História

A idade Média história, resumo, características

Veremos nessa aula um resumo da idade média e suas histórias. Em outra parte do texto você terá um detalhamento com todas suas fases e características. Veja um vídeo de introdução antes e depois continue a leitura.

Idade Média forma o período intermediário em uma divisão tradicional da história européia em três “épocas”: a civilização clássica da antiguidade, a Idade Média e a era moderna. O período da Idade Média geralmente data da queda do Império Romano do Ocidente no século V até o início do Renascimento no século XV.

Com o desaparecimento do governo romano centralizado no Ocidente, o comércio, a infra-estrutura, a aprendizagem e a segurança diminuíram. Um sistema feudal ou senhorial surgiu com base em obrigações recíprocas entre os senhores e os vassalos para fornecer proteção e serviço, respectivamente. A expansão e consolidação de grandes mansões permitiu a retomada do comércio e o surgimento de uma classe artesanal. Com a coroação do líder carolíngio Charles “o Grande” pelo Papa Leão III em Roma do dia de Natal em 800 CE – um ato simbólico que recorda a coroação de Saul pelo sumo sacerdote Samuel e a consolidação das tribos de Israel em uma monarquia dois mil anos antes – Carlomagno assumiu a liderança de um novo Império Romano (cristão) . Às vezes chamado de “pai da Europa”, Charlemagne promoveu um “renascimento carolíngio” na política, assuntos da igreja e artes e aprendizagem.

A promessa de uma Europa cristã unificada foi de curta duração, no entanto, como os senhores francos se discutiram sobre o território e o reino estava dividido entre os descendentes de Carlomagna. (O Sacro Império Romano sobreviveu como uma presença política anômala até 1806, descrita famosa por Voltaire como “nem santo, nem romano, nem um império”). Da mesma forma, a unidade da Igreja foi cortada decisivamente em 1054 com o Grande Cisma entre os Igreja Ortodoxa Oriental e Ocidental (Romana) sobre disputas doutrinais e questões de autoridade eclesiástica.

O papel do papa nas coroadas de Carlomagno e depois deu nova autoridade ao papado , e a Igreja e os governantes seculares se alinharam em um sistema hierárquico característico da Idade Média. No auge da influência no século XIII, a Igreja Romana e sua cabeça papal exerceram um poder sem precedentes, conferindo autoridade temporal aos reis e governando os assuntos cotidianos do povo comum através de uma onipresente infraestrutura eclesiástica que transformou a Europa em uma cristandade unificada. Muitas vezes chamado de Alta Idade Média, esta era a era das catedrais magistrais criadas em toda a Europa para glorificar a Deus; de ordens religiosas populares, como os franciscanos e dominicanos, que exemplificou os ideais cristãos de serviço e humildade e recordou a Igreja à sua missão espiritual; e de novos centros de aprendizagem, que atraíram estudiosos e estudantes de todo o continente e revitalizaram o pensamento cristão através da teologia sistemática fundamentada na lógica aristotélica.

A Alta Idade Média testemunhou a crescente urbanização do norte e oeste da Europa. As guildas urbanas eram motores de comércio e crescimento econômico. O crescente intercâmbio de idéias, encontros interculturais entre comerciantes e o crescente poder econômico das cidades contribuiriam para o enfraquecimento do feudalismo. A governança tornou-se mais participativa, com cartas como a Magna Carta na Inglaterra (1215) afirmando a lei acima da autoridade absoluta do rei e o assentamento de órgãos representativos, como os Estados Gerais em França e o Parlamento na Inglaterra.

Durante a Idade Média tardia, a autoridade moral da hierarquia da Igreja estava corrompida por abusos exagerados, como as cruzadas cada vez mais bronzeadas , para recuperar as terras anteriormente cristãs do controle muçulmano e a perseguição de dissidentes, como durante a Inquisição espanhola . O “exílio” do papado a Avignon, na França ; o espetáculo de, em um ponto, três papas alegando ser o vigário legítimo de Cristo; e a corrupção política, financeira e sexual entre a liderança da igreja ainda comprometeu a legitimidade moral da Igreja. A Morte Negra, considerado uma das pandemias mais letal da história humana, atingiu a Europa na década de 1340. A praga reduziu a população em um terço a metade do continente e engendrou desespero sobre a eficácia do governo e da Igreja.

A Idade Média termina convencionalmente com o renascimento das artes clássicas durante o Renascimento italiano; a descoberta da época do Novo Mundo por Cristóvão Colombo e a circunavegação da Terra por Ferdinand Magellan ; e a expansão europeia em todo o mundo, à medida que as nações marítimas de Espanha e Portugal começaram seus projetos imperiais. O domínio e o poder da Igreja romana também estavam prestes a terminar com a Reforma Protestante e a democratização da vida da igreja na Europa Protestante.

Esta era milenar da história européia exemplificou a promessa de uma ordem política unificada informada e legitimada pela autoridade espiritual da Igreja. No seu melhor, trouxe estabilidade e prosperidade para a Europa que durou mais de meio milênio. No entanto, as falhas das autoridades eclesiásticas para governar no interesse público e defender princípios de serviço e humildade levaram ao declínio do centro. Isso abriria a porta para novas visões da vida que não poderiam mais ser restringidas, lançando as bases para o mundo moderno.

  • Terminologia
  • Origens: o último Império Romano
  • Início da Idade Média
    • 3.1 Ascensão do monaquismo
    • 3.2 Os Reinos Merovíngios
    • 3.3 Rise of the Carolingians
  • O Império carolíngio
    • 4.1 Teoria política carolíngia
    • 4.2 Renascimento carolíngio
    • 4.3 Desintegração do império carolíngio
  • Alta Idade Média
    • 5.1 Ciência e tecnologia
    • 5.2 Mudanças religiosas e sociais
    • 5.3 Cruzadas
  • Tarde da Idade Média
    • 6.1 Ressurgimento do Estado
    • 6.2 Guerra de Cem Anos
    • 6.3 Controvérsia dentro da Igreja
  • Historiografia
    • 7.1 Idade Média na história
    • 7.2 Medieval e Idade Média
      • 7.2.1 Em relação à terminologia: “Idade Média”, “Idade Média”
    • 7.3 Problemas de periodização
  • Notas
  • Referências
  • 10 links externos

Terminologia

A Idade Média é referida como o ” período medieval ” (às vezes soletrado “medieval”) do latino mediano (meio) e ævus (idade). [1]Alguns historiadores iniciais descreveram os países não europeus como “medievais” quando esses países apresentam características da organização ” feudal “. O período pré-ocidentalização na história do Japão e o período pré-colonial nas partes desenvolvidas da África subsaariana também são algumas vezes denominados “medievais”. Os historiadores modernos estão muito mais relutantes em tentar adaptar a história de outras regiões ao modelo europeu, e essas aplicações do termo além da Europa caíram fora de favor.

Origens: O último Império Romano

O senador romano atingiu sua maior extensão territorial durante o segundo século. Os dois séculos seguintes testemunharam o lento declínio do controle romano sobre seus territórios periféricos. O imperador Diocleciano dividiu o império em províncias orientais e ocidentais administradas separadamente em 285 CE. Sob seu arranjo, o império romano ocidental foi governado por Ravenna por um imperador menor, e a região era considerada subordinada ao leste mais rico . A divisão entre leste e oeste foi encorajada por Constantino, que refundou a cidade de Bizâncio como a nova capital, Constantinopla , em 330.

