História

Raúl Alfonsín – Mandato presidencial

Avalie esta aula

Embora Alfonsín tenha começado a administração de forma popular devido ao julgamento de crimes de guerra e à consolidação das instituições democráticas da Argentina, sua incapacidade de evitar o agravamento das crises econômicas fez com que sua popularidade diminuísse.

Raul Ricardo Alfonsín Foulkes foi um advogado, político e estadista argentino que serviu como Presidente da Argentina de 10 de dezembro de 1983 a 8 de julho de 1989. Três dias depois de assumir o cargo de presidente, Alfonsín enviou um projeto de lei ao Congresso revogando a lei de auto-anistia estabelecida pelos militares. O Julgamento das Juntas começou no Supremo Tribunal em abril de 1985 e foi a primeira vez que os líderes de um golpe militar foram levados a julgamento na Argentina.

A primeira prioridade de Alfonsín, enquanto no cargo, era consolidar a democracia no país, incorporar as forças armadas ao seu papel padrão dentro de um governo civil e impedir novos golpes militares.

Os sindicatos trabalhistas ainda eram controlados por elementos peronistas, e Alfonsín procurou reduzir sua influência, temendo que eles pudessem se tornar forças desestabilizadoras para a democracia nascente.

Alfonsín começou seu mandato com muitos problemas econômicos. A dívida externa da Argentina era de quase US $ 43 bilhões até o final de 1983, e o país impediu por pouco um default soberano em 1982.

O plano austral congelou preços e salários, sufocando a inflação por algum tempo; prender temporariamente a impressão de papel-moeda; arranjado para cortes de gastos; e estabeleceu uma nova moeda, o Austral. No entanto, a inflação subiu novamente no final de 1985, a CGT se opôs ao congelamento dos salários, e a comunidade empresarial se opôs ao congelamento de preços.

Em 1987, o governo de Alfonsín tentou novas medidas para melhorar o estado da economia da Argentina, aumentando os impostos e as privatizações, enquanto diminuía os gastos. No entanto, muitas medidas não puderam ser efetivamente cumpridas e o governo perdeu as eleições de 1987, bem como as eleições gerais de 1989.

Termos chave

responsabilidade de comando : Às vezes referida como responsabilidade superior, a doutrina legal da responsabilidade hierárquica em casos de crimes de guerra.

Hiperinflação : Em economia, quando um país experimenta taxas de inflação muito altas e aceleradas, o que corrói o valor real da moeda local e faz com que a população minimize suas posses do dinheiro.

Raul Ricardo Alfonsin Foulkes era um advogado argentino, político e estadista que serviu como presidente da Argentina a partir de 10 de dezembro de 1983 até o dia 8 de julho de 1989. Ele foi eleito deputado na legislatura da província de Buenos Aires, em 1958, durante a presidência de Arturo Frondizi e um deputado nacional durante a presidência de Arturo Umberto Illia.

Ele se opôs a ambos os lados da Guerra Suja e arquivou vários escritos de Habeas corpus, solicitando a liberdade das vítimas de desaparecimentos forçados durante o Processo Nacional de Reorganização. Ele denunciou os crimes das ditaduras militares de outros países e se opôs a ações de ambos os lados da Guerra das Malvinas. Ele se tornou o líder da União Civil Radical (UCR) após a morte de Ricardo Balbin e foi o candidato Radical para presidente durante as eleições de 1983, que ele ganhou.

imagem

Retrato Presidencial Oficial de Alfonsin, 1984

A posse presidencial de Alfonsin contou com a presença de Isabel Peron em sinal de apoio, apesar das recriminações internas sobre a derrota peronista. O terrorismo de esquerda havia sido neutralizado nessa época, mas ambos os partidos estavam ansiosos para impedir o retorno do regime militar, e havia facções dentro das forças armadas ávidas por restabelecer um governo autoritário.

Três dias depois de assumir o cargo de presidente, Alfonsin enviou um projeto de lei ao Congresso para revogar a lei de auto-anistia estabelecida pelos militares, como ele prometera fazer durante a campanha. Ele também ordenou o início de processos judiciais contra líderes guerrilheiros e militares, bem como a extradição de líderes guerrilheiros que vivem no exterior.

imagem

A posse presidencial de Raúl Alfonsín, 1983

Alfonsin assumiu a presidência após o período mais sombrio do governo ditatorial na história moderna da Argentina.

Leitura sugerida para entender melhor esse texto:

Ministério das Forças Armadas

O Julgamento das Juntas começou no Supremo Tribunal em abril de 1985 e durou o resto do ano. Foi a primeira vez que os líderes de um golpe militar foram julgados na Argentina. Em dezembro, o tribunal proferiu prisão perpétua para Jorge Videla e o ex-chefe da Marinha Emilio Massera, além de uma sentença de 17 anos para Roberto Eduardo Viola.

Os julgamentos foram seguidos por ataques a bomba e rumores de protestos e golpes militares. A fim de apaziguar os militares, Alfonsin propôs a lei de parada total, que estabeleceu um prazo para os processos relacionados à Guerra Suja. O Congresso aprovou a lei apesar da forte oposição pública. Os promotores correram para iniciar os casos antes do prazo final, registrando 487 acusações contra 300 policiais, dos quais 100 ainda estavam em serviço ativo.

Dois policiais se recusaram a comparecer no tribunal, iniciando motins em Córdoba e Campo de Mayo. Os rebeldes foram referidos como Carapintadas, que é espanhol para “caras pintadas”, uma referência ao uso de camuflagem militar.

A Confederação Geral do Trabalho (CGT) convocou uma greve geral em apoio a Alfonsin, e grandes massas reuniram-se na Plaza de Mayo para apoiar o governo. Alfonsin negociou diretamente com os rebeldes e garantiu sua rendição. No entanto, o momento foi explorado pelos partidos militar e de oposição, e eles pintaram o resultado como uma rendição por Alfonsin.

A primeira prioridade de Alfonsin durante o governo foi consolidar a democracia no país, incorporar as forças armadas ao seu papel normal dentro de um governo civil e impedir novos golpes militares. Ele usou o orçamento e cortes de pessoal para tentar reduzir o poder político dos militares. Apesar da revogação da auto-anistia e do julgamento de oficiais superiores, Alfonsin estava disposto a rejeitar acusações contra militares de baixo escalão sob o princípio de responsabilidade de comando.

Também criou a Comissão Nacional do Desaparecimento de Pessoas (CONADEP), composta por várias personalidades conhecidas, para documentar casos de desaparecimentos forçados, violações de direitos humanos e seqüestro de crianças. No seu relatório “Nunca mas”,

Relação com sindicatos

Os sindicatos trabalhistas ainda eram controlados por elementos peronistas, e Alfonsin procurou reduzir sua influência, temendo que eles se tornassem forças desestabilizadoras para a democracia nascente. Ele rejeitou o costume de realizar eleições internas de candidatura única e considerou que as administrações sindicais eram mais totalitárias do que um reflexo genuíno das demandas da força de trabalho. Ele propôs mudar as leis pelas quais as eleições internas eram respeitadas e remover os líderes sindicais nomeados durante as juntas militares.

A CGT rejeitou a proposta, alegando que era muito intervencionista, e levou políticos peronistas a votarem contra ela. A lei foi aprovada pela Câmara dos Deputados, mas não conseguiu passar no Senado por um voto. Propunha-se uma segunda proposta que simplesmente exigia novas eleições internas, sem alterar as leis pelas quais se apoiavam, e essa conta foi aprovada. Como resultado, os sindicatos mantiveram-se em grande parte peronista.

Alfonsin fez uso de um regulamento estabelecido durante a junta que permitia ao presidente regular o nível dos salários e autorizou aumentos salariais a cada 3 meses para acompanhar a inflação. A CGT rejeitou isso e propôs, em vez disso, que os salários fossem determinados por negociações livres.

Alfonsin permitiu ações de greve, proibidas durante a junta, que também permitiram aos sindicatos expandir sua influência. Houve 13 greves gerais e milhares de conflitos trabalhistas menores durante sua administração. Conflitos centraram-se em torno da inflação alta, e os sindicatos continuaram apoiando o presidente em face de rebeliões militares e apesar das diferenças políticas.

Política econômica

Alfonsin começou seu mandato com muitos problemas econômicos. A dívida externa da Argentina era de quase 43 bilhões de dólares até o final de 1983, e o país impediu um default soberano em 1982. Durante esse ano, o PIB caiu 5,6% e os lucros da indústria caíram 55%. O desemprego foi de cerca de dez por cento e a inflação foi de quase 209%. Também parecia improvável que o país recebesse investimentos estrangeiros extremamente necessários.

Muitas soluções possíveis, como a desvalorização da moeda, a privatização da indústria ou restrições às importações, teriam se mostrado impopulares. Em vez disso, Bernardo Grinspun, o primeiro ministro da economia, conseguiu aumentar os salários, o que fez com que a inflação diminuísse significativamente. Também foram feitas negociações para obter condições mais favoráveis ​​sobre a dívida externa do país, mas estas não tiveram sucesso. Grinspun renunciou em março de 1985, quando a dívida atingiu US $ 1 bilhão. Ele foi sucedido por Juan Vital Sourrouille, que desenvolveu o plano austral.

Este plano foi um sucesso a curto prazo. Ele congelou preços e salários, sufocando a inflação por algum tempo; prender temporariamente a impressão de papel-moeda; arranjado para cortes de gastos, e estabeleceu uma nova moeda, o Austral. No entanto, a inflação voltou a subir no final de 1985, a CGT se opôs ao congelamento dos salários,

Com o apoio do Banco Mundial, o governo de Alfonsin tentou novas medidas para melhorar o estado da economia da Argentina em 1987. O governo aumentou os impostos e as privatizações e diminuiu os gastos. No entanto, muitas dessas medidas não puderam ser efetivamente cumpridas e o governo perdeu as eleições de 1987.

Muitos dos grandes sindicatos que anteriormente apoiavam o governo tentaram se distanciar dele, e a comunidade empresarial não conseguiu sugerir um curso claro de ação para resolver a crise que estava se desenrolando. Um “plano de primavera” foi proposto para manter a economia estável até que as eleições gerais ocorressem em 1989. O plano consistia em congelar preços e salários, bem como reduzir o déficit federal e receber ainda pior recepção pública do que o plano Austral, sem partidos políticos. endossando totalmente.

Enquanto isso, o Banco Mundial e o FMI recusaram-se a conceder crédito à Argentina, e muitos grandes exportadores recusaram-se a vender dólares para seu banco central, esgotando as reservas. O austral foi desvalorizado em fevereiro de 1989 e a já alta inflação evoluiu para hiperinflação. Como resultado, o governo de Alfonsin perdeu a eleição geral para o peronista Carlos Menem.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close