História

Conflito dos Balcãs – Barril de pólvora da primeira guerra mundial

O contínuo colapso do Império Otomano coincidiu com a ascensão do nacionalismo nos Bálcãs, o que levou a um aumento das tensões e conflitos na região. Este “barril de pólvora” foi, portanto, um importante catalisador para a eclosão da Primeira Guerra Mundial.

Pontos chave
  • No início do século 20, a Bulgária, a Grécia, o Montenegro e a Sérvia conquistaram a independência do Império Otomano, mas grandes grupos de suas populações étnicas permaneceram sob o domínio otomano. Em 1912, esses países formaram a Liga dos Balcãs e declararam guerra aos otomanos para recuperar o território.
  • Quatro estados balcânicos derrotaram o Império Otomano na primeira guerra; um dos quatro, a Bulgária, sofreu uma derrota na segunda guerra.
  • As tensões e conflitos são frequentemente referidos como o “barril de pólvora dos Balcãs” e tiveram implicações para além da região.
  • Houve uma série de alegações sobrepostas a territórios e esferas de influência entre as principais potências européias, como o Império Russo, o Império Austro-Húngaro, o Império Alemão e, em menor grau, o Império Otomano, o Reino Unido, e Reino da Itália.
  • As relações entre a Áustria e a Sérvia tornaram-se cada vez mais amargas e a Rússia se sentiu humilhada depois que a Áustria e a Alemanha impediram que ela ajudasse a Sérvia.
  • O barril de pólvora eventualmente “explodiu” causando a Primeira Guerra Mundial, que começou com um conflito entre a Áustria-Hungria imperial e a Sérvia pan-eslava.

 

Termos chave

  • Pan-eslavismo : Um movimento que se cristalizou em meados do século XIX, preocupado com o avanço da integridade e da unidade do povo eslavo. Seu principal impacto ocorreu nos Bálcãs, onde impérios não-eslavos – o Império Bizantino, a Áustria-Hungria, o Império Otomano e Veneza – haviam governado os eslavos do Sul durante séculos.
  • Bálcãs : Uma península e uma área cultural no sudeste da Europa, com fronteiras variadas e disputadas. A região leva o nome das Montanhas dos Balcãs que se estendem da fronteira entre a Sérvia e a Bulgária até o Mar Negro. Conflitos aqui foram um importante fator contribuinte para o surto da Primeira Guerra Mundial.
  • irredentismo : Qualquer movimento político ou popular que pretenda recuperar e reocupar uma área “perdida” ou “não-resgatada”; reivindicações territoriais são justificadas com base em afiliações nacionais e históricas (uma área anteriormente pertencente a esse estado) ou étnicas (uma área habitada por aquela nação ou grupo étnico) reais ou imaginárias. É frequentemente defendido por movimentos nacionalistas e pan-nacionalistas e tem sido uma característica da política de identidade e da geografia cultural e política.

O “barril de pólvora dos Balcãs”, também chamado de “barril de pólvora da Europa”, refere-se aos Bálcãs no início do século 20 que antecedeu a Primeira Guerra Mundial. Houve uma série de reivindicações sobrepostas aos territórios e esferas de influência entre os principais Poderes europeus, como o Império Russo, o Império Austro-Húngaro, o Império Alemão e, em menor grau, o Império Otomano, o Reino Unido e o Reino da Itália.

Além das ambições e interesses imperialistas nessa região, houve um crescimento do nacionalismo entre os povos indígenas, levando à formação dos estados independentes da Grécia, Sérvia, Montenegro, Bulgária, Romênia e Albânia.

Dentro dessas nações, houve movimentos para criar nações “maiores”: ampliar as fronteiras do estado além daquelas áreas onde a maioria dos grupos étnicos nacionais eram majoritariamente chamadas de irredentismo. Isso levou ao conflito entre as nações recém-independentes e o império do qual se dividiram, o Império Otomano. Além disso, levou a diferenças entre as nações dos Bálcãs que desejavam ganhar território às custas de seus vizinhos. Tanto o conflito com o Império Otomano quanto entre as nações balcânicas levaram às Guerras dos Bálcãs, discutidas abaixo.

De outra forma, a ideologia do pan-eslavismo nos Bálcãs ganhou popularidade; o movimento construído em torno dele na região procurou unir todos os eslavos dos Bálcãs em uma única nação, a Iugoslávia. Isso, no entanto, exigiria a união de vários estados e territórios balcânicos que faziam parte da Áustria-Hungria. Por essa razão, o pan-eslavismo sofreu forte oposição da Áustria-Hungria, ao mesmo tempo em que foi apoiado pela Rússia, que se considerava líder de todas as nações eslavas.