As despesas militares aumentaram de forma constante durante o século XIX, mesmo que os vizinhos de Roma ficassem inquietos e cada vez mais poderosos. As tribos que anteriormente tinham contato com os romanos como parceiros comerciais, rivais ou mercenários haviam procurado a entrada do império e acesso à sua riqueza ao longo do século IV. As reformas de Diocleciano criaram uma forte burocracia governamental, reformaram a tributação e fortaleceram o exército. Essas mudanças compraram o tempo do Império, mas essas reformas exigiam dinheiro. A receita declinante de Roma deixou-o perigosamente dependente da receita tributária. Futuros contratempos forçaram Roma a derramar mais riquezas em seus exércitos, espalhando a riqueza do império em suas regiões fronteiriças. Em períodos de expansão, isso não seria um problema crítico. A derrota em 378 na Batalha de Adrianople, no entanto, destruiu grande parte do exército romano, deixando o império ocidental indefesa. Sem um exército forte no oeste, e sem promessa de salvação proveniente do imperador em Constantinopla, o Império Ocidental buscava um compromisso.

Conhecido na historiografia tradicional coletivamente como as “invasões bárbaras”, o Período de Migração, ou o Volkerwanderung(“errante dos povos”) especificamente por historiadores alemães, essa migração de povos era um processo complicado e gradual. Alguns historiadores iniciais deram a este período o epíteto da ” Era das Trevas “. [2] [3] Pesquisas recentes e arqueologia também revelaram culturas complexas que persistiram ao longo do período. Algumas dessas tribos “bárbaras” rejeitaram a cultura clássica de Roma, enquanto outras admiravam e aspiravam a ela. Theodoric o Grande dos Ostrogoths, como apenas um exemplo, tinha sido criado em Constantinopla e se considerava herdeiro da sua cultura, empregando ministros romanos eruditos como Cassiodoro. Outros grupos tribais proeminentes que migraram para o território romano eram os hunos, os búlgaros, os avarões e os magiares , juntamente com um grande número de   e mais tarde eslavos. Algumas tribos se estabeleceram no território do império com a aprovação do senado romano ou imperador. Em troca da terra para cultivar e, em algumas regiões, o direito de cobrar receitas fiscais para o estado, as tribos federadas prestaram apoio militar ao império. Outras incursões foram invasões militares em pequena escala de grupos tribais reunidos para recolher pilhagem. A invasão mais famosa culminou no saco de Roma pelos visigodos em 410.

No final do século V, as instituições romanas estavam desmoronando. O último imperador independente, etnicamente romano no oeste, Romulus Augustulus, foi deposto pelo rei Bárbaro Odoacer em 476. O Império Romano Oriental (referido como ” Império Bizantino””depois da queda de sua contraparte ocidental) manteve sua ordem abandonando o ocidente ao destino. Mesmo que os imperadores bizantinos mantenham uma reivindicação sobre o território, e nenhum rei bárbaro ousou elevar-se à posição de imperador do oeste, tenta Reassertando o controle bizantino sobre o oeste falhou. Durante os três séculos seguintes, o império ocidental seria sem um imperador legítimo. Foi, em vez disso, governado por reis que gozavam do apoio dos exércitos em grande parte bárbaros. Alguns reis governaram como regentes para imperadores titulares , e alguns governaram em seu próprio nome. Ao longo do século V, as cidades em todo o império declinaram, recuando dentro de muros fortemente fortificados. O império ocidental, particularmente, experimentou a decadência de infra-estrutura que o governo central não manteve adequadamente.Onde as funções cívicas e as infra-estruturas, tais como corridas de carros, aquedutos e estradas eram mantidas, o trabalho era freqüentemente feito à custa de funcionários da cidade e bispos.Augustine of Hippo é um exemplo de um bispo que atuou como um administrador capaz. Um estudioso, Thomas Cahill, apelidou de Agostinho o último dos homens clássicos e o primeiro dos homens medievais.

Início da Idade Média

idade Média

Mapa dos limites territoriais ca. 450 CE

As conquistas muçulmanas dos séculos 7 e 8██  Expansão sob o Profeta Mohammad, 622-632██  Expansão durante o califado patriarcal, 632-661██ Expansão durante o califado dosOmágyas, 661-750

Mapa da Europa em 998.

O final do século VIII encontrou o antigo império romano ocidental, uma região esmagadoramente rural e descentralizada que perdeu sua posição privilegiada como o centro de um grande poder. Entre os séculos quinto e oitavo, novos povos e indivíduos poderosos preencheram o vazio político deixado pelo governo centralizado romano. As famílias de Elite, tanto da aristocracia romana quanto da nobreza bárbara, estabeleceram hegemônias regionais dentro dos antigos limites do Império, criando reinos fracos como os dos Ostrogodos na Itália , os visigodos em Espanha e Portugal , os francos e os burgones na Gália e o oeste da Alemanha e os saxões na Inglaterra. Os efeitos sociais da fratura do estado romano foram múltiplos. Cidades e comerciantes perderam os benefícios econômicos de condições seguras para comércio e manufatura e o desenvolvimento intelectual sofreu a perda de um meio cultural e educacional unificado de conexões de grande alcance.

A ruptura da sociedade romana foi muitas vezes dramática. Quando tornou-se inseguro para viajar ou transportar mercadorias a qualquer distância, houve um colapso no comércio e fabricação para exportação. As principais indústrias que dependiam do comércio de longa distância, como a fabricação de cerâmica em larga escala, desapareceram quase durante a noite em lugares como o Grã-Bretanha.

As conquistas muçulmanas dos séculos sétimo e oitavo, que incluiu o Império Persa, a Síria romana, o Egito romano, a África do Norte romana, a Espanha visigoda e Portugal , e outras partes do Mediterrâneo , incluindo a Sicília e o sul da Itália, aumentaram a localização, interrompendo grande parte de o que resta do comércio marítimo. Assim, enquanto sites como Tintagel na Cornwall conseguiram obter suprimentos de bens de luxo mediterrânicos bem no século VI, essa conexão estava perdida.

O patchwork de pequenos governantes era incapaz de suportar a profundidade da infra-estrutura cívica necessária para manter bibliotecas, banhos públicos, arenas e grandes instituições educacionais. Qualquer edifício novo estava em uma escala muito menor do que antes. Os proprietários romanos além dos limites das muralhas da cidade também eram vulneráveis ​​a mudanças extremas e não podiam simplesmente arrumar suas terras e se mudar para outro lugar. Alguns foram despojados e fugiram para regiões bizantinas, outros rapidamente prometeram suas lealdades a seus novos governantes. Em áreas como a Espanha e a Itália, isso geralmente significava pouco mais do que reconhecer um novo senhor, enquanto as formas romanas de lei e religião poderiam ser mantidas. Em outras áreas onde houve um maior peso do movimento populacional, pode ser necessário adotar novos modos de vestir, linguagem e costume.

A Igreja Católica foi a principal influência cultural unificadora, preservando a aprendizagem latina e a arte da escrita e mantendo uma administração centralizada através da sua rede de bispos . Algumas regiões que anteriormente eram católicas eram ocupadas por ArianCristãos, que levantaram debates sobre a ortodoxia. Clovis I dos francos é um exemplo bem conhecido de um rei bárbaro que escolheu a ortodoxia católica sobre o arianismo. Sua conversão marcou um ponto de viragem para as tribos francas da Gália. Os bispos eram centrais para a sociedade da Idade Média devido à alfabetização que possuíam. Como resultado, eles muitas vezes desempenharam um papel importante na formação do bom governo. No entanto, além das principais áreas da Europa Ocidental, permaneceram muitos povos com pouco ou nenhum contato com o cristianismo ou com a cultura romana clássica. As sociedades marciais, como os Avars e os Vikings , ainda eram capazes de causar grandes distúrbios às novas sociedades emergentes da Europa Ocidental.

Levantamento do monaquismo

A Idade Média adiantada também testemunhou a ascensão do monaquismo no oeste. Embora o impulso de se retirar da sociedade para se concentrar em uma vida espiritual seja experimentado por pessoas de todas as culturas, a forma do monaquismo europeu foi determinada por tradições e idéias originadas nos desertos do Egito e da Síria . O estilo do monaquismo que se concentra na experiência comunitária da vida espiritual, chamado cenobitismo, foi pioneiro pelo santo Pachomius no século IV. Os ideais monásticos se espalham do Egito para a Europa ocidental nos séculos V e VI através de literatura hagiográfica como a Vida de Santo Antônio . São Bentoescreveu a Regra definitiva para o monaquismo ocidental durante o século VI, detalhando as responsabilidades administrativas e espirituais de uma comunidade de monges liderada por um abade . Os monges e os mosteiros tiveram um efeito profundo sobre a vida religiosa e política da Idade Média, em vários casos, atuando como terra, confia em famílias poderosas, centros de propaganda e apoio real em regiões recentemente conquistadas, bases para a missão e proselitismo, ou postos avançados de educação e alfabetização.

A arquitetura românica floresceu no início da Idade Média : Hildesheim.

Fora da Itália, raramente se tentava construir em pedra – até o século VIII, quando uma nova forma de arquitetura chamada românica , baseada em formas romanas, se desenvolveu gradualmente. As formas bárbaras celtas e germânicas foram absorvidas pela arte cristã, embora o impulso central permaneça romano e bizantino. Jóias de alta qualidade e imagens religiosas foram produzidas em toda a Europa Ocidental, Charlemagne e outros monarcas providenciaram patrocínio de obras de arte e livros religiosos. Algumas das principais obras de arte da época foram os fabulosos manuscritos iluminados produzidos por monges em vellum , usando ouro , prata e pigmentos preciosos para ilustrar narrativas bíblicas. Os primeiros exemplos incluem oLivro de Kells e muitos manuscritos carolíngenos e Otões.

Os Reinos Merovíngios

Um núcleo de poder desenvolvido em uma região do norte da Gália e desenvolvido em reinos chamados Austrasia e Neustria. Esses reinos foram governados por três séculos por uma dinastia de reis chamada Merovingians, depois do fundador mítico Merovech. A história dos reinos merovíngios é uma das políticas familiares que freqüentemente entraram em erupção na guerra civil entre os ramos da família. A legitimidade do trono merovíngio foi concedida por uma reverência pela linhagem, e mesmo depois de poderosos membros da corte australiana terem de fato o poder durante o século VII, os merovíngios foram mantidos como cabeças cerimoniais. Os merovíngios se comprometeram no comércio com o norte da Europa através das rotas comerciais do Báltico conhecidas pelos historiadores como o comércio do Arco do Norte, e eles são conhecidos por centavos de prata de pequena denominação chamadaSceattae para circulação. Os aspectos da cultura merovíngia podem ser descritos como “romanizados”, como o alto valor colocado na cunhagem romana como um símbolo de governo e o patrocínio dos mosteiros e dos bispados. Alguns têm a hipótese de que os merovíngios estavam em contato com Bizâncio. [4] No entanto, os merovíngios também enterraram os mortos de suas famílias de elite em montes graves e rastrearam sua linhagem para um bicho do mar mítico chamado Quinotauro.

Rise of the Carolingians

O século VII foi um período tumultuado de guerras civis entre Austrasia e Neustria. Tal guerra foi explorada pelo patriarca de uma linha familiar, Pippin of Herstal, que curried favoravelmente com os merovíngios e se instalou no escritório do prefeito do palácio ao serviço do rei. A partir desta posição de grande influência, Pippin acumulou riqueza e apoiantes. Os membros mais atrasados ​​de sua linha familiar herdaram o escritório, atuando como conselheiros e regentes. A dinastia tomou uma nova direção em 732, quando Charles Martel ganhou a Batalha de Tours , interrompendo o avanço dos exércitos muçulmanos nos Pirineus . O carolíngioDinastia, como os sucessores de Charles Martel são conhecidos, assumiram oficialmente os reinados dos reinos da Austrasia e da Neustria em um golpe de 753 liderado por Pippin III. Uma crónica contemporânea afirma que Pippin procurou, e ganhou, autoridade para este golpe do Papa. [5] O golpe exitoso de Pippin foi reforçado com propaganda que retratou os merovíngios como governantes ineptos ou cruéis e exaltou as realizações de Charles Martel e circulou histórias da grande piedade da família.

O Império carolíngio

No momento de sua morte em 783, Pippin deixou seus reinos nas mãos de seus dois filhos, Charles e Carloman. Quando Carloman morreu por causas naturais, Charles bloqueou a sucessão do filho menor de Carloman e instalou-se como o rei da Austrasia unida e da Neustria. Este Charles, conhecido por seus contemporâneos como Charles the Great ou Charlemagne , embarcou em 774 em um programa de expansão sistemática que unificaria uma grande parte da Europa. Nas guerras que duraram apenas 800, ele recompensou aliados leais com saque de guerra e comando sobre parcelas de terra. Grande parte da nobreza da Alta Idade Média foi reivindicar suas raízes na nobreza carolíngia que foi gerada durante esse período de expansão.

A Coronação Imperial de Carlomagno no dia de Natal de 800 é freqüentemente considerada como um ponto de viragem na história medieval, porque preenchia uma vaga de poder que existia desde 476. Também marca uma mudança na liderança de Carlomagno, que assumiu um caráter mais imperial e abordou aspectos difíceis de controlar um império medieval. Ele estabeleceu um sistema de diplomatas que possuíam autoridade imperial, a missi, que em teoria proporcionou acesso à justiça imperial nos cantos mais distantes do império. [6] . Ele também procurou reformar a Igreja em seus domínios, promovendo a uniformidade na liturgia e na cultura material.

Teoria política carolingana

A teoria política sustentava que a sociedade era governada por Deusatravés do Filho de Deus, Cristo como Senhor dos Senhores, que substituiu o Papa, como chefe da Igreja na Terra, com autoridade temporal e espiritual. O primeiro foi delegado aos príncipes e seus assistentes, os nobres e os cavaleiros, enquanto o papa administrou o segundo ele mesmo assistido por seus bispos e sacerdotes. Na prática, o imperador quase certamente se viu como o patrono do papa e não como o servo do Papa, uma vez que, sem o apoio militar, o papa poderia ser facilmente removido do cargo. Por outro lado, o Imperador e qualquer príncipe precisavam da benção da Igreja se fossem reconhecidos como legítimos. Embora o princípio hereditário fosse geralmente aceito, os reis não podiam confiar na lealdade de ninguém simplesmente por causa de seu direito de nascença. Todo o sistema funcionou porque acreditava-se que a autoridade daqueles que ocupavam cargos de responsabilidade derivava, em última análise, de Deus. Se a autoridade não era de origem divina, por que os subordinados, sejam nobres ou camponeses, obedeçam? Por que não substituí-los por outra pessoa, ou por que não permitir que a anarquia substitua o sistema hierárquico?

Renascimento carolíngio

O tribunal de Carlomagna em Aachen foi o centro de um reavivamento cultural que às vezes é chamado de “Renascimento carolíngio”. Este período testemunhou um aumento da alfabetização, desenvolvimentos nas artes, arquitetura e jurisprudência, bem como estudos litúrgicos e escriturais. O monge inglês Alcuinfoi convidado para Aachen e trouxe consigo a educação clássica clássica precisa que estava disponível nos mosteiros de Northumbria. O retorno desta proficiência latina ao reino dos francos é considerado um passo importante no desenvolvimento do latim medieval. A chancelaria de Carlomagno fez uso de um tipo de roteiro atualmente conhecido como minúsculo carolíngio, proporcionando um estilo de escrita comum que permitia a comunicação na maior parte da Europa. Após o declínio da dinastia carolíngia, o surgimento da dinastia saxônica na Alemanha foi acompanhado pelo Renascimento Ottoniano.

Desintegração do império carolíngio

Enquanto Charlemagne continuou a tradição franco de dividir o regnum (reino) entre todos os seus herdeiros (pelo menos aqueles de idade), a assunção do imperium (título imperial) fornecido uma força unificadora não disponível anteriormente. Carlomagno foi sucedido por seu único filho legítimo de idade adulta em sua morte, Louis the Pious.

O longo reinado de Louis de 26 anos foi marcado por numerosas divisões do império entre seus filhos e, depois de 829, numerosas guerras civis entre várias alianças de pai e filhos contra outros filhos, em um esforço para determinar uma divisão justa pela batalha. A divisão final foi feita em Crémieux em 838. O imperador Louis reconheceu seu filho mais velho, Lothair I, como imperador e confirmou-o no Regnum Italicum (Itália). Ele dividiu o resto do império entre Lothair e Charles the Calvo, seu filho mais novo, dando a Lothair a oportunidade de escolher sua metade. Ele escolheu a França Oriental, que compreendeu o império nas duas margens do Reno e para o leste, deixando Charles Oeste França, que compreendeu o império a oeste da Renânia e dos Alpes. Louis, o alemão, o filho do meio, que tinha sido rebelde até o final, foi permitido manter seu subregnum da Baviera sob a soberba de seu irmão mais velho. A divisão não foi indiscutível. Pepin II de Aquitânia, o neto do imperador, se rebelou em um concurso para a Aquitânia, enquanto Louis, o alemão, tentou anexar toda a França do Leste. Em duas campanhas finais, o imperador derrotou os dois descendentes rebeldes e reivindicou a divisão de Crémieux antes de morrer em 840.

Uma guerra civil de três anos seguiu sua morte. No final do conflito, Louis, o alemão, controlava a Francia Oriental e Lothair estava confinado à Itália. Pelo Tratado de Verdun (843), um reino da França do meio foi criado para Lothair nos Países Baixos e Borgonha e seu título imperial foi reconhecido. A França do Leste finalmente se transformaria no Reino da Alemanha e na França ocidental no Reino da França, em torno de ambos os quais a história da Europa Ocidental pode ser amplamente descrita como um concurso para o controle do reino do meio. Os netos e bisnetos de Carlomagnois dividiram seus reinos entre seus filhos até todos os vários regnae o título imperial caiu nas mãos de Charles the Fat em 884. Ele foi deposto em 887 e morreu em 888, para ser substituído em todos os seus reinos, mas dois (Lotharingia e França Oriental) por “reis mesquinhas” não carolíngios. O Império carolíngio foi destruído, embora a tradição imperial eventualmente dê origem ao Sacro Império Romano em 962.

A separação do Império carolíngio foi acompanhada pelas invasões, migrações e incursões de inimigos externos, como não se viu desde o Período de Migração. As margens atlânticas e do norte foram assediadas pelos vikings , que forçaram Charles the Calvo a emitir o Edict of Pistres contra eles e que assedia Paris em 885-886. As fronteiras orientais, especialmente a Itália, estavam sob constante assalto Magyar até sua grande derrota na Batalha do Lechfeld em 955. Os sarracenos também conseguiram estabelecer bases em Garigliano e Fraxinetum e conquistar as ilhas da Córsega, da Sardenha e da Sicília , e seus piratas invadiram as costas do Mediterrâneo, assim como os vikings. A cristianização dos pagãos vikings acabou com essa ameaça.

Alta Idade Média

A Alta Idade Média caracterizou-se pela urbanização da Europa, expansão militar e um avivamento intelectual que os historiadores identificam entre o século 11 e o final do dia 13. Este avivamento foi auxiliado pela cessação das invasões por escandinavos e húngaros, bem como a afirmação de poder por parte dos castellanos para preencher o vácuo de poder deixado pelo declínio carolíngio. A Alta Idade Média viu uma explosão de população. Esta população fluiu para cidades, buscou conquistas no exterior ou desmatou terra para cultivo. As cidades da antiguidade estavam agrupadas em torno do Mediterrâneo. Em 1200, as áreas urbanas em crescimento estavam no centro do continente, conectadas por estradas ou rios. No final deste período, Parispoderia ter tido até 200 mil habitantes. No centro e no norte da Itália e na Flandres, o aumento de cidades que se autogovernavam até certo ponto em seus territórios estimulava a economia e criou um ambiente para novos tipos de associações religiosas e comerciais. As cidades comerciais nas margens do Báltico entraram em acordos conhecidos como Liga Hanseática , e cidades italianas, como Veneza , Gênova e Pisa, expandiram seu comércio em todo o Mediterrâneo. Este período marca uma formativa na história do estado ocidental como a conhecemos, pois os reis da França, da Inglaterra e da Espanha consolidaram seu poder durante esse período, estabelecendo instituições duradouras para ajudá-las a governar. O Papado, que há muito criou uma ideologia de independência dos reis seculares , afirmou pela primeira vez suas pretensões de autoridade temporal sobre todo o mundo cristão. A entidade que os historiadores chamam de Monarquia do Papa atingiu seu apogeu no início do século 13 sob o pontificado de Inocêncio III . Cruzadas do Norte e o avanço de reinos cristãos e ordens militares em regiões anteriormente pagãs no Nordeste do Báltico e Finnic trouxeram a assimilação forçada de numerosos povos nativos à entidade européia. Com a breve exceção das invasões mongóis, cessaram as principais incursões bárbaras.

Ciência e Tecnologia

Durante o início da Idade Média e a Idade de Ouro Islâmica, a filosofia , a ciência e a tecnologia islâmica foram mais avançadas do que na Europa Ocidental. Os estudiosos islâmicos preservaram e construíram tradições anteriores e também adicionaram suas próprias invenções e inovações. Islam Al-Andalus passou muito disso para a Europa. A substituição de números romanos pelo sistema de numeração decimal decimal e a invenção da álgebra permitiram uma matemática mais avançada. Outra conseqüência foi que o mundo de língua latina recuperou o acesso à literatura e filosofia clássicas perdidas . As traduções latinas do século XII alimentaram a paixão pelo aristotélicofilosofia e ciência islâmica que é freqüentemente referida como o Renascimento do século 12. Enquanto isso, o comércio cresceu em toda a Europa à medida que os perigos da viagem diminuíram e o crescimento econômico continuou. As escolas e mosteiros da catedral deixaram de ser as únicas fontes de educação no século XI, quando as universidades foram estabelecidas nas principais cidades europeias. A alfabetização tornou-se disponível para uma classe mais ampla de pessoas, e houve grandes avanços em arte, escultura , música e arquitetura. Grandes catedrais foram construídas em toda a Europa, primeiro no românico e depois no estilo gótico mais decorativo.

Nos séculos XII e XIII, na Europa, houve uma mudança radical na taxa de novas invenções, inovações nas formas de gerenciar os meios de produção tradicionais e o crescimento econômico. O período teve grandes avanços tecnológicos , incluindo a invenção de canhões, espetáculos e poços artesianos; e a introdução intercultural da pólvora , da seda , da bússola e do astrolábio do leste. Houve também excelentes melhorias nos navios e no relógio. Os últimos avanços tornaram possível o alvorecer da Era da Exploração. Ao mesmo tempo, grande número de obras gregas e árabes sobre medicina e ciências foram traduzidas e distribuídas por toda a Europa. Aristóteles tornou-se especialmente importante, sua abordagem racional e lógica ao conhecimento que influenciava os estudiosos das universidades recém-formadas que absorviam e disseminavam o novo conhecimento durante o século XVII.

Mudança religiosa e social

A reforma monástica tornou-se uma questão importante durante o século 11, quando as elites começaram a se preocupar que os monges não aderissem às suas Regras com a disciplina necessária para uma boa vida religiosa. Durante este tempo, acreditava-se que os monges estavam realizando uma tarefa muito prática enviando suas orações a Deus e induzindo-o a tornar o mundo um lugar melhor para os virtuosos. O tempo investido nesta atividade seria desperdiçado, no entanto, se os monges não fossem virtuosos. O mosteiro de Cluny, fundado no Mâcon em 909, foi fundado como parte de um movimento maior da reforma monástica em resposta a esse medo. [7]Foi um mosteiro reformado que rapidamente estabeleceu uma reputação de austeridade e rigor. Cluny procurou manter a alta qualidade da vida espiritual escolhendo seu próprio abade dentro do claustro e mantendo uma independência econômica e política dos senhores locais colocando-se sob a proteção do Papa. Cluny forneceu uma solução popular para o problema de códigos monásticos ruins e, no século 11, seus abades foram freqüentemente chamados a participar da política imperial, bem como reformar mosteiros na França e na Itália.

A reforma monástica inspirou a mudança na igreja secular também. Os ideais em que se baseou foram trazidos ao papado pelo Papa Leão IX sobre sua eleição em 1049, proporcionando a ideologia da independência clerical que alimentou o Controversy da Investidura no final do século XI. O controvérsia da investidura envolveu o papa Gregório VIIe Henry IV, imperador romano santo, que inicialmente enfrentaram a nomeação de um bispo específico e se transformaram em uma batalha sobre as idéias de investidura, casamento clerical e simonia. O imperador, como governante cristão, viu a proteção da Igreja como um dos seus grandes direitos e responsabilidades. O Papado, no entanto, começou a insistir em sua independência dos senhores seculares. A guerra aberta terminou com a ocupação de Roma em Roma em 1085 e a morte do Papa vários meses depois, mas as questões em si não foram resolvidas mesmo após o compromisso de 1122 conhecido como Concordat de Worms. O conflito representa um estágio significativo na criação de uma monarquia papal separada das autoridades leigos. Também teve a consequência permanente de capacitar os príncipes alemães à custa dos imperadores alemães.

A Alta Idade Média foi um período de grandes movimentos religiosos. As cruzadastinha um aspecto religioso inegável. A reforma monástica foi semelhantemente um movimento religioso efetuado por monges e elites. Outros grupos procuraram participar de novas formas de vida religiosa. As elites de Landed financiaram a construção de novas igrejas paroquiais no campo europeu, o que aumentou o impacto da Igreja sobre a vida cotidiana dos camponeses. Os cânones da catedral adotaram regras monásticas, grupos de camponeses e leigos abandonaram seus pertences para viver como os apóstolos, e as pessoas formularam ideias sobre sua religião que foram consideradas heréticas. Embora o sucesso do papado do século XII na criação de uma Igreja que afetou progressivamente a vida cotidiana das pessoas cotidianas não pode ser negado, ainda há indicadores de que a cauda poderia mexer com o cão. Os novos grupos religiosos chamaram os valdensese os Humiliati foram condenados por sua recusa em aceitar uma vida de monaquismo clausurado. Em muitos aspectos, no entanto, eles não eram muito diferentes dos franciscanos e dos dominicanos , que foram aprovados pelo papado no início do século 13. O quadro que os historiadores modernos da vida religiosa apresentam é um grande zelo religioso que brota do campesinato durante a Alta Idade Média, e as elites clericais se esforçam, apenas às vezes com sucesso, para entender e canalizar esse poder em caminhos familiares.

Cruzadas

As Cruzadas foram, em alguns aspectos, a defesa da Europa contra a expansão e a agressão islâmica. Estas peregrinações armadas foram originalmente destinadas a libertar Jerusalém do controle muçulmano. Jerusalém era parte dos bens muçulmanos, ganhou durante uma rápida expansão militar no século 7 através do Oriente Próximo, África do Norte e Anatólia (na Turquia moderna). No início do século XI, o acesso cristão ao seu lugar mais sagrado, a Igreja do Santo Sepulcro em Jerusalém, foi negado, e os peregrinos cristãos para a Terra Santa começaram a ser perseguidos. [8]Ao mesmo tempo, a igreja usou o pretexto das Cruzadas para enfraquecer seus rivais seculares e afirmar sua autoridade política sobre a nobreza. Foram mobilizadas dezenas de milhares de cavaleiros e mesquinhos, muitos nunca mais voltaram.

A primeira cruzada foi pregada pelo papa Urbano II no Conselho de Clermont em 1095 em resposta a um pedido do imperador bizantinoAlexios I Komnenos por auxílio contra um novo avanço. Urban prometeu indulgência a qualquer cristão que assumiu o voto dos cruzados e partiu para Jerusalém. O fervor resultante que varreu a Europa mobilizou dezenas de milhares de pessoas de todos os níveis da sociedade e resultou na captura de Jerusalém em 1099, bem como em outras regiões. O movimento encontrou seu principal apoio entre os francos; não é por acaso que os árabes se referiram aos cruzados genericamente como ” Franj “. [9]Embora fossem minorias dentro desta região, os cruzados tentaram consolidar suas conquistas, como vários estados cruzados – o Reino de Jerusalém , bem como o condado de Edessa, o Principado de Antioquia e o município de Trípoli (coletivamente Outremer) . Durante os séculos XII e XIII houve uma série de conflitos entre esses estados e os islâmicos vizinhos. As cruzadas eram essencialmente missões de reabastecimento para esses reinos emboscados. Ordens militares como o Templário dos Cavaleiros e os Cavaleiros Hospitaleiros foram formados para desempenhar um papel integral neste suporte.

Nos tempos modernos, muitos cristãos repudiaram as Cruzadas, acreditando que o combate armado contra a fé confrade de Abraão para o controle do território é incompatível com a mensagem de Cristo. Além disso, os problemas enfrentados pelos peregrinos cristãos podem ter sido exagerados pelos bizantinos para seus próprios propósitos, já que a maioria dos muçulmanos no Oriente Próximo muçulmano praticava uma considerável tolerância religiosa, aproveitando a experiência administrativa judaica e aprendendo e permitindo o livre exercício de fé religiosa na maioria das terras controladas por muçulmanos.

Quando São Francisco de Assis arriscou sua vida a se encontrar com o sultão al-Kamil do Egito em 1219 para evitar o derramamento de sangue entre cristãos e muçulmanos, ele foi recebido graciosamente e achou o Sultão aberto tanto para suas aberturas pacíficas quanto para sua testemunha cristã. Fornecido com presentes e retorno seguro às linhas dos cruzados, Francisco ficou consternado com o fato de que nenhum interesse na reconciliação fosse avaliado entre os exércitos cristãos invasores. [10]

Cruzadas posteriores desciam em matança em massa, estupro e saque. Cruzados despediram Christian Constantinopla em 1204 e cometeram atrocidades contra a população. Cruzadas foram lançadas contra os Albigenses no sul da França, os Almohades de Espanha (1213), judeus que vivem em cidades do Reno na Alemanha e não conformistas e populações não cristianizadas na Prússia e na Inglaterra.

Em 1212 milhares de crianças da França, Alemanha e Inglaterra foram mobilizadas para derrubar a Palestina muçulmana. A chamada Cruzada Infantil , indiscutivelmente o nadir do militarismo cristão na Idade Média, caiu em ruínas quando os comerciantes venderam crianças como escravas aos mouros, e a maioria das outras crianças morreu de fome e exaustão. [8]

No final da Idade Média, os exércitos cristãos capturaram todos os territórios islâmicos na Espanha moderna , Portugal e no sul da Itália. No entanto, na terra sagrada, os contra-ataques islâmicos retomaram todos os bens dos cruzados. As Cruzadas terminaram em fracasso, deixando uma fronteira de fato entre o Islã eo cristianismo ocidental que continuou até os tempos modernos.

As Cruzadas eram, antes de mais, uma empresa papal, realizada no século XI, quando o papa, antes do surgimento dos Estados-nação na Europa, falou e atuou em prol dos interesses comuns da cristandade. [8] Assim, o fracasso das Cruzadas lançou dúvidas sobre o julgamento e autoridade papal. A convicção de que a sociedade medieval era a manifestação de uma Grande Cadeia do Ser inabalável – de Deus ao Papa aos reis e nobres até os servos – começou a falhar. A nobreza européia, que havia perdido pais, filhos e irmãos nas Cruzadas, ressentia-se do papado. Em pouco tempo, eles tomariam ação, entre eles Philip IVda França (veja abaixo). Assim, as Cruzadas eram ao mesmo tempo o ponto alto do poder papal e o início de seu declínio. A Alta Idade Média estava chegando ao fim. Seria substituído por uma era de incerteza e conflito, à medida que o centro colapsou e novos atores exerceram seu poder.

As Cruzadas também tiveram uma influência duradoura e progressiva. As campanhas militares reestabilizaram o contato entre o Oriente eo Ocidente e despertaram a consciência de avanços na ciência, medicina e arquitetura muito além das realizações no oeste paroquial. Os avanços árabes em ciências, artes e engenharia levaram à fundação de universidades européias em Paris , Oxford, Bolonha e Salamanca. O encontro East-West expandiu o comércio, promoveu explorações geográficas e levou ao surgimento de cidades-estados na Itália, centros de comércio que importaram bens asiáticos para os gostos cada vez mais cosmopolitas de uma classe burguesa em crescimento.

O legado das Cruzadas continua a deixar sombra nas relações cristão-muçulmana. A autorização do Papa da guerra religiosa para resolver as disputas formou um precedente que inflama o conflito até o presente dia e mina o respeito pela religião como empresa nobre e força pela paz.

Fim da Idade Média

Um padre abençoa as vítimas da morte negra.

A Idade Média tardia foi um período iniciado por calamidades e convulsões. Durante esse período, a agricultura foi afetada por uma mudança climática documentada por historiadores do clima, e foi sentida por contemporâneos sob a forma de fome periódica, incluindo a Grande Fome de 1315-1317. A Morte Negra, uma doença bacteriana introduzida do Sudeste Asiático por viajantes que chegam na Europa através da Estrada da Seda, que se espalhou entre a população malnutrida como incêndio, matou até um terço da população em meados do século XIV, em algumas regiões o pedágio foi como alto como metade da população. As cidades foram especialmente atingidas por causa das condições aglomeradas. Grandes áreas de terra ficaram escassamente habitadas, e em alguns lugares os campos ficaram sem trabalho. Como conseqüência do repentino declínio nos trabalhadores disponíveis, o preço dos salários aumentou, pois os senhorios procuraram atrair os trabalhadores para seus campos. Os trabalhadores também sentiram que tinham direito a maiores ganhos, e as revoltas populares começaram a surgir em toda a Europa. Esse período de estresse, paradoxalmente, testemunhou aspectos sociais, econômicos, e respostas tecnológicas que lançaram as bases para grandes mudanças no início do Período Moderno. Foi também um período em que a Igreja Católica foi cada vez mais dividida contra si mesma. Durante o tempo do cisma ocidental, a Igreja foi liderada por até três papas ao mesmo tempo. A divisão da Igreja minou a autoridade papal e permitiu a formação de igrejas nacionais. A queda de Constantinopla para oOs turcos otomanos em 1453 tiveram um grande efeito na economia européia e na vida intelectual.

Ressurgimento do Estado

A Idade Média tardia também testemunhou o surgimento de estados-nação fortes e baseados na realeza , particularmente a Inglaterra , a França e os reinos cristãos da Península Ibérica. Os longos conflitos desta época, como a Guerra de Cem Anos lutada entre a Inglaterra e a França, realmente fortaleceram o controle real sobre os reinos, embora fossem extremamente difíceis para o campesinato. Os reis se beneficiaram da guerra ganhando terreno. A França mostra sinais claros de um crescimento no poder real durante o século XIV, da perseguição ativa dos hereges e dos leprosos, da expulsão dos judeus e da dissolução dos Templários . Em todos estes casos, realizado por Philip IV, o rei confiscou terras e riqueza desses grupos minoritários. O conflito entre Philip e Bonifácio VIII , um conflito que começou com a tributação não autorizada de clérigo de Filipe, terminou com a morte violenta de Bonifácio e a instalação de Clemente V , um fraco governador francês, em Avignon. Esta ação aumentou o prestígio francês, à custa do papado. A Inglaterra, também, começou o século XIV com guerra e expansão. Edward travemos guerra contra o País de Gales e Escócia, com sucesso misto, para afirmar o que considerou seu direito a toda a ilha da Grã-Bretanha. Ambos os reis presidiram estados efetivos administrados por burocratas alfabetizados e buscaram o consentimento baronial para suas decisões através de versões iniciais dos sistemas parlamentares, chamados os Estados Gerais em França e o Parlamento na Inglaterra. Cidades e comerciantes aliaram-se com reis durante o século XV, permitindo que os reis se afastassem dos senhores territoriais. Como resultado do poder adquirido durante os séculos XIV e XV, os reis da tarde do século XIX construíram estados verdadeiramente soberanos, capazes de impor impostos, declarar guerra e criar e fazer cumprir as leis, tudo pela vontade do rei. [11]Kings encorajou a coesão em sua administração, nomeando ministros com amplas ambições e uma lealdade ao estado. Na última metade do século quinze, reis como Henry VII e Louis XI conseguiram governar sem muita interferência baronial.

Guerra dos Cem Anos

A Guerra dos Cem Anos foi um conflito entre a França e a Inglaterra, que durou 116 anos de 1337 a 1453. Foi travado principalmente por reivindicações dos reis ingleses ao trono francês e foi pontuado por vários breves e dois longos períodos de paz antes que finalmente terminou na expulsão dos ingleses da França, com exceção do Calais Pale. Assim, a guerra era, de fato, uma série de conflitos e geralmente é dividida em três ou quatro fases: a guerra eduardiana (1337-1360), a guerra de Caroline (1369-1389), a guerra de Lancastria (1415-1429) e a declínio lento das fortunas inglesas após a aparição de Joan of Arc(1429-1453). Embora principalmente um conflito dinástico, a guerra deu impulso a idéias de nacionalidade francesa e inglesa. Militarmente, viu a introdução de novas armas e táticas, que corromperam o antigo sistema de exércitos feudais dominado pela cavalaria pesada. Os primeiros exércitos permanentes na Europa Ocidental desde a época do Império Romano do Ocidente foram introduzidos para a guerra, mudando assim o papel do campesinato. Por tudo isso, bem como por sua longa duração, muitas vezes é vista como um dos conflitos mais significativos na história da guerra medieval.

veja também

Revolução Francesa

Revolução Russa

Revolução industrial

Controvérsia dentro da Igreja

O complicado século XIV viu o Papado de Avinhão de 1305-1378, também chamado de Cativeiro Babilônico, e o chamado Cisma Ocidental que durou de 1378 a 1418. A prática de concessão de indulgências papais, bastante comum desde o século XI, foi reformulado e explicitamente monetizado no século XIV. As indulgências vieram a ser uma importante fonte de receita para a Igreja, receita que filtrou pelas igrejas paroquiais aos bispados e depois ao próprio Papa. Isso foi visto por muitos como uma corrupção da Igreja. Nos primeiros anos do século quinquenal, após um século de turbulência, os oficiais eclesiásticos se reuniram em Constança em 1417 para discutir uma resolução sobre o Cisma. Tradicionalmente, os conselhos precisavam ser chamados pelo Papa, e nenhum dos contendores estava disposto a chamar um conselho e arriscar-se a ser destruído. O ato de convocar um conselho sem aprovação papal foi justificado pelo argumento de que a Igreja era representada por toda a população dos fiéis. O conselho depôs os papas guerreiros e elegeu Martin V.Martinho Lutero publicou objeções à Igreja. Embora o seu desencanto tenha se formado, a denúncia da Igreja foi precipitada pela chegada de pregadores arrecadando dinheiro para reconstruir a Basílica de São Pedro em Roma. Lutero poderia ter sido silenciado pela Igreja, mas a morte do imperador romano santo Maximiliano I trouxe a sucessão imperial para a vanguarda da preocupação. A separação dos luteranos com a Igreja em 1517 e a subsequente divisão do catolicismo em luteranismo, calvinismo e anabaptismo colocaram um fim definitivo para a Igreja unificada construída durante a Idade Média.

Historiografia

Idade Média na história

Após a Idade Média, as gerações subsequentes imaginaram, retrataram e interpretaram a Idade Média de diferentes maneiras. Todo século criou sua própria visão da Idade Média; A visão do século XVIII da Idade Média era inteiramente diferente do século XIX, que era diferente da visão do século XVI. A realidade dessas imagens permanece conosco hoje em forma de cinema, arquitetura, literatura, arte e concepção popular.

Medieval e Idade Média

Quanto à terminologia: “Idade Média”

O termo “Idade Média” (“ævum médio”) foi primeiro cunhado por Flavio Biondo, um humanista italiano , no início do século XV. Até o Renascimento(e algum tempo depois), o esquema padrão da história era dividir a história em seis idades, inspirado nos seis dias bíblicos da criação, ou quatro monarquias baseadas em Daniel 2:40. Os primeiros historiadores do Renascimento, na sua glorificação de todas as coisas clássicas, declararam dois períodos na história, o dos tempos antigos e o do período referido como a “Era das Trevas”. No início do século quinze, acreditava-se que a história evoluísse da Era das Trevas para um período moderno com o renascimento das coisas clássicas, então os estudiosos começaram a escrever sobre um período médio entre o antigo e o moderno, que se tornou conhecido como a Idade Média. Isso é conhecido como a visão de três períodos da história.

A forma plural do termo, Idade Média, é usada em inglês, holandês, russo , búlgaro e islandês, enquanto outras línguas européias usam a forma singular (italiano medioevo, francês le moyen âge, German das Mittelalter ). Essa diferença se origina em diferentes termos neo-latinos utilizados para a Idade Média antes que as médias aetas se tornem o termo padrão. Alguns eram singulares ( mídia aetas, mídia antiquitas, médio saeculum e tempestas de mídia ), outros plurais ( media saecula e media tempora). Parece não haver uma razão simples porque um idioma particular acabou com a forma singular ou plural. [12] O termo “medieval” (americano: medieval) foi primeiro contratado do médio ævum latino , ou mais precisamente “época do meio”, pelos pensadores do Iluminismo como um descritor pejorativo da Idade Média.

A subdivisão comum na Idade Média precoce, alta e tardia entrou em uso após a Primeira Guerra Mundial. Deriva das obras de Henri Pirenne (em particular o artigo “Les periodes de l’historie du capitalism” em Academie Royale de Belgique. Boletim de la Classe des Lettres, 1914) e Johan Huizinga (O Outono da Idade Média, 1919).

Dorothy Sayers, um acadêmico notável na literatura medieval, bem como um famoso escritor de livros de detetive, opôs-se fortemente ao termo. No prefácio de sua tradução de The Song of Roland , ela escreve: “Esse mundo recém-lavado de sol claro e cor brilhante, que chamamos de Idade Média (como se fosse de meia-idade), talvez tenha um direito melhor do que o verão soprado do Renascimento para ser chamado de Idade do Re-Nascimento “.

Problemas de periodização

É difícil decidir quando a Idade Média terminou; na verdade, os estudiosos atribuem diferentes datas em diferentes partes da Europa. A maioria dos estudiosos que trabalham na história italiana do século XV , por exemplo, considera-se renascentista , enquanto qualquer pessoa que trabalha em outros lugares da Europa no início do século XV é considerada um “medievalismo”. Outros escolhem eventos específicos, tais como a captura turca de Constantinopla ou o fim do Anglo-Francês Cem Anos Guerra (ambos 1453), a invenção da imprensa por Johann Gutenberg (cerca de 1455), a queda do muçulmano Espanha ou Christopher Columbus ” Viagem para a América (ambos 1492), a Reforma Protestantecomeçando em 1517, ou a Batalha de Lepanto (1571) para marcar o final do período. Na Inglaterra, a mudança de monarcas ocorrida em 22 de agosto de 1485 na Batalha de Bosworth é muitas vezes considerada como marcada no final do período, Richard III representando o antigo mundo medieval e os Tudors , uma nova casa real e um novo período histórico. [13]

Diferenças semelhantes agora emergem em conexão com o início do período. Tradicionalmente, a Idade Média teria começado quando o Império Romano do Oeste formalmente deixou de existir em 476. No entanto, essa data não é importante em si mesma, já que o Império Romano do Oeste tinha sido muito fraco por algum tempo, enquanto a cultura romana era sobreviver pelo menos na Itália há algumas décadas ou mais. Hoje, alguns datam do início da Idade Média para a divisão e cristianização do Império Romano (quarto século); outros, como Henri Pirenne, vêem o período até a ascensão do Islã (século VII) como “clássico tardio”. Outro argumento para um início tardio para a Idade Média foi apresentado por Peter Brown. Brown defendeu a idéia de Antiguidade tardia, um período culturalmente distinto do Império precedente e do resto da Idade Média. O argumento de Brown reside menos nas mudanças econômicas no Mediterrâneo do que na mudança social e religiosa dentro do Império entre 300 e 750. Para Brown, o lento colapso do Império permitiu um período de grande criatividade e expressividade em que o cristianismo floresceu e se institucionalizou.

A Idade Média na Europa Ocidental é muitas vezes subdividida em três intervalos. Isso inclui um período inicial (às vezes chamado de ” Era das Trevas ” , pelo menos do quinto ao oitavo séculos) de políticas de mudança, um nível relativamente baixo de atividade econômica e incursões bem sucedidas por povos não cristãos (eslavos, árabes , escandinavos , magiares ). O período médio (Alta Idade Média) segue, um tempo de instituições desenvolvidas de senhorio e vassalagem, construção de castelo e guerra montada e revitalização da vida urbana e comercial. O último período é um período posterior de aumento do poder real, o aumento dos interesses comerciais e o enfraquecimento dos laços habituais de dependência, especialmente após a praga do século catorze.

Notas

  1. ↑ Online Etymology Dictionary -medieval ” Definição do Online Etymology Dictionary – Consultado em 22 de outubro de 2007.
  2. ↑ Quando o termo “Era das Trevas” é usado pelos historiadores de hoje, pretende ser neutro, ou seja, expressar a idéia de que os eventos do período muitas vezes nos parecem “escuros” apenas por causa da escassez de registros históricos em comparação com os tempos posteriores. Kathleen Verdun, “Medievalismo” 389-397. Secções “Medievalismo vitoriano”, “Europa do século XIX”, “Medievalismo na América 1500-1900”, “O século 20” em William Chester Jordon. Dicionário da Idade Média, Suplemento 1. 2004.
  3. ↑ Paul Freedman, “Estudos Medievais”, 383-389 em Jordon. Dicionário da Idade Média, Suplemento 1. 2004.
  4. ↑ IN Madeira. Os reinos merovíngicos, 450-751. (Londres: Longman, 1994 ISBN 9780582218789 )
  5. ↑ Pierre Riché. Os carolíndianos: uma família que forjou a Europa. (Série da Idade Média) (Filadélfia: University of Pennsylvania Press, 1993 ISBN 9780812230628 )
  6. ↑ Embora a senhorita dominicus faça aparências durante a segunda metade do século VIII, é após 800 EC que foram institucionalizadas
  7. ↑ Barbara H. Rosenwein. Rhinoceros Bound: Cluny no século X. A idade média. (Filadélfia: University of Pennsylvania Press, 1982 ISBN 9780812278309 )
  8. ↑ 8.0 8.1 8.2 Louis Bréhier, “Cruzadas” na Enciclopédia Católica . recuperado em 17 de janeiro de 2008.
  9. ↑ Amin Maalouf, The Crusades Through Arab Eyes (Nova York: Schocken Books, 1985, ISBN 9780805240047 ).
  10. ↑ Adrian House e Karen Armstrong, Francis of Assisi: A Revolutionary Life (Londres: Hidden Spring, 2000, ISBN 1587680092 ), 212-213
  11. ↑ Donald Kagan, Steven E. Ozment e Frank M. Turner. O Patrimônio Ocidental. (Nova Iorque: Macmillan Pub. Co, 1991. ISBN 9780023619137 )
  12. ↑ FC Robinson, “Medieval, a Idade Média”. Espéculo 59 (4) (1984): 745-756
  13. ↑ David Prudames, “A loteria Cash começa a procurar o campo de batalha Real Bosworth”, 24Hour Museum , 20 de janeiro de 2005, o sorteio da Loteria começa a procurar o campo de batalha real de Bosworth – Recuperado em 22 de outubro de 2007.

Referências

  • Dicionário da Idade Média. Joseph R. Strayer, editor-chefe, NY: Scribner, 1989. ISBN 0684190737
  • Eco, Umberto. O Nome da Rosa. San Diego: Harcourt Brace Jovanovich, 1983. ISBN 9780151446476 (Novela na Idade Média – em uma configuração monástica).
  • Freedman, Paul, “Medieval Studies”, 383-389 em Jordon. Dicionário da Idade Média, Suplemento 1. 2004. Charles Scribner’s Sons, (1989 original). ISBN 0684190737
  • Gies, Frances e Joseph Gies. Mulheres na Idade Média. Nova Iorque: Crowell, 1978. ISBN 9780690017243
  • House, Adrian e Karen Armstrong. Francisco de Assis: uma vida revolucionária. Londres: Hidden Spring, 2000. ISBN 1587680092
  • Kagan, Donald, Steven E. Ozment e Frank M. Turner. O Patrimônio Ocidental. Nova Iorque: Macmillan Pub. Co, 1991. ISBN 9780023619137
  • Logan, F. Donald. Uma História da Igreja na Idade Média. London: Routledge, 2002. ISBN 9780415132886
  • Maalouf, Amin. As Cruzadas Através dos Olhos Árabes. Nova York: Schocken Books, 1985. ISBN 9780805240047
  • Minnis, AJ e Ian Johnson. A História da Crítica Literária de Cambridge. Volume 2, A Idade Média. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2005. ISBN 9780521300070
  • Norwich, John Julius. Reis de Shakespeare, os grandes jogos e a história da Inglaterra na Idade Média, 1337-1485. Nova Iorque: Scribner, 2000. ISBN 9780684814346
  • Riché, Pierre. Os carolíndianos: uma família que forjou a Europa. (Série da Idade Média) Filadélfia: University of Pennsylvania Press, 1993. ISBN 9780812230628
  • Robinson, FC “Medieval, a Idade Média”. Speculum 59 (4) (1984): 745-756.
  • Rosenwein, Barbara H. Rhinoceros Encadernado: Cluny no século X. A idade média. Filadélfia: University of Pennsylvania Press, 1982. ISBN 9780812278309
  • Wood, IN The Merovingian Kingdoms, 450-751. Londres: Longman, 1994. ISBN 9780582218789

links externos

Todos os links foram recuperados em 27 de setembro de 2014.

Artigos Relacionados

Um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar