História

História do Feudalismo – feudo e o sistema feudal

O feudalismo é um sistema político de poder disperso e equilibrado entre o rei e os nobres. Este é um que  e refere-se a um conjunto geral de obrigações legais e militares recíprocas entre a nobreza guerreira da Europa durante a Idade Média , girando em torno dos três conceitos-chave de senhores, vassalos e feudos.

No entanto, existem outras definições de feudalismo. Desde pelo menos a década de 1960, muitos historiadores medievais incluíram um aspecto social mais amplo, acrescentando os laços camponeses do feudalismo, denominados “sociedade feudal”. Ainda outros, desde a década de 1970, reexaminaram a evidência e concluíram que o feudalismo é um termo inviável que deve ser removido inteiramente da discussão acadêmica e educacional, ou pelo menos apenas usado com qualificação e aviso severos. Fora de um contexto europeu, o conceito de feudalismo normalmente é usado apenas por analogia (chamado “semi-feudal”), na maioria das vezes em discussões sobre o Japão sob os shoguns e às vezes, medieval e Gondarine Etiópia .

Geralmente, o feudalismo foi considerado como o tecido da sociedade medieval e o estágio de desenvolvimento social e econômico que precedeu o capitalismo. Como tal, o feudalismo proporcionou estabilidade nas sociedades, restaurando a ordem pública e fortalecendo a monarquia. Conforme a humanidade progrediu, no entanto, esse sistema foi destruído e a Revolução Industrial mudou a estrutura das sociedades, permitindo um maior desenvolvimento da ciência e da tecnologia na era moderna.

Etimologia

A palavra “feudalismo” não era um termo medieval, mas uma invenção dos advogados franceses e ingleses do século XVI para descrever certas obrigações tradicionais entre membros da aristocracia guerreira . Não até 1748 tornou-se uma palavra popular e amplamente utilizada, graças ao De L’Esprit des Lois de Montesquieu (O Espírito das Leis) .

O primeiro uso conhecido do termo feudal foi no século XVII (1614), quando o sistema que pretendia descrever estava rapidamente desaparecendo ou desapareceu inteiramente. Nenhum escritor no período em que o feudalismo deveria ter florescido já usou a própria palavra. Era uma palavra pejorativa usada para descrever qualquer lei ou costume que fosse considerado injusto ou desatualizado. A maioria dessas leis e costumes estava relacionada de algum modo com a instituição medieval do feudo (Latin: Feodum, uma palavra que aparece pela primeira vez em uma carta franca datada de 884) e, portanto, agrupada sob este único termo. “Feudalismo” vem do francês féodalismo, uma palavra inventada durante a Revolução Francesa .

Toda peculiaridade de política, costume e mesmo temperamento é rastreada para essa origem feudal … Espero ver o uso de mangueira e aleta de manteiga atribuída à influência do sistema feudal (Humphry Clinker, 1771).

História do Feudalismo

Camponeses arando na frente de um castelo, manuscrito francês c. 1415.

A sociedade feudal é um termo, às vezes debatido, usado para descrever a ordem social medieval da Europa ocidental e central e às vezes o Japão(particularmente nos séculos XIV ao XVI), caracterizado pela sujeição jurídica de uma grande parte do campesinato a uma elite hereditária de propriedade e poder judicial com base em empresas privadas recíprocas. No entanto, alguns tomaram a analogia do feudalismo ainda mais, vendo isso em lugares tão diversos como o antigo Egito , o império parto, a Índia e o sul americano do século XIX. [2]

A validade do termo é questionada por muitos historiadores medievais que consideram a descrição “feudal” apropriada apenas aos vínculos especificamente voluntários e pessoais de proteção mútua, lealdade e apoio entre os membros da elite administrativa, militar ou eclesiástica, com exclusão de involuntários obrigações vinculadas à posse de terras “não livres”.

Características

Três elementos principais caracterizaram o feudalismo: senhores, vassalos e feudos; A estrutura do feudalismo pode ser vista em como esses três elementos se encaixam. Um senhor era um nobre que era dono da terra, um vassalo era uma pessoa que era concedida à terra pelo senhor, e a terra era conhecida como feudo. Em troca do feudo, o vassalo proporcionaria serviço militar ao senhor. As obrigações e as relações entre senhor, vassalo e feudo são a base do feudalismo.

Senhores, vassalos e feudos

Antes que um senhor pudesse conceder uma terra (um feudo) a alguém, ele tinha que tornar essa pessoa um vassalo. Isso foi feito em uma cerimônia formal e simbólica chamada cerimônia de louvor composta pelo ato em duas partes de homenagem e juramento de fidelidade. Durante a homenagem, o senhor e o vassalo entraram em um contrato no qual o vassalo prometeu lutar pelo senhor à frente dele. O bem vem das fidelitas latinas e denota a fidelidade devida por um vassalo ao seu senhor feudal. “Fealty” também se refere a um juramento que reforça mais explicitamente os compromissos do vassal feito durante a homenagem. Tal juramento segue a homenagem. Uma vez que o elogio foi concluído, o senhor e o vassalo estavam agora em uma relação feudal com as obrigações mútuas acordadas entre si.

A principal obrigação do senhor era conceder um feudo, ou suas receitas, ao vassalo; O feudo é o principal motivo pelo qual o vassalo escolheu entrar no relacionamento. Além disso, o senhor às vezes teve que cumprir outras obrigações para o vassalo e feudo. Uma dessas obrigações era a manutenção. Como o senhor não havia dado a terra, apenas emprestou, era ainda a responsabilidade do senhor manter a terra, enquanto o vassalo tinha o direito de cobrar as receitas geradas. Outra obrigação que o senhor tinha que cumprir era proteger a terra e o vassalo contra danos.

A obrigação principal do vassalo para com o senhor era fornecer “ajuda”, ou serviço militar. Usando qualquer equipamento que o vassalo pudesse obter em virtude das receitas do feudo, o vassalo era responsável por responder a chamadas ao serviço militar em nome do senhor. Esta segurança de ajuda militar foi o principal motivo pelo qual o senhor entrou no relacionamento feudal. Além disso, o vassalo às vezes tinha que cumprir outras obrigações para com o senhor. Uma dessas obrigações era fornecer ao senhor o “conselho”, de modo que, se o senhor enfrentasse uma decisão importante, como se fosse ou não a guerra, convocaria todos os seus vassalos e organizaria um conselho. O vassalo pode ter sido obrigado a ceder uma certa quantidade de produção da fazenda para o seu senhor.

As relações de feudalismo que revestem a terra giravam em torno do feudo. Dependendo do poder do senhor concedente, os subsídios podem variar em tamanho de uma pequena fazenda para uma área de terra muito maior. O tamanho dos fiefs foi descrito em termos irregulares bastante diferentes dos termos da área moderna; veja os termos da terra medieval. A relação senhor-vassal não se restringia aos membros dos leigos; Bispos e abades , por exemplo, também eram capazes de agir como senhores.

Havia, portanto, diferentes “níveis” de senhorio e vassalagem. O rei era um senhor que emprestava feudos a aristocratas, que eram seus vassalos. Enquanto isso, os aristocratas eram, por sua vez, senhores de seus próprios vassalos, os camponeses que trabalhavam em suas terras. Em última análise, o imperador era um senhor que emprestava fiefs a reis, que eram seus vassalos. Isso tradicionalmente constituiu a base de uma “monarquia universal” como uma aliança imperial e uma ordem mundial.

Características comuns das sociedades feudais

As características comuns entre as sociedades feudais, mas que não as definem necessariamente, incluem:

  1. Uma economia grandemente agrária, com troca de dinheiro limitada, que exige a dispersão da autoridade política e a substituição de acordos envolvendo apoio econômico de recursos locais.
  2. A força da Igreja como aliado e contrapartida da estrutura civil-militar, apoiada pelo seu direito a uma parte (dízimo) da produção da sociedade, bem como a terras substanciais, e dotada de autoridade específica e responsabilidade pelo bem-estar moral e material.
  3. A existência de estruturas e fenômenos não por si próprios explicitamente feudais (organizações urbanas e aldeias, poder executivo real, participações camponesas gratuitas, atividade financeira e comercial), mas cada uma incorporada ao todo.

Paralelamente a semelhanças tão largas, é importante notar as divergências tanto dentro como entre as sociedades feudais (nas formas ou complexidade da associação nobre, na extensão da dependência camponesa ou na importância dos pagamentos monetários), bem como as mudanças ocorridas ao longo do tempo dentro da estrutura geral (como na caracterização de Bloch do início do século XI de uma “segunda era feudal”). [3]

Em particular, deve-se evitar prever a ordem social em termos de uma “pirâmide feudal” regular, com cada homem ligado a um senhor superior e o grau de cada um claramente definido, em uma cadeia regular de lealdades que se estende do rei no topo para o campesinato no fundo: além do contraste entre a obrigação livre e livre, a fidelidade era freqüentemente atribuída a mais de um senhor, enquanto um indivíduo pode possuir atributos de mais de um grau.

Nem a teoria medieval das “três propriedades” ou as “três ordens” da sociedade feudal – “aqueles que fazem guerra” ( milhas,cavaleiros), “aqueles que rezam” (sacerdotes, monges) e “aqueles que trabalham” ( camponeses , servos ) ( bellatores, oratores laboratores ) devem ser considerados como uma descrição completa da ordem social: enquanto os excluídos dos primeiros dois vieram ao longo do tempo para serem contados entre os terceiros, os nobres e clérigos assumiram funções administrativas no estado feudal , enquanto o apoio financeiro dependia cada vez mais de um substituto do serviço militar direto.Nobres foram definidos pela ocupação que obtiveram e não mais por direito de nascimento e são colocados no poder pela investidura.

Os valores dos homens que lutaram sob a primeira das “três ordens” foram primeiro, seu cavalo, segundo, seu filho e terceiro, sua esposa. Um cavalo de soldado, na sociedade feudal, era considerado o preço de duas e meia gerações ou dois homens e um menino. O papel das mulheres consistiu em manter a economia doméstica: camponeses controlados e regulando o que as culturas serão e não serão cultivadas e vendidas.

“Aqueles que oraram” consistiam em sacerdotes, monge e outras autoridades da igreja. A igreja apoiou voluntariamente as três ordens. “Aqueles que trabalham”, camponeses e servos, consistiam na maioria da população e sofreram o máximo.

Enquanto poucos negariam que a maioria da França , Inglaterra , partes da Espanha e Países Baixos, Alemanha ocidental e central e (pelo menos por um tempo), a Itália do Norte e Central satisfez os critérios de Bloch durante grande parte do período, o conceito permanece de maior uso como um dispositivo interpretativo para o estudo comparativo dos fenômenos locais, e não como uma definição geral da ordem social medieval.

História

Primeiras formas de feudalismo na Europa

A sociedade feudal evoluiu em sua forma desenvolvida no coração do norte francês da monarquia carolíngia nos séculos oitavos, mas também tem antecedentes na prática romana tardia. O feudalismo alcançou sua forma mais desenvolvida no reino latino de Jerusalémnos séculos XII e XIII. Os acordos de vassalagem semelhantes ao que mais tarde se desenvolveriam em feudalismo medieval legalizado originaram-se da mistura de antigas tradições romanas e germânicas. Os romanos tinham um costume de patrocínio pelo qual um patrono mais forte proporcionaria proteção a um cliente mais fraco em troca de presentes, apoio político e prestígio. No campo do Império posterior, as reformas de Diocleciano e seus sucessores tentaram colocar certos empregos, principalmente a agricultura, de forma hereditária. À medida que a autoridade governamental diminuiu e aumentou a ilegalidade rural (como a do Bagaudae), esses agricultores foram cada vez mais forçados a confiar na proteção do proprietário local e um nexo de interdependência foi criado: os proprietários dependiam dos camponeses do trabalho,

Alemães antigos tinham um costume de igualdade entre os guerreiros, um líder eleito que manteve a maioria da riqueza (terra) e que distribuiu a membros do grupo em troca da lealdade.

O surgimento do feudalismo

A Europa do início da Idade Média caracterizou-se pelo declínio econômico e populacional e pela ameaça externa. O feudalismo evoluiu como uma forma de manter uma população estável envolvida na agricultura (as cidades estavam em declínio desde o fim do Império Ocidental) e para garantir que as taxas poderiam ser levantadas para enfrentar ameaças externas.

Declínio do feudalismo

O feudalismo havia começado como um contrato , a troca de posse de terras pelo serviço militar. Ao longo do tempo, como os senhores já não podiam fornecer novas terras aos seus vassalos, nem reforçavam o direito de reatribuir terras que se tornaram de propriedade hereditária de fato , o feudalismo tornou-se menos sustentável como uma relação de trabalho. No século XIII, a economia européia estava envolvida em uma transformação de uma região principalmente agráriasistema para um que era cada vez mais baseado em dinheiro e misturado. A Guerra dos Cem Anos instigou esta transformação gradual como pagamento do soldado tornou-se uma quantidade de ouro em vez de terra. Portanto, foi muito mais fácil para um monarca pagar cidadãos de baixa classe em riqueza mineral e muitos outros foram recrutados e treinados, colocando mais ouro em circulação, prejudicando o feudalismo terrestre. A propriedade da terra ainda era uma importante fonte de renda, e ainda o status social definido, mas mesmo nobres ricos queriam mais recursos líquidos, seja para bens de luxo ou para providenciar guerras. Esta corrupção da forma é muitas vezes referida como “feudalismo bastardo”. Um vassalo nobre deveria lidar com a maioria dos problemas locais e nem sempre poderia esperar ajuda de um rei distante. Os nobres eram independentes e muitas vezes não queriam cooperar para uma causa maior (serviço militar). No final da Idade Média, os reis estavam buscando uma maneira de se tornar independente dos nobres intencionais, especialmente pelo apoio militar. Os reis primeiro contrataram mercenários e, mais tarde, criaram exércitos nacionais em pé.

A morte negra do século XIV devastou a população da Europa, mas também desestabilizou a base econômica da sociedade. Por exemplo, na Inglaterra, os vilões eram muito mais propensos a deixar o território senhorial – buscando um trabalho melhor remunerado em cidades atingidas por uma falta de mão-de-obra, enquanto a coroa respondeu à crise econômica ao impor um imposto de votação . A crise social resultante manifestou-se na revolta dos camponeses.

Exemplos de feudalismo

O feudalismo foi praticado de muitas maneiras diferentes, dependendo da localização e do período de tempo, portanto, uma definição conceitual abrangente de alto nível nem sempre fornece ao leitor a compreensão íntima que o detalhe do exemplo histórico fornece.

No século XVIII, os escritores do Iluminismo escreveram sobre o feudalismo para denigrar o sistema antiquado do Antigo Régime ou a monarquia francesa. Esta era a Era do Iluminismo, quando Razão era rei e a Idade Média era pintada como a ” Era das Trevas “. Os autores da iluminação geralmente se burlavam e ridicularizavam qualquer coisa da “Era das Trevas”, incluindo o feudalismo, projetando suas características negativas sobre a atual monarquia francesa como um meio de ganho político.

Karl Marx também usou o termo para fins políticos. No século XIX, Marx descreveu o feudalismo como a situação econômica diante do inevitável surgimento do capitalismo. Para Marx, o que definiu o feudalismo era que o poder da classe dominante (a aristocracia) descansava no controle das terras aráveis, levando a uma sociedade de classes baseada na exploração dos camponeses que cultivam essas terras, geralmente sob a servidão . “O moinho de mão te dá sociedade com o senhor feudal; o moinho de vapor, a sociedade com o capitalista industrial “( The Poverty of Philosophy (1847), capítulo 2). Marx considerou assim o feudalismo dentro de um modelo puramente econômico.

França do século 11

Entre as complexidades dos acordos feudais, não existia nenhuma garantia de que os contratosentre o senhor e o vassalo seria honrado, e os contratos feudais viam pouca aplicação daqueles com maior autoridade. Isso muitas vezes resultou no partido mais rico e mais poderoso, aproveitando os mais fracos. Tal foi (alegadamente) o caso de Hugh de Lusignan e suas relações com seu senhor William V de Aquitânia. Entre 1020 e 1025, Hugh escreveu ou, possivelmente, ditou uma queixa contra William e seus vassalos, descrevendo o tratamento injusto que recebeu nas mãos de ambos. Hugh descreve uma mistura enrolada de lealdades que caracterizaram o período e contribuíram para desenvolver a tensão entre os nobres que resultaram em competição pela terra do outro. De acordo com a conta de Hugh, William o feriu em várias ocasiões, muitas vezes em benefício dos vassalos de William. Muitas de suas propriedades sofreram destinos semelhantes: apreendido por opositores e dividido entre eles e William. William, aparentemente, negligenciou enviar ajuda militar a Hugh quando necessário e tratou de forma mais injusta no intercâmbio de reféns. Cada vez que Hugh reclamava uma de suas propriedades, William ordenou que ele a devolvesse a quem a tivesse retirado recentemente. William rompeu vários juramentos sucessivos, mas Hugh continuou a colocar fé na palavra de seu senhor, para sua própria ruína. Em seu último contrato com William, sobre a posse do castelo de seu tio em Chizes, Hugh tratou em termos inequívocos e com linguagem franca: William ordenou que ele o devolvesse a quem o tivesse retirado recentemente. William rompeu vários juramentos sucessivos, mas Hugh continuou a colocar fé na palavra de seu senhor, para sua própria ruína. Em seu último contrato com William, sobre a posse do castelo de seu tio em Chizes, Hugh tratou em termos inequívocos e com linguagem franca: William ordenou que ele o devolvesse a quem o tivesse retirado recentemente. William rompeu vários juramentos sucessivos, mas Hugh continuou a colocar fé na palavra de seu senhor, para sua própria ruína. Em seu último contrato com William, sobre a posse do castelo de seu tio em Chizes, Hugh tratou em termos inequívocos e com linguagem franca:

Hugh: Você é meu senhor, não aceito uma promessa de você, mas simplesmente confiarei na misericórdia de Deus e de você mesmo.
William: Desista de todas as afirmações sobre as quais você me brigou no passado e me jurar fidelidade e meu filho e eu lhe damos a honra de seu tio [Chizes] ou algo de igual valor a troca disso.
Hugh: Meu senhor, eu imploro por Deus e este crucifixo abençoado que é feito na figura de Cristo que você não me faz fazer isso se você e seu filho pretendessem me ameaçar com trapaça.
William: Em minha honra e meu filho, farei isso sem enganar.
Hugh:E quando eu tiver jurado fidelidade a você, você exigirá o castelo de Chize de mim, e se eu não o entregar a você, você dirá que não é certo que eu nega você o castelo que eu seguro de você, e Se eu devesse voltar para você, você e seu filho vão aproveitá-lo porque você não deu nada em penhor, exceto a misericórdia de Deus e você mesmo.
William: Nós não faremos isso, mas se devemos exigir isso de você, não nos entregue a nós.

Embora seja talvez um embellishment da verdade por causa da causa de Hugh, e não necessariamente um microcosmo do sistema feudal em todos os lugares, o Acordo entre Lord e Vassal é evidência pelo menos de corrupção no domínio feudal.

Inglaterra do século XII

Feudalismo no século XII, a Inglaterra estava entre as melhores estruturadas e estabelecidas na Europa na época. No entanto, pode ser estruturalmente complexo, o que é ilustrado pelo exemplo da baronha de Stafford como descrito em uma pesquisa de tarifas de cavaleiros chamado The Black Book Exchequer (1166).

O feudalismo é o intercâmbio de terra para o serviço militar, portanto, tudo se baseou no que foi chamado de taxa do cavaleiro, que era a quantidade de dinheiro e / ou serviço militar que um feudo era obrigado a pagar para apoiar um cavaleiro. Assim, um feudo poderia fornecer o serviço de um cavaleiro, ou uma quantidade equivalente de dinheiro para permitir que um senhor contrata um cavaleiro.

O valor da taxa do cavaleiro de um feudo variou de acordo com o tamanho e os recursos de um feudo particular. O senhor de Stafford, Robert de Stafford, era responsável por taxas de 60 cavaleiros por seu feudo de Stafford. Robert sub-deixou 51 das taxas de 60 cavaleiros sob a forma de 26 sub-fiefs, o maior feudo proporcionou 6 taxas, enquanto os menores 2/3 de uma taxa. Assim, no total, os 26 subfícios pagaram 51 taxas. Além disso, alguns desses subfícios tinham sub-sub-fiefs com taxas próprias, e às vezes eram uma camada abaixo disso. No total, 78 fiefs eram parte da propriedade de Stafford, 26 deles relatando diretamente a Robert e as demais camadas abaixo. Era um sistema de inquilinos e arrendamentos e sub-inquilinos e sub-arrendamentos e assim por diante, cada camada relatando vassalagem para a próxima camada. A taxa do cavaleiro era a unidade de base comum da denominação.

Alguns dos inquilinos de Stafford eram próprios senhores, e isso ilustra o quão complexas as relações de senhor e vassalo poderiam se tornar. Henry d’Oilly, que detinha 3 taxas de Robert of Stafford, também detinha mais de 30 taxas em outros lugares que lhe foram concedidas diretamente pelo rei. Assim, enquanto Henry era o vassalo de seu senhor Robert, Henry era ele mesmo um senhor e tinha muitos subfícios que ele também conseguiu. Também teria sido possível e não incomum para uma situação em que Robert de Stafford fosse um vassalo de Henry em outros lugares, criando a condição de senhoria mútua / vassalagem entre os dois. Esses relacionamentos complexos criaram invariavelmente problemas de fidelidade por meio de conflitos de interesses; para resolver isso, o conceito de um senhor senhor foi criado, o que significava que o vassalo era leal ao seu senhor senhor acima de todos os outros, não importa o que. Contudo,

Do ponto de vista do menor dono da terra, múltiplas redes de senhoria estavam em camadas no mesmo pequeno terreno. Uma crónica do tempo diz que “senhorios diferentes se deitam na terra em diferentes aspectos”. Cada senhor reclamou um certo aspecto do serviço da terra.

Suécia

A variante sueca do feudalismo consistia de proprietários de terras suficientes para se comprometer com a manutenção de um soldado com um cavalo no exército do senhor senhor; Em compensação, obtiveram isenção da tributação da terra (o chamado frälse, bênção). Isso levou a uma barreira na democracia local relativa na era viking , em favor dos senhores locais que conseguiram exercer o poder administrativo e judicial sobre seus vizinhos menos poderosos. O rei também dependia mais de tais vassalos e seus recursos.

Exemplos de semi-feudalismo

Fora de um contexto histórico europeu medieval, o conceito de feudalismo normalmente é usado apenas por analogia (chamado semi-feudal ), na maioria das vezes em discussões sobre o Japão sob os shoguns . Além disso, alguns estados modernos ainda conservam alguns vestígios do feudalismo histórico.

Paquistão e Índia

O sistema Zamindari é muitas vezes referido como um sistema feudal. Inicialmente, o sistema Zamindari foi introduzido no período pré-colonial para cobrar impostos dos camponeses , e continuou durante o domínio colonial britânico. Após a independência, Zamindari foi abolido na Índia e no Paquistão Oriental (atual Bangladesh ), mas ainda está presente no Paquistão . Nos tempos modernos, os historiadores tornaram-se muito relutantes em classificar outras sociedades em modelos europeus e hoje é raro que Zamindari seja descrito como feudal pelos acadêmicos; ainda assim feito em uso popular, mas apenas por razões pejorativas para expressar desfavor, tipicamente por críticos do sistema Zamindari.

Tibete

Em 1264, o senhor feudal sobre o Tibete foi dado a Drogön Chögyal Phagpa, quinto líder da escola Sakya do budismo tibetano pelo imperador mongol Kublai Khan .

Em 1953, a maior parte da população rural – cerca de 700.000 de uma população total estimada de 1.250.000 – eram servos. Atados à terra, foram distribuídos apenas um pequeno pacote para cultivar seus próprios alimentos. Serfs e outros camponeses geralmente não passaram de escolaridade ou cuidados médicos. Eles passaram a maior parte do tempo trabalhando para os mosteiros e lamas de alto nível individuais, ou para uma aristocracia secular que não contava com mais de 200 famílias. Na verdade, eles eram de propriedade de seus mestres que lhes diziam o que as culturas crescem e o que os animais elevam. Não podiam casar sem o consentimento de seu senhor ou lama. Um servo pode ser facilmente separado da família caso o proprietário o envie para trabalhar em um local distante. Servos poderiam ser vendidos por seus mestres, ou submetidos a tortura e morte.

Junto com o clero superior, os líderes seculares fizeram bem. Um exemplo notável foi o comandante em chefe do exército tibetano, que detinha 4.000 quilômetros quadrados de terra e 3.500 servos. Ele também era um membro do gabinete da Dalai Lama .

China

Na República Popular da China, as visões oficiais da história baseiam-se no marxismo e, portanto, tentaram descrever os períodos históricos chineses na terminologia marxista. A história chinesa da Dinastia Zhou para a Dinastia Qing é assim descrita como o “período feudal”. Para fazer isso, novos conceitos tinham que ser inventados, como o feudalismo burocrático, que a maioria dos historiadores ocidentais consideraria uma contradição em termos.

Como resultado desta definição marxista, o feudal, como usado em um contexto chinês, é comumente um termo pejorativo que significa “antigo não científico”. Este uso é comum entre os escritores acadêmicos e populares da China Continental, mesmo aqueles que são anti-marxistas. O uso do termo feudal para descrever um período na história chinesa também foi comum entre os historiadores ocidentais da China nos anos 50 e 60, mas tornou-se cada vez mais raro após a década de 1970. O atual consenso prevalecente entre os historiadores ocidentais é que usar o termo “feudal” para descrever a história chinesa confunde mais do que esclarece, pois assume fortes pontos comuns entre a história chinesa e europeia que pode não existir.

Japão

O shogunato de Tokugawa foi uma ditadura militar feudal do Japão estabelecida no século XVII que dura até 1868. Ele marca um período freqüentemente referido como vagamente como “Japão feudal”, também conhecido como o período de Edo . Enquanto os historiadores modernos tornaram-se muito relutantes em classificar outras sociedades em modelos europeus, no Japão, o sistema de posse da terra e um vassalo recebendo mandato em troca de um juramento de fidelidade é muito próximo do que aconteceu em partes da Europa medieval e, portanto, O termo às vezes é usado em conexão com o Japão.

Escócia

O sistema de posse da terra na Escócia foi até recentemente de natureza esmagadoramente feudal. Em teoria, isso significava que a terra era mantida sob a Coroa como superior supremo feudal. Historicamente, a Coroa faria uma concessão de terras em troca de serviços militares ou outros e os beneficiários, por sua vez, fariam sub-subvenções para outros serviços e assim por diante. Aqueles que fazem concessões – os “superiores” – mantinham um interesse legal na terra (“dominium directum”) e, portanto, uma estrutura hierárquica foi criada com cada propriedade com vários proprietários, coexistindo simultaneamente. Apenas um desses, o vassalo, o que em linguagem normal seria considerado como propriedade da propriedade (“dominium utile”).

A Abolição da Feudal Tenure, etc. (Escócia) Ato 2000 aboliu o sistema feudal de posse da terra na Escócia e substituiu-o por um sistema de propriedade absoluta da terra. [4] Uma vez que o ato tornou-se plenamente efetivo a partir de 28 de novembro de 2004, o vassalo possui a terra e os interesses de superioridade desapareceram. O direito dos superiores feudais para fazer cumprir as condições foi encerrado, sujeito a certas disposições de salvação de natureza restrita. Feu dever foi abolido, embora uma compensação possa ser paga. O atraso entre o parecer favorável real e a entrada em vigor resultou do grande número de acordos de transição que devem ser implementados antes da abolição final e devido à estreita relação que a Lei de 2000 tem com a Lei de Condições de Título de 2003.

Inglaterra moderna

Único na Inglaterra , a vila de Laxton em Nottinghamshire continua a reter alguns vestígios do sistema feudal, onde a terra ainda é cultivada usando o sistema de campo aberto. O tribunal feudal agora só se reúne anualmente, com sua autoridade agora restrita à administração das terras agrícolas.

Sark

A pequena ilha de Sark, nas Ilhas Anglo-Normandas , permaneceu até o início do século XXI como um estado feudal. A ilha é um feudo da maior ilha vizinha de Guernsey e administrada de forma independente por um senhor, que é um vassalo do dono da terra – a Rainha do Reino Unido. Sark foi o último estado feudal restante na Europa.

O órgão dirigente de Sark votou em 4 de outubro de 2006, para substituir os restantes cargos de chefe em pleitos com um governo democrático totalmente eleito, abolindo o senhor, a mudança a ser implementada no verão de 2007. [5]

Feudalismo segundo historiadores

Uso e definição do termo

Clérigo, cavaleiro e camponesa

Entre os medievalistas, o termo feudalismo é um dos conceitos mais disputados. Os seguintes são exemplos históricos que questionam o uso tradicional do termo feudalismo.

Fontes existentes revelam que os primeiros carolíngios tinham vassalos, assim como outros homens líderes no reino. Esta relação tornou-se cada vez mais padronizada nos próximos dois séculos, mas houve diferenças na função e na prática em diferentes locais. Por exemplo, nos reinos alemães que substituíram o reino da França oriental, bem como em alguns reinos eslavos, o relacionamento feudal estava indiscutivelmente mais ligado ao surgimento da Serfdom , um sistema que ligava os camponeses à terra.

Quando Rollo de Normandia se ajoelhou para prestar homenagem a Charles, o Simples, em troca do ducado da Normandia, ele bateu o rei em sua garupa quando ele se levantou, demonstrando desafiadoramente sua visão de que o vínculo era tão forte quanto o senhor. Claramente, foi possível aos “vassalos” desprezar abertamente as relações feudais.

Os normandos governaram de forma autônoma, apesar de quaisquer relacionamentos legais “feudais”. No caso de sua própria liderança, no entanto, os normandos utilizaram a relação feudal para ligar seus seguidores a eles. Foi a influência dos invasores normandos que fortaleceram e, até certo ponto, institucionalizaram a relação feudal na Inglaterra após a Conquista Normanda.

O feudalismo às vezes é usado indiscriminadamente para abranger todas as obrigações recíprocas de apoio e lealdade no lugar do mandato incondicional de posição, jurisdição ou terra. O termo é muitas vezes restringido pela maioria dos historiadores ao intercâmbio de empreendimentos especificamente voluntários e pessoais, com exclusão de obrigações involuntárias ligadas à posse de terras “não livres”: este último é considerado um aspecto do manorialismo, elemento da sociedade feudal mas não do feudalismo propriamente dito.

Precauções sobre o uso do feudalismo

Devido à gama de significados que eles possuem, o feudalismo e os termos relacionados devem ser abordados e usados ​​com considerável cuidado. Um historiador curioso como Fernand Braudel coloca o feudalismo com citações ao aplicá-lo em contextos sociais e econômicos mais amplos, como “o século XVII, quando grande parte da América estava sendo” feudalizada “à medida que as grandes fazendas aparecem” ( The Perspective of the World, 1984 , pág. 403).

As sociedades medievais nunca se descreveram como feudais. A linguagem popular geralmente usa o termo para todos os laços voluntários ou habituais na sociedade medieval ou para uma ordem social em que o poder civil e militar é exercido sob acordos contratuais privados. No entanto, o feudal é mais utilizado apenas para denotar as empresas voluntárias e pessoais que vinculam os senhores e os homens livres para a proteção em troca de apoio que caracterizou a ordem administrativa e militar.

Outros sistemas de posse de terras feudais existiram e continuam a existir em diferentes partes do mundo, incluindo o Japão medieval. [6]

Debatendo as origens do feudalismo inglês

No final do século XIX e início do século XX, John Horace Round e Frederic William Maitland, ambos historiadores da Grã-Bretanha medieval, chegaram a diferentes conclusões sobre o caráter da sociedade inglesa antes da conquista normanda em 1066. Round argumentou que os normandos importaram feudalismo, enquanto Maitland afirmou que seus fundamentos já estavam em vigor na Grã-Bretanha. O debate continua até hoje.

Na concepção mais ampla da sociedade feudal, desenvolvida na década de 1930, pelo historiador francês Annaliste Marc Bloch, as características predominantes incluem a ausência de uma autoridade central forte e a difusão do poder governamental através da concessão de autoridade administrativa e jurídica sobre particular terras (fieis) por senhores superiores (incluindo o rei) aos vassalos jurados por juramento voluntário para apoiá-los ou atendê-los, geralmente (embora não exclusivamente) por meios militares. O segundo maior inquilino é a obrigação atribuída a determinadas explorações de terras que a casa camponesa deve fornecer ao senhor com serviços de mão-de-obra especificados ou uma parte de sua produção (ou dinheiro em vez disso) sujeita ao costume da exploração.

Um historiador cujo conceito de feudalismo continua a ser altamente influente no século XX é François-Louis Ganshof, que pertence a uma geração da Segunda Guerra Mundial . Ganshof define o feudalismo a partir de uma estreita perspectiva jurídica e militar, argumentando que as relações feudais existiam apenas dentro da própria nobreza medieval. Ganshof articulou esse conceito no Feudalismo (1944). Sua definição clássica de feudalismo é o mais conhecido hoje e também o mais fácil de entender: simplesmente, quando um senhor concedeu um feudo a um vassalo, o vassalo forneceu o serviço militar em troca.

Marc Bloch e visões sociológicas do feudalismo

Um dos contemporâneos de Ganshof, historiador francês chamado Marc Bloch, foi indiscutivelmente o historiador medieval mais influente do século XX. Bloch abordou o feudalismo não tanto do ponto de vista jurídico e militar, mas de um ponto de vista sociológico. Ele desenvolveu suas idéias na Sociedade Feudal (1939). Bloch concebeu o feudalismo como um tipo de sociedade que não se limitava unicamente à nobreza. Como Ganshof, ele reconheceu que havia uma relação hierárquica entre os senhores e os vassalos, mas Bloch viu também uma relação semelhante entre os senhores e os camponeses.

É essa noção radical que os camponeses faziam parte da relação feudal que distingue Bloch de seus pares. Enquanto o vassalo realizava o serviço militar em troca do feudo, o camponês realizava trabalho físico em troca de proteção. Ambos são uma forma de relacionamento feudal. De acordo com Bloch, outros elementos da sociedade podem ser vistos em termos feudais; Todos os aspectos da vida foram centrados em “senhoria”, e assim podemos falar útilmente de uma estrutura da igreja feudal, uma literatura feudal cortesia (e anti-cortesia) e uma economia feudal.

Revolta contra o termo feudalismo

Em 1974, a historiadora dos Estados Unidos Elizabeth AR Brown [7] rejeitou o estilo de feudalismo como um anacronismo que confere uma falsa sensação de uniformidade ao conceito. Tendo notado o uso atual de muitas definições muitas vezes contraditórias de feudalismo, ela argumentou que a palavra é apenas uma construção sem base na realidade medieval, uma invenção dos historiadores modernos lida “tiranicamente” no histórico. Os defensores de Brown chegaram a sugerir que o termo deveria ser expurgado dos livros de texto da história e das palestras sobre a história medieval inteiramente. Em Fiefs e Vassals: The Medieval Evidence Reinterpreted(1994), Susan Reynolds expandiu a tese original de Brown. Embora alguns contemporâneos tenham questionado a metodologia de Reynolds, outros historiadores o apoiaram e seu argumento. Note-se que Reynolds não se opõe ao uso marxista do feudalismo.

O termo “feudal” também foi aplicado – muitas vezes de forma inadequada ou pejorativamente – a sociedades não-ocidentais em que instituições e atitudes semelhantes às da Europa medieval são percebidas como tendo prevalecido. Em última análise, dizem os críticos, as várias formas em que o termo “feudalismo” tem sido usado o privaram de um significado específico, levando muitos historiadores e teóricos políticos a rejeitá-lo como um conceito útil para a compreensão da sociedade.

Notas

  1. ↑ Online Etymology Dictionary, Feudal. Retirado em 16 de setembro de 2007.
  2. ↑ web.archive.org, Companheiro do Leitor para História Militar. Recuperado em 27 de dezembro de 2007.
  3. ↑ Marc Bloch, Feudal Society (Chicago: University of Chicago Press, 1961, ISBN 0226059790 ).
  4. ↑ www.opsi.gov.uk, Abolição do Tenor Feudal, etc. (Escócia) Lei 2000. Retirado em 28 de dezembro de 2007.
  5. ↑ BBC News, ilha feudal traz democracia. Recuperado em 28 de dezembro de 2007.
  6. ↑ Jerry H. Bentley, tradições e encontros: uma perspectiva global no passado [2ª ed], página 408
  7. ↑ Elizabeth AR Brown, “A tirania de uma construção: Feudalismo e historiadores da Europa medieval”, American Historical Review (1974): 79.

Referências

  • Bentley, Jerry H. Tradições e Encontros: Uma Perspectiva Global sobre o Passado Volume 1 dos Começos para 1500, 2ª edição. McGraw-Hill, 2003. ISBN 978-0072489798 .
  • Bloch, Marc. Sociedade Feudal. Traduzido por LA Manyon. Chicago: University of Chicago Press, 1961. ISBN 0226059790 .
  • Brown, Elizabeth. “A tirania de uma construção: Feudalismo e historiadores da Europa medieval”. American Historical Review. 79 (1974): 1063-8.
  • Cantor, Normon E. Inventando a Idade Média: As Vidas, Obras e Ideias dos Grandes Medievais do século XX. Quill, 1991.
  • Ganshof, Francois-Lois. Feudalismo. Tr. Philip Grierson. Nova Iorque, NY: Harper e Row, 1964.
  • Guerreau, Alain. L’avenir d’un passé incertain. Paris: Le Seuil, 2001.
  • Poly, Jean-Pierre e Eric Bournazel. A Transformação Feudal, 900-1200. Traduzido por Caroline Higgitt. Nova Iorque :: Holmes e Meier, 1991.
  • Reynolds, Susan. Fiefs e Vassals: The Medieval Evidence Reinterpreted. Oxford: Oxford University Press, 1994. ISBN 0198206488 .

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo