História

Argentina antes da grande depressão

A Argentina, um país não industrializado, experimentou uma recessão após a Primeira Guerra Mundial e antes que a depressão mundial atingisse, mas ao contrário dos países vizinhos, manteve taxas de crescimento relativamente saudáveis ​​ao longo da década de 1920.

A Argentina não era um país industrializado no período que antecedeu a Grande Depressão e não dispunha das fontes de energia necessárias para fazê-lo. Uma das indústrias mais lucrativas da Argentina era a agricultura, e suas exportações de carne bovina congelada, especialmente para a Grã-Bretanha, mostraram-se altamente lucrativas.

A Argentina, como muitos outros países, entrou em recessão após o início da Primeira Guerra Mundial, quando o fluxo internacional de bens, capital e trabalho declinou.

O investimento estrangeiro na Argentina chegou a um impasse total do qual o país nunca se recuperou totalmente. Não obstante, a Argentina manteve um crescimento relativamente saudável ao longo da década de 1920, diferentemente dos países vizinhos, porque não foi afetado pelo colapso mundial dos preços das commodities. No entanto, a depressão global acabaria por interromper a expansão econômica dentro do país.

Leitura sugerida para entender melhor esse texto:

Termos chave

Cone Sul : Uma região geográfica composta pelas áreas mais ao sul da América do Sul, ao sul e ao redor do Trópico de Capricórnio. Tradicionalmente, é composto por Argentina, Chile e Uruguai. É limitado a oeste pelo Oceano Pacífico e ao sul pela junção entre os oceanos Pacífico e Atlântico.

A Argentina não era um país industrializado pelos padrões da Grã-Bretanha, da Alemanha ou dos Estados Unidos no período que antecedeu a Grande Depressão, e carecia de fontes de energia como carvão ou energia hidrelétrica para fazê-lo. Experimentos em extração de petróleo durante o início do século 20 tiveram resultados ruins.

A Yacimientos Petroliferos Fiscales (YPF), primeira companhia estatal de petróleo da América Latina, foi fundada em 1922 como uma empresa pública responsável por 51% da produção de petróleo, com os 49% restantes nas mãos de empresas privadas.

Além disso, uma das indústrias mais lucrativas da Argentina era a agricultura, e suas exportações de carne bovina congelada, especialmente para a Grã-Bretanha, mostraram-se altamente lucrativas após a invenção dos navios refrigerados na década de 1870.

imagem

Trabalhadores da YPF (1923): Trabalhadores da YPF são mostrados trabalhando em um poço de petróleo em 1923.

A Argentina, como muitos outros países, entrou em recessão após o início da Primeira Guerra Mundial, quando o fluxo internacional de bens, capital e trabalho declinou. Além disso, após a abertura do Canal do Panamá em 1914, a Argentina e outras economias do Cone Sul diminuíram, com os investidores voltando seus olhos para a Ásia e o Caribe.

Até mesmo as exportações de carne bovina foram afetadas, já que a Grã-Bretanha impôs novas restrições às importações de carne no final da década de 1920. Os fazendeiros argentinos responderam mudando da produção pastoril para a produção arável, mas danos duradouros já haviam sido causados ​​à economia argentina.

Os Estados Unidos viam a Argentina e, em menor medida, o Brasil, como um potencial rival nos mercados mundiais, tornando menos provável a colaboração entre os dois países. À luz do surgimento dos Estados Unidos da Primeira Guerra Mundial como uma superpotência política e financeira,

Enquanto isso, o investimento estrangeiro na Argentina chegou a um impasse total do qual o país nunca se recuperou totalmente. Como resultado, os fundos investíveis se concentraram ao longo do tempo em uma única instituição: o Banco da Nação Argentina (BNA).

Isso tornou o sistema financeiro da Argentina vulnerável à busca de aluguel. Os descontos e os empréstimos de cobrança duvidosa aumentaram de forma constante no BNA após 1914, como resultado de empréstimos para outros bancos e do sector privado, poluindo o balanço do banco.

O banco estatal permitiu que os bancos privados abandonassem seus riscos, usando dinheiro não garantido como garantia, e emprestou dinheiro aos bancos privados a uma taxa de 4,5%, abaixo da taxa que o BNA oferecia aos seus clientes em certificados de depósito. Finalmente,

No entanto, a Argentina manteve um crescimento relativamente saudável ao longo da década de 1920, diferentemente de países vizinhos como o Brasil e o Chile, porque não foi afetado pelo colapso mundial dos preços das commodities. Da mesma forma, ao contrário de muitos países europeus que o abandonaram, o padrão-ouro ainda existia na Argentina durante esse período, contribuindo para a relativa estabilidade financeira do país.

A propriedade de automóveis no país em 1929 era a mais alta do hemisfério sul, um indicador do poder de compra saudável da classe média na véspera da Grande Depressão. No entanto, a desaceleração econômica acabaria com a expansão econômica dentro do país.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar