História

O marco internacional no século XXI – Nova ordem mundial

Embora as relações internacionais no século XXI sejam cada vez mais caracterizadas pela formação de instituições internacionais e regionais, sua efetividade ao lado das ações soberanas dos Estados tem sido questionada.

O início do século 21 tem sido marcado pela ascensão de uma economia global e do consumismo no Terceiro Mundo, a desconfiança no governo, o aprofundamento da preocupação global com o terrorismo e o aumento do poder da iniciativa privada.

Os Estados Unidos surgiram como a única superpotência após a Guerra Fria, mas a China iniciou simultaneamente sua ascensão e os países do BRICS visaram criar mais equilíbrio no espectro político e econômico global.

Após a Guerra Fria, a ONU viu uma expansão radical em suas tarefas de manutenção da paz, assumindo mais missões em dez anos do que nas quatro décadas anteriores.

Embora a Carta da ONU tenha sido escrita principalmente para evitar a agressão de uma nação contra outra, no início dos anos 90 a ONU enfrentou várias crises graves e simultâneas em países como a Somália, Haiti, Moçambique e a ex-Iugoslávia que testaram seus princípios fundadores. e eficácia institucional.

A Organização Mundial do Comércio (OMC) é uma organização intergovernamental que regula o comércio internacional. Devido a um impasse nas negociações dentro da OMC entre países desenvolvidos e em desenvolvimento, tem havido um número crescente de acordos bilaterais de livre comércio entre governos.

O renovado interesse acadêmico no regionalismo, o surgimento de novas formações regionais e acordos comerciais internacionais, como o NAFTA e o desenvolvimento de um Mercado Único Europeu, demonstram a importância crescente da cooperação política regional e da competitividade econômica.

Termos chave

  • BRICS : O acrônimo costumava se referir a uma associação de cinco grandes economias emergentes: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.
  • Curto Século XX : Originalmente proposto por Ivan Berend da Academia Húngara de Ciências, mas definido por Eric Hobsbawm, um historiador marxista britânico e autor, este termo refere-se ao período entre 1914 e 1991, o início da Primeira Guerra Mundial e a queda do União Soviética.
  • Medidas de fortalecimento da confiança e da segurança : Ações tomadas para reduzir o medo de ataques de duas ou mais partes em situação de tensão com ou sem conflito físico. Medidas de fortalecimento da confiança e segurança surgiram das tentativas das superpotências da Guerra Fria e suas alianças militares (a Organização do Tratado do Atlântico Norte e o Pacto de Varsóvia) para evitar a guerra nuclear por acidente ou erro de cálculo. No entanto, essas medidas também existem em outros níveis de conflito e em diferentes regiões do mundo.

O início do século 21 tem sido marcado pela ascensão de uma economia global e do consumismo no Terceiro Mundo, a desconfiança no governo, o aprofundamento da preocupação global com o terrorismo e o aumento do poder da iniciativa privada.

Os efeitos a longo prazo do aumento da globalização são desconhecidos, mas há muitos que estão preocupados com suas implicações. A Primavera Árabe do início de 2010 levou a resultados mistos no mundo árabe. A Revolução Digital, que começou por volta dos anos 80, continua até o presente. Millennials e Geração Z estão amadurecendo e ganhando destaque durante este século também.

Leia também:

Na história contemporânea, o século 21 começou essencialmente em 1991 (o fim do curto século XX) com os Estados Unidos como a única superpotência na ausência da União Soviética, enquanto a China iniciava sua ascensão e os países do BRICS buscavam criar mais equilíbrio no espectro político e econômico global.

imagem

Países do BRICS: Países destacados em verde incluem todos os países do BRICS: Brasil, Rússia, Índia, República Popular da China e África do Sul.

Nações Unidas

Após a Guerra Fria, a ONU viu uma expansão radical em suas tarefas de manutenção da paz, assumindo mais missões em dez anos do que nas quatro décadas anteriores. Entre 1988 e 2000, o número de resoluções adotadas pelo Conselho de Segurança mais do que dobrou, e o orçamento de manutenção da paz aumentou mais de dez vezes.

A ONU negociou o fim da Guerra Civil salvadorenha, lançou uma missão bem-sucedida de manutenção da paz na Namíbia e supervisionou eleições democráticas na África do Sul pós-apartheid e no pós-Khmer Vermelho no Camboja. Em 1991, a ONU autorizou uma coalizão liderada pelos EUA que repeliu a invasão iraquiana do Kuwait. Brian Urquhart, subsecretário-geral de 1971 a 1985, depois descreveu as esperanças levantadas por esses sucessos como um “falso renascimento” para a organização, dadas as missões mais conturbadas que se seguiram.

Embora a Carta da ONU tenha sido escrita principalmente para evitar a agressão de uma nação contra outra, no início da década de 1990 a ONU enfrentou várias crises graves e simultâneas em países como a Somália, Haiti, Moçambique e a ex-Iugoslávia.

A missão da ONU na Somália foi amplamente vista como um fracasso após a retirada dos EUA após as baixas na Batalha de Mogadíscio, e a missão da ONU na Bósnia enfrentou “ridicularização mundial” por sua missão indecisa e confusa diante da limpeza étnica. Em 1994, a Missão de Assistência da ONU para Ruanda não conseguiu intervir no genocídio de Ruanda em meio à indecisão no Conselho de Segurança.

Começando nas últimas décadas da Guerra Fria, os críticos americanos e europeus da ONU condenaram a organização pela má gestão e corrupção. Em 1984, o presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan, retirou o financiamento de seu país da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, fundada em 1946) por alegações de má administração, seguidas pela Grã-Bretanha e Cingapura.

Boutros-Ghali, secretário-geral da ONU de 1992 a 1996, iniciou uma reforma da Secretaria, reduzindo o tamanho da organização. Seu sucessor, Kofi Annan (1997-2006), iniciou novas reformas administrativas diante das ameaças dos Estados Unidos de suspender suas dívidas da ONU.

No final dos anos 1990 e 2000, as intervenções internacionais autorizadas pela ONU assumiram uma variedade maior de formas. A missão da ONU na Guerra Civil de Serra Leoa de 1991-2002 foi complementada pelos fuzileiros navais britânicos e a invasão do Afeganistão em 2001 foi supervisionada pela OTAN. Em 2003, os Estados Unidos invadiram o Iraque apesar de não aprovarem uma resolução do Conselho de Segurança da ONU para autorização, provocando uma nova rodada de questionamentos sobre a eficácia da organização. Sob o oitavo secretário-geral, Ban Ki-moon, a ONU interveio com forças de paz em crises, incluindo a Guerra em Darfur, no Sudão, e o conflito de Kivu, na República Democrática do Congo. Durante esse período, a ONU também enviou observadores e inspetores de armas químicas à Síria durante sua guerra civil. Em 2013,

A Cúpula do Milênio foi realizada em 2000 para discutir o papel da ONU no século XXI. O encontro de três dias foi o maior encontro de líderes mundiais na história e culminou na adoção por todos os Estados membros dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs), um compromisso para alcançar o desenvolvimento internacional em áreas como redução da pobreza, igualdade de gênero e saúde.

O progresso em direção a essas metas, que deveriam ser atingidas até 2015, era basicamente desigual. A Cúpula Mundial de 2005 reafirmou o foco da ONU na promoção do desenvolvimento, manutenção da paz, direitos humanos e segurança global. Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável foram lançados em 2015 para suceder os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

Além de enfrentar os desafios globais, a ONU buscou melhorar sua responsabilidade e legitimidade democrática, envolvendo-se mais com a sociedade civil e promovendo um público global. Para aumentar a transparência, a ONU realizou o primeiro debate público entre os candidatos a Secretário-Geral em 2016.

Em 1 de janeiro de 2017, o diplomata português António Guterres, que anteriormente serviu como Alto Comissário das Nações Unidas para Refugiados, tornou-se o nono secretário-geral. Guterres destacou vários objetivos-chave para sua administração, incluindo uma ênfase na diplomacia para a prevenção de conflitos, esforços de manutenção da paz mais eficazes e a organização mais ágil e versátil para as necessidades globais.

Organização Mundial do Comércio

imagem

Membros da OMC e observadores: Os países verdes são membros, os países azuis são membros que são representados duplamente pela União Européia, os países amarelos são observadores e os países vermelhos são não-membros.

A Organização Mundial do Comércio (OMC) é uma organização intergovernamental que regula o comércio internacional. A OMC começou oficialmente em 1º de janeiro de 1995, sob o Acordo de Marrakesh assinado por 123 nações em 15 de abril de 1994, substituindo o Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT), iniciado em 1948.

A OMC trata da regulamentação do comércio entre participantes proporcionando um quadro para a negociação de acordos comerciais e um processo de resolução de litígios destinado a reforçar a adesão dos participantes aos acordos da OMC, que são assinados por representantes dos governos membros e ratificados pelas suas legislaturas. A maioria das questões que a OMC foca deriva de negociações comerciais anteriores, especialmente da Rodada Uruguai (1986-1994).

A OMC está tentando concluir as negociações sobre a Rodada de Desenvolvimento de Doha, que foi lançada em 2001 para reduzir as barreiras comerciais ao redor do mundo com um foco explícito em facilitar a disseminação dos benefícios do comércio global para os países em desenvolvimento.

O conflito entre o livre comércio de bens e serviços industriais, mas a retenção do protecionismo nos subsídios agrícolas para o setor agrícola doméstico dos países desenvolvidos e a justificação do comércio justo sobre produtos agrícolas (solicitado pelos países em desenvolvimento) continuam sendo os principais obstáculos. Este impasse tornou impossível o lançamento de novas negociações na OMC além da Rodada de Desenvolvimento de Doha. Como resultado, tem havido um número crescente de acordos bilaterais de livre comércio entre os governos. Adoção da Declaração Ministerial de Bali, que pela primeira vez abordou com sucesso as barreiras burocráticas ao comércio, aprovadas em 7 de dezembro de 2013, avançando uma pequena parte da agenda da Rodada de Doha. No entanto, a partir de janeiro de 2014, o futuro da Rodada Doha permanece incerto.

Integração regional

A integração regional é um processo pelo qual os estados vizinhos entram em acordos para melhorar a cooperação através de instituições e regras comuns. Os objetivos do acordo podem variar de econômico a político e ambiental, embora tenha tipicamente assumido a forma de uma iniciativa de economia política na qual os interesses comerciais são o foco para a consecução de objetivos sociopolíticos e de segurança mais amplos, conforme definido pelos governos nacionais. A integração regional foi organizada através de estruturas institucionais supranacionais, tomadas de decisões intergovernamentais ou uma combinação de ambas.

Esforços anteriores de integração regional freqüentemente se concentraram na remoção de barreiras ao livre comércio dentro das regiões, aumentando a livre circulação de pessoas, trabalho, bens e capital através das fronteiras nacionais, reduzindo a possibilidade de conflitos armados regionais (por exemplo, confiança e segurança). medidas de construção), e adotando posições regionais coesivas sobre questões políticas, tais como meio ambiente, mudanças climáticas e migração.

Desde os anos 1980, a globalização mudou o ambiente econômico internacional para o regionalismo. O renovado interesse acadêmico no regionalismo, o surgimento de novas formações regionais e acordos comerciais internacionais como o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA) eo desenvolvimento de um Mercado Único Europeu demonstram a importância da cooperação política regional e da competitividade econômica.

A União Africana foi lançada em 9 de julho de 2002, e uma proposta para uma região norte-americana foi feita em 2005 pelo Grupo de Trabalho Independente do Conselho de Relações Exteriores sobre o Futuro da América do Norte. Na América Latina, no entanto, a proposta de estender o NAFTA a uma Área de Livre Comércio das Américas que se estenderia do Alasca à Argentina foi rejeitada por países como Venezuela, Equador e Bolívia.

O regionalismo contrasta com a regionalização, que é, de acordo com a Nova Abordagem Regionalista, a expressão do aumento de transações comerciais e humanas em uma região geográfica definida. O regionalismo refere-se a um processo político intencional, tipicamente liderado por governos com objetivos e valores similares, em busca do desenvolvimento geral dentro de uma região. A regionalização, no entanto, é simplesmente a tendência natural de formar regiões, ou o processo de formação de regiões, devido a similaridades entre estados em um determinado espaço geográfico.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close