Para complicar as coisas, nos anos anteriores à Primeira Guerra Mundial, existia um emaranhado de alianças da Grande Potência, tanto formal quanto informal, pública e secreta. Após as Guerras Napoleônicas, existia um “equilíbrio de poder” para evitar grandes guerras. Essa teoria sustentava que combinações opostas de poderes na Europa seriam equilibradas, implicando que qualquer guerra geral seria custosa demais para se arriscar a entrar. Este sistema começou a desmoronar à medida que o Império Otomano, visto como um controle do poder russo, começou a desmoronar, e como a Alemanha, uma confederação frouxa de estados menores, se uniu em uma grande potência. Essas mudanças não apenas conduziram a um realinhamento de poder, mas também de interesses.

Todos esses fatores e muitos outros conspiraram para provocar a Primeira Guerra Mundial. Como é insinuado pelo nome “o barril de pólvora da Europa”, os Bálcãs não foram a principal questão em jogo na guerra, mas foram o catalisador que levou à conflagração. O chanceler da Alemanha no final do século XIX, Otto von Bismarck, previu corretamente que seria a fonte de um grande conflito na Europa.

O barril de pólvora “explodiu” causando a Primeira Guerra Mundial, que começou com um conflito entre a Áustria-Hungria imperial e a Sérvia pan-eslava.

Um desenho animado mostrando a Alemanha, a França, a Rússia, a Áustria-Hungria e a Grã-Bretanha tentando manter a tampa no caldeirão fervente das tensões imperialistas e nacionalistas nos Bálcãs para impedir uma guerra geral na Europa.

Um desenho animado mostrando a Alemanha, a França, a Rússia, a Áustria-Hungria e a Grã-Bretanha tentando manter a tampa no caldeirão fervente das tensões imperialistas e nacionalistas nos Bálcãs para impedir uma guerra geral na Europa.

Guerras dos Balcãs

O contínuo colapso do Império Otomano levou a duas guerras nos Bálcãs, em 1912 e 1913, que foi um prelúdio para a guerra mundial. Em 1900, os estados-nação haviam se formado na Bulgária, na Grécia, no Montenegro e na Sérvia. No entanto, muitos de seus compatriotas étnicos viviam sob o controle do Império Otomano. Em 1912, esses países formaram a Liga dos Balcãs. Houve três causas principais da Primeira Guerra dos Balcãs. O Império Otomano foi incapaz de se reformar, governar satisfatoriamente ou lidar com o crescente nacionalismo étnico de seus diversos povos. Em segundo lugar, as grandes potências brigavam entre si e não conseguiam garantir que os otomanos realizassem as reformas necessárias. Isso levou os estados dos Bálcãs a imporem sua própria solução. Mais importante ainda, os membros da Liga dos Balcãs estavam confiantes de que poderia derrotar os turcos,

A Primeira Guerra dos Bálcãs eclodiu quando a Liga atacou o Império Otomano em 8 de outubro de 1912 e foi encerrada sete meses depois pelo Tratado de Londres. Depois de cinco séculos, o Império Otomano perdeu virtualmente todas as suas posses nos Bálcãs. O Tratado havia sido imposto pelas grandes potências, insatisfando os vitoriosos Estados dos Bálcãs. A Bulgária estava insatisfeita com a divisão dos espólios na Macedônia, feita em segredo por seus antigos aliados, Sérvia e Grécia, e atacou para forçá-los a sair da Macedônia, iniciando a Segunda Guerra dos Balcãs. Os exércitos sérvio e grego repeliram a ofensiva búlgara e contra-atacaram a Bulgária, enquanto a Romênia e o Império Otomano também atacaram a Bulgária e conquistaram (ou recuperaram) territórios. No resultante Tratado de Bucareste, a Bulgária perdeu a maior parte dos territórios conquistados na Primeira Guerra dos Balcãs.

O resultado a longo prazo foi o aumento da tensão nos Bálcãs. As relações entre a Áustria e a Sérvia tornaram-se cada vez mais amargas. A Rússia se sentiu humilhada depois que a Áustria e a Alemanha a impediram de ajudar a Sérvia. A Bulgária e a Turquia também estavam insatisfeitas e acabaram se juntando à Áustria e à Alemanha na Primeira Guerra Mundial.

Leitura sugerida:

Balkan_troubles1.jpg. Fornecido por : Wikipedia. Localizado em : https://en.wikipedia.org/wiki/Balkan_Wars#/media/File:Balkan_troubles1.jpg .

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar