidatos da UP obtiveram 350 assentos no conselho local, 23 cargos de vice em assembléias departamentais, nove assentos na Câmara e seis assentos no Senado. O candidato presidencial de 1986, Jaime Pardo Leal, ganhou 4.

Durante o cessar-fogo, o governo colombiano continuou suas negociações com as FARC-EP e outros grupos armados, alguns dos quais tiveram êxito. Alguns grupos que se desmobilizaram durante este período incluem o EPL, o ERP, o Movimento Armado Quintin Lame e o M-19. No final de 1990, no entanto, o exército, sem aviso prévio e enquanto as negociações ainda estavam em andamento, atacou um complexo conhecido como Casa Verde, que abriga a Secretaria Nacional das FARC-EP. O governo colombiano argumentou que o ataque foi causado pela falta de compromisso das FARC-EP com o processo de paz.

Negociações de paz

Em 3 de junho de 1991, o diálogo foi retomado entre o Conselho Coordenador Guerrilheiro Simon Bolivar e o governo. O conflito não parou, no entanto, e os ataques armados de ambos os lados continuaram. As negociações renovadas foram interrompidas em 1993, quando nenhum acordo pôde ser alcançado. Uma carta escrita por um grupo de intelectuais colombianos, incluindo Gabriel Garcia Marquez, à Junta Coordenadora foi publicada denunciando a abordagem adotada pelas FARC-EP e as terríveis conseqüências que estava tendo no país. O Conselho Coordenador desapareceu pouco tempo depois e os grupos guerrilheiros continuaram suas atividades independentemente.

imagem

Guerrilheiros das FARC: guerrilheiros das FARC marchando em formação durante as negociações de paz em Caguan (1998-2002).

Negociações renovadas começaram em 7 de novembro de 1998, sob o presidente Andres Pastrana, que concedeu às FARC-EP um refúgio seguro de 42.000 quilômetros quadrados (16.200 milhas quadradas) como uma medida de construção de confiança.

Infelizmente, as conversações de paz terminaram em 21 de fevereiro de 2002, devido a uma série de ações de guerrilha de alto perfil, incluindo o seqüestro de uma aeronave, cercos em várias cidades pequenas, vários seqüestros políticos e a prisão dos irlandeses. Colômbia Três, um grupo de membros do IRA que supostamente estava treinando militantes das FARC-EP para fazer bombas. Pastrana ordenou às forças armadas que retomassem a zona controlada pelas FARC-EP.

As Administrações de Uribe e Santos

Durante a maior parte do período entre 2002 e 2005, acreditava-se que as FARC-EP estavam em retirada estratégica devido às crescentes ações militares e policiais do presidente Álvaro Uribe, que levaram à captura ou deserção de muitos combatentes e comandantes de nível médio.

Uribe concorreu a uma plataforma anti-FARC-EP e estava determinado a derrotar os guerrilheiros em uma tentativa de restaurar a confiança no país. O próprio pai de Uribe foi morto pelas FARC-EP em uma tentativa de seqüestro em 1983. No entanto, as intervenções das FARC e a violência continuaram durante todo o governo de Uribe e também no de seu sucessor, Juan Manuel Santos.

Fotografia de Álvaro Uribe

Álvaro Uribe

O presidente Álvaro Uribe intensificou as operações militares contra as FARC-EP, buscando derrotá-las.

As ofensivas militares realizadas sob o governo do ex-presidente Uribe e do presidente Santos reduziram significativamente o número de combatentes das FARC e o controle territorial das FARC, levando as guerrilhas a regiões remotas e escassamente povoadas, muitas vezes próximas a fronteiras territoriais ou internas.

Em 23 de junho de 2016, foi assinado um acordo de cessar-fogo entre as FARC-EP e o governo colombiano. Sob o acordo, o governo colombiano concordou em apoiar investimentos maciços para o desenvolvimento rural e facilitar a reencarnação das FARC como um partido político.

As FARC prometeram ajudar a erradicar plantações de drogas ilegais, remover minas terrestres em áreas de conflito e oferecer reparações às vítimas. Os líderes das FARC podem evitar processos por atos de reparação às vítimas e outros trabalhos da comunidade. No entanto, durante um referendo realizado em 2 de outubro de 2016,

O governo se reuniu com vítimas e oponentes da paz depois que o referendo foi rejeitado, recebendo mais de 500 propostas de mudanças e continuou a negociar com as FARC. Um acordo revisado foi anunciado em 12 de novembro de 2016, o que exigiria aprovação parlamentar em vez de um referendo nacional. Entre os 60 termos novos ou modificados relatados, havia uma provisão para que os recursos das FARC fossem distribuídos para compensação das vítimas.

Os membros das FARC seriam capazes de estabelecer um partido político e receber imunidade total para confissão e cooperação total, embora o tráfico de drogas seja avaliado caso a caso. Os termos de paz seriam aplicados por uma Justiça Especial pela Paz, que se reportaria ao Tribunal Constitucional e não a um órgão internacional. Além disso,

O governo colombiano e as FARC assinaram o acordo de paz revisado em 24 de novembro de 2016 e o ​​Congresso aprovou em 30 de novembro de 2016.

Referência:

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo